Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana.

Indaí, nacuela urgênssa du disisperu prófundo, oiei pá Clódiu i vi quele tava di
cósta paquele acuntecimentu i num tava sabénu daquilu. I gritei arto:
– Clódiu, acódi qui nóssamãe tá senu infórcada, u démonho tá danu um nó nu
péscosso déila, éila tá cosgragumilo tapado i num tá réspiranu, tá quaisi
pérdenu u forgo!
Clódiu, entonces, cunsiguiu balangá a cabessa, ôiô rápido pá tráis, virô, i deu
um murro  tão fuórti nu capanga queile tava briganu qui feiz um baruião parécenu
um tróvão di rai cumprido. U fédorentu pranchô pá tráis, caínu in cima dus otos
capanga qui tava inditráis deile. Clódiu passô a mão numa perna di cadera qui
tinha québrado i caído nu chão, deu um sartô iguar u di uma rã verdi-móla, qui
paréce qui avúa, i sentô u pau na tésta du capanga qui tava infórcanu nuóssamãe.
U démonho caiu pá tráis cu mélado vremei já iscórrenu pu péscosso abaxo.
Poisi a duas manu na cabessa i falô:
– Ai ai ai! Uósso da miacabessa québrô iguar casca dizovo, iguar coco partidu na
pédra. Vixi qui tá danu pá infiá us cinco dedus nus méos miólos! Inté uma cuié
tá cabeno dentru déissa valeta! Cavô um buraco fundu! Tadim di mim!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome