Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana

 

Indaí, u cortejo foi siguino i saprochimanu da casa di Bódim. Eiles tava tudu incharcadu i chei di lama. U sol tinha vórtado a saí, abrinu i féchanu as jinélas das nuvis, qui tavam ino imbóra lijeiras. Eile, brincalhão, saía numa fresta, que se féchava; invinha outra, eile punha ozói di nuóvo. I anssim abriu todas i dexô u céu tudo azulado, pra só eile reiná. Imperadô da vialáquitea, zóião du Universo.  

Ieu, miamãe, Néja i Maricló, qui tavamos préúcupadas queles, tinhamos ido ao incontro deiles. Cuandu nósi vimo acuele cortejo lá luonji, Néja falô anssim:

Óia, uqui ié aquilu, jienti? Eiles tão tudo sujo, parécenu qui sairu du buxu duma vaca. Quiem ié acuele qui tá vinu carrégadu nu cólo dum? Déve di tá firidu, será qui as gatas atacaru eile? Sérá quié inimigo capturadu? Ié capanga di Xicuta? Ié jienti queles acharu pérdida na mata? Inté as gata tão suja di lama, a tiempestadi catô eiles numei du camino. Cadê Tuxo cos pexe? Cadê Cascatim? Nósi tamu tudas trincanu di fome.

Carma, Néja. Jájá a jienti prigunta tudu uilsso preles.

Ié memu, Catarina, vamu isperá tópá cueles. Bem qui Bódim diz qui as muié apreceia sabê di tudos os detalis, da cor da linha inté u tamanhu das baínhas

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome