Complexidade econômica e desenvolvimento, por Rodrigo Medeiros

 

Um tema merecedor de atenção diz respeito ao Atlas da Complexidade Econômica [1]. De acordo com essa moderna perspectiva analítica do processo de desenvolvimento, a evolução da complexidade econômica determina o desenvolvimento das sociedades. Vejamos então alguns pontos interessantes dessa discussão.

Antes de entramos na perspectiva analítica do Atlas, creio ser interessante que abordemos uma questão relevante para os países em desenvolvimento. As conhecidas restrições no balanço de pagamentos estão bem descritas por Thirlwall [2]. Como um determinado país pode crescer depende crucialmente da elasticidade-renda da demanda das suas exportações (Ɛ). Para alguns países, Ɛ é bem alta (entre 3 e 4) e para outros ela é muito baixa (abaixo de 1). Sendo π a elasticidade-renda da demanda das importações de um país, y o seu crescimento e z o crescimento dos outros países:

y =  Ɛ (z)/ π = x/ π.

A variável x é a taxa de crescimento das exportações. Essa equação é conhecida na literatura como a “Lei de Thirlwall”: a taxa de crescimento de um país irá se aproximar da relação entre a taxa de crescimento das exportações e a elasticidade-renda da demanda das importações. Em síntese, se um país em processo de desenvolvimento deseja crescer mais rápido, ele precisa elevar Ɛ e reduzir π. Portanto, esse país precisará passar efetivamente por mudança estrutural.

Nesse sentido, o Atlas da Complexidade Econômica nos ajuda a compreender melhor como alguns países venceram esse desafio e outros se encontram presos na armadilha da renda média. Para tanto, utilizarei a avaliação do economista Paulo Gala [3]. A partir da analise da pauta exportadora de um país, é possível medir a sofisticação tecnológica da base produtiva. Os conceitos para medir se um país é de fato complexo economicamente são a ubiquidade e a diversidade de produtos encontrados na sua pauta exportadora. Sintetizando, não ubiquidade com diversidade exportadora significa complexidade econômica.

Leia também:  O que seria o "fanatismo social"?, por Eduardo Ramos

Correlações impressionantes entre os níveis de renda per capita e a complexidade econômica podem ser notadas. Segundo Gala, “Japão, Alemanha, Estados Unidos, Reino Unido e Suécia estão sempre entres os países mais sofisticados do mundo nos últimos 10 anos”. O desenvolvimento econômico pode ser compreendido como o domínio de técnicas de produção mais sofisticadas que, por sua vez, geram produção de maior valor adicionado por trabalhador. Do ponto de vista brasileiro, creio que essas questões são relevantes [4]. Afinal, como iremos elevar a produtividade da economia brasileira em um contexto de aprofundamento da recessão, com desindustrialização prematura e base exportadora de baixa complexidade? Qual é a estratégia ou a (nova) agenda de desenvolvimento do Brasil?

O Atlas da Complexidade Econômica se mostra rico em reflexões para o campo das políticas públicas. Relações de causalidade são questionadas e o processo de desenvolvimento se mostra menos linear do que se possa imaginar. De acordo com Gala: “a educação produtiva relevante do país é um conhecimento tácito que está nas empresas e nas atividades e, portanto, não se aprende na escola. É uma questão de ‘on the job experience’ embutida nas redes de produção e empresas existentes nos países. Se não existe o parque produtivo onde as pessoas possam buscar esses conhecimentos fica difícil aprender as habilidades úteis para gerar produtos complexos; esse tipo de conhecimento não é ensinado na escola nem na faculdade”.

O instigante livro de César Hidalgo, professor do MIT, merece ser apreciado pelos interessados no assunto [5]. O Atlas da Complexidade Econômica e o livro de Hidalgo derivam do mesmo trabalho acadêmico de pesquisa. Atividades em rede são a chave para entender o processo de desenvolvimento (diversidade exportadora com não ubiquidade). A criação de produtos complexos, por sua vez, requer redes integradoras de firmas. Estruturas produtivas complexas são construídas a partir de bens industriais ou processamento de commodities. Commodities e extrativismos, em geral, não estão inseridos nessas redes.

Leia também:  Argentina, Bolívia, Brasil: sobre convergência política e heterogeneidade cultural, por Roberto Bitencourt da Silva

Talvez esse seja um bom recomeço de um velho debate. A diferença é que há agora mais informações e indicadores para pautar a discussão, além de algum aprendizado das experiências do passado.

 

Rodrigo Medeiros é professor do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes)

 

[1] http://atlas.cid.harvard.edu/

[2] http://www.amazon.com/Nature-Economic-Growth-Alternative-Understanding/dp/1843763389/ref=sr_1_15?s=books&ie=UTF8&qid=1437690939&sr=1-15&keywords=thirlwall

[3] http://www.paulogala.com.br/?p=2500

[4] http://www.folhavitoria.com.br/geral/blogs/livrepensar/2015/07/vies-de-baixa-no-crescimento/

[5] http://www.amazon.com/Why-Information-Grows-Evolution-Economies/dp/0465048994/ref=sr_1_1?s=books&ie=UTF8&qid=1437751316&sr=1-1&keywords=cesar+hidalgo+why+information+grows

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

    • Uma boa parte do país está presa nos anos 80…

      Consequentemente presos na segunda parte da industrialização. No Brasil poucas pessoas acenderam a essa fase, e estamos estancados pela nossa composição política, que nos prende na industria primária e de mídia do século 20.  No mundo desenvolvido a internet 2.0 está trazendo a segunda fase da industria do conhecimento para dentro das salas de aula. No Brasil por monopólio da mídia muitos apenas aprender a entregar o conteúdo, e todo tipo de conteúdo interativo desvinculado da pauta dos monopólios são atacados. Por isso não consegue distinguir sobre a economia do conhecimento e entrega do entretenimento.

  1. Complexidade será ver 2015.75 pico evento

    Por enquanto muitas fusões e aquisições que mais parecem para proteger patrimônio do que outra coisa. Os artigos que insuflam tais previsões continuam a aparecer, fora o eclipse total de 28 de setembro de 2015 nada mais é certo, por enquanto.

    Lindsey Williams, Martin Armstrong And Alex Jones All Warn About What Is Coming In The Fall Of 2015
    By Michael Snyder, on June 21st, 2015
    Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Share on LinkedInShare on StumbleUponEmail this to someone
    Warnings – Public DomainNot since the financial crash of 2008 have so many prominent people issued such urgent warnings about a specific time period. Almost daily now, really big names are coming out with chilling predictions about what they believe is going to happen during the second half of 2015. But it isn’t just that these people have a “bad feeling” about things. The truth is that we are witnessing a confluence of circumstances and events in the second half of this year that is unprecedented. This is something that I covered in a previous article that went mega-viral all over the Internet entitled “7 Key Events That Are Going To Happen By The End Of September“. Personally, I have never been more concerned about any period of time than I am about the second half of 2015. And as you will see below, I am definitely not alone.

    Just a few days ago, I received an email that contained a chilling message from Lindsey Williams. You can view the same message that came to my email right here. According to Lindsey Williams, the elite insider that he is in contact with told him that there will be a global financial collapse between September and December of this year…

    WARNING!

    From Lindsey Williams: I just received an email from my Elite friend.

    My Elite friend indicated that they have a World Wide Financial Collapse scheduled between September and the end of December 2015

    You may have just THREE (3) months to prepare!

    I have a ton of respect for Lindsey Williams, and I would listen to what he has to say very carefully. Back in 2008, an elite insider told him that the price of oil would drop from $140 a barrel to $40 a barrel, and it happened. This time around, Williams has been telling us throughout 2013 and 2014 that a global financial collapse was not going to happen during those years, and he was right about that.

    But now he is sounding the alarm that one is going to come by the end of this calendar year.

    Martin Armstrong is someone else that has been sounding the alarm about the second half of this year.

    In fact, Armstrong says that he has “warned that the Big Bang was coming 2015.75″ since 1985.

    In the past, I have written entire articles about economic cycle theories and what they indicate is coming in our future.

    Armstrong has developed one of his own, and he calls it the Economic Confidence Model. According to the ECM, the “sovereign debt Big Bang” is scheduled to happen by the end of 2015. And it turns out that the time period that Armstrong has been pointing to lines up with a whole bunch of other significant events as well…

    There are many aspects that are lining up with the turn in the ECM (Economic Confidence Model) from the Blood Moon and the Jewish Year for forgiving the debts, to France imposing restrictions on cash in September, and even in Germany the laws that protected about half a million people so-called dachas there in East Germany expire. To date, a law protecting the tenant against dismissal by the municipality will also expire October 3, 2015. Everywhere we look, there are changes coming to a head, right down to the U.S. Federal budget with 2015.75.

    In case you are tempted to dismiss this as nonsense, Armstrong has pointed out that his ECM has been accurate “to the day” in the past…

    Of course the 1987 crash bottomed to the day with the ECM confirming that was the low. The same took place in 1994 where the U.S. share market bottomed right to the day, once again confirming this was an important low.

    So will the ECM be right again this time?

    Only time will tell, but it should be noted that the global bond market is already starting to crash. If Armstrong ultimately turns out to be correct, we could be on the verge of a major turning point…

    This next turning point should be the peak in the concentration of capital and confidence in government. From there on out, 2015.75 should mark the change in trend where people will start to disbelieve government on a grand scale. The debt markets that peak precisely with the target are going to get the worst of it.

    Other financial experts are issuing similar warnings, even if they aren’t being quite as specific.

    For example, just consider what Jim Rogers had to say recently…

    I suspect in the next year or two we will see some kind of major, major problems in the world financial markets.

    I would suspect when we have this correction, it’s going to cause central banks to panic. There’s going to come a time when there is not much the central banks can do when they have lost all credibility. When governments have lost all credibility. They will print and spend and borrow, but there comes a time when people are just going to say We don’t want to play this game anymore. And at that point, the world has serious, serious problems because there’s nothing to rescue us.

    Perhaps the most sobering warning of all that I have come across in recent days is from Alex Jones.

    In the video posted below, he explains that he recently received “two different calls” from “extremely prominent wealthy people” warning him about what is coming by the end of this year and asking him why he isn’t leaving the United States “before October”.

    In other words, these individuals believe that something really big is going to happen by the end of September. This dovetails perfectly with what I have already been warning about.

    In this video, Alex also explains that large numbers of insiders are now quietly leaving the country. I have never seen him quite like this. I think that so many of us are just in shock that the things that we have been warning about for so long are now actually happening. Watch this video for yourself and see what you think…

    In the financial markets, we are also seeing signals that many people believe that big trouble is right around the corner. For instance, according to Dana Lyons we haven’t seen bets that the VIX will rise at this level since just before the financial crash of 2008…
    As most observers are aware, the VIX tends to rise as the stock market declines. Thus a rising VIX is associated with bad markets. The interesting thing about present conditions in VIX options is that the Put/Call Ratio (using a 21-day average) is at the lowest level since the summer of 2008. That means that there are more bets on a rising VIX versus bets on a falling VIX than we have seen in 7 years. And again, a rising VIX is associated with bad markets.

    In other words, investors are betting a tremendous amount of money that we are going to see a rise in volatility in the financial markets in the months ahead. And as I have explained so many times before, during times of high volatility markets tend to go down very rapidly. So these bets will pay off very handsomely if there is a financial crash this fall.

    Meanwhile, the manager of one of the largest bond funds in the UK is warning that a “systemic event” could soon hit global financial markets and that it is wise to have some “physical cash” at home just in case there is some sort of major emergency. The following comes from Zero Hedge…

    The manager of one of Britain’s biggest bond funds has urged investors to keep cash under the mattress.

    Ian Spreadbury, who invests more than £4bn of investors’ money across a handful of bond funds for Fidelity, including the flagship Moneybuilder Income fund, is concerned that a “systemic event” could rock markets, possibly similar in magnitude to the financial crisis of 2008, which began in Britain with a run on Northern Rock.

    “Systemic risk is in the system and as an investor you have to be aware of that,” he told Telegraph Money.

    The best strategy to deal with this, he said, was for investors to spread their money widely into different assets, including gold and silver, as well as cash in savings accounts. But he went further, suggesting it was wise to hold some “physical cash”, an unusual suggestion from a mainstream fund manager.

    This sounds like what I have been saying for years. I am a big believer in not having all of your financial eggs in one basket, and I do believe that it is wise to have at least some emergency cash at home.

    But to hear it from a member of Britain’s financial elite is definitely unusual to say the least.

    Sadly, just like last time, most people are not listening to the warnings. Back in the summer of 2008, my wife and I went up to visit her parents. I sat on their sofa and told them that a great financial collapse was about to unfold and that it would shake the entire world. Of course just a few months later that is exactly what happened.

    Now we are on the verge of an even greater financial collapse, and still I find that there are a lot of people out there that are doubters. Most of these doubters have an immense amount of faith in the system, and they are confident that this debt-fueled bubble of false prosperity that we are currently enjoying can somehow last indefinitely.

    I truly wish that the hopeless optimists were right.

    I truly wish that I could live out my days in peace and quiet in a world that was safe and stable.

    Unfortunately for all of us, things are about to change in a major way. When it starts happening, don’t forget that there have been people that have been warning you that this would happen all along.

  2. Câmbio, desigualdade educacional-sócio-espacial explica mais

     

    Rodrigo Medeiros,

    Gosto dos seus textos que em geral são técnicos, contendo boas referências e de entendimento fácil até para o leigo. Comparando com o post “Ressaca econômica? Por Rodrigo Medeiros” de quarta-feira, 24/06/2015 às 14:53, aqui no blog de Luis Nassif, considero que lá você foi tão técnico e foi muito mais acessível. O endereço do post “Ressaca econômica? Por Rodrigo Medeiros” é:

    http://jornalggn.com.br/blog/rodrigo-medeiros/ressaca-economica

    Apesar de gostar de seus textos avalio que muitas vezes você se deixa conduzir por um viés e acaba perdendo a capacidade de análise da amplitude. Em uma discussão sobre complexidade econômica e desenvolvimento econômico você foi incapaz de falar sobre o câmbio. Já no post “Ressaca econômica? Por Rodrigo Medeiros”, você, é bem verdade que um tanto instigado pela demanda de Margot Riemann aborda questões mais amplas que aquelas que se restringem aos aspectos econômicos.

    Creio que a história econômica do Brasil moderno para ser mais bem entendida precisará que se debruce com mais cuidado sobre os últimos quarenta anos para observar que nós só tivemos bonança no comercio exterior nos seguinte períodos: 1) Os três anos seguinte à desvalorização de 1983, e os 3 anos seguintes à desvalorização de 2003. Os outros anos foram anos de espasmos tais como: a) os 3 anos pós plano Cruzado, b) o último ano de Cóllor e os dois anos de Itamar, até a valorização do Real, c) os dóis anos após a desvalorização de 1999, mas que foi quebrado com o problema do apagão elétrico em 2001.

    A mim me parece que temos com a presidenta Dilma Rousseff uma oportunidade rara de se manter pelos quatro anos deste segundo mandato dela um câmbio desvalorizado, ou talvez apenas competitivo.

    E também não dá para falar em complexidade econômica e desenvolvimento sem atentar para o problema da baixa densidade populacional do Brasil, o caráter muito litorâneo dos nossos grandes aglomerados urbanos, o baixo nível educacional do país e a grande desigualdade social e espacial do Brasil.

    Clever Mendes de Oliveira

    BH, 24/07/2015

     

      • Valeu o retorno e o link indicado, mas eu queria mais

         

        Rodrigo Medeiros (sábado, 25/07/2015 às 09:21),

        Grato pela atenção em responder meu comentário e pelo link deixado para outro artigo seu intitulado “Viés de baixa no crescimento” de quarta-feira, 22/07/2015. Lá você fala no índice Big Mac da revista The Economist e coloca entre parênteses a data 16/07/2015. Não há, entretanto, o link junto a seguinte frase sua:

        “O índice Big Mac ajustado para o PIB per capita publicado recentemente por “The Economist” (16/07/2015) mostrou uma sobrevalorização cambial do real em 35%. Essa sobrevalorização cambial vem sendo usada para combater a inflação desde 1994”.

        Achei o link para a matéria intitulada “A few dollars less”, publicada na revista The Economist, mas que está datada de sábado, 18/07/2015 e pode ser vista no seguinte endereço:

        http://www.economist.com/news/finance-and-economics/21657841-our-burger-benchmark-finds-greenback-too-dear-few-dollars-less

        Espero que o link seja para a matéria a que você se refere lá no seu artigo “Viés de baixa no crescimento”. E é verdade que lá no artigo “Vié de baixa no crescimento”, você dá o devido destaque ao câmbio. Ainda assim, você não separa os momentos de câmbio favoráveis que tivemos nos últimos vinte anos. Aliás, a sobrevalorização da moeda brasileira é um processo de muito tempo atrás e que ficou mais nítido a partir do choque de petróleo de 1973. Em 1974, a ditadura, em vez da desvalorização, procurou utilizar os petrodólares para assegurar o crescimento econômico. Tivemos um final ruim quando o Paul Volcker elevou o juro em 1979, mas não se pode recriminar a opção econômica do governo quando se lembra que naquela época tínhamos muito instrumentos de controle da Balança Comercial e que, depois, no livro “Economia brasileira em marcha forçada” de Antonio Barros Castro e Francisco Eduardo Pires de Souza, houve de certo modo uma reavaliação favorável para aquele período.

        Desvalorizar a moeda de um país não é fácil. Quem lê o livro de Roberto Campos “Lanterna na popa” pode observar que ele se dedica por um bom tempo, quando descreve a passagem dele no primeiro governo da ditadura militar, a defender a desvalorização da moeda, mas ao fim do governo só consegue fazer uma desvalorização de 10% e assim mesmo para que a desvalorização iesse a cair no colo do próximo ditador (Nem sempre quem pariu Mateus gosta de o embalar). Agora imagine como é difícil fazer a desvalorização em uma democracia. Algo a que a presidenta Dilma Rousseff se dedicou a fazer no primeiro governo dela. Créditos para ela, mas a que ninguém se refere.

        Agora não reclamei de falta de concisão neste seu artigo que aqui no blog de Luis Nassif saiu com este post “Complexidade econômica e desenvolvimento, por Rodrigo Medeiros” de sexta-feira, 24/07/2015 às 16:57. Aliás lá no post “Ressaca econômica? Por Rodrigo Medeiros” de quarta-feira,, 24/06/2015 às 14:53, aqui no blog de Luis Nassif e para o qual eu deixei o link em meu comentário anterior, eu o elogio, exatamente pela concisão e precisão dos seus textos, como se pode ver no trecho que eu transcrevo a seguir e que retirei lá do meu comentário enviado quinta-feira, 25/06/2015 às 14:09, para junto do seu enviado sábado, 25/07/2015 às 09:21, em resposta ao comentário de Margot Riemann de quarta-feira, 24/06/2015 às 16:22, para você:

        “Seu texto curto foca em vários assuntos. Eu invejo essa concisão. Em geral faço texto longos que tentam detalhar um só assunto em que não sou especialista. E acabo elaborando um texto prolixo e confuso.

        E o seu texto que aparentava imprecisão acertou ao fazer as remissões que o esclarecem . . . .”

        O que eu reclamei aqui neste post “Complexidade econômica e desenvolvimento, por Rodrigo Medeiros” foi da falta de referência à questão do câmbio como fator que pode impulsionar a complexidade econômica e de mencionar também outras limitações que o Brasil apresenta como barreira para a complexidade econômica brasileira melhorar.

        E em relação ao seu artigo “Viés de baixa no crescimento” e para o qual você deixou o link há ainda uma crítica que eu, ainda que na condição de leigo, não deixo de mencionar. Aliás são duas, primeiro e que eu já mencionei acima foi você não ter feito o elogio ao esforço para a desvalorizar a moeda empreendido em todo o primeiro governo da presidenta Dilma Rousseff.

        O segundo, tendo em vista que seu texto era sobre o crescimento, foi você não ter apontado para o problema que ocorreu no terceiro trimestre de 2013 e que provavelmente foi o que nos deixou em uma situação que praticamente impossibilitava a adoção de qualquer política econômica que não fosse o mais do mesmo adotado em 2014 e que acabou levando o país para um grave problema no Balanço de Pagamentos.

        A reversão no crescimento que ocorreu no terceiro trimestre de 2013 é chave para entender o que ocorre com a economia agora. Deveria ser uma obrigação dos economistas esclarecer para o leigo o que foi que ocorreu com a economia no terceiro trimestre de 2013. Não vi nenhum economista se debruçando sobre aquele momento da economia brasileira como se ali não tivesse ocorrido nada de excepcional. Pode até ser que não houve nada de excepcional ali, mas até mostrar isso seria necessário. Qualquer leigo que olha os dados daquele trimestre e os compara com os trimestres anteriores percebe que algo de excepcional ocorreu. Trata-se, entretanto, de uma aferição de leigo e que pode ser correta como pode ser errada. Caberia aos economistas fazerem uma análise mais detalhada capaz de informar se o que ocorreu foi algo normal ou algo excepcional.

        Clever Mendes de Oliveira

        BH, 26/07/2015

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome