Revista GGN

Assine

Está instalada a Comissão da Verdade

Dilma: 'A força pode esconder a verdade, mas o tempo acaba por trazê-la à luz. E hoje esse tempo chegou'.

Por Bruno de Pierro, da Agência Dinheiro Vivo.

A presidente Dilma Rousseff empossou, na manhã desta quarta-feira 16, em Brasília, os sete integrantes da Comissão da Verdade e assinou a lei nº 12.527/2011, que garante o acesso à informação. A cerimônia contou com a participação dos ex-presidentes José Sarney, Fernado Collor, Fernando Henrique Cardoso e Lula. A nomeação dos integrantes havia sido feita por Dilma na última quinta-feira. A comissão irá investigar violações de direitos humanos e crimes políticos cometidos por agentes do Estado brasileiro entre 1946 e 1988. Os membros escolhidos diretamente pela presidente são o ex-ministro da Justiça José Carlos Dias; a psicanalista Maria Rita Kehl; o ministro do Supremo Tribunal de Justiça Gilson Dipp; o ex-procurador-geral da República Cláudio Fonteles, a advogada Rosa Maria Cardoso da Cunha; o jurista José Cavalcante Filho e o diplomata Paulo Sérgio Pinheiro.

Durante o discurso, Dilma afirmou que a escolha dos nomes não foi motivada por critérios pessoais e subjetivos, mas pela competência e preocupação de cada um com a justiça. A presidente ainda disse que o trabalho da comissão será executado com total liberdade, sem interferência do governo, “mas com todo o apoio que necessitar”. “Convidei mulheres e homens com biografia de identificação com a democracia. O país reconhecerá, nesse grupo, brasileiros que se notabilizaram pela luta a favor da democracia”.

.....O ex-ministro da Justiça José Carlos Dias declarou que a instalação da comissão significa passo relevante para a consolidação da sociedade democrática brasileira. “É o momento que objetiva reconciliação nacional sem caráter de revanchismo ou apedrejamento”. Dias ainda destacou que a comissão brasileira tem como parâmetro comissões instituídas em aproximadamente 40 países, entre eles Argentina e Guatemala. “Nesses países, o trabalho refletiu o contexto de cada sociedade. Algumas privilegiaram o pedido de desculpas; outras se empenharam em reformas e outras geraram material para garantir o processo de reparação pelo Judiciário”, explicou, concluindo que a comissão não será dona da verdade, “mas seremos seus perseguidores obstinados”.

Acesso à informação

Durante o encerramento, Dilma afirmou que a desinformação não ajuda apaziguar conflitos, mas apenas o trânsito da intolerância no país. “O Brasil merece a verdade e sobretudo merece a verdade factual àqueles que perderam amigos e parentes. Se existem túmulos sem corpos, nunca poderá existir história sem voz”, disse emocionada. 

Homenageando os ex-presidentes que estavam presentes, Dilma lembrou que o processo que culminou na instalação da Comissão da Verdade e na assinatura da Lei de Acesso à Informação transcorreu durante todos os governos desde a redemocratização, incluindo a atuação de Tancredo Neves. “Cada um de nós aqui é responsável por esse momento histórico. É o ponto culminante iniciado nas lutas do povo brasileiro”.

Segundo a presidente, com a aprovação da lei, nunca mais os dados relativos à violação de direitos humanos poderão ser secretos. Tanto a comissão, quanto a lei, são frutos de longo processo da democracia de quase três décadas, e do qual participaram sete presidentes da República, disse ela. 

“Hoje o Estado brasileiro se abre mais ao exame e à fiscalização. O povo pode conhecer os atos de governo. A partir de agora, a transparência é obrigatória por lei. Fiscalização, controle e avaliação são a base de uma gestão honesta. Acreditamos que o Brasil não pode se furtar a conhecer a totalidade de sua história. A força pode esconder a verdade, mas o tempo acaba por trazê-la à luz. E hoje esse tempo chegou”, concluiu.

Sem votos
7 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+7 comentários

Instalada ou instaurada?

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

GRANDE PRESIDENTA. Mais um grande feito!!!!

 

Maria Olimpia

Momento histórico, um grande passo para a consolidação democrática, um ato de coragem da Presidenta Dilma. O Brasil só estará pacificado, com pleno reconhecimento das Forças Armadas pelo povo, depois que as atrocidades cometidas entre 64 e 85 estiverem esclarecidas, responsáveis apontados e a página da História virada. 

Sem ódio e sem medo, o Brasil avança.

 

Antonio Barbosa Filho

Da-lhe Dona Dilma, quero saber, e penso que a senhora também, em que circunstâncias "suicidaram" Yara em Salvador.

 

Uma vez instalada a referida comissão, cabe a esta um mínimo de imparcialidade. Não perseguir inimigos e elevar à condição de herói os amigos. Entre uma das "verdades" que o Estado busca - o binômio Estado/Verdade é algo de país autoritário -, poderíamos descobrir quem lutou contra o regime militar para reestabelecer a democracia e quem pegou em armas para trocar o sinal da ditadura.

 

Acho que você e muitos outros estão cometendo um grave equívoco sobre o papel da comissão.

 

Ao contrário do que pensam, esta comissão foi criada para apurar os abusos do Estado Terrorista Brasileiro durante a ditadura militar, contra os cidadão brasileiros que foram perseguidos por este Estado.

 

Não é papel da comissão analisar o comportamento e os atos daqueles que se insurgiram contra o Estado Autoritário e ilegal.

 

Ademais, a maioria dos perseguidos (principalmente os guerrilheiros que são acusados de tentarem derrubar o Governo Terrorista de então) já foram julgados e condenados à mortes e torturas, sem processo legal e sem direito de defesa.

 

Não se pode comparar a força estatal aos movimentos massacrados pelo covardes militares.

 

Aliás, tais comissões instaladas em todo mundo jamais apuraram atos cometidos por insurgentes.

 

Seria a mesma coisa de querer que no Tribunal de Nuremberg fossem apurados os atos daqueles que combateram o nazismo, ou seja, seria ridículo.

 

Em resumo, ao contrário do que muitos estão tentando argumentar de forma infantil, não há dois lados para se cobrar imparcialidade por parte dos membros da Comissão da Verdade, há apenas o lado dos perseguidos e desaparecidos vítimas do Estado Terrorista Brasileiro que perdurou do golpe de 1964 até a abertura política em 1984.

 

Espero ter esclarecido a questão.

 

Terroristas eram os militares, que defendiam o país do comunismo, e não os guerrilheiros que treinavam em Cuba (curiosamente a ditadura mais sanguinária já vista nas Americas)? Como o senhor conseguiu inverter completamente o senso de justiça e ainda assim se considerar um nobre homem, capaz de julgar o que quer que seja sobre a ditadura brasileira?

Vai estudar, rapaz. Os atos de terrorismo comunista começaram muito antes de 64. Pra você o golpe militar surgiu exclusivamente do nada e com o intuito de gerar terrorismo. Tome vergonha nessa cara e respeite quem defendeu o Brasil.

É evidente que os crimes da ditadura devem ser punidos. Mas é IMPOSSÍVEL analisar o que aconteceu no período sem olhar para os dois lados. Sem olhar os dois lados não existe HISTÓRIA, só propaganda.

A própria presidente do Brasil tinha participação ativa com o terrorismo. Me dê os dados de que a maioria dos terroristas foram justiçados, e não anistiados.