A tungada de Temer nos sócios do Aeroporto de Confins, por Luis Nassif

Atualizado com uma nova hipótese bastante plausível

Esse é o mercado e a segurança jurídica apregoada pelo impeachment: uma tungada escandalosa nos sócios do aeroporto de Confins, em Belo Horizonte.

É jogada bilionária. Falta saber o que estão vendendo.

Na privatização, houve uma estimativa de crescimento da demanda de Confins, para fixação do valor da concessão. O país estava em fase de crescimento. Veio a crise e a queda da demanda  – mas queda de demanda pela crise faz parte do risco do negócio.

Agora, o governo Temer decide reabrir Pampulha para vôos longos. É evidente que irá desviar vôos de Confins, arrebentando com o plano de negócio inicial e com qualquer veleidade de segurança jurídica.

Pela rapidez do negócio, por atropelar análises de outros órgãos do governo, é corrupção na veia.

Falta entender a lógica.

Pampulha é administrada pela Infraero, estatal. Obviamente o jogo não é para favorecer a Infraero.

Pode ser que esteja a caminho uma privatização rápida de Pampulha, mas é duvidoso que a corrupção caminhe por aí. Seria melhor privatizar primeiro, porque sairia mais barato. Depois, haveria a transferência dos vôos permitindo uma valorização pós-venda. E o dinheiro da propina sairia dali. Por isso, também não é uma hipótese sólida.

Resta a hipótese do achaque puro e simples, a criação de dificuldades para a venda de facilidade. Faz parte do modo de operação de Eduardo Cunha, o grande mentor de Temer. Uma multinacional estrangeira negou propina e Cunha tratou em embaraçar a operação com as armas que ele tinha na Câmara.

Tendo o controle do Executivo, o jogo fica imensamente facilitado.

Quando apoiaram o impeachment, Globo, Folha, Estadão, Supremo não sabiam disso? Evidente que sabiam. Mas, como diz o notável Luís Roberto Barroso, agora tudo mudou e a corrupção será extirpada da face do país. Mas é corrupção sem possibilidade de envolvimento de Lula. Então, tudo bem.

PS – O leitor Marfig traz uma nova hipótese instigante. A expansào de Cofins foi um exagero. Para a nova capacidade, seria necessário que a demanda aumentasse no mesmo ritmo dos anos de ouro. A jogada com Pampulha permitiria uma saída jurídica dos concessionários. Tem lógica.
 
Fiquem atentas a PGR e a CGU. Se, dessa decisão do governo, abrir espaço para a denúncia do contrato de concessão pela concessionárias, ou uma ação bilionária de indenização, comprova-se o crime. O responsável é quem está atuando para liberar Pampulha.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora