Mesmo com crescimento fraco, economia global surpreende analistas em 2015

O ano de 2015 não foi tão negativo para a economia global, embora o crescimento tenha sido fraco. Na maior parte das regiões, o desempenho econômico foi razoável e, em alguns casos, até surpreendente. A desaceleração do crescimento da China, no entanto, voltou a preocupar. 

O país, cujo Produto Interno Bruto (PIB) aumentou 7,4% em 2014, teve a estimativa de crescimento revisada pelo Banco Mundial e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) paraíndice abaixo de 7% neste ano.

A desaceleração da economia chinesa trouxe, ao longo do ano, volatilidade aos mercados globais. Houve também, internamente, oscilações de humor do mercado financeiro, levando o Banco Popular da China, banco central, em agosto, a fazer uma intervenção com a desvalorização do yuan em relação ao dólar, em uma tentativa de estimular as exportações e a economia local.

Yuan Bank of China

Em agosto, o Banco Popular da China desvalorizou o yuan em relação ao dólar para estimular as exportações e a economia localBanco Popular da China/Divulgação

A situação do país fez ainda aumentar a queda no preço das matérias-primas (commodities). A medida teve forte impacto em países como o Brasil, fornecedor de produtos básicos para o mercado chinês, como minério de ferro e soja. Mesmo assim, em nível global, Luiz Alberto Machado, do Conselho Federal de Economia, afirma que 2015 não foi tão ruim assim.

“Não foi um ano negativo. Na maior parte das regiões, o desempenho econômico ficou entre razoável e surpreendente. Quem não acompanhou foi a China, com desaceleração do crescimento. De qualquer forma, é bom lembrar que, mesmo assim, é um crescimento fabuloso”, diz o economista.

Leia também:  O papel da austeridade na promoção das desigualdades de raça e gênero na TV GGN

Outra preocupação ao longo do ano foi com a economia dos Estados Unidos. O país passou a sinalizar que o pior da crise iniciada em 2008 tinha passado e gerou especulações sobre o descongelamento das taxas de juros, mantidas nos últimos sete anos em patamares até 0,25%.

A mudança só ocorreu, agora, no fim deste ano, mas, enquanto a decisão não saiu, o mercado atravessou momentos de instabilidade à espera do ajuste. Isso ocorreu principalmente nos países emergentes. Com a alta dos juros americanos, os investidores passam a migrar seus recursos de países emergentes, como o Brasil, para os Estados Unidos.

“Os Estados Unidos tiveram uma recuperação que vem sendo mantida, embora contida. A perspectiva para o ano que vem é boa. Na América do Sul, tivemos países que foram igualmente bem, como o Peru, a Bolívia e a Colômbia. Foram mal na região a Argentina, a Venezuela e o Brasil”, destaca Luiz Alberto Machado.

Questionado se isso explicava a crise na economia brasileira, Machado afirma que apenas esse fator, não. “Não dá para culpar lá fora. Essa culpa não vai pegar. Alguma coisa teve. A China reduziu a importação de commodities. Sobre a taxa de juros americana, eles mantiveram [a taxa] o ano inteiro. Não teve maiores efeitos.”

O economista informa que, para 2016, na perspectiva do FMI, o crescimento da economia global continuará. Machado diz que, na análise do fundo, o Brasil é um ponto fora da curva. Segundo ele, a instituição trabalha com a perspectiva de crescimento tanto na região asiática quanto nos Estados Unidos e até na Europa, que tem sido o elo fraco na cadeia.

“O problema na Europa hoje é muito mais de ordem política do que econômica. A União Europeia está se mantendo com crescimento baixo, mas, como não há grandes pressões demográficas, a não ser pela questão das migrações, não precisa, no momento, um crescimento maior do que esse. Precisa de um crescimento positivo”, ressalta Machado.

Leia também:  'Aversão à China' de Bolsonaro arrisca a vida de milhões de brasileiros, diz especialista

Nas projeções do FMI, o crescimento mundial previsto para 2015 está em 3,1%, ou seja, 0,3 ponto percentual a menos do que em 2014 e 0,2 ponto percentual abaixo da estimativa de julho.

Para 2016, o Fundo projeta crescimento global da economia de 3,6%. Para os Estados Unidos, o índice estimado é de 2,8% ante os 2,6% previstos para este ano. Na mesma comparação, os países da zona do euro subiriam de 1,5% para 1,6% e o Japão, de 0,6% para 1%.

Entre os países do Brics [Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul], o Brasil passaria de -3% para -1%; a Rússia, de -3,8% para -0,6%; a Índia, de 7,3% para 7,5%; a China, de 6,8% para 6,3%; e a África do Sul, de 1,4% para 1,3%.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Terceiro turno só no Brasil

    O mundo global não foi tão ruim pois o terceiro turno só tinha no Brasil.

    Isso comprova o engajamento da oposição e da classe empresarial na tese do “quanto pior melhor”.

    • Falemos sério, Alexis

      Falemos sério, Alexis. Primeiro, uma lengalenga constante neste blog é que a Europa está caindo no buraco. Está indo relativamente bem, apesar das dificuldades óbvias de se fazer uma união aduaneira, demográfica, fiscal e monetária em um continente tão diversificado cultural e economicamente. No médio prazo, estará bem melhor do que os EUA. Prosseguindo na lengalenga, os EUA estariam em severa decadência. Cresce 2,6-2,8% ao ano, e sua tecnologia avança em ritmo sem par na geografia ou na História. Acho extravagante a ideia de um terceiro turno com efeitos retroativos, pois já em 2014 o Brasil encolheu, enquando o mundo cresceu quase 4%. Na verdade, no primeiro mandato de Dilma o crescimento do Brasil foi um dos piores da nossa história.

  2. enfim, a dialética

    enfim, a dialética chinesa.

    yin (água, absorção)

    yang

    yuan..;

    há um yin dílmico nisso aí.

    muitas águas vão rolar…

    dilma absorveu já a questão dos juros norte-americanos, antecipou-se

    alías muito criticada antes, mas que pode beneficiá-la no tempo….

    um economista poderia avaliar melhor isso.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome