O dinheiro dos ricos e a crise econômica, por Alexandre Filordi

O dinheiro oculto dos privilegiados move a sustentabilidade de crenças compradas pelos incautos.

(Sleep – Salvador Dalí)

O dinheiro dos ricos e a crise econômica: IPVA para jatinhos, helicópteros e iates; tributar lucros e dividendos, taxar as fortunas

por Alexandre Filordi

Em Dinheiro oculto a histórica secreta dos bilionários nos bastidores da ascensão da extrema direita (Dark Money – The hidden history of the billionaires behind the rise of the radical right – 2017), Jane Mayer revela como a elite econômica, notadamente a norte-americana, produz uma rede de autoproteção para defender seus interesses. O Brasil e o mundo copiam as mesmas estratégias.

Os ricos compram políticos, financiando-os; criam fundações para transferir, ocultar e proteger recursos – o Itaú acaba de fazer isso no Brasil: doou 1 Bilhão de reais para si mesmo, ou seja, para a Fundação Itaú, divulgando que era para  combater o Covid-19: por que não doou diretamente ao SUS? –; pagam think tanks para reproduzir e defender seu ideário de autoproteção, por exemplo, a de que a taxação de riquezas gera desemprego; investem pesado em meios de comunicação para difundir seus interesses; subvencionam grupos de pesquisas, inclusive em universidades, fantasiando suas estratégias em roupagem científica etc. 

O dinheiro oculto dos privilegiados move a sustentabilidade de crenças compradas pelos incautos. Assim, o trabalhador pensa que o empresário representa seus interesses; que o rico se preocupa com o desemprego, de verdade, e não com lucros; que o dono da empresa quer mesmo investir no “recurso humano”, quando tudo não passa de reduzir a potência humana em autoexploração aceitável e acrítica.

No Brasil tocado pela pandemia, a elite não move uma palha para reverter a catástrofe social que se agudizará. Aliás, a pandemia trará certa vantagem para este governo federal medíocre: jogará nas costas do Covid-19 a responsabilidade pelo fracasso de sua política econômica desastrosa. Justificará por aí o desemprego disparado, o aumento da miséria, a retomada econômica que não chegará, dentre outras diatribes. O fato, porém, é que todas as estratégias de cortes financeiros foram maximizadas no lombo do trabalhador. Enquanto isso, os poderes legislativos e executivos deixam passar a oportunidade de reverter a injustiça social cada vez mais aberrante entre nós. E num futuro próximo, poderão justificar novas medidas contra o trabalhador.

Seria urgente começar a cobrança de IPVA dos jatinhos, helicópteros e iates dos afortunados. O precariado que vende cachorro-quente precisa pagar o IPVA de sua pequena van ou trailer; o entregador com sua moto também paga IPVA. Os magnatas que privatizam ilegalmente a costa do Brasil navegam calmamente com suas lanchas e iates, sem pagar IPVA. Atalhando o trânsito caótico das grandes cidades em seus helicópteros, os ricos seguem no conforto bonificado, sem IPVA. 

Apenas o Brasil e a Estônia não tributam dividendos dos rentistas. Isso causa um impacto na distorção social absurda. Um empresário que decide vender sua empresa e aplica todo o seu recurso na bolsa de valores não pagará um centavo sobre os dividendos acumulados. Eis uma das mágicas do rentismo no Brasil e da concentração de renda. Não é à toa que no meio de tanta desgraça a bolsa de valores segue fornecendo lucros: e há os que associam essa “mágica” com crescimento econômico. 

Ora, não podemos desprezar os rentistas defendendo cortes nas redes de proteção social pública, a privatização, a supressão do salário mínimo, o fim dos direitos dos trabalhadores e, talvez, a volta à escravidão.

Aliás, esses mesmos rentistas se somam aos mais ricos e afortunados do planeta. Se houvesse um imposto sobre a própria fortuna, destinado diretamente à saúde e à educação públicas, a sociedade brasileira estaria consolidando uma estratégia mais justa para suprimir a distorção histórica de um país inaugurado sob capitanias hereditárias e escravidão. 

Esses três aspectos, IPVA para os jatos privados, helicópteros e iates; tributação dos dividendos e lucros, além da taxação das grandes fortunas, são dimensões práticas e civilizatórias para se reverter uma situação que está se escancarando nesses tempos: quem socorre, de fato, as pessoas é o Estado. Por que, então, não fortalecer o Estado sacando dos que militam contra o próprio Estado, apenas para manter, de modo oculto e distorcido, suas riquezas e benesses? 

Do contrário, o Brasil seguirá sendo o detentor mundial de concentração de renda, atrás apenas do Catar, sem mencionar o aumento no número de pobres e miseráveis, hoje próximo aos 50 milhões de indivíduos. A quem isso interessa? 

Talvez o Brasil seja uma grande metáfora da pintura Sleep, de Salvador Dalí. A grande cabeça distorcida dos privilegiados repousa tranquila sobre as frágeis estacas de uma sociedade que precisa, de fato, se despertar.  Do contrário, a grande cabeça dos afortunados seguirá dormindo em “berço esplêndido”, “ao som do mar”, com suas lanchas e iates, e “à luz do céu profundo”, com seus helicópteros e jatinhos, celebrando o “sol do Novo Mundo”: o dos ricos de sempre.

Alexandre Filordi (EFLCH/UNIFESP)

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rui Ribeiro

- 2020-04-15 07:24:29

Boi come R$ 1,500 e dono abate o bicho para resgatar o dinheiro "Quando o último peixe for pescado Quando a última árvore for derrubada É quando o último rio tiver secado O homem vai finalmente descobrir que não se come dinheiro"

Alexandrina Monteiro

- 2020-04-14 18:48:52

Muito bom. Excelente texto e tema para discutirmos. As fundações como Itaú (não é a única) além de doarem a si mesmos muitas vezes recebem dinheiro além de benefícios do estado. A justificativa muitas vezes é que a compra pelas fundações são menos burocráticas. Falamos aqui nas licitações que as instituições precisam fazer. As fundações podem replicar seu dinheiro comprando deles próprios ou entre eles. Enfim...

Machado

- 2020-04-14 10:31:11

Luis, são essas instituições que corrompem os governos...que pressionam por determinada politica monetária....são agentes, corruptores....Não sejamos ingênuos de achar que o Estado é corrupto e a iniciativa privada não...esse foi o espírito da lava a jato....

Luiz Eduardo

- 2020-04-13 23:08:41

Bill Gates é sabidamente um grande filantropo. Há cerca de 25 anos, na primeira doação que fez a um país africano para o combate a malária, o dinheiro foi diretamente ao governo daquela nação que simplesmente sumiu com a grana. A partir daí, o dinheiro dele é doado à sua fundação e ela que o encaminha aos organismos assistenciais competentes que fazem dele o melhor uso sem roubá-lo ou surrupiá-lo. Creio que por essa razão o Itau passou ao largo do SUS e dos políticos que nele mandam.

Machado

- 2020-04-13 23:07:12

Excelente análise. É uma desfaçatez realizar uma autodoação e atribuir a ela o selo da solidariedade ou de compromisso social. Desde 2015 o Itaú tem sido o banco que vem acumulando o maior lucro líquido anual entre os bancos brasileiros. "O lucro líquido foi de R$ 26,583 bilhões em 2019". Imposto progressivo Já!!! Quantos trabalhadores poderiam ser remunerados com o lucro liquido anual do Itaú? considerando um salário de R$ 1.045,00? Imagino o café da manhã de uma trabalhador em comparação ao de um acionistas do Itaú. É justo? É juro....

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador