Curta “Help Us”: medo e culpa no altruísmo moderno, por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

Caro leitor, chegou o momento de abrir o seu coração e esvaziar sua carteira para ajudar a curar alguma coisa que está errada com as pessoas desse curta-metragem. “Help Us” (2016), de Joel Cares, lembra aqueles vídeos institucionais de ONGs como Médicos Sem Fronteiras, Save The Children etc. Mas ao invés de vermos flagelados de algum lugar remoto e sem esperança, vemos uma família de classe média pedindo ajuda e o nosso dinheiro. O que há de errado com eles? Um curta que aplica  dissonância cognitiva e o método de comutação para fazer o espectador refletir sobre o destino da velha caridade e humanitarismo que hoje se transformou em “voluntariado” e “ativismo”. Qual a recompensa psíquica que encontramos na velha filantropia profissionalizada pelas ONGs? Qual a relação entre essa recompensa e os rostos “psychos” dos personagens do curta que ao invés de inspirarem altruísmo dão medo? 

Estudando a semiologia do sistema da moda, o pesquisador francês Roland Barthes (1915-1980) desenvolveu um engenhoso método: o teste de comutação. Encontrar em um texto ou imagens a menor unidade de significação, procurando alterar um signo por outro dentro de uma estrutura. Até encontrar a mudança de significado.

O pequeno curta com menos de 2 minutos Help Us (2016) de Joel Cares faz algo parecido, num curioso teste de comutação em um vídeo. A estrutura é idêntica aos vídeos institucionais de ONGs como Médicos Sem Fronteiras, Save The Children, Médicos do Mundo etc. nos quais são pedidos donativos, contribuições regulares ou a adoção à distância de crianças em situações de risco como pobreza, áreas de guerra ou calamidades naturais.

Sob a mesma linguagem de enquadramento de câmera em lentos zoom in, acordes melancólicos ao piano e personagens com olhares vazios e sem esperança clamando por compaixão e ajuda, vemos em Help Us protagonistas bem diferentes: integrantes de famílias de classe média, uma criança, um casal e uma jovem, além de uma estranha figura deformada criando uma estranha dissonância: “Ajuda!”, “Ajude-nos!”, “Precisamos da sua ajuda!” etc.

Os pedidos começam a ficar mais ostensivos: “Precisamos do seu dinheiro!”, “Dê para nós o seu dinheiro!”, “Dê tudo o que você tiver!” e assim por diante, enquanto a trilha musical vai subindo em um arranjo mais grandiloquente.

 

Dissonância cognitiva

Um curioso teste de comutação que acaba criando dissonância cognitiva: tudo no vídeo parece estar no lugar: a estrutura, linguagem e música igual aos vídeos de ONGs com os quais nos acostumamos ver na TV. Mas os personagens estão fora do lugar: são pessoas de classe média, bem nutridos e materialmente confortáveis. Por que nos pedem ajuda? Para quê querem nosso dinheiro?

Além da dissonância, há algo estranho com os personagens… um olhar com um quê psicótico. Definitivamente há algo de errado com eles. Claro, excetuando-se a enigmática figura deformada.

Esse teste de comutação (manter a estrutura e mudar apenas um signo de um sintagma para perceber as alterações de significados) e o efeito da dissonância cognitiva cria o estranhamento necessário para iniciar uma reflexão sobre os destinos da compaixão ou do amor ao próximo na sociedade atual.

Se no passado tínhamos casas de caridade, fraternidades ou irmandades religiosas filantrópicas que procuravam minimizar o drama daqueles que foram esquecidos pelo Estado e cidadãos, hoje são substituídos por ONGs, pelo ativismo e voluntariado.

Apesar da numerosa hipocrisia (afinal os ricos e os bens favorecidos estimulavam a filantropia como forma de manter os pobres no seu devido lugar), pelo menos havia a ética cristã como cimento ideológico para a institucionalização da caridade. Como o filósofo Theodor Adorno dizia, toda ideologia teve o seu momento de verdade – ao menos no passado a filantropia rememorava o princípio civilizatório da ética cristã, para depois ser esquecida na hipocrisia.

A filantropia profissionalizada

Hoje, tempos corporativos e meritocráticos, a filantropia foi “profissionalizada” como atividade de voluntariado nas entidades sem finalidade lucrativa. Por assim dizer, a caridade foi secularizada para se transformar em uma atividade de mercado. Inclusive, criando capital de distinção para jovens lançarem em currículos como diferencial na competição profissional.

A ideologia da ética cristã foi substituída pelo quid pro quo – eu doo meu tempo e esforços para ajudar o próximo em uma instituição de marca e renome internacional. Em troca, faço a “diferença” e a imortalizo nas redes sociais e currículo à espera do reconhecimento pelo mercado.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Texto muito revelador. Mais

    Texto muito revelador. Mais uma “apropriação” do capital. A engrenagem capitalista funciona como uma matrix, despindo-nos de nossa humanidade para sugar o máximo de nossa energia.  

  2.  Interpretação muito

     Interpretação muito interessante. Ao ler o texto, lembrei-me de uma passagem do Umberto Eco:

    “… o texto é uma máquina preguiçosa que requer do leitor um árduo trabalho cooperativo para preencher espaços do não-dito ou do já-dito, espaços, por assim dizer, deixados em branco”

    Parece-me que os curtas metragens explicitam, ao limite, o caráter aberto da obra de arte, o papel constituinte do leitor. O curta, por sua forma, revela ao próprio leitor o seu papel no preenchimento daqueles espaços em branco, do não-dito ou do já-dito…

    A discussão do Wilson é instigante. Gostei, em particular de dois pontos. Primeiro, a identificação do elemento estético que suscita a estranheza, a inquietude, o desconforto, e, assim, impõe a reflexão. Segundo, a contraposição entre a caridade cristã, vista como elemento de uma totalidade ética (que teve o seu momento histórico, é preciso reconhecer), e a das ONGs num mundo de individualidades, mundo dilacerado pela ausência, recusa e, então, carência (que em vão essa caridade procura suprir) de qualquer totalidade.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome