Revista GGN

Assine

Entre pai e filho

elefante

Hoje, não preciso mais falar do meu pai.

Já não faz sentido.

Resta carregá-lo no meu peito todo sentido.

Presente e recôndito.

Tampouco, falar do meu filho tem sentido.

Basta guardar nos meus olhos um menino refletido.

Mas há que ver o pai que há no meu filho convertido

e, entre esses dois homens repartido,

buscar para mim ainda algum sentido.

 

PS: Oficina de Concertos Gerais e Poesia de pai para filho como um mal hereditário.

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.