Agronegócio, soja e desflorestamento, por Felipe A. P. L. Costa 

O funcionamento da engrenagem que promove o regime de exploração está subordinado aos centros de decisão do mundo econômico

Agronegócio, soja e desflorestamento

Por Felipe A. P. L. Costa [*].

A exploração anárquica dos recursos naturais é uma das características da economia mundial. Nos dias de hoje, porém, o funcionamento da engrenagem que promove esse regime de exploração está subordinado aos centros de decisão do mundo econômico. A ‘moratória da soja’ serve para ilustrar essa afirmativa: a denúncia de que grandes multinacionais de alimentos financiavam a derrubada da floresta amazônica fez com que empresas exportadoras anunciassem a decisão de não mais adquirir grãos produzidos em áreas recém-desflorestadas. Um avanço, sem dúvida, embora ainda não esteja claro se esse compromisso está de fato sendo cumprido e, em caso afirmativo, se será mantido em futuro próximo.

Jornal GGN produzirá documentário sobre esquemas da ultradireita mundial e ameaça eleitoral. Saiba aqui como apoiar

1. GRANDES NEGÓCIOS, GRANDES PILHAGENS.

Negócios, mentiras e pilhagens andam juntos com bastante frequência. No caso de grandes negócios, parece haver uma lei: só prosperam – principalmente em países onde a acumulação de capital é recente – se forem sustentados por uma cadeia de atividades sujas e irregulares.

Vejamos o exemplo da indústria metalúrgica, notadamente a siderurgia. A base da cadeia de negócios em cujo topo situa-se a indústria siderúrgica está na mineração, um empreendimento essencialmente sujo. Nas palavras do erudito alemão Georg Bauer (1494-1555), conhecido como Georgius Agricola, “Os campos são devastados por operações de mineração (…) as florestas e os bosques são derrubados, pois há necessidade de uma quantidade interminável de madeira para construções, máquinas e fundição de metais. E, quando se abatem as florestas e os bosques, os animais são exterminados (…). Além disso, quando os minérios são levados, a água usada envenena os regatos e os rios e destrói os peixes ou os afugenta”.

Quase cinco séculos mais tarde, os efeitos negativos da mineração permanecem praticamente os mesmos, embora em uma escala muitíssimo maior. Isso porque a maquinaria utilizada hoje pode concluir em horas o trabalho que homens e animais de carga levavam anos para fazer na época de Agricola. Os avanços tecnológicos também permitiram que a produção mundial atingisse patamares inimagináveis naquela época, o que reduziu custos e barateou produtos. Todo esse ‘progresso’ levou ao excesso de consumo e ao desperdício, ampliando em muito os danos e a degradação ambiental.

Além de gerar degradação ambiental e altos níveis de poluição, a siderurgia está comumente ligada a uma cadeia de negócios ilegais ou criminosos, desde fazendas que exploram o trabalho escravo e a mão de obra infantil até carvoarias que promovem desflorestamentos ilegais.

O país conta hoje com dezenas de usinas siderúrgicas, produtoras de aço e ferro-gusa, alimentadas por milhares de carvoarias. A cadeia produtiva que atende a demanda de uma grande siderúrgica abrange dezenas ou centenas de fornecedores, todos buscando em primeiro lugar a maximização dos lucros, a despeito de operar ou não dentro dos limites da lei ou da civilidade. À medida que essa mentalidade ‘selvagem’ se impõe, as irregularidades tendem a prosperar. Não é de estranhar, portanto, que ‘progresso econômico’ e ‘desenvolvimento social’ estejam em geral tão distantes entre si.

2. COMENDO A AMAZÔNIA.

Outra atividade econômica famosa pelos tentáculos sujos que ostenta é o chamado agronegócio – grandes empreendimentos agrícolas voltados basicamente para a exportação. Vejamos o caso da soja, uma leguminosa de pequeno porte, aparentemente frágil, mas cuja cultura é poderosa o suficiente para eleger prefeitos, deputados e até governadores – além de grilar terras e dizimar qualquer trecho de vegetação nativa que encontre pela frente.

Poucos anos atrás, a opinião pública brasileira foi informada sobre a cadeia de negócios irregulares e criminosos que sustentava boa parte da cultura da soja no país, particularmente nas regiões Norte e Centro-Oeste. Foi revelado, entre outras coisas, que o dinheiro que fazia a engrenagem do desflorestamento funcionar em boa parte da Amazônia provinha da indústria de alimento, incluindo fabricantes de óleo de cozinha e ração animal.

Detalhes dessa história apareceram no relatório Comendo a Amazônia, divulgado em 2006 pela organização não governamental internacional Greenpeace. Graças a esse trabalho, ficamos sabendo como gigantes da indústria de alimentos – com destaque para Cargill, ADM (Archer Daniel Midland Company) e Bunge, segundo o Greenpeace – financiavam a engrenagem do desflorestamento no Brasil. O caso repercutiu na imprensa internacional, principalmente em países importadores da soja amazônica. Essa repercussão fez com que a indústria local, digamos, ‘se mexesse’.

Assim, em meados de 2006, as empresas afiliadas à Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais e à Associação Nacional dos Exportadores de Cereais divulgaram um comunicado conjunto sobre o assunto. Os signatários do comunicado condenavam o trabalho escravo e prometiam não comprar soja proveniente de áreas recém-desflorestadas, pelo menos até 2008. Cabe notar que os termos dessa nota atestavam, antes de tudo, que as empresas estavam, até então, envolvidas em atividades irregulares e criminosas.

A ‘moratória da soja’, como ficou conhecida, já foi estendida mais de uma vez, a última delas até julho de 2010. É preciso, no entanto, continuar de olhos abertos: nos últimos anos, mesmo com a moratória em vigor, surgiram denúncias de que algumas empresas estariam desrespeitando o acordo. No fim das contas, a pergunta que a indústria da soja precisa responder é bem simples: as empresas do setor vão mesmo trilhar o caminho da legalidade ou a moratória foi apenas uma ‘cortina de fumaça’ – uma pausa para o lanche, antes de voltar aos negócios sujos e irregulares de antes?

SUGESTÕES DE LEITURA.

++ Abiove. 2006. Sustentabilidade – Moratória da soja. Disponível no sítio da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais.

++ Carvalho, RB. 2002. Retrato em branco-e-preto. Ciência Hoje 188: 50-52.

++ Greenpeace. 2006. Comendo a Amazônia. Disponível no sítio do Greenpeace.

++ Young, JE. 1992. A extração de minérios da Terra. In: Brown, LR, org. Qualidade de vida – 1922: Salve o planeta! SP, Globo.

NOTA.

[*] Artigo originalmente publicado – com o título ‘Desflorestamento: pausa para o lanche?’ – na edição n. 270 (maio de 2010) da revista Ciência Hoje. Há uma campanha de comercialização em curso envolvendo os livros do autor – ver o artigo Ciência e poesia em quatro volumes. Para mais informações ou para adquirir (por via postal) os quatro volumes (ou algum volume específico), faça contato pelo endereço [email protected]. Para conhecer outros artigos e livros, ver aqui.

Felipe A P L Costa, é biólogo, pesquisador em ciências biológicas e ecologia.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Roberto Cardozo

- 2022-06-18 17:41:40

É realmente uma situação bastante melindrosa e complicada, a população crescendo e cada vez sendo maior a necessidade de produzir alimentos, mas há que se buscar uma solução, uma vez que os recursos naturais são frágeis e limitados e a exploração desordenada certamente irá agravar o problema do abastecimento alimentar a nível mundial.

WEDSON DESIDERIO FERNANDES

- 2022-06-18 11:45:21

Opa, mais um bom artigo do Felipe que será usado nas discussões com os alunos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador