Chamada para a guerra, por Valter Hugo Mãe

Vale tudo para Trump se manter na cadeira mais poderosa do Mundo, com sua ação errática, delirante e infantil, porque será certamente reconduzido pelo medo que ele próprio começou a construir.

Foto El Pais

do Jornal de Notícias

Chamada para a guerra

por Valter Hugo Mãe

 

Entre o tremendo que pode ser o Governo iraniano, com sua obstinação religiosa, e o tremendo que é o Governo Trump, com sua fé capitalista, venha o diabo e escolha. O certo é que Trump não se pode arrogar a justiceiro de coisa alguma. O povo iraniano, como um todo, não clama por libertação, senão exatamente do embargo imposto pelos EUA. Trump é tão-só o assassino de outro mau homem, com o sentido claro de se erguer como guerreiro bravo de uma contenda que usa a moral de modo cínico, ilegítimo, insuportável.

O ano de 2020 começa assim. Vale tudo para Trump se manter na cadeira mais poderosa do Mundo, com sua ação errática, delirante e infantil, porque será certamente reconduzido pelo medo que ele próprio começou a construir.

Reconhecemos os cemitérios iranianos pelas pedras levantadas com fotografias imensas dos mortos em conflitos de guerra. São fotografias que nos habituamos a ver de estrelas da canção, nunca dos mortos. Venerados, esses homens jovens são lembrados com tristeza e orgulho, para que se mantenha a consciência de que a guerra está à espera. Os homens são ensinados para a História recente, como seu povo se tornou alvo de preconceito e boicote do mundo ocidental. Sabem que a qualquer altura poderão ter de combater. Os mortos, já heróis, obrigam à nova heroicidade.

Diziam-me que a cidadania iraniana só é decorosa se odiar os EUA. E os EUA têm 40 anos de sanções e humilhações feitas aos iranianos. É o povo quem medra nos efeitos atrozes do embargo, é o brio dos persas que se fere na chacota contínua. O país de Rumi e de Hafez, Ferdowsi ou Sa”adi é profundo de cultura e esplendor, não pode ser simplificado pelo advento do fundamentalismo que, em rigor, diz respeito a uma franja diminuta da comunidade, franja essa que aumenta de cada vez que os EUA lhes fazem ver que os caridosos cristãos os odeiam a todos e os querem eliminar.

Soleiman não foi morto em contexto de guerra. Trump não agiu com autorização do Congresso. É tão-só uma manobra pessoal de reeleição que leva o Mundo ao pé de novo terror. De outro modo, pura demência.

Escritor

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora