Superávit comercial atinge US$ 1,488 bi em julho

Saldo acumulado ao longo do ano chega a US$ 25,140 bilhões

Jornal GGN – A balança comercial apresentou superávit de US$ 1,488 bilhão durante as duas primeiras semanas de julho de 2016, que totalizaram 6 dias úteis, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). O resultado foi decorrente de exportações no valor de US$ 4,975 bilhões e importações de US$ 3,487 bilhões. No ano, as exportações somam US$ 95,228 bilhões e as importações, US$ 70,088 bilhões, com saldo positivo de US$ 25,140 bilhões.

Nas exportações, comparadas as médias até a 2ª semana de julho de 2016 (US$ 829,1 milhões) com a de julho de 2015 (US$ 805,8 milhões), houve crescimento de 2,9%, em razão do aumento nas vendas de produtos semimanufaturados (+17,4%, de US$ 103,8 milhões para US$ 121,8 milhões, por conta, principalmente, de ferro fundido, açúcar em bruto, ouro em forma semimanufaturada, óleo de soja em bruto, ferro-ligas, catodos de cobre, celulose, couros e peles) e de básicos (+8,4%, de US$ 392,3 milhões para US$ 425,4 milhões, por conta, principalmente, de petróleo em bruto, minério de cobre, farelo de soja, fumo em folhas, carne suína, soja em grãos).

Por outro lado, houve queda nas vendas de produtos manufaturados (-8,2%, de US$ 290,8 milhões para US$ 266,9 milhões, por conta de aviões, motores e geradores elétricos, autopeças, veículos de carga, automóveis de passageiros, óxidos e hidróxidos de alumínio).

Relativamente a junho de 2016, houve aumento de 8,9%, em virtude do acréscimo nas vendas de produtos básicos (+19,7%, de US$ 355,5 milhões para US$ 425,4 milhões) e de semimanufaturados (+9,7%, de US$ 111,1 milhões para US$ 121,8 milhões), enquanto reduziram as exportações de manufaturados (-3,7%, de US$ 277,1 milhões para US$ 266,9 milhões).

Leia também:  Financial Times vê jogada de mercado nos erros das contas externas

Nas importações, a média diária apurada até a segunda semana de julho, de US$ 581,1 milhões, ficou 17,2% abaixo da média de julho de 2015 (US$ 702 milhões). Nesse comparativo, decresceram os gastos, principalmente, com siderúrgicos (-35,7%), veículos automóveis e partes (-33,4%), adubos e fertilizantes (-31%), farmacêuticos (-28,2%), combustíveis e lubrificantes (-27,4%). Ante junho de 2016, registrou-se crescimento de 0,1%, pelos aumentos em aeronaves e peças (+205,3%), siderúrgicos (+29,5%), químicos orgânicos e inorgânicos (+14,5%) e combustíveis e lubrificantes (+11,2%).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome