Ministro da Saúde diz que quarentena foi “precipitada”

"Tem que arrumar esse negócio de quarentena, foi desarrumado, foi cedo, foi precipitado", disse Mandetta

Jornal GGN – O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que as medidas de restrição e isolamento de pessoas para lidar com o coronavírus foram “precipitadas”. Sem contrariar a quarentena, disse que a medida não foi tomada no tempo adequado.

“Tem que arrumar esse negócio de quarentena, foi desarrumado, foi cedo, foi precipitado”, disse Mandetta, um dia após a entrevista coletiva de Jair Bolsonaro, em que contrariou todas as medidas de proteção recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mais cedo, o próprio ministro havia afirmado que não iria endossar o discurso contra a ciência e autoridades sanitárias mundiais, posição tomada por Bolsonaro no discurso desta terça (24). Segundo coluna de Guilherme Amado, da Época, Mandetta iria concordar com o isolamento do maior número possível de pessoas.

Entretanto, há pouco em entrevista coletiva, o ministro mostrou algum recuo: “Ficou uma sensação de ‘entramos, e agora como sai dela?’”, disse, antes de defender que os governadores que adotaram medidas mais rigorosas de restrição de locomoção agora precisam se reposicionar rapidamente.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Coronavírus: para Michael Levitt, pandemia tem desacelerado

9 comentários

  1. Pela segunda vez o ministro resvala para o perigoso caminho da galhofa.
    Acho que ele só vai acordar quando contrair o virus.

  2. Estou entre os que viram que Mandetta por seu discurso, já se mostrou um quadro dos golpistas, fiel a Bolsonaro, a quem serve mesmo sendo ridicularizado diuturnamente pelo presidente do golpe em suas falas e entrevistas, quando de boca desautoriza seu ministro, mas como Bozo pouco manda, seu desgoverno controlado pelos golpistas (Forças Armadas, Judiciário, Congresso, tendo a mídia tudo apoiando), faz tudo ao contrário do que diz defender. Por essa fala, político que é, e está com uma boa imagem, é falante e articulado, engana muito bem, manobra para ficar no cargo, já que a mídia incensa seu nome, mostra o contraste de suas ações e a a posição contrária de Bolsonaro. Em resumo: também é um pulha, só que mansinho ao falar.

  3. Que irresponsavel.
    Quando se trata da preservação de vidas quanto mais cedo adotarem medidas protetivas melhor.
    É isso que cuida da saude do povo?

  4. Mais um (novo) ANTI-ministro? Que em vez de se preocupar com a SUA pasta, fica contra ela, preocupando-se com a da Economia, assim como o da Educação. Estranho, não?
    O (des) governo, na área de saúde, pede basicamente a “volta à normalidade”.
    Na área econômica não fez absolutamente NADA ainda, como países que já definiram investimentos públicos trilionários e programas de garantia de RENDA.
    Todos tomando TAMBÉM medidas de restrição social.
    Repetindo comentário já feito em outro post sobre Mandetta “mutante” e o (des)governo a que pertence:

    A “atuação” (hã?) Bolsonária é (como sempre) focada na DISCUSSÂO (conflitiva) de botequim, defendendo meramente seu unilateral “achismo”, entre “um gole e outro”. Ninguém quer saber se ele é “atleta” ou o que ele “acha”, quer saber o que ele está FAZENDO com sua equipe para melhorar a situação.
    A atuação dos prefeitos e governadores pelo menos é voltada para AÇÂO, “certa ou errada”, objetivando minimizar danos.
    A atuação de Mandetta (um crítico ferrenho do “mais médicos” e que provavelmente ainda não os chamou de volta por pura IDEOLOGIA), tem sido a de ficar fazendo coletivas, em vez de mergulhar com sua equipe e todos os potenciais contribuidores de outras áreas, dentro e fora do governo, na busca e negociações para PREPARAR o país para enfrentar a pandemia. Todo tempo e esforço é pouco!
    UM PORTA-VOZ É SUFICIENTE PARA FICAR DANDO EXPLICAÇÕES E UM BOM ESTAGIÁRIO É SUFICIENTE PARA FICAR LENDO ESTATÍSTICAS,
    O que precisamos é providenciar leitos, equipamentos (respiradores…), implementos (máscaras, óculos, luvas, sabão e álcool, TESTADORES, etc).
    E os demais do governo ajustarem a situação econômica de emergência e futura, onde também não vem nada, além do mitosco apelo de “volta a normalidade”, provavelmente para atender seus “parças” empresários (Havan, Riachuelo, etc.)
    Fazer testes e utilização controlada de (hidroxi)cloroquina ou outros potenciais medicamentos também é válido, mas DIFUNDIR sua potencialidade como “100%” e dar esperanças antecipadas à população, gerando corridas de compra e utilizações que podem ser até mortais, é mera conversa de botequim (que em princípio é algo divertido e inócuo).
    Tudo usando números que, claramente, estão SUBNOTIFICADOS, pois: (1) os testes são poucos, raros (mas os do andar de cima os fazem com fartura); (2) Em um ciclo de doença de 14 dias, há uma defasagem média de pelo menos 7 dias entre as notificações de casos e os números de mortes; (3) as suspeitas de uma instituição britânica de que os números atuais podem ser um múltiplo dos anunciados.
    Enfim, temos no “comando” (hã?) do país, com a caneta das leis e as chaves do cofre, um alucinado adolinquente, que em vez de trazer solução, só causa discussão, briga e antagonismo, confundindo a população.
    Mandetta não é um “bom ministro” (só acima do nível médio medíocre do ministério bozista), apenas está na BERLINDA, mas sua atuação tem que ser MENOS de relações públicas e porta-voz e MAIS de trabalhar para preparar o Brasil com o que já se sabe escasso e necessário. Além disso, precisa “peitar” o “chefe” ou pedir pra sair.
    De novo o foco essencial dever ser: leitos, equipamentos (respiradores), implementos (máscaras, óculos, luvas, sabão e álcool), TESTADORES, etc.
    Antes que cheguemos no ponto de arrumarmos valas para alinhar caixões ou fornos de cremação “industriais”.

  5. Bolsonaro é tão incompetente, tão incompetente, que quem o critica ou dele discorda é logo beatificado pela mídia e pelos idiotas de plantão. Ora, de uma hora pra outra Witzel, Dória e o próprio Mandetta se tornaram heróis, paladinos em defesa do Brasil e da saúde dos brasileiros. Alguém aí acha que o governador de São Paulo, o mesmo da ração na merenda escolar, do massacre em Paraisópolis ou na Cracolândia está preocupado com o povo? Quem vê Dória todo dia com um terno diferente brilhante e caro nas coletivas no palácio realmente acredita em suas preocupações sociais?
    E o que dizer de Witzel com sua política genocida, praticando tiro ao alvo de helicóptero? Bem, talvez Caiado, aquele que quer ver os sem terra a sete palmos de terra abaixo do chão e que tem patente maior do que a do capitão, já que é coronel em Goiás há mais de meio século? Até Mandetta, o fazendeiro do Mato Grosso, líder ruralista, o John Wayne de Campo Grande, aquele q não pode ver um índio por perto que logo quer abater, tornou-se mais palatável aos nossos corações nesses tempos de cegueira e burburinho.
    Quando Hitler e alguns de seus colaboradores foram mortos na invasão soviética, muitos outros que fizeram parte da Reichtag foram condenados em Nuremberg, ainda que, de última hora, negassem sua fidelidade ao Fuhrer.
    Mas não há motivo para medo, Srs, não estamos na Alemanha.

  6. Ele queria esperar pra ver

    Ora, quem sabe faz a hora
    Não espera acontecer
    Time waits for no one, né, Keith?
    Give us shelter, Lord

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome