Bolsonaro estuda corte de até 70% dos salários

A medida é similar ao que foi imposto no Chile. Os que sofrerem o corte poderiam somar uma quantia do seguro-desemprego do próprio trabalhador

Foto: Carolina Antunes/PR

Jornal GGN – A Medida Provisória (MP) publicada por Jair Bolsonaro que modifica as regras trabalhistas e reduz as garantias para os trabalhadores durante a crise do coronavírus permite, entre outras coisas, a redução de até 70% dos salários.

O documento ainda não foi publicado e está em análise dentro do Palácio do Planalto, depois que a medida anterior que possibilitava a suspensão dos contratos de trabalho foi revogada pelo mandatário.

Mas de acordo com reportagem de O Globo, o novo texto que pode ser publicado nos próximos dias se assemelha ao decreto assinado no Chile pelo presidente Sebastián Piñera, que além de permitir a redução dos salários, durante este tempo, o trabalhador terá que tirar do próprio seguro-desemprego o sustento para se manter neste tempo.

No caso do Brasil, frente às reações da população que mantiveram protestos das janelas e varandas de suas casas durante 10 dias pela saída de Jair Bolsonaro, a proposta do governo inclui que se o salário do trabalhador for cortado em 70%, o governo entraria com estes 70% sobre o seguro-desemprego deste funcionário.

A título de exemplo, se a empresa decidir reduzir 70% do salário de um empregado que recebe R$ 10 mil, ele passará a receber R$ 3 mil e mais 70% do seguro desemprego de R$ 1.800. Assim, este funcionário receberia R$ 4.260 no total.

De acordo com a reportagem, também seria possível a empresa reduzir 25% ou 50% dos salários, e caberá aos empregadores esta decisão, com o restante sendo complementado pelo seguro-desemprego. A decisão vale para micro até grandes empresas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Mandetta pede oração pelo Brasil após saída de Teich da Saúde

4 comentários

  1. A cabeça divisionista é esta mesma e no domingo já avisou que não tem esta história de distribuir riqueza com pobres. Bem, são dois grandes empresários. O do Chile é dono de uma das principais aéreas do continente e vai ser dos ramos que mais perderá com a crise e a diminuição de viagens. Só é estranho que o caso dos negócios do presidente brasileiro, os escritórios dos crimes das milícias, precisam que o cidadão de baixa renda e os pequenos comerciantes das áreas onde as milícias mais vivem de sua extorsão e de seus outros crimes, necessitam de um mínimo de renda para serem espoliados por estes bárbaros criminosos protegidos pelos seus capachos federais.

  2. De muitos idiotas, que apoiavam este sujeito, escutei, e não poucas vezes: “Menos direitos mais empregos”
    Pois é; estão sem os dois. Um processo que começou imediatamente após o golpe, com o canalha do Temer e este congresso maldito.
    F*** é que estes apoiadores imbecis arrastam para a m**** quem sempre tentou mostrar o desastre.

  3. Em minha opinião, os brazucas estão com muita sorte, pois deixar 30% no bolso das pessoas não deixa de ser uma grande generosidade deste miliciano safado, estúpido como ele só, destaque internacional quando o tema é selvageria, cretino que está certamente muito bem acompanhado para propor esta calhordice, atitude única no mundo que tem a impressão digital de PGuedes e Cia., os pensadores dos magníficos 200 reais mensais para os que mais precisam.
    Já passou da hora para interditar este sociopata, o que ele ainda precisa fazer para ser posto pra correr? Aqui, trata-se de dezenas de milhares que morrerão por causa de um doido varrido, algo que todos estão vendo, e aqueles que podem fazer algo e nada fazem serão tão ou mais culpados que o demente de faixa.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome