Banco do Brasil confirma que Dilma não realizou operação de crédito

Ofício encaminhado ao Senado declara que a presidenta afastada não praticou nenhum ato a liberação do Plano Safra
Senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) usou a nova informação para criticar o impeachment durante reunião da Comissão
 
Jornal GGN – O Banco do Brasil enviou à comissão do impeachment do Senado um ofício declarando que a presidenta afastada Dilma Rousseff não praticou nenhum ato a liberação do Plano Safra. O documento atesta, portanto, que a executiva estaria absolvida por uma das razões para a destituição do seu mandato, discutida no processo do impeachment. A presidenta é acusada, entre outras coisas, de ter feito uma operação de crédito com o BB para pagar o Plano Safra, ação expressamente vetada por lei. 
 
A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) usou a nova informação para criticar o impeachment durante reunião da Comissão Parlamentar que discute o tema. Segundo a parlamentar, no comunicado, o Banco do Brasil confirma que já havia encaminhado esclarecimentos sobre o tema ao Tribunal de Contas da União e que o atraso do pagamento de benefícios, com juros, pago ao BB pelo tesouro nacional não pode ser entendendo como empréstimo ao governo.
 
 
Por Mariana Jungmann
 
“O Banco do Brasil mandou essa informação. Então, se não há ato dela, onde está o dolo? Não há o dolo”, diz a senadora Vanessa Grazziotin
 
Brasília – A Comissão Processante do Impeachment retomou os trabalhos, após uma hora de intervalo, na tarde desta sexta-feira (17) com o comunicado por parte da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) de que o Banco do Brasil (BB) enviou à comissão um ofício informando que a presidenta afastada Dilma Rousseff não praticou atos para a liberação do Plano Safra. Dilma é acusada, entre outras coisas, de ter feito uma operação de crédito com o banco para o pagamento do programa, o que é vedado pela lei.
 
“Nós já começamos a receber respostas a alguns requerimentos de informações aprovados aqui. Um deles, por exemplo, chega do Banco do Brasil, dizendo que não há atos praticados diretamente pela presidenta afastada, Dilma Rousseff, na liberação dos pagamentos para o Plano Safra. O Banco do Brasil mandou essa informação. Então, se não há ato dela, onde está o dolo? Não há o dolo”, disse Vanessa.
 
A senadora disse que o ofício do banco atesta que a operação em que a instituição financeira arcou com o pagamento dos benefícios do plano, recebendo o repasse em atraso do tesouro nacional com juros, não configura uma operação de crédito.
 
“O Banco do Brasil manda para cá também resposta a um requerimento apresentado pelo senador Lindbergh [Farias – PT-RJ] e aprovado aqui, onde o próprio Banco do Brasil encaminhou os esclarecimentos, que já havia encaminhado ao Tribunal de Contas da União, que sustentam que as supostas pedaladas fiscais do Plano Safra não podem ser entendidas como um tipo vedado de empréstimo ao governo”, disse a senadora.
 
O documento ao qual Vanessa Grazziotin se refere ainda não está disponível para consulta pública. A advogada de acusação, Janaína Paschoal, disse que aguardaria a juntada dele aos autos, mas se antecipou reiterando seu convencimento de que o atraso nos pagamentos com cobrança de juros, chamada comumente de pedaladas, configura uma forma de empréstimo.
 
“Não houve pagamento de ISS [Imposto Sobre Serviços] sobre o montante total do que foi pago, a título de equalização, e foram cobrados juros! Essas características mostram a natureza de operação de crédito. Então acho muito estranha essa informação do Banco do Brasil e, se veio, está equivocada sob o ponto de vista jurídico”, disse a advogada.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

13 comentários

  1. É golpe pelo conjunto da bandalheira e dos bandidos
    Nenhuma justificativa legal tem sido argumento para suplantar o golpe.
    É por isso que o golpe é golpe.

    • Luciano

      Pois é ! As figurinhas da oposição foram selecionadas após jurarem c/ a mão na Biblia que não haveria argumento que as demovessem de praticar o Golpe.

  2. A performance do TCU, da

    A performance do TCU, da Janaína, do Reale e do Bicudo, principalmente, é descomunal, só perdendo para a incomparável apresentação de gráficos do caiadão (de barras, já que os lineares êle não sabe ler/interpretar)! O TCU apresenta testemunhas à comissão do impeachment mais parecidos com equilibristas de pratos… derrubaram todos; Dra Janaína apresenta-se marcando a todos com o seu contorcionismo facial, só…; Dr Reale fala como fhc… uma espécie de boquejar que ninguem entende, nem êles; e o Bicudo… todo tucano é bicudo, certo? Tá parecendo que tudo isso não passa de mais uma bolinha de papel do cerra…  

  3. E PGR confirma “erro” sobre Marco Maia

    Não vem ao caso. O dano já está feito. Foi só excesso de ansiedade em condenar petistas e queimar o filme do PT, mas, cá entre nós, é grotesco “confundir” Marco Maia com José Agripino Maia. Grave ofensa, a meu ver.

    Em nota, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirma que o nome do deputado Marco Maia (PT-RS) foi incluído por engano na petição de homologação da delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado: “Ao reproduzir os nomes das autoridades foi mencionado na petição o nome (Marco Maia) quando, na realidade, constou do depoimento do colaborador o nome dos parlamentares ‘Felipe Maia’ e ‘José Agripino Maia'”, diz

     

    http://www.brasil247.com/pt/247/rs247/238785/PGR-reconhece-erro-em-rela%C3%A7%C3%A3o-a-Marco-Maia.htm

    • Vai botando na conta do PT…

      Marco e Felipe são muitíssimos parecidos.Perfeitamente compreensível o erro.

      Talvez o contexto  do contido na delação tenha feito com que Janot tenha sido levado ao erro. Um é do Rio Grande do Sul, os outros dois, pai e filho do Rio Grande do Norte. 

  4. Tá bom, mas e daí ?
    Como

    Tá bom, mas e daí ?

    Como disse o senador Alvaro Dias, o senado já tem opinião formada.

     A Dilma será impitimada, independente de ter pedalado ou não.

    A presidenta atrapalha os planos e objetivos desses ladrões.

  5. A senadora disse que o ofício

    A senadora disse que o ofício do banco atesta que a operação em que a instituição financeira arcou com o pagamento dos benefícios do plano, recebendo o repasse em atraso do tesouro nacional com juros, não configura uma operação de crédito.

     

    Hahahahaha, piada isso. A Terra também não é redonda, é quadrada…….

    • NRA,

      O BB é uma empresa de sociedade mista tendo como principal sócio e controlador o Governo Federal. O direito constitucional é claro ao dizer que um órgão público não pode fazer empréstimos a si mesmo entre outros atos, em palavras simples. É como se eu tirasse o dinheiro da poupança pra cobrir qualquer dívida minha, e logo depois, transferiria de fundos de ações o valor novamente para a poupança, é dinheiro meu de mim pra mim mesmo. Então não houve crime. Simples. Claro. Cristalino. Mas, como diria um amigo “pra que simplificar se dá pra complicar”, né?

  6. os depoimentos dos técnicos e do Banco do Brasil

    Nassif: em quem acreditar. Os técnicos, o depoimento de Janini e muitos outros como o do Banco do Brasil etc. todos estes são mentirosos, são falsos, etc.?  Está claro que aqueles senadores que são a favor do impedimento de uma inocente são de fato julgadores, estão procedendo com justiça? Como se pode convencê-los, se já tomaram posição política? Isto tudo é um horror e claro é o domínio da eleite burguesa: banqueiros, latifundiários, médicos inescrupulosos, imprensa, financeiro, etc. Como resistir a este rolo comprensor chefiado por Cunha e a tropa de deputados do segundo e terceiro escalões, por traidores do pov, este que é sempre excluido, do trabalhador sempre opimido pelos capitalistas e patrões que só pensam em lucro e escravizar tosdos aqueles das classes C, D, E. Estou do lado da democracia e radicalmente contra o golpe da elite burguesa.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome