O Brasil, segundo os investidores e o povão

Por que o clima de desconfiança do empresariado em relação ao governo e como destravar?

A questão foi colocada nos debates de uma das palestras do Fórum Brasil, promovido pela revista Carta Capital.

Para o presidente da Vale, Murilo Ferreira, a razão do pessimismo é fundamentalmente eleitoral. “Pelas razões que todos conhecem, no início de 2013 firmou-se a candidatura da presidente Dilma a reeleição e passamos a ter período eleitoral de dois anos. E acho extremamente danoso”.

Ferreira tem corrido o mundo, mais de 160 viagens nos últimos anos.  “Cada grupo de economistas, ligado a um grupo político, acaba contando sua versão, sem revelar seu alinhamento partidário”.

De 2009 a 2013 a Vale investiu US$ 66 bi, o maior investimento da sua história, competindo com as maiores mineradoras do mundo. Recentemente adquiriu 210 locomotivas.

Recentemente, fez uma rodada mundial, para captar US$ 9 bilhões para sua ferrovia. Em pouco tempo havia 23 grupos candidatos, dos quais foram selecionados três.

Na hora de colocar os números na mesa, as perspectivas futuras, o apetite volta.

***

De sua parte, Luiza Trajano, da Magazine Luiza, sente quadro semelhante. “Esse lado político colocou todo mundo falando mal do país”, reclama ela. Considera que o ponto central é a comunicação fragmentada, pouco educativa de um negativismo amplo.

***

Não se trata de esconder problemas. Eles existem e não são triviais. Como salientou Antônio Maciel, da Hyundai, o mal estar com o empresariado decorre de três episódios.

O atraso nos reajustes de combustíveis foi fatal, diz ele. “Criou um mal estar desagradável e fácil de ser disseminado como fator de pessimismo”.

O segundo foi a tentativa de fixar Taxa Interna de Retorno (TIR) nas concessões públicas.

O terceiro, o alarido em torno da maneira de contabilizar o déficit. Maciel nota que, mesmo sem a maquiagem, o desempenho fiscal brasileiro foi melhor do que o da maioria absoluta dos países.

Faltou incluir a deterioração das contas externas.

***

Partiu do economista Luiz Gonzaga Belluzzo a crítica mais incisiva à manipulação do noticiário. “A discussão pública tem que ser honesta”, disse ele. “Tem que haver um mínimo de honestidade e seriedade, apontando os problemas e não fulanizando a discussão, como ocorre agora”.

***

Em contraposição ao mercado, como os participantes veem o estado de espírito do povão. Os três empresários dirigem organizações nacionais e têm contato frequente com a ponta

Luiza Trajano, os políticos precisam saber que a população não gosta desse pessimismo. O discurso pode pegar em financista, não no consumidor. A única coisa que traz pessimismo ao consumidor é a inadimplência. E nós estamos no menor nível de inadimplência dos últimos anos.

Murilo Ferreira: fui conversar com investidores em Nova York. Na volta parei em Açailândia, conferindo as obras da ferrovia e falando com as pessoas.  Para eles, a coisa mais importante é o emprego. A partir dessa base, sonham com coisas melhores, a casa própria, os filhos estudando, hospital por perto.

Antonio Maciel: antes, a maioria dos nossos trabalhadores queria emprego. Agora, quer escola para os filhos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Aberta a temporada de discussão sobre o impeachment, por Luis Nassif

55 comentários

  1. Permito-me dizer que há mais

    Permito-me dizer que há mais um fator para o pessimismo nos mercados financeiros internacionais. A má inserção do Brasil no campo das relações internacionais. Uma politica externa irracional, ideologica, cada dia mais baseada na associação  a Cuba, Argentina e Venezuela, paises economicamente fracassados. Isso conta muito.

    No passado  remoto lembro de fichas cadastrais no Banco do Brasil onde no capitulo “RESTRIÇÕES” se inseriam dados comportamentais do cliente, como indicadores negativos de credito:  “aficionado ao jogo”” , “”esbanjador”” e um muito curioso “”dado a más companhias””.

    O Brasil de forma suicida escolhe ficar de mal com o mundo rico e se enturmar com os pés de chinelo.

    Essa esquisitice contamina o mercado financeiro, em qualquer questão que apareeça no mundo estamos sempre contra a ordem global e a favor da desordem. São as “”Mas companias” do cadastro do Banco do Brasil dos velhos tempos.

    Politica externa erratica significa Pais sem rumo, que não sabe para onde vai. Na questão venezuelana sabotamos a OEA, organização do qual o Brasil ao lado dos EUA é o principal fundador e mais importante membro para operar com a UNASUL, entidade fundada por Chavez para lutar pelos ideais bolivarianosm presidida pelo Coronel Desiré Bouterse,

    personagem que tem contra ele mandado de busca internacional por trafico de drogas e cuja ficha é quilometrica.

    Na OEA o Secretario-Geral e autoridade maxima é um dos diplomatas e politicos latino-americanos de maior reputação e prestigio, alem disso um socialista historico, o ex-chanceler chileno Jose Insulsa, um intermediario natural bem melhor que Desi Bouterse. Escolher a UNASUL para intermediar um conflito em que é parte o mesmo grupo que domina a UNASUL é

    a cara que o Brasil apresenta ao mundo, nesse quesito o juri mundial dá nota zero e prejudica o resultado da avaliação.

     

    • Papo furado!

      Os grandes ocidentais nunca vão apoiar o PT por que o PT é nacionalista. O PT trabalha para o Brasil e seu povo crescerem e terem bem estar! A Europa e EUA gostariam de o  tipo Brasil liberal, onde o governo não interferisse na lógica do mercado, isto é, o lucro para eles e o prejuíso para o povo brasileiro. Por isto depreciam o atual governo e torçem para um governo neoliberal, exe,mplo típico,  um Aécio, que privatisaria a PETROBRAS e o Pré-sal, o BNDS, o BB e caixa. Que destruisse novamente o parque industrial brasileiro, acabasse com as cláusulas de nacionalização industrial brasileira e os empregos, que cortasse os investimentos federais e aumentasse a percentagem da poupança primária, aumentasse a 45% os juros e fossem servil aos rentistas. Nem Europa nem EUA querem um Brasil forte no meio da América Latina. Sua justificativa pela diplomacia é pura abrobrinha.  A política internacional do Brasil segue a logíca de seu governo nacionalista e protecionista de seu povo. É a lógica nacionalista Brasileira que eles não gostam.

      • Como assim o PT é

        Como assim o PT é nacionalista… e também socialista… e dos trabalhadores…

        O último que conheci assim foi o NSDAP (Nationalsozialistiche Deutsche Arbeiterpartei) 

    • que tal mudar de país ???

      engraçado, tem pessoas que por mais que se esforcem, NÃO conseguem entender o tempo (em que estão vivendo) e as alternativas postas na mesa (e no novo quadro de opções) para analisar lucidamente os FATOS…

      estas pessoas ficam simplesmente datadas e acabam travando como um disco furado e repetindo, repetindo, repetindo o mesmo mantra, o mesmo mantra, o mesmo mantra… para ver se convencem alguém e até a si próprios.

      não conseguem entender que o processo todo é DINAMICO e que exige evolução, para que elas não fiquem ridículas e que os demais a sua volta desistam de contra argumentar…

      normalmente isso acontecer com pessoas de mais idade e que por ter preconceitos e premissas que ela ACHA que estavam corretos, acaba se aferrando a eles como uma religião

      AA que tal mudar de ares ? inventar algo novo para fazer ? tente você consegue, afinal os eua é logo ali e eles adoram dar bolsa de estudos para “capachos alinhados” e green card para terroristas explodirem suas torres e eles terem “argumentos” sólidos (ou seriam pulverizados) para despejarem suas bombas e trucidarem seres humanos indefesos.

      vai se muda que você vai se dar bem…

       

       

    • Revela-se

      Esse comentário do Motta Araujo escancara o programa oposicionista no Brasil.

      São americanófilos, querem a volta de Tio sam para lamber suas botas. “Oi Obama anexa nóis, please!”

      De autodeterminação dos povos não entendem nada, vá ler Veias Abertas da America Latina do Eduardo Galeano para entender um pouquinho sobre a realidade dos povos latinoamericanos que há seculos foram explorados pela política predatória norte americana.

      Vá, mude-se para Miami, o paraíso desejado da burguesia elitista brasileira!

      • Uma politica externa deve

        Uma politica externa deve servir ao interesse nacional, não é campeonato de macheza, “”com nois ninguem pode””,deve ser desenhada para trazer a melhor posição geopolitica e economica para o Pais, assim fazia o Barão do Rio Branco, que nunca bajulou os EUA e nem porisso fazia desfeitas a Washington só por pirraça.

    • Espanha, Portugal, Itália,

      Espanha, Portugal, Itália, França, Grécia, Irlanda. Todos os “riquinhos” fazem a “politica dos sonhos” do A.A. Mesmo o BraZil, paupérrimo, fazia isso nos anos 90.

      As mansões continuam belas por fora, mas lá dentro, no escuro, os habitantes se estapeiam por uma lata de feijão…

      Graças a Deus, via Lula,  o Brasil optou em ficar com os “pé-de-chinelo” !!

       

    • a terra gira ao redor do sol

      Ontem um post do Duda publicitário afirmava da falta de cultura da dita casa grande apontando o remédio e o filho como exemplo: uma boa escola nos Estados Unidos.

      Pensei em MA foi “inculturado” fez este caminho e retornou vendo o mundo pré Copérnico, todos os valores são da estrita doutrina daquela nação. 

      • Nada a ver. O sujeito que

        Nada a ver. O sujeito que escreveu isso é um anti-exemplo, um novo rico deslumbrado, escrevi isso ontem aqui no post dele, o que ele escreveu é um monte de bobagens, ele é o exemplo acabado do novo rico sem cultura. Considero as escolas europeias melhores que as americanas porque dão uma visão do mundo muito melhor.

    • “No passado  remoto lembro de

      “No passado  remoto lembro de fichas cadastrais no Banco do Brasil onde no capitulo “RESTRIÇÕES” se inseriam dados comportamentais do cliente, como indicadores negativos de credito:  “aficionado ao jogo”” , “”esbanjador”” e um muito curioso “”dado a más companhias”””:

      Vai ver o Brasil prefere “mas companias” aa compania de trairas em serie.

    • Fazer igual aos alinhados da mão invisível

      Parece ridículo, mas deveríamos fazer igual aos alinhados da mão invisível do mercado? Igual a Espanha que está com uma taxa de quase 30% de desempregados?

      Foi graças à política externa de alinhamento com os países da América Latina e o fortalecimento de políticas públicas voltadas para os mais carentes que fizeram o Brasil ter recebido a mais recente crise do Capitalismo (2008) como uma “marolinha”.

      Felizmente os demotucanos estão afastados do cenário de decisão nacional. Caso contrário teríamos que tirar os sapatos e praticar genuflexão ao FMI mais umas 5 vezes, já que nos tempos sombrios do desgoverno fhc, os demotucanos quebraram o Brasil3 vezes e tivemos que receorrer ao FMI.

      É claro que o trensalão e o racionamento de água em São Paulo, casos recentes do desgoverno dos pessimistas, digo, dos psdbistas, mostra que os demotucanos ainda sobrevivem. Vamos esperar o Padilha de jaleco branco.

      • Nada a ver. A crise de 2008

        Nada a ver. A crise de 2008 foi conjuntural, a Espanha rodou por má gestão de suas finanças publicas, outros paises europeus foram muito menos afetados que a Espanha e a crise já está acabando, inclusive para a Espanha.

        Quanto a tucanos, nada a ver, sou o maior critico deles na questão da agua, escrevo aqui no blog todo dia sobre o desastre dessa gestão, ontem mesmo escrevi sobre isso, sou critico por temas, não tenho nenhum alinhamento.

        • Conjuntural?
          Os EEUU tiveram

          Conjuntural?

          Os EEUU tiveram uma bolha imobiliária completamente evitável, só bastava regulamentar minimamente a atividade bancária, mas o lobby do setor financeiro permitiu que o mercado fosse inundado de títulos de investimento calcados em financiamentos imobiliários feitos por americanos que não tinham condição alguma de pagá-los.

          Esse papo que Venezuela, Argentina é irresponsável é papo pra boi dormir. Quem quase levou o mundo pro buraco foi o Tio Sam.

           

        • Não falei de alinhamento

          A questão da água, compreendi. Mas dizer que a crise está acabando, não é o que percebo nas manchetes. Já pegou Portugal e Itália. A crise na Espanha continua forte. Acontece que o banco Central Europeu resolveu agora aceitar fórmulas de criação de emprego. Um pouco tarde não? O crescimento dos PIBs de países europeus estão negativos ou próximo de zero. Mas a crise de 2008 talvez seja superada somente daqui a três anos.

    • Subserviência ou resistência

      Motta,

      será que é preciso desenhar? O que é que você não entendeu?

      O seu “mundo rico” é imperialista, quer subserviência para extorquir os “pés de chinelo”. Simples assim.

      Frente a este fato, há duas alternativas, tirar os sapatinhos nos aeroportos e baixar as calças, ou resistir.

      Você pode achar mais gostoso entregar o ouro, pode acreditar no PIG com seu discurso pessimista, mas se sair até a esquina, vai ver que este discurso não se sustenta, e que, para desgosto da casa grande, a senzala agora almoça e janta, e não está disposta a abrir mão do que conquistou, pelo contrário, quer mais, e vai conseguir.

      Oscar Müller

       

       

    • Andre e o Víés….

      André perdeu a neutralidade

       A De beers trafica diamentes de sangue e você tá muito preocupado com o coronel do tráfego da UNASUL ? !!!

      As vezes eu acho que você exagera na torcida e no lobby. Sua grande qualidade é uma certa equidistância e uma visão menos torcedora dos jogadores….mas as vezes você parece ficar meio cego.

      E Ah ! que eu saiba os estados unidos ainda compra uma quantidade razoável de petróleo da “má “”companhia”” Venezuela Bolivariana…ou não ? 

      O problema não é o bolivarianismo não é mesmo ? É o trannacionalismo certo ?

  2. Acho que a maior idiotice que

    Acho que a maior idiotice que o governo fez foi a matemática criativa para maquiar o desempenho fiscal. Além do fato em si já ser desonesto, faltou alguém dizer pra Dilma ( mesmo com risco de ouvir, depois, palavrões ) que não devemos fazer isso tendo como vizinho um país onde todos os índices econômicos são desacreditados até internamente= A Argentina. 

    E agora, por causa disso, o Brasil tem que ficar fazendo rapapés pras instituições que dão o grau de investimento pra não correr o risco de ser rebaixado. 

    E o adiar do reajuste de combustível está simplesmente corroendo a Petrobras e , de tabela, afetando o pro-alcool. Ou seja, a gerente Dilma, se fosse numa empresa, estaria na marca do penalti.

     

     

    • Concordo

      com você, mas foi somente uma das idiotices. Outra foi, quando da reduçao dos juros por parte do BC, ficar dando opinião de que os juros deveriam continuar caindo e permanecendo baixo. Questionada, a resposta deveria ser algo como: “Este assunto é de competência exclusiva do Banco Central enquanto autoridade monetária. Se querem saber sobre juros, devem perguntar ao presidente do BC.”. Criou, desnecessariamente, um ambiente propício a críticas sobre pressões ao BC para reduzir, intempestivamente, a Selic.

    • Concordo

      com você, mas foi somente uma das idiotices. Outra foi, quando da reduçao dos juros por parte do BC, ficar dando opinião de que os juros deveriam continuar caindo e permanecendo baixo. Questionada, a resposta deveria ser algo como: “Este assunto é de competência exclusiva do Banco Central enquanto autoridade monetária. Se querem saber sobre juros, devem perguntar ao presidente do BC.”. Criou, desnecessariamente, um ambiente propício a críticas sobre pressões ao BC para reduzir, intempestivamente, a Selic.

  3. Para entender

    O investimento realizado pelas empresas e pelo setor público em máquinas e equipamentos já se aproxima de 11% do Produto Interno Bruto (PIB), uma das maiores taxas do mundo. Estudo realizado pelo Ministério da Fazenda, e obtido pelo Valor, aponta que a taxa de investimento em máquinas e equipamentos no Brasil é a terceira maior em um grupo de 12 países, liderado por China, com investimentos de 14,9% do PIB, e Índia (13%).
    http://blogdofavre.ig.com.br/2012/02/investimento-em-maquinas-e-o-3%C2%BA-maior-em-grupo-de-12-paises-aponta-fazenda/

    O Brasil é o terceiro maior produtor de alimentos

    A batalha pelo primeiro lugar na produção de alimentos será dura …

    Revista Exame – 08/02/2012 – Mike Mack – O Brasil já é um dos principais países agrícolas, e sua … 6) EXAME – O Brasil, terceiro maior produtor de alimentos,

     

    Agropecuária cresceu 7%, a maior taxa desde o inicio da série em 1996. No setor de serviços, o  maior avanço foi verificado no setor de serviços de informação (5,3%), seguido por transporte, armazenagem e correio (2,9%) e comércio (2,5%). http://g1.globo.com/economia/noticia/2014/02/economia-brasileira-avancou-23-em-2013-diz-ibge.html

     

    O Brasil é o nono país que mais investe em energia renovável
    http://www.cpt.com.br/noticias/os-10-paises-que-mais-investem-em-energia-renovavel

     

    De acordo com os dados, baseados em informações do Banco Mundial, o crescimento brasileiro só ficou atrás da expansão de 7,7% da China e de 2,8% da Coreia do Sul.

    http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2014/02/brasil-e-um-dos-paises-que-mais-cresceram-no-mundo-em-2013-superando-eua-e-japao

  4. Dados que não batem. Alguém poderia explicar?

    O Brasil tem melhorado a sua posição no ranking dos maiores países em PIB.

    Índices de emprego entre os maiores do mundo.

    Canteiro de obras por onde passo no NE.

    O setor de commodities entre os maiores do mundo.

    Um dos países que mais cresceram em investimento de máquinas e equipamentos.

    Setor de serviço em alta.

    Comércio em alta.

    Hidrelétricas inauguradas e outras sendo construídas.

    Grande investimento em energia renovável.

    Leilões de portos, aeroportos, estradas e pré-sal de grande sucesso.

    Como é que há pessimismo ou desconfiança

    • Você pergunta

      Fácil responder:

       

      Dados pouco importam. O que alguns não gostam é a sensação de que a classe média esteja sendo ampliada. Agora usar Abercrombie Bitch não dá tanto stats.

       

      Ainda acho que o Brasil só será mais equânime quando aumentarmos a alíquota do ITCD ( vulgo imposto das doações e da herança)para 50%.

       

      Aí sim dá pra começar a brincar.

       

       

      • ITCMD é o nome certo em SP

        mas concordo com você que os níveis atuais, 4% no estado de SP, 8% no estado de RJ e MG, sendo a alíquota máxima definida em lei federal, são anti-sociais, parte do “projeto de pais-capitania hereditária” da Casa Grande.

        Quando se pensa que os ricos paulistas pagam 4% na herança de milhões, e o povão para 25% de ICMS na conta de luz você vai entender o real “projeto de pais” da Casa Grande paulista. E o pior de tudo é que este ICMS alto para serviços públicos essenciais tem 2 efeitos negativos para os negócios que estão de fato de propriedade da tal Casa Grande paulista:

        1 – diminuir a renda disponível da população para produtos e serviços do setor privado, e

        2 – diminuir a competitividade de produtos e serviços do setor privado brasileiro.

        Mas tudo bem né.

        Alias acho incrível que este imposto nunca seja discutido nas campanhas eleitorais estaduais, certamente para não melindrar as famílias Frias, Marinhos, Mesquita e Civita. Se bem que me pergunto quanto da fortunas destas famílias estão sujeitas a ITCMD, mas tudo bem vou para por aqui…

        • É o que se chama de eternizar

          É o que se chama de eternizar a riqueza. Num país com concentração de renda hardcore, igual o Brasil, o centro da tributação deveria ser as grandes fortunas, os rendimentos mais lucrativos e os salários mais altos.

          E nem venha AA dizer que isto é chavismo: os países europeus mais igualitários taxam intensamente a riqueza, com o objetivo singelo de que, se a grana pré-taxação é extremamente desigual, o tributo deve servir de instrumento para balancear mais o pós-taxação.

          Queria que um estudo desses fosse feito no Brasil: certamente chegaria a conclusão que o abismo entre ricos e pobres aumenta no pós-taxação.

        • Como é nos EUA
          Imagine uma

          Como é nos EUA

          Imagine uma situação: Um operário que mora em uma casa popular do BNH no Estados de SP (aqui uma casa assim na periferia chega a custar 15o mil rais) morre e seu filho tenta passar a casa para o nome dele. O filho também é operário e ganha um salário mínimo. Sem ter de onde tirar 75 mil reais, ele vende a casa a troco de banana e vai morar em uma favela, ou em um treiler (como os pobres fazem nos EUA).

          Agora é possível entender porque nos EUA quase todo pobre mora em treiler e não em casa, por que lá o imposto de transmissão de herança é de 50%. Os trabalhadores vivem em lugares miseráveis e só não vão embora do país porque o salário mínimo lá é de quase 3000 dólares por mês. Aqui com um salário mínimo de 350 dólares por mês provavelmente os pobres seriam mais massacrados ainda com tal lei.

          Será que isto seria bom para o país e para o povo?

          • eu não sei

            Se tudo que você postou foi pura irônia ou você está falando sério.

             

            50% seria a alíquota máxima.

            Seria progressivo conforme o valor da transmissão. Claro, uma transmissão pequena jamais poderia se equiparar com uma grande transmissão.

             

            Ah, e sobre os investimentos: investidores internacionais não entram com seu capital como pessoa física, eles não morrem por aqui, logo, esse imposto se aplica no máximo indiretamente.

          • É seríssimo
            Reflita comigo:

            É seríssimo

            Reflita comigo: Por que São Paulo é o Estado com o maior PIB do país (40 %) ?

            Por que o imposto de transmissão de heraça é baixíssimo, 4%. Uma mansão de 1 milhão Em SP paga 40 mil reais, em outro Estado, que tenha aliquota de 8 %, a mesma mansão de 1 milhão pagaria 80 mil reais.

            O mesmo seria válido para um imóvel de uma grande empresa, uma multinacional. Mesmo as multinacionais, tem escritura de imóveis, e algumas estão aqui há mais de um século diferentemente do que o Sr. diz sobre o investidor internacional vir e ficar pouco tempo. Já imaginou uma aliquota de 50% incifindo em uma montadora com imoveis no valor de centenas de milhões, tivesse de pagar este imposto? Com certeza, se amargem de lucro ficasse aindam menor, eles iriam para outro país, China, Argentina, etc, a arrecadação cairia a níveis baixíssimos, o PIB desmoronaria, o desemprego iria na estratosfera, e outros desastres economicos colaterais mais.

            Os empresários nacionais que fossem atingidos por esta taxação tratariam logo de repassar o prejuizo para os consumidor, aumentando ainda mais a inflação, e tornando nossos produtos mensos competitivos ainda do que eles já são. No fim, quem sairia perdendo, aliás como sempre seria o povo, que não tem para quem repassar.

            Tanto o capital quanto o trabalho dependem um do outro. Capital dem trabalho não produz nada, e trabalho sem capital, sem investimento e tecnologia, produz pouquissimo.

            Taxar as grandes fortunas num mundo globalizado é espantar dinheiro. Se os investidores vem para ficar pouco tempo, esta aliquota de 50 % é inútil. Se vem para ficar muito tempo a aliquota é nociva e espanta eles. O segredo para atrair investimentos é cortar impostos, e não taxar ainda mais.

      • 50% vs 4%
        Se acham que 50% de

        50% vs 4%

        Se acham que 50% de alíquota de transição de herança é bom, deviam se mudar para os EUA, pois esta é a alíquota em vigor lá. E eles têm uma das desigualdades mais crescentes do planeta.

        E aumentar a carga tributária do Brasil, que é uma das maiores do planeta, com certeza não vai aumentar o crescimento do PIB, mas apenas afugentar os investidores, e derrubar mais ainda a economia.

        Acho que o problema é que quem quer subir na vida aqui no Brasil pensa em destruir aqueles que gerenciam e ajudam a gerar a riqueza do país ao invés de pensar que há um lugar ao sol para todos.

        Recentemente vi um Amigo meu que comprou um terreno em uma cidade no interior da Bahia por 2000 Reais, e casa por 5000 reais.

        E não é por desestimular a riqueza que acabarás com a pobreza.

        E não é por desestimular a riqueza que acabarás com a pobreza. Abraham Lincoln

        Frases de Abraham Lincoln

  5. É só fazermos um paralelo

    É só fazermos um paralelo entre os anos de 1998 (reeleição de FHC) e 2014… Em 98 a situação era oposta; o Brasil estava à beira do abismo (como se viu no dia seguinte à vitória de FHC) mas o clima era de que estava tudo bem, o que significou uma tranquila reeleição do Príncipe sem necessitar sequer do 2o Turno. Já em 2014 a situação é inversa; desemprego baixo, crescimento econômico razoável em comparação com o resto do mundo mas… a sensação de quem tenta se informar através da grande Imprensa é de caos completo e absoluto. Por trás dos 2 eventos, a mesma grande Imprensa brasileira. Precisa dizer mais alguma coisa?

  6. Sei que o Andy acusou o golpe

    Sei que o Andy acusou o golpe quando ele começa o comentário com a frase “Nada a ver.”

     

    Abs, Luciana Mota (com um “T” só).

  7. A pressão por

    A pressão por responsabilidade fiscal tem um objetivo único: subsidiar a defesa de programas de austeridade.

    Estes analistas econômicos e agências de rating saíram totalmente chamuscados em 2008, quando países que seguiam fielmente a cartilha e tínham superávits consideráveis, como a Irlanda, tiveram sua economia em desalinho com a crise do subprime.

    O que se pretende é isto: dizer que algum país está sendo irresponsável fiscalmente chama a atenção para o corte de gastos. Corte de gastos significa reduzir aposentadorias e reajustes de salário, paralisar investimentos em infra-estrutura, cortar ou achatar programas sociais.

    A Grécia já nos mostrou bem qual a consequência deste pacote draconiano: o corte de gastos deixa os seus cidadãos com menos recursos disponíveis, a demanda cai e o país entra em ou agrava sua recessão.

    A disciplina fiscal do Brasil está ótima até demais, o problema é que esse pessoal é insaciável, o que precisamos é aumentar os gastos públicos, não de uma forma irresponsável claro, mas gradual e constante. O problema é que este debate todo é baseado num monte de falácias, quase nenhum economista ou autoridade pública defende a visão de que incrementar o investimento público pode também ser uma ótima medida do ponto de vista fiscal.

    Abraça-se sem restrições as teses mercadistas e a discussão pública fica resumida ao fato de o governo estar ou não sendo responsável do ponto de vista fiscal.

    • CINCO BILHÕES DE REAIS DE PREJUÍZO

      Investimento público é a Petrobrás comprar uma refinaria sucata de 40 milhões de Dólares e transferir para espertalhões Cinco bilhões de Reais.

      Só esta pataquada já desautoriza qualquer investimento comandado e supervisionado pelo governo.

      Observe que deixei de lado o BNDES.

      O Modelo de Gestão do Brasil, com 40 ministérios que abrigam 40 técnicos é no mínimo uma piáda de mau gosto.

      Manietar as eleições como o Lula fez, dando o povo e a nação para os financistas açambarcadores não pderia dar outro resultado.

      O Brasil vai acabar logo deste jeito e vai acabar mal, o que é pior.

      • Você requentou esta previsão ?

        “O Brasil vai acabar “logo” deste jeit(que jeito, mesmo ?) e vai cabar mal, o que é pior”

        Desculpe-me companheiro, mas eu lembro-me desta mesma previsão(embora noutras palavras) quando da 1ª gestão Lula, quando você utilizando outras críticas(naquele tempo, não eram ainda as “exorbitantes” taxas dos cartões, mas sempre tem algo que você culpa pelo hipotético fracasso, a partir da semana que vem, na nossa economia.

        Abra os olhos,meu irmão, o mundo não vai acabar, não amanhã !

        • No assunto nada, só o ataque pessoal

          Descontestualiza o que escrevo para tentar confundir o leitor. Está mais do que claro que não quero o Brasil afundando, muito pelo contrário, torço para que as medidas corretas sejam implementadas e as correções de rumo sejam feitas.

          Mas que o Governo do PT e a Dilma tentam minar minhas esperanças por todos dos meios imangináveis e inimagináveis é uma verdade incontestável.

          O Governo está sem norte, sem rumo e sem estrela e agora com estes escândalos de proporções cósmicas e prejuízos na casa dos Bilhões passa a dar razão aos que falam na total incompetência no gerênciamento da coisa pública e do dinheiro do povo.

          A legitimidade para arrecadar vai para o saco deste jeito.

          Raí existe um limite para se torcer por uma falange, mas quando a fraude e a desonestidade são a pedra de toque de suas ações, ai é hora de se parar e pensar o que realmente estamos defendendo.

          • Alexandre
            O pior que a pouco

            Alexandre

            O pior que a pouco tempo atraz é que fui entender o que está ocorrendo com este tanto de ministérios e o aparelhamento do setor público. Entrei no site do PT e la estava uma nota solicitando quem era funcionário público e filliado ao partido para acertar o débito com o partido. Todos os cargos de confiança abastecem os cofres do partido. Atualmente na minha opiniao não existe filiados  com ideologia dentro do partido, o que existe é militancia com cargos públicos. Inclusive tenho forte desconfiança que boa parte que ataca quem faz criticas ao governo são militantes que trabalham para o governo.

  8. Cadê o custo do dinheiro eletrônico no bolso da nação

    Debate enviesado.

    O uso do pagamento eletrônico é um imposto para-legal instituido sem votação e que foi outorgado para as operadoras de cartões sem ônus.

    Devem representar uma inflação de no mímino uns 5% nos preços dos produtos, como os pagamentos com cartão estão aumentando de forma exponencial, iremos pagar uns 6,618% de imposto para usarmos nosso próprio dinheiro a empresas transnacionais que não nos devolvem nada em contrapartida.

    Esta maracutai foi aprovada pela Dilma e a “Equipe do PT de governo”.

    O pessimismo que corroi o povão e deixa embasbacado os estrangeiros é ver que nem se comenta sobre isto, ou seja a população e a nação é expoliada e não tem uma alma para defendê-la, ou mesmo um espaço para discutir sobre este roubo.

    O Belluzo têm razão quando fala que falta honestidade nos debates.

    Mesmo aqui no blog venho insistindo no assunto e fica batido.

    O lobby financeiro só existe hoje no planeta com os juros pornográficos e as maracutais no sistema financeiro e de pagamentos aqui no Brasil. Fica claro que existem países periféricos como a Ucrânia que serão anexados pela Russia ou pela Europa para serem fontes de riqueza e dinheiro.

    A condição de países colônias não são inerente só ao Brasil, muito pelo contrário existe uma luta feroz para estabelece-los e que deve encarniçar ainda mais com a agudização do cenário economico mundial.

    Os que a aceitam pacificamente e manietam o debate estão a serviço destes grupos que nos rapinam.

    Duvido, mais uma vêz, que alguém entre neste debate nesta mensagem para valer.

  9. Tá tudo muito bom, muito bem, mas…realmente…

    Se não atacar o mercado financeiro, os juros estratosféricos, as tarifas indecentes, o governo vai até a parede e fica lá ou, na pior das hipóteses, bate e volta.

  10. a economia vai muito bem, mas

    a economia vai muito bem, mas o povo continua morrendo na mão da PM. Será preciso que a economia afunde para que alguém ache isso um fator importante na vida política do país? Ou então 500 anos mais? Oras, em quinhentos anos até o PSDB consegue mudar alguma coisa, o duro é ter que esperar…

  11. desde getúlio e jango os

    desde getúlio e jango os conservadors têm esse discurso do denuncismo e do ódio udenista que trava o diálogo, já que eles partem do pressuposto de que sempre têm razão, o outro lado eternamente errado, criminalizam a política, por qualquer coisinha, o psdb recorre ao judiciário e aí fica evidente o travamento do diálogo que sempre obviamente terá de ser político senào será o caos….junta-se a isso o conservadorismo do judiciário e da grande imprensa e ficamos em campos opostos -pelo menos os que têm consciência política, pois como admitir esse papo de criminalizar os movimenos sociais e o trabalhismo incessantemente, criticar o emprego, querer o aumento  dos preços, apoiar menor distribuiçào de renda e a privatizacçào  etc e tal?

    é cruel o pensamento conservador de que a inclusào social é culpada dos seus problemas…

    quando alguns conservadores elogiam o governo ou vêem os dois lados da questào as coisas ficam mais claras, porém a grande mídia nào permite isso, ouve um lado só, promove o conflito…

    mais deveriam perceber que se radicalizarem suas posiçòes contra o povào só haverá mais dificuldades  – insanáveis…

    parece lance de suicida.

    ora, se opovào é incluído como foi nestes doze anos, só os beneficia,certo? 

  12. O choro da barriga

    O choro da barriga cheia

     

    Clientela do mercado de luxo cresce e movimenta R$ 24 bi em BH

    O mercado de alto luxo teve um 2013 de ouro no Brasil e a expectativa é a de que o ritmo não diminua neste ano. A MFC Consultoria, que acompanha o setor, acredita num crescimento de 16% do mercado de artigos de luxo em 2013 (o número consolidado sai no próximo mês), quando o segmento teria faturado R$ 24,1 bilhões no país.

    Esse desempenho brilhante vem se dando graças, principalmente, à chegada e expansão de grandes marcas fora do eixo Rio-São Paulo. Entre os mercados promissores despontam Brasília, Curitiba, Recife e Ribeirão Preto, além de Belo Horizonte.

    Não é à toa que a capital mineira brilha aos olhos de empresários do segmento premium. Estudo da consultoria britânica WealthInsight mostra que 330 famílias belo-horizontinas são ultraricas, ou seja, têm pelo menos US$ 30 milhões em investimentos e propriedades. No Brasil, são 4.123. Há quem diga, entretanto, que os números sejam ainda mais expressivos, já que a mensuração de riqueza não é tarefa fácil no Brasil.

    Carros são indício

    O mercado de carros de alto luxo, por exemplo, é um indício de que o público AAA por aqui tem dinheiro de sobra. Desde 2009, Diogo Vaz de Melo e um grupo de amigos mantêm o blog BH Exotic, cujo objetivo é registrar os veículos mais caros, raros e exclusivos que rodam pela cidade. “Já flagramos um Alfa Romeo 8C Competizione Spyder, modelo único no Brasil, um Lamborghini Murcielago LP640-4 na raríssima cor Rosso Vicky, e um Mercedes Benz C63 AMG Black Series com Kit racer, única no país. A lista é extensa e inclui raridades antigas, como Lamborghinis Miura’s e Ferraris”, enumera.

     

    Concessionária representante da Mercedes-Benz, a Minasmáquinas conhece bem o gosto requintado do motorista endinheirado de Belo Horizonte. Tanto que promoverá, na noite desta quinta-feira (20), ação de marketing conjunta com a joalheria Manoel Bernardes onde apresentará aos clientes o E 63 AMG, avaliado em US$ 245,9 mil, e o ML 63 AMG, de US$ 253,9 mil.

    “O segmento de luxo não se afeta com crise. Os veículos têm grande aceitação porque representam tradição e status”, diz a gerente da Minasmáquinas, Daniele Fernandes. No ano passado, as vendas da concessionária cresceram 40%, impulsionadas principalmente pelos modelos classe A, a partir de R$ 110 mil.

    Parceira na ação de marketing, a Manoel Bernardes exporá relógios de marcas suíças. “Amantes de carros são amantes de relógios”, justifica a sócia Andréa Bernardes. A peça mais cara é um Rolex. Para este ano, o aumento nas vendas deve atingir até 10%. “É um mercado de sonhos. Quem conquista um, quer logo realizar outro”, diz.

    Abastados também parcelam pagamento

    Apesar de abastados, os milionários também sucumbem às prestações. Andréa Bernardes, sócia da famosa marca que leva seu sobrenome, diz que é comum parcelamentos de seis a dez vezes. “É uma questão de comodidade. O desconto à vista não faz diferença para esse público”, comenta.

    Para o professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Fernando Marchesini, coordenador do MBA em Gestão de Comércio e Vendas, o parcelamento é um diferencial no comércio para os mais ricos, uma vez que os preços, muitas vezes, são mais caros aqui do que no exterior.

    “Por causa dos tributos, as compras dos brasileiros no exterior acabam competindo com as vendas no país”, afirma. Ainda assim, segundo ele, para grande parcela dos endinheirados o céu é o limite.

    Que o diga o gerente comercial da EPO, construtora especializada em alto luxo, Marcelo Carvalho. Entre os lançamentos da construtora está o Residencial Sol, com alguns apartamentos que custam mais de R$ 8 milhões e que oferecem luxos como elevador para carro.

    Já a sócia da imobiliária RE/MAX Mix, Elaine Takahashi, revela que tem em seu portfólio uma cobertura de 700 metros quadrados que custa R$ 15 milhões.

    Pensando no topo da pirâmide, a Bel Lar vai investir R$ 2 milhões em uma unidade na Zona Sul. Entre os mimos, porcelanato especial de R$ 4.500 o metro quadrado e pastilhas com apliques de ouro.

     

    http://www.hojeemdia.com.br/noticias/economia-e-negocios/clientela-do-mercado-de-luxo-cresce-e-movimenta-r-24-bi-em-bh-1.228031

  13. Só pra contrariar

    “Para eles, a coisa mais importante é o emprego. A partir dessa base, sonham com coisas melhores, a casa própria, os filhos estudando, hospital por perto.”

    Precisamos da consciência de muitos voluntários brasileiros com a mesma solucitude de valor pelo país. Mantega é uma rara excessão entre a maioria dos economistas enganadores.

    Acolham no saber conhecer a graça do valor do trabalho concedida aos bancos, porque não tendo limites em nós com as nossas riquezas estamos limitados a nos dilatar pelo jugo desigual da sociedade entre os estrangeiros e os bancos internacionais.

    Que harmonia há entre o valor da nossa riqueza em união com a moeda externa e o sistema eletrônico de valor interno entre os bancos? Nossos limites de vida serão as Dividas e seremos o povo deles.

    O nosso homem exterior se desfaz na probreza porque não vê que, ao fazer o seu trabalho na economia, deixa morrer a manifestação do valor do objeto como está escrito no dinheiro.

    E, para os aproveitadores da oportunidade de medir esse tempo, nada temos do mundo, mas possuimos tudo que eles nos emprestar.

  14. Realmente, Nassif, os

    Realmente, Nassif, os investidores lêem o pig. E até o Valor que se preocupava em informar sua clientela vip, agora aderiu ao terrorismo econômico, para ver se conseguem derrotar o PT desse vez.

    O povão dá uma olhadinha no JN de soslaio, aí acha que os políticos (do governo) só querem roubar. Mas quando volta para a vida real, acredita em si, no Brasil e sabe que em time que está ganhando não se mexe. No máximo se faz umas correções táticas.  

    • O governo sabe que pode e deve melhorar.

      Prezado, não há fórmulas prontas, nem milagrosas, para governar-se uma nação ainda carente de muitas reformas, entre as quais a tributária, e é por isso, que as citadas correções táticas, são feitas sempre que a situação permite, e não com “canetadas” nem milagres cujos efeitos são efêmeros e cujos custos são caros demais.

      O governo federal, sabe que ainda tem uma dívida social enorme a ser paga, porem este pagamento tem que ser feito “um passo de cada vez” para não corrermos o risco, de atropelarmos a Constituição e os orçamentos que dependem mais do Poder Legislativo, que do Executivo.

  15. Os comentaristas poderiam

    Os comentaristas poderiam aproveitar o post e analisar a situação da Vale, como era antes da privatização e como ficou depois (tamanho do mercado, quadro de pessoal, valor da companhia, produção de minérios, investimentos). Ou, como diria Romário, “colocar um sapato na boca”…

  16. Enquanto isso, em São Paulo,

    Enquanto isso, em São Paulo, sede maior do tucanato nacional…

    “Não vai ter água!” (é o novo grito de guerra dos coxinhas paulistas).

  17. Opiniões de 3 pesos pesados.

    Quando conseguimos alinhavar, as percepções economicas, destas 3 pessoas, que provavelmente representam as maiores empresas do setor, no qual atuam, e com pequenas diferenças, estão relativamente confiantes com a condução e com a promessa de estabilidade da política economica deste governo, se continuado e se tiver avanços, como prometem as autoridades, percebemos que descontando-se alguns números pouco confortáveis, como os das contas externas, há uma certeza: Não entraremos em “parafuso” em nenhuma hipótese, dadas as coordenadas seguidas atualmente, e que ao que tudo indica, permanecarão sendo seguidas.

    Senão vejamos: A Luíza Trjano, aponta a baixa(a menor da nossa história) da inadimplência dos consumidores, que na ponta do consumo, seguram a produção, e esta “fome” consumo, ainda está distante de ser esgotada;

    O Murilo Ferreira, constatou “in loco” que os brasileiros que antes temiam o desemprego, agora sentem estáveis e confiantes, e em cima dsta “base”, aspiram conseguir  conquistar a sonhada casa própria, boas escolas para seus filhos e um atendimento médico hospitalar, de melhor qualidade;

    Já o Antonio Maciel, identificou que como o trabalhador brasileiro está empregado e confiante, ele quer avançar e conquistar um futuro melhor e uma educação de qualidade, para seus filhos.

    O próprio Beluzzo seguramente um dos mais lúcidos analistas economicosda atual geração, embora critique alguns pontos, tem a coerencia de admitir, que avançamos em apenas 12 anos, muito mais que a média dos países altamente desenvolvidos e independentes de recursos externos, e que há uma crítica demasiada, contra este governo, mesmo ele estando sendo bem sucedido, diante das circunstancias.

  18. O Albert Frére está feliz com

    O Albert Frére está feliz com os investimentos dele… também, de US$ 42 mi para US$ 1,4 bi, você quer mais o quê…E viva a Tractebel…

  19. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome