A desigualdade e a rebelião das multidões, por Aldo Fornazieri

Se é verdade que as multidões se mobilizam, protestam e são o fermento da mudança, o fato é que sem projeto, sem estratégias, sem líderes e sem organizações políticas sólidas, elas tendem a ser derrotadas ou a conquistar vitórias efêmeras

Foto Patricia Faermann

A desigualdade e a rebelião das multidões

por Aldo Fornazieri

O conceito de “multidão” de Antônio Negri e Michael Hardt ajuda, em parte, compreender a nova onda de protestos que ocorre em vários países. É uma nova onda porque, desde 2008, a partir da crise financeira, ocorreram várias ondas que atingiram os Estados Unidos, vários países da Europa, se configuram na Primavera Árabe e passaram pelo Brasil. A nova onda agora atinge países ou cidades como o Chile, Equador, França, Líbano, Londres, Barcelona. Bagdá, Argel, Hong Kong etc.

Se o conceito de multidão não explica as razões das rebeliões, ao menos ajuda explicar a forma e a composição das mesmas. Negri e Hardt dizem que “o povo é uno. A multidão, em contrapartida, é múltipla. A multidão é composta de inúmeras diferenças internas que nunca poderão ser reduzidas a uma unidade ou identidade única – diferentes culturas, raças, etnias, gêneros e orientações sexuais; diferentes formas de trabalho; diferentes maneiras de viver; diferentes visões de mundo e diferentes desejos. A multidão é uma multiplicidade de todas essas diferenças singulares”. As manifestações que ocorrem em várias partes parecem ter essa composição multitudinária.  Os autores talvez tenham exagerado no seu otimismo quanto ao poder transformador que atribuíram às multidões.

Os gatilhos detonadores das rebeliões são diferentes, mas o pano de fundo é o mesmo: crescimento das desigualdades, mal estar social, perda de direitos, precarização dos serviços públicos de saúde, educação e transportes, precarização do trabalho e perda de poder aquisitivo dos salários. Se as doenças da alma, as doenças psicológicas, se multiplicam nos ambientes de trabalho, a perspectiva de um mundo cada vez mais sombrio, com ameaças às várias formas de vida, assusta os jovens.

As ditaduras do passado e os programas neoliberais mais recentes solidificaram estruturas que agravam e aprofundam as desigualdades. As revoluções tecnológicas também se tonaram máquinas de concentração de riqueza. Com isso, a democracia perde a sua alma, o seu valor principal: a igualdade. A igualdade era o valor primordial da democracia, disseram os filósofos políticos do passado. A igualdade era o valor característico da democracia disse Tocqueville. Hoje, as democracias ocidentais são formas sem conteúdo, estruturas sem substância, estruturas de Estado e de governo sem povo.

Leia também:  O atual entrelaçamento da política com o direito, por Thadeu Gomes da Silva

Se é verdade que as multidões se mobilizam, protestam e são o fermento da mudança, o fato é que sem projeto, sem estratégias, sem líderes e sem organizações políticas sólidas, elas tendem a ser derrotadas ou a conquistar vitórias efêmeras, reivindicações parciais, como mostraram as histórias recentes das grandes manifestações. É precisamente aqui que existe um enorme impasse: se, por um lado, as multidões mostram a potência da mobilização, por outro, os partidos e os líderes políticos mostram a impotência e a incapacidade de liderar, de conduzir processos inovadores de mudanças, de dirigir reformas ou de revoluções. Há uma indisfarçável crise de lideranças e de perda de relevância dos partidos.

A rigor, os partidos de esquerda e centro-esquerda hoje são partidos da ordem, fazem parte do status quo, são a cereja do bolo e a face humanizada do capitalismo predatório que impõe uma desigualdade brutal, crescente, às sociedades. Este conformismo das esquerdas ao sistema único vem diluindo e enfraquecendo os partidos socialdemocratas tradicionais da Europa e abre espaço para o crescimento da extrema-direita ou para outros tipos de populismo.

Na América Latina, os governos recentes de centro-esquerda e de esquerda não foram capazes de promover reformas profundas que atacassem as causas das desigualdades históricas. Para usar um termo de André Singer, esses governos promoveram apenas um reformismo fraco. Articularam programas sociais compensatórios que ajudaram a reduzir as desigualdades temporariamente, principalmente no momento em que o boom das commodities foi decisivo para melhor a renda, o emprego e superar os altos níveis de pobreza em vários países da região. Passado o período da bonança, os problemas históricos voltaram e se juntaram com denúncias de corrupção que atingiram boa parte dos governos da América Latina, tanto de esquerda quanto de centro-direita.

Leia também:  O Ur-Fascismo brasileiro e Bolsonaro como sua consequência, por Sergio Saraiva

Os 20 anos de governos de centro-esquerda da Concertación no Chile, somados aos quatro anos do último mandato de Michelle Bachelet, não promoveram um reformismo forte que fosse capaz de remover as instituições que causam a desigualdade e as iniquidades. O mesmo ocorreu com os governos do PT no Brasil, com o kichnerismo na Argentina, com Rafael Correa no Equador e com o chavismo na Venezuela. Este último promoveu uma grande diáspora do povo venezuelano. Uruguai e Bolívia foram os países onde os governos de esquerda foram bem sucedidos. Evo Morales merece destaque, pois assumiu o governo com altos padrões de pobreza e desigualdade e hoje a Bolívia é mais igual e mais desenvolvida.

Na América Latina, nem a centro-direita e nem as esquerdas foram capazes de enfrentar o principal problema: um desenvolvimento calcado na produção e exportação de commodities – produtos de baixo valor agregado – e com processos de desindustrialização. Esses processos vêm se aprofundando, estagnando e retroagindo o seu desenvolvimento da região. No Brasil, a desindustrialização vem se intensificando desde a década de 1980.

Baixos salários, precarização do trabalho, ondas de desemprego são algumas consequências comuns em vários países. A marcha da desindustrialização é acompanhada por sistemas educacionais em crise, pela desqualificação da mão de obra e pela alta evasão nos ensino médio e universitário. Em contrapartida, em outras partes do mundo a quarta revolução tecnológica se alastra, os investimentos em ciência e tecnologia se incrementam, os sistemas de educação são reformados e inovados. Somente a China está investindo 300 bilhões de dólares para transformar a suas universidades nas melhores do mundo.

Leia também:  Lições do anarquismo, por Felipe Corrêa

Com elites políticas e econômicas criminosas, com privilégios públicos inaceitáveis, os países da América Latina perderam a mão para o futuro. Desigualdade, desemprego, pobreza, violência, alta criminalidade, tráfico de drogas, populações inteiras sem direitos e sem assistência, a vida degradada nas periferias das cidades são marcas que vão se acentuando nestas terras desalentadas e desesperançadas.

Dados divulgados na semana passada sobre a desigualdade no Brasil mostram que a metade da população vive com 413 reais por mês. Este é o Brasil real enquanto os políticos se distraem com as brigas no PSL, com os desatinos do governo. Já o Brasil real está esquecido pelos políticos, abandonado pelos governos, ignorado pelos deputados. É o Brasil que não tem representação nos parlamentos, o Brasil que não tem voz, que não tem vez, que não tem saúde, que não tem direitos.

Mesmo que ocorram rebeliões, as multidões não podem e nem devem ter esperanças, pois estas são recorrentemente afogadas pela crueldade das elites e pelas misancenes  dos partidos e dos políticos, interessados apenas nos seus cálculos eleitorais, nos seus cargos, nos seus fundos e nos seus privilégios. Passada a fúria das rebeliões a vida e a realidade voltam à sua trágica normalidade e esta parece não ter fim.

Aldo Fornazieri – Professor da Escola de Sociologia e Política (FESPSP).

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. O nucleo do PT 7 de Abril realizou em Paris uma prévia do 7° Congresso do PT, que acontecera em novembro proximo em SP. Ao nos depararmos com os cadernos de teses das diferentes chapas concorrentes à presidência do partido, vê-se que se tem correntes que vão da extrema-esquerda, altamente critica a direção que tomou o partido, até o centro. Mas todos sabemos que nenhuma corrente mais critica ou mais revolucionaria, para usar o termo, tem a minima chance de ganhar a presidência do partido hoje. Alias, a chapa de Walter Pomar é excelente, mas estah praticamente à margem do PT de Gleizi e Lula. Não vejo muita mudança na linha que o PT tem adotado enquanto a corrente marjoritaria estiver em torno de Lula. Não é uma critica, mas também não teremos pelo proximo ano um partido muito diferente do que temos tido até aqui. Isso talvez mude com Lula livre e podendo disputar as eleições.
    Quanto aos outros partidos, em sua maioria, nem programaticos são e também não ha muita ou nenhuma democracia interna. Logo, a politica partidaria continua sendo feita na base do vamos que vamos, o que vier pela frente, a gente tenta desviar ou bloquear…

  2. E o fundo do poço ainda não chegou, só assim entendo esse imobilismo social em todo o país enquanto tudo piora. Temo que se tivermos convulsão social torne-se incontrolável e iremos bater numa guerra civil.

    • Antes um fim com terror do que um terror sem fim.

      “O proletariado, a camada mais baixa da sociedade atual, não pode elevar-se, não pode levantar-se sem fazer ir pelos ares toda a superstrutura das camadas que formam a sociedade oficial. Pela forma, embora não pelo conteúdo, a luta do proletariado contra a burguesia começa por ser uma luta nacional. O proletariado de cada um dos países tem naturalmente de começar por resolver os problemas com a sua própria burguesia.

      Ao traçarmos as fases mais gerais do desenvolvimento do proletariado, seguimos de perto a GUERRA CIVIL mais ou menos oculta no seio da sociedade existente até ao ponto em que rebenta numa revolução aberta e o proletariado, pela derrubada violenta da burguesia, funda a sua dominação”. – Marx e Engels, Manifesto Comunista

      Faz tempo que estamos imersos na guerra civil. Nós teríamos é que transformá-la numa revolução libertária aberta.

  3. Concordo mas com uma ressalva: o líder deveria ser tão efêmero quanto quanto a sua razão. No momento em que um liderado tiver mais razão do que o líder, a liderança deste acaba, podendo recomeçar quando ele voltar a ter mais razão do que o líder.

  4. A análise do Aldo abstrai a luta de classes e a divisão internacional do trabalho. Ele acha que a transformação da realidade em favor de uma classe é apenas uma questão de vontade.

    Segundo o Aldo:

    “Na América Latina, nem a centro-direita e nem as esquerdas foram capazes de enfrentar o principal problema: um desenvolvimento calcado na produção e exportação de commodities – produtos de baixo valor agregado – e com processos de desindustrialização. Esses processos vêm se aprofundando, estagnando e retroagindo o seu desenvolvimento da região. No Brasil, a desindustrialização vem se intensificando desde a década de 1980”.

    Ora, Sr. Aldo, “os homens fazem a sua própria história, mas não a fazem segundo a sua livre vontade; não a fazem sob circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas pelo passado. A tradição de todas as gerações mortas oprime como um pesadelo o cérebro dos vivos”.

  5. É este o nível, a meu ver, adequado do debate contemporâneo. Sou reticente em relação ao pacto social abordado por Nassif. E neste ponto sigo Zizek, diz ele: “a crise em que aparecem Trump e Bolsonaro é a crise do stabilishment liberal de esquerda, defendo uma política mais radical.”

    A desigualdade, de fato, é o eixo central da agenda. O capitalismo não oferece nenhuma perspectiva civilizacional. E o Estado, aqui no Brasil, aprofunda as desigualdades. Me pergunto o que está faltando para a esquerda colocar na pauta no parlamento e na sociedade, os privilégios. Poderia começar fazendo valer a lei do teto salarial de $39.200,00. Fui informado que alguns magistrados ganham até $140.000,00. Isto é crime, corrupção das brabas

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome