Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana.

I éira um fuá brabo, uma bataia virada na doidera disisperada. Nósi num ia si
intregá fácir pá eiles dispô dajienti du jéito queles quirias. Não, a jienti
tava infrentanu o Mal pá ficá tronquili cánóssa consiença, pá fazê u qui ié
cérto, sinão nósi ia ficá iguar a eiles, vivenu nu mundu érrado deiles.
Ao invéiz di sofrê in conta-gota a vida intera na manu deiles, mió séria sofrê
tudu di uma só veiz, maisi adispois sê livre du jugo deiles. Quem iscapa uma
veiz, iscapa pá siempre, ôu pódi fugí outras veizes, puquê já cunhece a fuórça,
a énérjia qui tem nos internu da cabessa i du córpo, pá istôrá tudas as cêrca
qui eisse mundu érradu põe na vida da jienti.
Um dos capanga tinha cunsiguidu i por inditráis da miamãe i catadu éila pelas
cósta,  dóbradu u brassu déila i dadu uma gravata nu péscosso déila.
Cuandu ieu vi, éila tava co rosto vremeio i si débatia sufócada.
U capanga tava rino i gritava contenti: “Catei ucê, muié, fica qúetinha sinonce
ieu ti québru u péscosso. Ucê tá paréce uma cabrita, maisi
tiem a fuórça duma égua.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome