Utopia, distopia e realismo em Bacurau, por Guilherme Mello

A batalha que se trava no filme é uma representação simbólica de um conflito real, atual e que se percebe em todo o mundo ocidental. Com a grande novidade de trazer o conflito para o campo da brasilidade

Divulgação

do Brasil Debate

Utopia, distopia e realismo em Bacurau

por Guilherme Mello

Algumas críticas ao filme Bacurau o acusam de ser simplista, maniqueísta e previsível, fruto de uma visão distorcida da realidade presente em parte da esquerda. Longe de mim querer me arvorar a qualidade de crítico de arte, mas esse artigo é uma tentativa de apresentar uma visão alternativa à crítica descrita, trazendo elementos que apontam para a complexidade e realismo do filme.

Em grandes linhas, Bacurau descreve um conflito entre utopia e distopia. No campo da distopia, o filme se passa em um futuro próximo, onde a crise social e civilizatória brasileira se agudiza e dilacera a sociedade, gerando cisões territoriais e a anulação de direitos humanos. Essa distopia é expressa em alguns momentos do filme, como quando surge a marca do “Brasil do Sul”, em uma referência à vitória da xenofobia e do separatismo como sua forma de expressão.

Outro momento importante, ainda no início do filme, é a explicação da origem da crise hídrica, causada por um bloqueio no canal de distribuição de água realizada aparentemente por algum grupo miliciano que conta com a anuência do Estado. Por fim, destaca-se a cena onde se vê a transmissão televisiva de execuções públicas na cidade de São Paulo, acompanhadas por uma multidão de curiosos e entusiastas. Essas cenas descrevem uma sociedade que se cindiu e desumanizou, perdendo qualquer laço de solidariedade, respeito aos direitos individuais, sociais e mesmo a unidade territorial.

No campo oposto, o povoado de Bacurau representa a utopia. É um povoado pobre, mas marcado pela solidariedade entre seu povo, pelo respeito as diferenças (sociais, étnicas, sexuais, etc.), pela força feminina, pelas liberdades individuais e pelo respeito à história e conhecimento. A Igreja existe, mas é usada como depósito, enquanto o museu é o grande orgulho da cidade, ao relembrar seu passado de luta e resistência. O principal líder da comunidade é um professor negro, que busca ensinar as crianças os mistérios da ciência. Em suma, estamos diante de uma comunidade que pratica uma espécie de comunismo primitivo laico, com valorização da mulher e da diversidade.

Leia também:  Ao vivo: simpósio Democracia, Educação e Ciência: para onde o Brasil está indo?

Uma característica importante da distopia e da utopia presentes no filme é que ambas se referem mais a valores do que a questões materiais. A distopia não decorre de um mundo pós apocalíptico, da profunda crise econômica, tampouco do uso indevido da tecnologia. A utopia igualmente não decorre de uma melhoria nas condições de produtividade, do avanço tecnológico ou da distribuição de renda. Apesar de estarmos claramente diante de um país pobre, desigual e subdesenvolvido, não são esses elementos que separam a distopia e a utopia.

O que caracteriza as diferenças entre ambas são os valores, as diferentes visões de mundo e de formas de conviver com as agruras de habitar em um país como o Brasil. De um lado, o individualismo, a xenofobia, o preconceito e desrespeito aos direitos humanos; de outro, um apelo à solidariedade, ao distributivismo, aos direitos individuais e coletivos, à liberdade sexual, ao papel da mulher e do conhecimento.

O conflito está presente durante todo o filme, mas a resistência da utopia contra o avanço da distopia ocorre inicialmente de forma pacífica. Uma certa negação da política tradicional está representada na visita eleitoreira do prefeito ao povoado, quando a população se recusa a deixar suas casas. Há mais apatia do que resistência, uma aceitação incômoda da realidade, mesmo diante do bloqueio ao fornecimento de água, que o povoado contorna através da utilização de um caminhão pipa.

No entanto, o conflito assume nova dimensão quando um grupo de estrangeiros, liderados por um alemão e com o apoio de integrantes da classe média brasileira, resolve usar a vida dos habitantes de Bacurau como forma de praticar seu sadismo. A ameaça deixa de ser contornável, a aniquilação se torna uma realidade palpável e exige dos habitantes do povoado uma reação mais ativa, uma resistência que enfrente as dificuldades, não apenas as contorne.

Leia também:  O que Roland Barthes diria sobre Lula versus Bolsonaro?, por Wilson Ferreira

Neste momento, o lado realista de Bacurau surge. Em primeiro lugar, por retratar um conflito real, atual e inegável. O mundo atual se encontra diante um conflito civilizacional, que põe em jogo conquistas como os direitos humanos, sociais, individuais e o regime democrático.

No entanto, o que há de mais realista em Bacurau é sua brasilidade, construída nas referências ao passado cangaceiro do povoado. A resistência não se dá de forma “civilizada”, com passeatas de classe média gritando palavras de ordem. Ela é organizada por bandidos, assassinos, guerrilheiros, mas também por mulheres, homens andróginos, professores, trabalhadores e prostitutas. Quem tenta fugir, ao invés de resistir, é esmagado pelo inimigo.

Bacurau mistura Canudos e o cangaço, Lampião e Antônio Conselheiro, evocando as raízes brasileiras da resistência diante da barbárie, sem deixar de lado todas as contradições que esse tipo de resistência representa. Não são heróis virtuosos os que resistem, não é uma resistência branca, limpa, ideológica e civilizada. É uma resistência negra, mulata, desviante, pobre e bárbara, sem muita clareza ideológica, calcada na sobrevivência física e portadora de um ideal difuso de sociedade.

O filme termina com uma vitória da utopia contra a distopia. A tentativa da distopia de riscar Bacurau do mapa esbarra na força da resistência de seus habitantes. Mas não sem antes apontar um risco: o alemão assassino, líder da barbárie estrangeira, é enterrado sob o solo de Bacurau e promete que aquilo seria apenas o começo do conflito. Da mesma forma, as ameaças do prefeito expurgado de que os habitantes não sabiam “com quem estavam se metendo”, ecoa uma ameaça constante para países subdesenvolvidos, de que não há resistência possível diante do poder estrangeiro.
A vitória da utopia sobre a distopia nunca é definitiva, uma vez que a distopia vive sob os pés de seus habitantes. Ela fica registrada nas paredes do museu, junto às fotos e evidências de séculos de resistência, que transformam a batalha atual em apenas mais um capítulo de uma longa história de sobrevivência.

Como nota final, ressalto o papel dos “poderosos psicotrópicos” utilizados pela população de Bacurau, particularmente no momento mais crítico da resistência. A forma liberal com que é encarada o uso de drogas não é o elemento central do filme, como algumas críticas apontam. O uso das drogas aparece como um alerta de que o enfrentamento da realidade que ameaça os direitos e a existência de parte da sociedade exige pensar para além do real. Resistir no mundo atual exige sonho, utopia e alguma dose de delírio, para que não sucumbamos ao vaticínio de que o inimigo é poderoso demais e a resistência é inútil. Neste sentido, o psicotrópico funciona como uma alegoria inteligente para o grau de insana ousadia e esperança que o tempo nos exige, sem as quais nos manteremos na passividade anestesiada que hoje nos encontramos.

Leia também:  A economia brasileira sem perspectiva, por Carlos Pinkusfeld

Em suma, a batalha entre utopia e distopia retratada em Bacurau traz consigo uma grande dose de realismo. Ele é uma representação simbólica de um conflito real, atual e que se percebe em todo o mundo ocidental. Sua grande novidade é trazer o conflito para o campo da brasilidade, resgatando nossas raízes históricas e personagens típicos do povo brasileiro. Por trás de cada personagem, existe uma sociedade complexa e contraditória, que é retratada de forma rica e criativa, evitando embarcar na caricatura do herói virtuoso. A virtude não está nas pessoas, mas na utopia. E quem disse que bandidos não podem sonhar com uma sociedade mais justa?

Guilherme Mello – É professor do Instituto de Economia da Unicamp e pesquisador do Centro de Estudos de Conjuntura e Política Econômica (CECON-UNICAMP).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Não vi o filme, mas oc comentários aqui já me autorizam a fazer uma análise. De fato, descreve o conflito entre uma utopia e uma distopia. Mas uma utopia e uma distopia que não pertencem ao Brasil, e sim aos intelectuais de esquerda com suas miragens. Dizer que Bacurau representa a brasilidade é um enorme engodo. Representa o dito Brasil profundo, não como ele é, mas como os intelectuais de esquerda gostariam que fosse.

    Para eles, o “Brasil autêntico” fica no interior do nordeste, é caracterizado pela solidariedade e pratica uma espécie de comunismo primitivo laico, com valorização da mulher e da diversidade. Já o sul seria o país falso e estrangeirado. Pura viagem! É justamente nos rincões do interior que sobrevive o país mais arcaico e mais marcado por tudo aquilo que a esquerda mais abomina – o mundo rural, conservador e submisso aos latifundiários. A região do país que mais encarna o que se pode chamar de brasilidade é São Paulo, justamente por concentrar ali brasileiros vindos de todas as regiões, principalmente do nordeste. Lula nasceu no nordeste, mas precisou vir para São Paulo para fazer sua carreira. O PT nasceu e cresceu em São Paulo. O sulista estrangeirado, racista e supremacista é uma caricatura tosca, na verdade com possibilidade de ser aplicada a indivíduos de qualquer região do país.

    Outra recorrente utopia é aquela que vê os marginais, particularmente os cangaceiros, como heróis revolucionários aguerridos e providos de consciência social. É um devaneio que surgiu após a desaparição de um proletariado revolucionário em moldes marxistas, o que levou os intelectuais de esquerda a buscar seu novo público nos marginais da sociedade, aqueles a quem Marx denominava os lúmpens. O cangaceiro revolucionário é uma criação de Glauber Rocha, que queria ver em Lampião um Pancho Villa brasileiro, mas até Eric Hobsbawn fez ressalvas ao incluir Lampião no rol dos “bandidos sociais”. O que há de verdade nessa mitificação do cangaceiro é uma admiração da parte de um povo humilde que vê como valores a valentia e a ousadia, mas é uma admiração de mão única – a recíproca nunca foi verdadeira, e Lampião sempre desprezou o povo humilde. Não é verdade que as cidades do interior do nordeste cultuem os cangaceiros em seus museus – muito pelo contrário, a cidade de Mossoró mantém um museu dedicado a rememorar o dia em que a população armada expulsou o bando de Lampião, que tencionava saquear a cidade.

    Mas com uma coisa eu tenho que concordar: é preciso muita droga para manter na mente o mundo imaginário onde reside a utopia. O problema é que esse consumo de drogas sustenta um lucrativo comércio que absorve aqueles lúmpen-proletários a quem os drogados sonham fazer seu público revolucionário. Até aí o capitalismo triunfa…

    • “Não vi o filme, mas os comentários aqui já me autorizam a ficar ofendidinho”.

      Pau no seu cu, Imundim. Você ainda é o mesmo bosta de 10 anos atrás la no indymedia.org

        • Impossível argumentar com um canalha que admite a má-fé já no primeiro parágrafo. Pelo menos veja o filme antes de cagar no teclado. Vá à merda e enfie tua “autoridade” no rabo. Se mata, infeliz!

    • Se você tivesse nascido no RS, SC ou PR você iria dar razão aos autores do filme. Nestes Estados as pessoas se acham sim, em sua maioria, mais europeus que os próprios europeus. Julgam-se superiores ao restante do País. E não sentem -se totalmente parte do País. Vivem em busca de seus antepassados, vivem a fazer dupla cidadania. A minoria nazista e mais nazista que a minoria nazista na Alemanha. Não a toa Bolsonaro obteve grande votação nestes Estados, provando principalmente o conservadorismo.

    • Se você tivesse nascido no RS, SC ou PR você iria dar razão aos autores do filme. Nestes Estados as pessoas se acham sim, em sua maioria, mais europeus que os próprios europeus. Julgam-se superiores ao restante do País. E não sentem -se totalmente parte do País. Vivem em busca de seus antepassados, vivem a fazer dupla cidadania. A minoria nazista e mais nazista que a minoria nazista na Alemanha. Não a toa Bolsonaro obteve grande votação nestes Estados, provando principalmente o conservadorismo.

  2. Eu adorei o filme. Cheio de simbologias escondidas. Observem: todas as placas de carro são as do Mercosul, que o Bolsonaro faz tudo para sabotar, porque é uma iniciativa sulamericana…A coleção enfileirada de cabeças gringas é outro momento forte…O filme todo é um ato de resistência, tão necessário nesse momento de apatia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome