Como Bolsonaro, Erdogan prioriza economia na crise do coronavírus

Presidente da Turquia está sob crescente pressão dos sindicatos e da oposição por um bloqueio para retardar a disseminação do coronavírus

Foto: Agência Brasil

Do U.S.News

Pressão para o bloqueio da Turquia cresce, mas Erdogan promete sustentar a economia

O presidente Tayyip Erdogan está sob crescente pressão dos sindicatos e da oposição por um bloqueio para retardar a disseminação do coronavírus, mas insiste que a Turquia deve “manter as rodas girando” na economia e que as pessoas continuem trabalhando.

Ancara interrompeu todos os vôos internacionais, viagens domésticas limitadas, escolas fechadas, bares e cafés, orações em massa suspensas e equipamentos esportivos para combater o surto.

As autoridades, no entanto, não ordenaram que as pessoas ficassem em casa, mesmo que o número de casos na Turquia tenha aumentado bastante. Na segunda-feira, eles chegaram a 10.827, menos de três semanas desde que a Turquia registrou seu primeiro caso. O número de mortos subiu para 168, atraindo novos apelos para medidas mais rigorosas.

Com a Turquia emergindo de uma recessão provocada pela crise cambial de 2018, Erdogan pretende evitar pôr em risco a recuperação, aplicando uma ordem de permanência em casa que interrompa a atividade econômica e, em vez disso, pediu auto-isolamento voluntário.

Duas importantes confederações sindicais pediram a suspensão de todos, exceto o trabalho de emergência, e a implementação de medidas para apoiar os trabalhadores. “Todo o trabalho deve ser interrompido por um período mínimo de 15 dias, exceto para a produção de bens e serviços essenciais e de emergência”, disse o presidente da TURK-IS, Ergun Atalay, em comunicado.

Ele também pediu a proibição de demissões pelo período da pandemia e disse que o apoio à renda deve ser fornecido a todos os trabalhadores que estiverem com perda de trabalho e renda. A confederação sindical DISK emitiu uma declaração idêntica.

A Associação Médica da Turquia disse na segunda-feira que houve muitos erros na resposta “inadequada” de Ancara à pandemia, dizendo que as fronteiras foram deixadas abertas por muito tempo e que a quarentena não foi imposta à maioria dos turcos que retornam do exterior.

“Nesta fase, a doença se espalhou por todas as partes do país, daí a oportunidade de impor uma quarentena”, afirmou em comunicado.

Ele disse que mais de 30.000 testes precisavam ser realizados diariamente e que aqueles positivos tinham que ser adequadamente isolados.

Mas após uma reunião do gabinete na segunda-feira, Erdogan disse que era necessário manter a produção para sustentar o fornecimento de bens básicos e apoiar as exportações.

“A Turquia é um país que precisa continuar a produção e manter as rodas girando sob todas as condições e circunstâncias.”

O principal líder do partido CHP da oposição, Kemal Kilicdaroglu, disse que as medidas impostas aos idosos e aos doentes crônicos devem ser estendidas a uma “quarentena” nacional.

RESPOSTA “INADEQUADA”

O prefeito do CHP em Istambul, Ekrem Imamoglu, sublinhou a importância de um bloqueio na maior cidade do país, com uma população de 16 milhões de pessoas – quase um quinto da população da Turquia.

“Se 15% da população da cidade desaparecer, são 2,5 milhões de pessoas. À medida que o tempo melhorar, as pessoas vão sair”, disse Imamoglu à Fox TV em entrevista na segunda-feira. “Mesmo que não façam isso pela Turquia, um bloqueio pode ser anunciado para Istambul”.

Na segunda-feira, Erdogan também lançou uma campanha para coletar doações de cidadãos para os necessitados, dizendo que estava doando sete meses de seu salário à causa e que o esforço já havia atraído US $ 11 milhões.

 

Leia também:  Manchetes dos jornais dos EUA

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome