Isolamento tem êxito na Dinamarca, que avalia quando reduzir restrições

Primeira-ministra disse que espera poder apresentar um plano para a primeira fase de uma reabertura até o final desta semana

Do Daily Mail

A Dinamarca poderá começar a suspender as restrições de bloqueio em abril, depois de declarar que os limites de contato implementados em 11 de março “foram bem-sucedidos”.

O país nórdico, que relatou 77 mortes relacionadas ao coronavírus, na semana passada estendeu até depois da Páscoa um bloqueio de duas semanas para limitar o contato físico entre seus cidadãos, que começou em 11 de março.

“Vemos sinais de que conseguimos atrasar a transmissão do corona na Dinamarca. A transmissão está se espalhando mais lentamente do que se temia”, disse a primeira-ministra Mette Frederiksen.

“Na semana passada, o número de internações hospitalares aumentou um pouco mais do que na semana anterior e sem a explosão nos números que vimos em outros países.”

A líder social-democrata, cuja resposta à crise foi elogiada pelo público, ofereceu um vislumbre de esperança para os dinamarqueses confinados sob trava.

“Se durante as próximas duas semanas durante a Páscoa continuarmos juntos, mantendo-nos separados, e se os números permanecerem estáveis ​​pelas próximas duas semanas, o governo começará novamente uma abertura gradual, silenciosa e controlada de nossa sociedade, do outro lado da Páscoa”, disse.

No entanto, Frederiksen alertou que, se os números começarem a subir quando o bloqueio terminar, “talvez tenhamos que apertar ainda mais”.

Na semana passada, o número de hospitalizações por coronavírus na Dinamarca dobrou aproximadamente de 254 para 533, enquanto as internações na semana anterior mais que triplicaram em relação à semana anterior, segundo dados da Autoridade de Saúde dinamarquesa.

O número de mortes diárias diminuiu para cinco no domingo, de oito e onze no sábado e sexta-feira, respectivamente. A Dinamarca registrou um total de 2.577 infecções por coronavírus.

Leia também:  Refundação do Brasil passa por desencarcerar e descriminalizar a cannabis, diz Valois

A Dinamarca impôs limites menos estritos à vida cotidiana do que na Itália ou na França, onde as pessoas só são livres para deixar suas casas para comprar mantimentos, ir para o trabalho se necessário ou procurar atendimento médico.

Mas a abordagem dinamarquesa tem sido consideravelmente mais rígida do que a vizinha Suécia, país da União Européia, que permanece amplamente aberto aos negócios.

As autoridades dinamarquesas restringiram a assembléia pública a 10 ou menos pessoas, ordenaram o fechamento de escolas, universidades, creches, restaurantes, cafés, bibliotecas, academias e salões de beleza e fecharam todas as fronteiras para a maioria dos estrangeiros.

Uma reabertura provavelmente incluiria pessoas que frequentam escolas e trabalham em turnos para evitar o tráfego na hora do rush e muitas pessoas se reunindo em público ao mesmo tempo, disse Frederiksen.

Frederiksen disse que espera poder apresentar um plano para a primeira fase de uma reabertura até o final desta semana, após consulta com as outras partes no governo.

Mais de 738.400 pessoas foram infectadas pelo coronavírus em todo o mundo e 35.006 morreram, segundo um relatório da Reuters. Os países que sofreram os surtos mais mortais estão na Europa – Itália e Espanha.

Também na região nórdica, a Finlândia decidiu prolongar por um mês a duração das condições de emergência na parte sul do país, afetando a vida diária de cerca de 1,7 milhão de pessoas, quase um terço da população da Finlândia.

As medidas estabelecidas pelo governo da primeira-ministra Sanna Marin deveriam expirar em 13 de abril, mas as restrições, agora estendidas até 13 de maio, visavam retardar ‘a propagação de infecções por coronavírus e proteger as pessoas em risco’.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome