Revista GGN

Assine

As críticas à lei da delação premiada

Da Folha

Advogados criticam lei que incentiva delação de crimes

MATHEUS LEITÃO
ANDREZA MATAIS

Treze anos depois que a legislação brasileira passou a prever a delação premiada, alguns dos principais criminalistas do país se recusam a aceitar clientes que denunciam esquemas criminosos.

A legislação estimula criminosos a colaborar com investigações criminais em troca de benefícios como redução da pena em até dois terços e até o perdão judicial.

"Eu não trabalharia para ninguém que fizesse a delação", afirma o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, que tem entre seus clientes governadores e parlamentares. "Não sou do Ministério Público e não sou polícia."

O caso mais notório de delação premiada no Brasil permitiu comprovar o envolvimento do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda e de dezenas de políticos no esquema de corrupção conhecido como mensalão do DEM, no fim de 2009.

O ex-secretário do governo Durval Barbosa filmou durante meses encontros em que distribuiu propina aos políticos beneficiados pelo esquema, e depois entregou o material às autoridades.

Barbosa obteve nove perdões judiciais, oito na área criminal e um na cível, por ter colaborado com a investigação. "O caso é sem precedentes no Brasil e desafiador", diz a advogada Margareth Almeida, que defende Barbosa.

O desembargador George Lopes Leite, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, escreveu que concedeu os perdões para incentivar "a delação premiada de organizações que não possam ser alcançadas pelos sistemas tradicionais de investigação".

TRAIÇÃO

Para o ex-ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos, o Estado não deveria incentivar alguém a trair seus pares, mesmo que para denunciar um esquema criminoso.

"Não gosto da instituição da delação premiada. Mexe com os piores instintos do ser humano", afirma Thomaz Bastos, que no ano passado defendeu o ex-executivo do Banco Rural José Roberto Salgado, um dos condenados no julgamento do mensalão.

O doleiro Lucio Bolonha Funaro, dono de uma empresa que repassou recursos do mensalão, foi excluído do processo após concordar em colaborar com a Procuradoria-Geral da República.

Outros advogados que atuaram no caso criticam o instituto da delação premiada por considerá-lo ineficaz. "Quem troca a liberdade vai dizer o que quer que digam", afirma Arnaldo Malheiros, que defende o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares.

O advogado José Luís de Oliveira Lima, que defende o ex-ministro José Dirceu no mensalão, também considera a eficácia da lei duvidosa. "Procuro não atuar [com o instrumento]", diz. "Não é algo com que me sinta confortável."

Para o desembargador Fausto De Sanctis, do Tribunal Regional Federal de São Paulo, que já homologou diversos acordos de delação premiada, a resistência dos advogados tem outra razão. "A opção pela não delação passa a ser vantajosa porque sabe-se que, de alguma forma, o processo criminal não vai ser eficaz", afirma.

Há dezenas de projetos no Congresso para reformar a legislação sobre o tema. O mais avançado está em discussão no Senado e cria mecanismos que podem incentivar os acordos com os delatores.

Se o projeto for transformado em lei, na maioria dos casos caberá aos juízes apenas homologar os acordos feitos pelo Ministério Público, sem que possam rejeitá-los como hoje, e réus poderiam se tornar colaboradores mesmo após a sentença judicial.

Sem votos

Recomendamos para você

31 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+31 comentários

Sobre o "delator"  Lucio Bolonha Funaro, saiba quem é a figura e pq ele foi excluido do processo do "mensalão":

Doleiro da Veja abre a "caixa de pandora" de José Serra, por José Augusto, no blog Os Amigo s do Presidente Lula Em primeira mão no blog Os Amigos do Presidente Lula em 15/03/2010 às 12:40
A revista Veja, ao recorrer ao "doleiro" Lucio Bolonha Funaro, abre a caixa de pandora que ronda perigosamente José Serra (PSDB/SP), através das relações com o banqueiro tucano Luiz Carlos Mendonça de Barros.

Lucio Funaro aparece na CPI dos Correios em uma operação que deu prejuízo de R$ 32 milhões ao Banco do Brasil, mas quem aparece ganhando na outra ponta foi a corretora Link, dos filhos de Luiz Carlos Mendonça de Barros.

José Serra e Mendonça de Barros eram tão próximos que, quando Serra era Ministro do Planejamento de FHC, em 1995, nomeou-o presidente do BNDES, declarando "Luiz Carlos ... é uma figura em quem confio sem nenhuma restrição":


Na presidência do BNDES, Mendonça de Barros foi um verdadeiro "sócio" e escudeiro de José Serra na empreitada das privatizações, onde articulava ativamente a montagem dos consórcios privados junto aos fundos de pensão que disputavam os leilões de privatização.

Mendonça foi para o BNDES, saindo da sociedade com André Lara Rezende no Banco Matrix. Segundo o Terra Magazine, o jornalista Luís Nassif viu, em seu livro "Os cabeça de planilha", uma ação deliberada dos formuladores e implementadores do plano Real, na valorização frente ao dolar, com o objetivo de beneficiar a si próprios e a aliados:"Eles tomaram um conjunto de medidas técnicas cuja única lógica foi permitir enormes ganhos para quem sabia para onde o câmbio ia caminhar. E o grande vitorioso desse período é o André Lara Resende, que é um dos formuladores dessa política cambial... O banco Matrix ganhou centenas de milhões de dólares naquele período. O Matrix é do André Lara Resende.", disse Nassif ao Terra Magazine.  

Nassif não citou Luiz Carlos Mendonça de Barros, mas ele era sócio fundador do Matrix, desde 1993, saindo da sociedade apenas ao final de 1995, para assumir o BNDES, nomeado por Serra.

Em meio a essa teia de relacionamento da política demo-tucana com o mercado financeiro, eis que surge o depoimento de Lucio Bolonha Funaro na CPI dos Correios, em 08 de março de 2006:

SR. LÚCIO BOLONHA FUNARO: ... a imprensa, ela não tem o intuito de ir a fundo nas investigações, prova disso é o que aconteceu com essa REVISTA ÉPOCA. Numa operação que eu fiz de swap, eu ganho 700 mil reais e sai estampada a minha cara em três páginas da revista; a LINK ganha 31 milhões e 300 mil reais e ele não fala nada, ele fala só de mim.

...Por que o cliente da LINK, e quem é o cliente da LINK, aceitou pagar essa diferença tão grande, nós só vamos poder saber de uma maneira: Quebrando o sigilo da LINK e vendo quem é a ponta final.

... Com operação desse tipo, que dá 32 milhões de prejuízo para a BANCO DO BRASIL... Desses 32 milhões, eu fiquei com 0,25%, um spread perfeitamente aceitável para o tamanho da operação. A LINK ganhou o grosso.

... eu ganhei 0,30, que foi 750 mil reais que o Senhor apurou; 750 mil reais para 33 milhões de reais. Isso aí foi tudo transacionado dentro da LINK, eu não sei quais foram as taxas que foram praticadas no mercado daquele dia. O que tem que se apurar é isso e apurar quem é a ponta final da Link, porque sem a gente saber quem é a ponta final, não dá para saber o que aconteceu.

Lembrando que, a LINK é a corretora dos filhos de Luiz Carlos Mendonça de Barros.

O relatório final da CPMI “dos Correios”, Volume III - Pág. 1504, cita a LINK:

"Em um dos seus mais notórios envolvimentos com empresas estatais, o Sr. Lúcio Bolonha Funaro figurou como contraparte em operações de SWAP frente ao Banco do Brasil, cujo resultado foi um prejuízo de R$ 32 milhões para o Banco e ganho de R$ 656 mil para o Sr. Lúcio Bolonha Funaro, sendo que mais de R$ 30 milhões foram transferidos para a Link Derivativos."

O objetivo da revista Veja é requentar episódios do "mensalão" de Roberto Jefferson. Na falta de escândalo novo, requenta-se os velhos para ajudar a candidatura de Serra. Mas a revista está, sem querer, abrindo a caixa de pandora de José Serra.

Três CPI's e o Ministério Público investigaram exaustivamente os envolvidos do PT no "mensalão" de Roberto Jefferson. Na hora em que as investigações começavam a se direcionar para os demo-tucanos, eram abafadas. Por isso, onde haverá novidades quando se requenta o assunto é justamente nas partes que não foram exaustivamente investigadas ainda, e que atingem em cheio os demo-tucanos ligados a José Serra e FHC.

O rombo de R$ 32 milhões no Banco do Brasil, que foi parar na corretora Link é um bom começo para retomar de onde parou. O sub-relator da CPMI dos Correios, ACM Neto, foi com sede ao pote acreditando que esse dinheiro faria parte do "mensalão" de Roberto Jefferson. Receberam uma ducha de água fria ao descobrirem que foi parar na corretora dos filhos do banqueiro tucano Mendonça de Barros. 

Para que mãos finais foi esse dinheiro? Até hoje não está esclarecido.

Mais coincidências:

Lucio Bolonha Funaro é sobrinho do ex-ministro da fazenda Dilson Funaro (governo Sarney), que fez o plano cruzado. Era ligado aos tucanos paulistas (na época todos ainda estavam no PMDB).

Luiz Carlos Mendonça de Barros foi levado para a diretoria do Banco Central por Dilson Funaro, na época do Plano Cruzado.

 

 

...spin

 

 

Daniel Dantas é fichinha diante de Lúcio Bolonha Funaro e, tucano que é, complicaria a vida de Serra e outros tucanos, por isso a PGR cuido de beneficiá-lo com a lei do dedo duro, isso a Folha escondeu!

 

Toda e qualquer notícia que envolve o "mensalão" dever ser verificada para ver se é verdade. Por isso recorri ao Google para saber quem é Lúcio Bolonha Funaro. Cai de costas quando li os primeiros links, tem mais mais não dei conta, trata-se de uma figura que esta no mesmo patamar de Daniel Dantas e Naji Nahas em termos de falcatruas e de proximidade com os tucanos, estando implicado em casos escabrosos, como o caso Banestado, um caso que diz respeito a uma roubalheira de mais de 25 bilhões de reais tudo na Era FHC, agora vc entendeu pq ele foi excluido do processo do "mensalão":

http://www.fazenda.gov.br/resenhaeletronica/MostraMateria.asp?page=&cod=252025



http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2010/03/doleiro-da-veja-abre-caixa-de-pandora.html


http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDR71851-6009,00.html

[DOC]


http://portal.rac.com.br/blog/39798/22/zeza-amaral/a-vanguarda-do-atraso.html


relatório parcial de interceptação telefônica - LulzSecBrazil

lulzsecbrazil.org/policia-federal/01/Export/5850.doc

Formato do arquivo: Microsoft Word - Visualização rápida

Sendo que LÚCIO BOLONHA FUNARO combinou de encontrar-se com NAHAS na ....Identificou-se a pessoa de LÚCIO BOLONHA FUNARO, como principal ...

http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2012/08/12/interna_politica,311380/advogados-reclamam-de-nomes-nao-citados-na-denuncia-do-mensalao.shtml


http://www.cvm.gov.br/port/inqueritos/2012/rordinario/inqueritos/13-2005a-Prece.asp

 

 

...spin

 

 

Ai esta, gente!  Eh GI GO LA GEM ou nao eh?

Beneficiou somente a extrema direita ou nao?

Pois eh...  essa eh a "delacao premiada" mesmo.

 

Então Ivan, agora vou virar spin delator profissional que nem o Funaro, vou pintar e bordar e, na hora que a coisa chegar ao tribinunais vou me apresentar como delator(claro, apenas contra o PT) ai salvo minha pele, que pais fodido esse nosso heim gente, essa trinca pig-Gurgel-Barbosa vai longe:

domingo, 14 de março de 2010Lúcio Funaro, um doleiro do Bem?, por Chicão dois Passos, no Blog do Chicão .

O novo herói da revista Veja chama-se Lucio Funaro. É apresentado como investidor muito capaz.

Ele fazia maracutaia para um deputado de SP, do partido republicano. Foi pego no mensalão, fez acordo de deleção premiada.

O cara, na realidade é um doleiro, ANTES esteve envolvido no escândalo do Banestado.

Depois... reincidiu de novo. A polícia federal tentou prender o doleiro Lucio Funaro durante a operação Satiagraha. Ele FUGIU, depois o Gilmar Mendes concedeu habeas corpus.

"Os outros quatro estavam foragidos (Fernando Naji Nahas, filho do investidor, e os doleiros Miguel Jurno Neto, Marco Ernest Matalon e Lucio Funaro)".http://oglobo.globo.com/economia/mat/2008/07/10/daniel_dantas_volta_ser_preso_gilmar_mendes_concede_habeas_corpus_naji_nahas_celso_pitta_mais_nove_pessoas-547191851.asp

Hoje responde em liberdade. 

Este é o investidor que a revista Veja faz questão de esconder a maior parte do passado SUJO.

No blog do Luis Nassif você encontra este texto fantástico:

Para entender a capa da Veja
http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2010/03/14/para-entender-a-capa-da-veja/#comments

Todo cuidado é pouco com estas acusações da revista Veja. http://chicaodoispassos.blogspot.com.br/2010/03/lucio-funaro-um-doleiro-do-bem.html

 

 

...spin

 

 

A delação premiada é um intituto válido, desde que sejam impostos alguns requisitos: o delator tem que apontar o comparsa na primeira oportunidade que apresentar-se à polícia, requerendo a presença do Ministério Público para fazer o acordo da delação, não como fez o Marcos Valério, que só pôs a boca no mundo, quando se viu condenado a mais de 40 anos de reclusão; o delator tem que passar pelo crivo do contraditório, para seu ato valer como início de prova.

Aliás, muito antes de se falar sobre delação premiada, se, em Juízo, o acusado apontasse um comparsa como co-autor ou partícipe de um crime, o STF decidiu que esse acusado devia ser ouvido como testemunha do Juízo e submetido ao contraditório.

Assim, entendo que se não houver os cuidados acima apontados, a delação premiada deixa de ser um instituto jurídico e passa a ser uma simples alcagoetagem.

 

Estava me lembrando de Delúbio, do Land Rover.

Fez a delação premiada e ninguém fala mais dele.

Afinal que mal faz em ganhar um carro para fazer os seus trabalhos, que mal faz Aécio ganhar os dele.

Ou como disse um ex-senador: -  vôo no jatinho porque ele é meu.

Afinal, tudo é igual, é do sistema, e sem essas vicissitudes fica impossível se governar.

Dirão alguns.

 

Para pensar, de Cesare Beccaria -Dos delitos e das penas: http://www.oab.org.br/editora/revista/revista_08/e-books/dos_delitos_e_d...

IX. DAS ACUSAÇÕES SECRETAS
AS acusações secretas são um abuso manifesto, mas consagrado e tornado necessário
em vários governos, pela fraqueza de sua constituição. Tal uso torna os homens falsos e
pérfidos. Aquele que suspeita um delator no seu concidadão vê nele logo um inimigo.
Costumam, então, mascarar-se os próprios sentimentos; e o hábito de ocultá-los a
outrem faz que cedo sejam dissimulados a si mesmo.
Como os homens que chegaram a esse ponto funesto são dignos de piedade!
Desorientados, sem guia e sem princípios estáveis, vagam ao acaso no vasto mar da
incerteza, preocupados exclusivamente em escapar aos monstros que os ameaçam. Um
futuro cheio de mil perigos envenena para eles os momentos presentes. Os prazeres
duráveis da tranqüilidade e da segurança lhes são desconhecidos. Se gozaram.,
apressadamente e na confusão, de alguns instantes de felicidade espalhados aqui e ali
sobre o triste curso de sua desgraçada vida, bastarão para consolá-los de ter vivido?
Será entre tais homens que encontraremos soldados intrépidos, defensores da pátria e do
trono? Acharemos entre eles magistrados incorruptíveis, que saibam sustentar e
desenvolver os verdadeiros interesses do soberano, com uma eloqüência livre e
patriótica, que deponham ao mesmo tempo aos pés do monarca os tributos e as bênçãos
de todos os cidadãos, que levem ao palácio dos grandes e ao humilde teto do pobre a
segurança, a paz, a confiança, e que dêem ao trabalho e à indústria a esperança de uma
sorte cada vez mais doce?... É sobretudo este último sentimento que reanima os Estados
e lhes dá uma vida nova.
Quem poderá defender-se da calúnia, quando esta se arma com o escudo mais sólido da
tirania: o sigilo?...
Miserável governo aquele em que o soberano suspeita um inimigo em cada súdito e se
vê forçado, para garantir a tranqüilidade pública, a perturbar a de cada cidadão!
Quais são, pois, os motivos sobre os quais se apoiam os que justificam as acusações e as
penas secretas? A tranqüilidade pública? A segurança e a manutenção da forma de
governo? É mister confessar que estranha constituição é aquela em que o governo, que
tem por si a força e a opinião, ainda mais poderosa do que a força, parece todavia temer
cada cidadão!
Receia-se que o acusador não esteja em segurança? As leis são, então, insuficientes para
defendê-lo, e os súditos são mais poderosos do que o soberano e as leis.
Desejar-se-ia salvar o delator da infâmia a que se expõe? Seria, então, confessar que se
autorizam as calúnias secretas, mas que se punem as calúnias públicas.
Apoiar-se-ão na natureza do delito? Se o governo for bastante infeliz para considerar
como crimes certos atos indiferentes ou mesmo úteis ao público, terá razão: as
acusações e os julgamentos, nesse caso, jamais seriam bastante secretos.
Pode haver, porém, um delito, isto é, uma ofensa à sociedade, que não seja do interesse
de todos punir publicamente? Respeito todos os governos; não falo de nenhum em
particular e sei que há circunstâncias em que os abusos parecem de tal modo inerentes à
constituição de um Estado, que não parece possível

 

Todo mundo se lembra do video (abaixo, sem o final).

Niinguem sabe ate hoje que a confissao do denunciante chegou mais de 20 anos depois:  era delacao premiada e ele mentiu pra salvar a propria pele.

Delacao premiada ja teve algum merito, tenho certeza, mas virou o que virou, GIGOLAGEM legalizada.  Eu conheco gigolagem, eu tenho experiencia com gigolagem:  sou monitorado 24 horas por dia ate mesmo pra dormir, como voces viram no Fora de Pauta de hoje.

GI GO LA GEM.  So isso.

http://www.youtube.com/watch?v=UT8lW73jexU

 

Nassif, meu pedido de 4 horas atraz nao foi publicado no FdP.  Nao, nao vai adiantar nao.  Eh impossivel me convencer que eu nao estou vendo o que estou vendo.

Estou sendo gigolado 24 horas por dia, gente, ate na hora de dormir.

Se nao eh em publico que eu vou pedir ajuda, eh aonde, Nassif?

 

advogado tem que achar ruim, seu ganha pão é fazer o cliente ficar calado. se o cara abre a boca daí fica mais dificil defender o cliente.

recurso hábil e preciso, se o cidadão está arrependido, nada mais justo que colaborar com a eliminação do malfeito para tirar o peso das suas costas.

agora se a justiça faz uso errado desta ferramenta, o problema é da justiça não da ferramenta em si.

 

Brasil, há muito pra temer!

A vida é curta demais para se beber cerveja barata!!

A folha é contra a corrupção no pt, no psdb não!!!

 Frede69

Curiosa a ética dos nossos brilhantes criminalistas: não se pejam de defender assassinos, estupradores, ladrões do dinheiro público (''odiar o pecado, mas amar o pecador'', desde que este pague os honorários devidos...), mas têm muita ojeriza daqueles que delatam seus comparsas para tentar diminuir a própria pena.

 

mais curiosa é a presença dos rábulas vigiando e colocando uma estrela nos comentários contrários a profissão.  

 

Brasil, há muito pra temer!

A vida é curta demais para se beber cerveja barata!!

A folha é contra a corrupção no pt, no psdb não!!!

 Frede69

A delação premiada é a manifestação cabal da falência múltipla dos órgãos de investigação estatais. O Estado, através desses órgãos, passa anos e anos quebrando sigilos bancários, fiscais, telefônicos, telemáticos, enfim, fazendo uma verdadeira devassa na vida das pessoas e, se não encontra nada, basta que surja alguém contando estórias (para tentar livrar a própria cara) e lá vai o estado incompetente em produzir provas correndo atrás do alcaguete. Alcaguete esse que muitas vezes é orientado (por vezes até muito bem pago) por inimigos da pessoa que pretende levianamente incriminar...

A delação premiada deveria ser extinta do ordenamento jurídico nacional. A confissão também, se as pessoas soubessem quantas pessoas foram torturadas ao longo da história para "confessar" delitos de outrem, pensariam duas vezes antes de aplaudir esse instituto ultrapassado. Por fim, no Brasil de hoje está realmente tudo ao contrário. Daqui há pouco tornarão Joaquim Silvério dos Reis herói nacional e suprimirão por completo toda e qualquer referência ao nosso verdadeiro herói, Joaquim José da Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes. Não é incrível?

 

Diogo Costa

pois é, então vamos liberar já os demos de brasilia tão criticados. mais uma "vitima" da delação premiada!!

 

Brasil, há muito pra temer!

A vida é curta demais para se beber cerveja barata!!

A folha é contra a corrupção no pt, no psdb não!!!

 Frede69

A Máfia italiana foi desmantelada por delação premiada. A Máfia americana foi desmantelada por delação premiada. A quadrilha brasileira do Mensalão foi desbaratada por delação de um deputado-tenor apenas.

 

Sé é ruim para advogados, logo deve ser bom para a sociedade, simples assim.

 

Quanto mais advogados no fundo mar mais dignidade na face da terra....

 

Supõe-se que o criminoso estaria disposto a falar apenas a verdade para o Juiz e, por isso, não precisaria de advogado.

 

 

Nassif,

Ontem, por acaso toquei no assunto X-9 em comentário no post com Drauzio Varella, para criticar a vergonhosa iniciativa do tucanão de SP para coibir o ato de fumar em recintos públicos, lei que prá surtir efeito depende da colaboração de alacaguetes.

O pior de tudo foi a bovina aceitação popular para aquela aberração, uma vez que X-9 é atitude desprezível em qualquer sociedade.

Apesar de também ser identificada como X-9, as circunstâncias que motivaram este post, delação premiada, são diferentes daquela que permite multar estabelecimentos comerciais, esta última não mais do que atitude populista bastante cretina e ponto.

De acordo com o advogado Arnaldo Malheiros, "Quem troca a liberdade vai dizer o que quer que digam" me parece resumir a situação que oferece motivo para a opção pela delação premiada. Entendo que a delação premiada possa ser o único recurso possível para desvendar algumas situações criminosas, só vejo complicação na hora de identificar corretamente tais situações, pois o Judiciário, lamentavelmente, não esconde que vai e volta na questão, tudo a depender de quem está na posição de réu.

A Operação Castelo de Areia foi devidamente enterrada por um juiz que resolveu entender que o Disque-Denúncia não era válido para caracterizar o vasto rol de acusações a, naquele caso, grandes empreiteiras flagradas literalmente com a mão na massa, mas qualquer outro juiz aceita sem pestanejar a utilização do mesmíssimo expediente, Disque-Denúncia, para chegar a um ladrão de galinha ou traficante de bairro, ou seja, para o Judiciário uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.  

Esta postura volúvel, cínica, dois pesos prá oito medidas, é que me dificulta uma opinião mais firme sobre o uso ou não do instituto da delação premiada, muito embora considere o princípio da coisa desprezível.

 

Obviamente os advogados não iriam se satisfazer com esse instrumento jurídico, afinal ele diminui o leite de suas crianças!

Por outro lado, para se meter a mão em um grande pedaço de bolo, sempre vão ser necessários alguns "ajudantes", e muitas vezes esses ajudantes acabam se sentindo passados para trás, na hora de repartir o butim. E é justamente neste ponto que a delação premiada ajuda a desmantelar um desfalque, um crime, etc.

Acho que deveríamos melhorar este instituto:

a) só se aceitaria um único "delator premiado" num mesmo caso - apenas o primeiro que se apresentasse.

b) Em sendo apenas de conhecimento do juiz que investiga o caso, a identidade do delator deveria ser mantida em sigilo.

c) A redução da pena do delator deveria ser em até 90% - aceitando-se inclusive prestação de serviços comunitários.

d) A pena, digamos, "de direito" ao delator deveria ser acrescentada às penas dos que foram denunciados - seria um efeito educativo muito interessante.Também se podia confiscar bens dos apenados até o valor do prejuízo.

e) A delação premiada seria nula, caso o delator omitisse a própria culpa.

f) Como a maioria dos crimes envolve terceiros - algumas vezes conscientes de estarem participando da falcatrua, outras  não, esses também deveriam ser castigados.

Neste último caso eu me refiro por exemplo a desmanches de automóveis que aceitam carros roubados. Imagino um ladrão de carros delatando um desmanche assim.

Eu aplicaria também uma "delação premiada" para asseclas de ditadores. Supondo um país X, governado com mão de ferro por um cara qualquer, e um general - por mais sanguinário que seja - que  prende o ditador, remete-o para o Tribunal Penal Internacional (TPI) e redemocratiza o país, assim ele ficaria livre de ser julgado como membro da camarilha ditatorial.

E os ditadores de plantão já não mais saberão em quem poderiam confiar. A propósito, um padrão em que todo ditador é candidato para passar o resto de sua vida no TPI provavelmente tornaria obsoleta a "necessidade" de se invadir outros países; afinal a própria cúpula do poder, através desse delator se encarrega de reimplantar a democracia.

Claro, os "estragatistas, ops, estrategistas" do Pentágono também não iriam gostar muito desta atitude, pois a longo prazo não mais conseguirão justificar suas enormes verbas para a defesa, quer dizer, para a agressão a outros países.

 

Os advogados são contra, porque ainda não há jurispurdência amiga sobre o assunto. E eles dependem e muito da notável disposição do judiciário brasileiro para firmar jurisprudência restritiva a coleta de provas, que já está quase ao ponto de exigir que se notifique o investigado para que ele se manifeste sobre o pedido de grampo em suas ligações telefônicas.

 

    A materia é para ir montando os holfotes sobre as "denuncias" do Marcos Valerio, reparem que as criticas a eficacia da delaçâo premiada é apresentada por advogados de "mensaleiros".

    É o "esquenta" da Folha para legitimar um provavel acolhimento pelo Ministerio Publico de Minas Gerais as denuncias de Valerio contra Lula. 

 

Geraldo Siqueira

Tudo para proteger os dos andares de cima.

O dedo duro, os X9, sempre foram utilizados, com aceite da sociedade, para desvendar crimes dos da senzala..

Agora que este instrumento avança para atingir aos dos andares de cima começa a celeuma, da mesma forma como foi o uso das algemas pós Daniel Dantas.

Com os avanços dos crimes sofisticados, sem o uso deste instrumento será muito difícil pegar os do andar de cima.

 

Meu amigo,

Engana-se quem pensa que o último degrau da degradação humana é um LADRÃO. A MAIOR DEGRADAÇÃO...O FUNDO DO POÇO É UM LADRÃO TRAIDOR.

O estado tem que ter meios para investigar, e provar os crimes. MAS O ALCAGUETE, O X-9, esse não é o ladrão arrependido. Este ENTREGA A MÃE PARA SAIR ILESO. Este leva "sal a sua casa e decendência" como TRAIDOR. É a pior pecha que há. E alguns levarão para casa a "desdita".

Na União Soviética de Stalin estimulava-se a traição de pais/filhos/amigos. ISSO É O FIM DO MUNDO, porque "já que existe acordo"...crimes "são criados" para  VENDETAS, principalmente políticas, e o traidor sair ileso.

Concordo com M. T. Bastos: " é o que há de pior no ser humano". É O Judas.   

 

Até parece que estamos no Brasil. Todo mundo se omitindo em relação às responsabilidades como cidadão, e ainda criticando quem as assume.... O cara denuncia o bandido, o corrupto, e é ele é quem não presta!!!!! 

Exemplos de ditadura não valem, porque não é o que se trata aqui, e Judas foi traidor, não delator de um esquema criminoso.

 

" ainda criticando quem as assume.... O cara denuncia o bandido, o corrupto, e é ele é quem não presta!!!!! "

Denuncia o bandido quem com êle CONVIVEU E USUFRUIU DO CRIME. NINGUÉM É INOCENTE. TODOS TEEM "O RABO PRESO", PORQUE SERIAM CONFIÁVEIS ????   

 

Não distorça! Judas traiu um homem de bem, não um corrupto como ele e outros que existem por aí.

 

Udo não cadastrado,

Não distorça? Essa é muito boa, agora conta outra.

Não existe nada pior que um alcaguete, e sempre fico com o pé atrás com quem pensa diferente.

 

Qual o problema de não ser cadastrado? Quer me refutar ou me patrulhar?

 

 

Não cadastrado,

Não se faça de inocente.

A propósito, não perco tempo em patrulhar meus filhos, o que dirá em relação a quem não existe – Udo (masculino ou feminino?) deve ser tão seu nome quanto Pepsi-Cola. O mesmo para refutar.

A maioria de vocês gosta mesmo é do conforto de uma cadeira de balanço.