Fachin arquivou inquéritos contra sete políticos, incluindo Jungmann, Imbassahy e Maluf

paulo-maluf-leonardo_pardo_camara_dos_deputados.jpg
 
Foto: Leonardo Prado/Câmara dos Deputados
 
Jornal GGN – Além das autorizações para abertura de inquéritos contra 98 políticos, o ministro Edson Fachin arquivou os pedidos de abertura de inquéritos contra outros sete políticos, incluindo dois ministros do governo Michel Temer. 
 
Fachin acolheu a recomendação de Rodrigo Janot, procurador-geral da República e arquivou os inquéritos dos ministros Antônio Imbassahy (PSDB-BA), da Secretaria de Governo, e Raul Jungmann (PPS-PE), da Defesa, do senador Romário (PSB-RJ), e dos deputados Paulo Maluf (PP-SP), Orlando Silva (PCdoB-SP), Benito Gama (PTB-BA) e Cláudio Cajado (DEM-BA).

 
Quando a lista de Janot foi divulgada, há cerca de um mês, o deputado, ex-governador e ex-prefeito Paulo Maluf afirmou que não era citado. “Não só não estou na Lava Jato e na lista do Janot, como não estou no mensalão”.
 
Entretanto, Maluf estava na lista de Janot, mas a apuração sobre seu caso será arquivada porque se trata de um caso antigo. Quando pediu o arquivamento da petição, o PGR escreve que “não há, no presente momento, viabilidades fática e jurídica para que se dê andamento a uma investigação formal em razão das pessoas mencionadas nos presentes autos”.
 
Ontem, o ex-governador de São Paulo disse que “também não estou na nova lista e eu já sabia, pois sempre ocupei cargos públicos para trabalhar pelo povo”. 
 
Fachin acolheu o pedido de Janot fazendo a ressalva de que o arquivamento, baseado na falta de provas, não impede que as investigações continuem, “caso futuramente surjam novas evidências”.
 
Assine
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora