Ignorância de Trump sobre os curdos espantou o mundo, por Sergio da Motta e Albuquerque

Donald Trump, em mais uma demostração de ignorância em assuntos internacionais, históricos, geográficos e diplomáticos, disse que abandonou os curdos a sua própria sorte “porque eles não ajudaram na invasão à Normandia”

do Caderno de Opinião

Ignorância de Trump sobre os curdos espantou o mundo: “eles não nos ajudaram na Normandia”

Sergio da Motta e Albuquerque

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, tem abusado de sua sorte, ao ameaçar a Europa com uma invasão de refugiados sírios, caso denunciasse como invasão sua ofensiva para deslocar os combatentes curdos da fronteira com a Síria. O território estratégico foi ganho em combate contra o ISIS, com ajuda americana e Síria. Agora, com a saída da tropa ianque de Trump, os turcos, ameaçados com a perda do controle do acesso ao mundo árabe para os curdos, invadiram a região para além da fronteira com a Síria. Que veio em socorro dos curdos. Observem o mapa abaixo. Foi feito pela CIA e editado por este autor. A área mais clara é habitada por curdos:
Na quarta-feira da semana passada, Donald Trump, em mais uma demostração de ignorância em assuntos internacionais, históricos, geográficos e diplomáticos, disse que abandonou os curdos a sua própria sorte “porque eles não ajudaram na invasão à Normandia” – a porta de entrada à “Fortaleza Europa” de Hitler, em 1944.
New York Times (10/10), numa rara volta a seus tempos de grande informador mundial em língua inglesa, não deixou passar o absurdo dito por Trump diante da imprensa internacional. Os curdos até hoje nunca tiveram seu próprio estado. Vivem espremidos entre árabes, turcos e iranianos. É provável que descendam dos antigos Medos, primos dos persas do antigo Iran. Não poderiam, mesmo que quisessem, ajudar na luta antinazista. Os curdos eram e são um povo antigo e sem-terra. Como poderiam ter desembarcado tropas no Dia D, no norte da França, em 1944? A estupidez deste argumento é assustadora. Tragicômica.
Trump usou um argumento de um conhecido comentarista reacionário no Twitter, Kurt Schlichter, que foi identificado pelo Times de imediato. A coisa chegou a ser engraçada: curdos no ‘Dia D’. Como seria possível? Em um momento como este, faz falta um grande chargista, para um melhor e mais apurado comentário critico, que exibisse ao mundo, de forma gráfica a estultícia do atual presidente norte-americano.
Esmagados entre interesses regionais e internacionais, essa gente brava sempre lutou pelo seu dia a dia. Pelo simples direito de permanecerem vivos. Ameças diárias rondavam e ainda rondam os lares curdos, há muitos séculos. Eles lutam sem apoio por seus destinos e suas vidas, contra todos que sempre se opõem à criação do Curdistão – o tão sonhado país dos Curdos. Esperar que um povo desvalido do Oriente Médio, que sequer tem seu próprio estado soberano, ajudasse no desembarque na Normandia em 1944, é uma demostração óbvia de extrema ignorância em História e Geografia, imperdoável em qualquer presidente ou outro líder nacional de qualquer parte deste planeta. O Twitter, por sua vez, com sua lógica de ‘celebridades’ e ‘famosidades’, transformou-se na rede social extraoficial para muitos mandatários reacionários e ignorantes, neste nosso mundo de conflitos.
O curdos contribuíram para o esforço de guerra contra a Alemanha nazista, lutando no exército soviético (russo) durante a Segunda Grande Guerra, informou o periódico histórico de Nova Iorque. São combatentes valorosos, que expulsaram os degoladores do ISIS e seu falso califado bárbaro do nordeste da Síria. Território ganho em combate não se devolve sem luta.
Com o norte do Iraque controlado pelos curdos, os turcos, como já mencionei acima, não querem perder para eles – acusados de terroristas por Ancara – o controle do acesso ao mundo árabe, momentaneamente controlado pelos combatentes do Curdistão. Com as conquistas ao norte na vizinha Síria, os curdos acabaram por controlar por completo todas as aproximações dos turcos ao mundo árabe. Pelo menos por terra. A prometida invasão aconteceu, provocando o recuo dos curdos. O ataque turco, entretanto, acabou limitado pelas ameaças de Trump de completa obliteração da economia turca. No dia 17 de outubro, os turcos concordaram em suspender o ataque por cinco dias.
As relações internacionais são permeadas pela hipocrisia humana: em alguns dias, os turcos conseguiram expulsar os curdos para o sul. Erdogan exaltou seus ganhos para seus apoiadores na Turquia. Donald Trump, em campanha para 2020, cumprimentou a si mesmo, por ter sido duro o suficiente com os turcos a ponto de parar a invasão. Depois que os turcos desalojaram os curdos da terra que conquistaram. Após os cinco dias de suspensão dos ataques, ninguém sabe ao certo o que vai ser dos curdos. A faixa de segurança, exigida e conquistada por eles, 20 ou 30 quilômetros dentro do território sírio, vai permanecer. Trump e Erdogan conseguiram o que queriam. Os curdos, mais uma vez foram empurrados para longe das preocupações das grandes potências regionais e internacionais.
O destino da população curda ainda depende do esforço diário de seus combatentes – homens e mulheres. Eles são muçulmanos, mas as mulheres curdas, ao contrário da grande maioria do mundo islâmico, lutam lado a lado dos homens pelas vidas de seus filhos e netos. Sua dor e sua luta diária os tornam mais fortes a cada dia diante da ameça militar dos turcos, da indiferença do mundo e da estupidez de Donald Trump e seus asseclas nas redes sociais.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

10 comentários

  1. —–O território estratégico foi ganho em combate contra o ISIS, com ajuda americana e Síria———–
    Vejam vcs como se instalam” verdades” nos desatentos.Os americanos fracasada a sua “primaveira síria” ,fizeram de conta que combatíam contra os “degoladores” do ISIS,que derrubaríam Assad cedo ou tarde.
    Mas,que aconteceu? (e este “jornalista”não faz menção nenhuma) Rússia entrou no conflito em favor( de verdade) do Assad.Começaram a bombardear as posições do ISIS fazendo-o recuar até a sua completa extinção. Lembrar de quase incidentes graves,entre aviões americanos e russos.
    ESTA INFORMAÇÃO FOI DISPONIBILIZADA PELA MÍDIA PRO-YANQUEE DESTE PAÍS,PORTANTO INFORMA ÇÃO INSUSPEITA.
    A manipulação acontece a toda hora,incluso neste blogs dito “progressistas”

  2. Está certo que o comentário de Trump pode ser tachado de ignorante, embora, à distância, ele me pareceu algo mais típico do humor americano que outra coisa. Decerto, se ele tivesse dito que deixou cair os curdos, como apressadamente declararam seus inimigos americanos (Ele já não tem adversários nos EUA!), por nunca lhe terem comprado um único dos muitos imóveis que incorporou e construiu em sua longa e acidentada vida no ramo imobiliário local e mundial, a coisa teria sofrido as mesmas recriminações -afinal, trata-se Trump. – de outra natureza. Mas não, ele preferiu se situar no oceano da história contemporânea, no qual ele não está só – Ele tem a companhia do povo americano. – em seu chapinhante nado de costas.
    Mas, se ele ignora a história, há de haver em sua entourage quem sabe localizar o povo curdo no mapa do Oriente Médio e dizer algo sobre sua turbulenta e interessante história nacional, é o que me parece. E também capaz de lhe dizer que as dispendiosas guerras contra inimigos imediatos sempre recriados a partir das cinzas do anterior e financiados pelo mesmo orçamento, que os EUA conseguirão a paz naquela região no instante em que, finalmente, a abandonarem.
    Tudo indica que Trump acatou a ideia, num lance de esperteza, como é de seu feitio.

  3. O fato real é que a saída dos ianques motivou e proporcionou a entrada dos eslavos junto com os sírios pra enfrentar o estado islâmico. Estes dois países não possuem imprensa livre para mostrar a real letalidade da guerra matando civis indefesos.Os americanos republicanos estão aplaudindo a volta para casa dos seus garotos heróis. Não teria sido uma jogada de mestre de Trump?

    • Meu deus ,jogada de mestre? deixa o controle da Síria para os russos ,aliados da China que querem implantar o novo caminho da seda com acesso por terra ao Mediterrâneo para inundar Europa de produtos chinesses ,sem ter que dar a volta pelo mar Vermelho controlado por USA.É só olhar o mapa ,até o Irã eé beneficiado com isso !!!!Turquia é aliadado Putin,Síria aliada de Putin,China aliada de Putin,por que vc acha que os americanos fizeram de conta que estavam combatendo o ISIS?????Assad é aliado dos yanquees???
      jogada de mestre de um imbecil que já afundou diversas empresas próprias nos eeuu????
      Ainda respondo com isto ao comentarista anterior,que imagina que os EEUU querem a paz !!!!!ingênuos !!!!

      • Rússia e China são os melhores aliados que o Oriente Médio pode ter. Só de se livrar dos invasores estadunidenses já será uma grande vitória para os sírios que precisam recuperar sua histórica autonomia de um país multicultural que sempre foi. Os países da OTAN invadiram e destruíram o Iraque, o Afeganistão, a Líbia e o Iêmen para tentar cercar a China e a Rússia via Oriente Médio, mas, felizmente, fracassaram rotundamente. Os curdos não têm direito a nenhum território na síria que pertence aos sírios e eles (os curdos) usados pelos países da OTAN (EUA à frente) para surripiar petróleo na cara dura e proteger o regime sionista. Viva a Síria livre, viva a Rússia e a China que defendem um mundo multipolar.

      • Desconhecia todo este jogo geopolítico e também subestimava o poder de persuasão das forças americanas postadas naquela região de conflito.Muita ingenuidade!

  4. Acha que o Trump mudaria de ideia caso tivesse o conhecimento certo da História Curda?
    Então, não olhe pra ignorância dele, mas para o que ele quer…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome