Pela democracia e autonomia na PUC-SP, por Antonio Corrêa de Lacerda

Pela democracia e autonomia na PUC-SP

por Antonio Corrêa de Lacerda

A comunidade puquiana foi surpreendida recentemente com a proposta de mudança de Estatuto da universidade enviada para apreciação do Conselho Universitário pela sua mantenedora, a Fundação São Paulo (Fundasp).

Pelas novas regras, ainda em discussão, mas cuja aprovação final caberá ao Conselho Superior da Fundasp, extingue-se os departamentos, que são a célula mater. da universidade. Mais grave ainda, muda-se o critério atual e de tradição de eleições diretas para Coordenadores de Curso, Diretores de Faculdades e do próprio Reitor, que atualmente é escolhido pelo Cardeal, Grão Chanceler da Universidade após lista tríplice obtida a partir de eleições.

Isso muda toda a estrutura e a lógica de governança da universidade, uma vez que os cargos citados passam a ser indicados diretamente pela mantenedora. A prática atual é da construção conjunta dos programas a serem implementados pelos candidatos eleitos em todas as esferas da universidade, o que dá legitimidade aos escolhidos, mas também fortalece compromisso com valores histórica e coletivamente construídos.

Há uma clara agressão à democracia e autonomia da universidade, rompendo sua longa tradição de compromisso social e humano, de forte influência de Dom Paulo Evaristo Arns e de resistência que se consolidou no período da ditatura vivida pelo Brasil, nos anos 1964-1985.

Nesse período a universidade abrigou intelectuais comprometidos com as causas populares e sociais, em claro confronto à ordem vigente. Romper com essa tradição é algo que representa um retrocesso não apenas doméstico, mas com repercussões nacionais e internacionais. A PUCSP .se mantém nos dias atuais como um forte reduto de resistência e defesa do Estado democrático de Direito, da Justiça e da Cidadania.

Daí a importância da mobilização dos seus atores, professores, funcionários, alunos e ex-alunos, como de todos aqueles que se identifiquem com os seus valores. Está sendo proposto pela mantenedora um prazo de apenas 60 dias para discussão e aprovação do novo Estatuto, período absolutamente insuficiente para  uma ampla consulta e mobilização de todos os interessados. Em função disso, professores e alunos, em assembleias diferentes deliberaram pela sua rejeição in totum.

Fortalecer as bases da PUC-SP é resistir ao retrocesso que representaria para toda a sociedade brasileira a alteração do seu estatuto nos termos em que estão sendo colocados! 

 
Antonio Corrêa de Lacerda – Professor-doutor, atual diretor da Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Atuariais (FEA) da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP), conselheiro e ex-presidente do Conselho Federal de Economia (Cofecon)

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Francisco ainda não assumiu a

    Francisco ainda não assumiu a liderança na Igreja Católica brasileira. A permanência de Odilo e Oriane nas prelazias de São Paulo e Rio de Janeiro é um assintoso boicote ao Papa.  

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome