Operação Lava Jato, combate à corrupção e estado de direito, por Leonardo Avritzer

Operação Lava Jato, combate à corrupção e estado de direito

Leonardo Avritzer

A 24ª fase da operação Lava Jato que levou a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva `a Polícia Federal marca o auge de um processo de desse quilíbrio entre os poderes que ameaça distorcer completamente o novo marco de divisão de poderes gerado pela constituição de 1988. O poder judiciário ao aumentar suas prerrogativas no período democrático recente está forjando elementos de um juristocracia que nega a soberania popular e considera a si próprio um poder acima da legalidade. Preceitos da Constituição de 1988 são quebrados com a maior tranquilidade por um juiz de primeira instância e sancionados por um S.T.F. que, sob pressão midiática, parece estar perdendo o seu papel de guardião da Constituição.

A Constituição de 1988 foi produzida a partir da percepção do desequilíbrio histórico entre os poderes, que sempre penderam na direção do Executivo, e da inefetividade das estruturas de peso e contra-pesos no Brasil. Como contraponto a esta tradição, diversos atores, antes e durante o processo constituinte, propuseram a criação de fortes marcos legais para o fortalecimento da divisão de poderes, em especial do poder judiciário As principais alterações, nesta direção, foram: (1) o estabelecimento de um complexo e extenso sistema de revisão judicial da constitucionalidade das leis e atos normativos (CRFB/88, arts. 102 e 103); e (2) o reconhecimento e fortalecimento da ampliação das funções do Ministério Público no sentido de fiscalizar políticos e burocratas, aproximando o órgão ministerial da figura das agências burocráticas deaccountability horizontal (CRFB/88, art. 127). Essas alterações, propostas tanto pelos atores ligados às instituições judiciais, como pela Associação dos Procuradores da República (ANPR) e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), impactaram significativamente no fortalecimento das instituições de controle no período pós-Constituição de 1988 a partir do discurso da representação simbólica da cidadania.

Com consequência do texto constitucional, foi se produzindo um reforço das assim chamadas instituições de controle no Brasil de 1988 até hoje, com o sentido de apontar um novo equilíbrio entre os poderes e reforçar a ideia de uma representação da cidadania pelas instituições de controle. Adicionalmente, nos últimos anos, registrou-se um aprofundamento dessa dimensão da democracia brasileira, não apenas pela criação de novas instituições de controle, tal como a Controladoria Geral da União (CGU), mas também pela ampliação das prerrogativas de algumas já existentes – a exemplo do que ocorreu com o Tribunal de Contas da União (TCU). O Tribunal de Contas da União (TCU), que originariamente tinha atribuições restritas à análise das contas do Presidente, posteriormente passou a fazer auditorias de gestão e aplicar sanções e finalmente em 1988 assumiu as funções de controle externo.  Ocorreu também uma verdadeira revolução institucional com as chamadas operações integradas da Polícia Federal.

Nesses termos, o marco constitucional, inaugurado em 1988, pode ser apreendido na chave de um giro radical na ideia de cidadania que passou a estar relacionada às instituições de controle, o que não é completamente compatível com a ideia de uma soberania democrática. Até 2010, houve alguma articulação entre as instituições de controle e as que exercitam a soberania popular. A partir da operação Lava Jato deixou de haver qualquer articulação. Permitam-me desenvolver este argumento.

Leia também:  Ex-procurador da Lava Jato pede "Fora Bolsonaro"

A divisão da Lava Jato em fases, realizada pela própria Procuradoria Geral da República e pelo juiz Moro, nos permite diferenciar as fases em que ela de fato mirou o combate à corrupção institucionalizada, das fases – em especial a que começou na última semana do segundo turno das eleições e levou à condução coercitiva do ex-presidente Lula para depor no dia 04 de Março – nas quais ela se converteu em uma operação política com vistas a reorganizar o jogo político eleitoral no Brasil. A primeira fase pode ser considerada um avanço na investigação e no combate à corrupção dentro da doutrina de divisão de poderes e de equilíbrio criado no período pós Constituição de 1988. Nesta fase, atores ligados à corrupção sistêmica na Petrobrás foram descobertos e os procedimentos jurídicos cabíveis adotados, através de uma inovação que poderia ser considerada produtiva: a delação premiada que irei comentar mais abaixo. No entanto, encerrada esta fase, que conseguiu produzir bons resultados, seja no que diz respeito à revelação da operação de corrupção dentro da Petrobrás, seja no que toca à recuperação inédita de ativos da empresa, iniciou-se um segundo momento, de conteúdo eminentemente político, que coincidiu com a campanha eleitoral de 2014 e que em 2015 adquiriu o contorno de fortes ataques ao sistema político ancorado no apoio midiático. No início de 2016 a operação Lava Jato pessoalizou o combate a corrupção passando a investigar, ao arrepio do estado de direito, uma pessoa, o ex-presidente Lula ao invés de investigar delitos.

A partir do segundo momento da operação Lava Jato, que se inicia com a sua 7ª fase da operação lançado em Novembro de 2014 e segue até o final de 2015, é possível perceber que a operação foi politizada de diferentes maneiras: em primeiro lugar, ainda durante o período eleitoral foram realizados vazamentos seletivos sobre a eventual participação da presidente e do ex-presidente Lula no esquema de corrupção. Essas informações não se confirmaram quando da revelação da lista de políticos envolvidos no esquema de corrupção da Petrobrás, confeccionada pelo Procurador Geral da República. Este ato, nunca investigado a contento, constitui o primeiro passo não apenas da politização da Lava Jato como também das suas incursões pela seara política, todas feitas com objetivos de influenciar processo político em curso e todas elas realizadas com apoio midiático.

O outro elemento de desequilíbrio da Lava Jato está ligado as chamadas delações premiadas dos empreiteiros. Esta fase começa com a prisão dos principais empreiteiros do país, presidentes de empresas como a OAS, UTC e Camargo Correa, entre outras, Nesta fase começa vigorar o mais forte elemento da Lava Jato a prisão preventiva realizada com o objetivo de forçar a delação premiada. A delação premiada, instituto importado do direito americano no qual é denominada de “plea bargain” foi introduzida no direito penal brasileiro em 2013 com a lei 12.850. No caso da operação Lava Jato, ela associa uma mudança da interpretação da prisão preventiva, (surpreendentemente sustentada pelas cortes superiores com exceção do S.T.F) com a delação premiada. Ressalte-se, neste caso, que a ideia de prêmio não está apenas no nome mas é parte essencial da estratégia da Lava Jato. As reduções de pena aos réus confessos de corrupção sistêmica indicam uma perigosa atitude discricionária do juiz em relação aos réus criando um forte desequilíbrio no ato de julgar. Assim, réus confessos que aderiram a delação premiada puderam passar o natal de 2015 em casa, ao passo que suspeitos sem condenação não tiveram acesso ao mesmo benefício. Alguns réus empreiteiros aderiram à delação premiada depois de sofrerem pressões no cárcere ou terem elementos da sua vida pessoal vazados para a imprensa. E o mais grave o juiz Moro reduziu em quase trinta vezes a pena de condenados por corrupção sistêmica, no caso ex-diretores da Petrobrás em troca de delações políticas. Assim, o segundo momento da Lava Jato tem características diferentes do primeiro. A prisão dos empreiteiros teve como objetivo principal chegar aos membros do sistema político, que Moro considera o principal objetivo da operação, se tomarmos como base o seu texto sobre a operação “Mãos Limpas” na Itália publicado em 2004. Assim, a Lava Jato parou de mirar a corrupção na Petrobrás e passou a ter uma estratégia de criminalização seletiva do sistema político.

Leia também:  PF faz buscas contra o "superadvogado de Bretas". Relembre o que o GGN já publicou sobre o caso

O terceiro momento da operação Lava Jato que ocorre nestes primeiros meses de 2016 tem um novo elemento. A pressão seletiva sobre o sistema político por um juiz que se ancorou em um sistema judiciário que ratifica quase que automaticamente as suas decisões deu o sinal verde para politização completa da Lava Jato. Só que agora estas decisões já não têm mais a ver com o sistema Petrobrás e sim com a política nacional. Os vazamentos são todos ligados as figuras Lula e Dilma. Informações relevantes como a da propina de 100.000 milhões de dólares na venda da Peres Compac durante o governo FHC já não são nem sequer investigadas. Três depoimentos mencionando o Senador Aécio Neves levaram seis meses para serem divulgados e não conduzem a quaisquer investigações. Hipóteses de delação premiada que desgastam um partido ou um político são imediatamente vazadas para a imprensa. Perdeu-se assim, já neste terceiro momento da Lava Jato quaisquer elementos de justificação das ações da Lava Jato em termos da investigação e delitos cometidos na Petrobrás.

Mas o fato mais curioso e que aponta para uma clara violação das regras do estado de direito é a pessoalização de elementos criminais pelo juiz Moro. A pessoalização/ politização se dá, antes de tudo, na relação entre o dinheiro da construtora Odebrecht e indícios de ilegalidade. Essa relação é atribuída sem provas e transferida para a discricionariedade do juiz Moro. Assim, não tem nenhum problema as contribuições de campanha da Odebrecht ao PSDB ou ao Instituto FHC, mas as conferências do ex-presidente Lula pagas pela Odebrecht são criminalizadas. Deste modo, uma empresa que tem negócios muito além da Petrobrás e uma boa parte deles no exterior, tem os seus recursos criminalizados seletivamente através da ação discricionária de um juiz de primeira instância. O que de fato preocupa àqueles que prezam o estado de direito no país é o abandono da dimensão investigativa substituída pela prisão e pela coerção na busca da prova não investigada. Nas palavras de um dos promotores da Lava Jato “Existem basicamente dois modos de você responder uma acusação. O primeiro modo é mostrar que aquilo que a pessoa disse é mentira e que está errado. O segundo é desacreditar e tirar a credibilidade das pessoas que te acusam. O que vários acusados têm feito diante da robustez das provas é buscar agredir o acusador, tentando tirar desse modo a credibilidade. Mas isso é criar uma espécie de teoria da conspiração”. O promotor se esquece da terceira possibilidade pouco utilizada na Lava Jato que é a comprovação do crime pela investigação sem coerção física. Ou seja, a força tarefa da Lava Jato opera com hipóteses, nega a presunção da inocência que é substituída por prisões preventivas que tem como objetivo forçar a delação. Assim, temos a criação de uma juristocracia que alega se legitimar em um interesse público não sancionado democraticamente para criminalizar o sistema político.

Leia também:  Bolsonaro pressionou contra conflito 'Maria da Fofoca' entre Salles e Ramos

Fechamos o círculo no que diz respeito a relação entre poder judiciário e os outros poderes. Esta relação se inicia com a promulgação da Constituição onde o legislador constituinte, com toda razão, tentou estabelecer um novo equilíbrio entre os poderes, tentando fortalecer o judiciário e as instituições do sistema de justiça. Com o completo esgarçamento da legitimidade do sistema de representação e um forte enfraquecimento da presidência a partir do ano passado, ficamos com o poder judiciário como o último poder que retêm elementos de legitimidade. Infelizmente, esses elementos não estão sendo utilizados para proporcionar equilíbrio necessário para estabilizar o sistema político, mas para instituir um elemento judicial adicional na luta fraticida que se instaurou no país depois das eleições de 2014. As ações do juiz Moro rompem com o princípio fundamental que organiza o poder judiciário desde Montesquieu, que é o princípio do equilíbrio associado a não ocupação de uma posição de forte visibilidade. Na medida em que Moro se converte em figura pública e ponta de lança de um processo de politização/radicalização do país pela via judicial, luzes amarelas emergem sobre a estabilidade institucional da democracia brasileira. Caberá ao guardião supremo da Constituição, o S.T.F., avalizar ou não a aventura de politização do judiciário que pode conduzir o país a uma radicalização política e social a la Venezuela. 

Leonardo Avritzer – Cientista Político e Professor da UFMG

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

25 comentários

  1. Como confiar no STF? Em
    Como confiar no STF? Em relação ao judiciário o que nos resta é orar para que a razão volte a prevalecer. Mas isso é só fé, nada nos leva a crer que naquela turma existe sapiência, ali todos querem esfolar a Democracia, ali como disse a ministra carmem lúcia
    o medo venceu.

  2. Já está na segunda etapa o golpe fascista

    Leonardo

    Já foi ultrapassado o limite. Não há mais retorno. Ou recuperamos o Estado Democrático de Direito, ou será instituído um Estado Plutocrático com valores fascistas.

    Para recuperar a Liberdade e a Democracia, é urgente a eliminação do poder de Moro e da Globo.

  3. Esse texto acerta em cheio no
    Esse texto acerta em cheio no diagnóstico do dilema no qual o país está se atolando hoje. Quando um juiz caipira de 1a instância de um estado periférico consegue paralisar todo o país significa que instalou-se uma ditadura judicial.

  4. Banestado.

       Este Procurador, o tal Santos Lima que é o bom moço e justiceiro do Moro, nada mais é que uma Rapôsa no Galinheiro. Titulo de uma reportagem da Isto É de 2003. O mocinho ,tentou de todo jeito impedir que documentos chegassem em mãos da CPI do Banestado , cuja mulher era funcionária desta instituição. O escandalo Banestado foi obra do Principe da Privataria, o ¨amore¨,já vovô fhc.( DCM).

  5. Acrescente-se a isso a

    Acrescente-se a isso a “midialização” espetaculasa desses eventos e sua amplificação ligeira pelas redes ditas sociais, nas mais diversas formas do escárnio e da mentira tornada verdade – a aletheia segundo a versão (ou sub-versão) dos bacharéis em Direito que, parece, querem criar uma “nova” república, sua. Lembremo-nos de que a República Velha também foi chamada de “República dos bacharéis”. O eterno retorno da direita? Parece. Se as coisas forem por aí, e já estão aí, o que teremos, e já temos, é o Estado Judicial, que a pretexto de se pautar exclusivamente pelo processo judicial, sem qualquer preocupação de justiça social ou de valorizar o extrajudicial, existe para reforçar o tradicional “estado das coisas”.

  6. A ideia inicial…
    Era criar, ao meu ver, um controle dos gastos do governo.
    Isso não só não aconteceu como também criou um desequilíbrio, já que hoje vemos um país aleijado, sendo colocado de joelhos ante à vontade de uma minoria.
    Em minha opinião os poderes da república brasileira, do jeito que estão estabelecidos não poderiam ser iguais. Isso só poderia ser se
    todos passassem pelo sufrágio universal. Ainda conseguiram piorar quando empodeiraram instituições às quais não se impõe qualqer punição aos seus equívocos e desmandos.
    Sonhar com uma mudanca radical é bobagem, mas, com uma mudança de postura dos eleitos.

  7. A Constituição Federal de

    A Constituição Federal de 1988 está sendo vilipendiada diariamente por Moro e o MPF. Ela, a nossa Lei Maior, está derramando  lágrimas de sangue, sobretudo pelo horroroso espetáculo representado por Moro no dia de ontem. Lembro-me que José Sarney, com todos os defeitos que possuía quando assumiu a presidência da República, levava consigo e colocava a Constuição anterior, mesmo remendada pelos militares, sobre um pedestal. Hoje, a nossa Constituição está sofrendo desmandos e sendo pisoteada por gente que deveria engrandecê-la por obrigação inafastável, Moro e os de sua laia.

  8. sou otimista

    A lava-jato está no fim. A teoria de que Lula era o chefe de uma organização criminosa cai completamente por terra na medida em que não encontram nada de relevante contra o ex-presidente, depois de anos investigando.

    A delação premiada faz sentido na medida em que o criminoso menor delata o maior. Na lava-jato os que roubaram confessadamente tiveram as penas drasticamente reduzidas, alguns já estão em casa como o paulo Roberto Costa, e não se achou ninguém maior que eles na hierarquia do crime.

    A investigação técnica acabou, agora só factóides na mídia mantém a lava-jato respirando por aparelhos.

    Se eles fossem pegar o fio da meada da Mossack Fonseca fariam um belo trabalho mas é claro que não farão. O curso do processo é lado-a-lado com mídia e não contra.

    Sou otimista. Acho que Lula se certamente se elege e teremos um Congresso mais progressista nos próximos anos e o rescaldo da lava-jato será uma revisão dos poderes no judiciário e ministério público, incluindo suas mordomias.

     

    • menino moro, estudou mani pulite e nada entendeu

      Muito sereno na argumentação.

      Quando vi o menino moro suspeitando da Clara Ant, arquiteta professora de vida modesta e dedicação às causas maiores deste Brasil, faltou-me o ultima barreira para o respeito deste concursado, enfim confirmou ser um babaca e tenho para tanto o domio do fato.

    • O ridiculo

      Quando a acusação se baseia em pedalinhos e barcos de lata, quando a polícia se nega a aceitar a validade de documentos legais de propriedade. Quando a polícia se nega a aceitar declarações, já aceitas pela Receita Federal sobre as palestras, quando se mistura questões fiscais com outras. Quando se contrata o mesmo escritor para escrever uma declaração a mídia plagiando uma outra que havia sido diligentemente confeccionada( como peça de ficção é claro)  para condenar Dirceu é sinal de que temos uma polícia , uma procuradoria e um juiz que não tem medo do ridiculo. Quando esta peça é lida e relida usando o mesmo fundo, pelos mesmos Waaks e Bonners, . Quando Cristianas Lo pretes e Catanhedes chamam a cena aquele que sabe até a cor da cueca utilizada pelo mordomo do planalto , ( Camarotti) e com cara séria avisam que agora  a situação é grave. para o presidente  Lula, chega-se ao fundo do poço do jornalismo.  Devemos concluir  que estamos diante de uma peça comica de baixa qualidade. Com um roteiro trágico e perfido , e mal construido digno de um imortal Merval. e direção de Kamel. E incrivelmente mantido no ar pelo dinheiro e interesses mais escusos . Gostaria de saber quem paga o tempo de televisão desta peça de publicidade falsa.

  9. nenhuma Constituição resiste às estimulações anormais…

    principalmente quando criadas por modelos ou grupos de justiça não adaptados a ela

    e, bem pior, ficamos sabendo que simplesmente não querem se adaptar, quando todos os pontos de vista ou críticas de especialistas expressam um mesmo veredicto

    a única coisa que tem servido de base para lava jato é o veredicto da mídia bandida e golpista somado ao dos criminosos de verdade, criminosos confessos ou delatores que são forçados ou comprados ( caso Delcidio )

    perigo maior disso tudo é estimularem outras forças ( PC e PM ) a fazerem o mesmo com qualquer cidadão

    • em tempo…

      nossa Constituição não foi preparada para poder resistir às estimulações anormais, fantasiosas ou imaginárias

      e não só a nossa

      lava jato está servindo de moldura para um Estado fora da lei

      é assim que os americanos querem o Brasil, como um segundo México

  10. Um texto longo como esse

    Um texto longo como esse impede comentários abrangentes. Deste modo, separei o trecho que faz referência ao tratamento singular aos premiados pelas delações.

    Sou categórico: delação premiadas para quem está envolvidos nos crimes delatados é uma excrescência. Motivos: a) Só serve para poupar a preguiça do aparato repressor; 2) Induz a uma indesejável interação entre delinquentes e agentes da Lei, gerando com isso empatias que irão por em risco a própria seriedade e higidez das investigações. Um exemplo: alguém observou a pose folgada, quase em clima de camaradagem, entre delatores e agentes públicos nessa lava a jato? Caso do Roberto Costa;  3) A instrumentalização da delação para fins escusos (políticos, econômicos etc); 4) O caráter sempre suspeito das reais intenções do delator, o que pode incorrer em imputações a inocentes.  

    É ou não é bizarro que os principais delatores, inclusive um já criminoso reincidente, se beneficiem de forma tão acintosa com suas delações, caso do Roberto Costa, Alberto Yussef e Pedro Barusco, os que mais receberam propinas e que já estão praticamente soltos e ainda mais com um “saldo” até apreciável pelas estripulias. 

    E essa minha repulsa a esse instituto se multiplica por mil quando o processo envolve políticos. Nunca se saberá efetivamente quando seu uso atende, ou vai atender,  aos interesses da Justiça, da sociedade, e não os dos criminosos, dos agentes do Estado comprometidos política e ideologicamente(quem falou Lava a Jato levante o dedo) e de terceiros qualquer. 

     

     

  11. descoberto e cobrado, ou demitido…

    ou mesmo quando chamado às falas dentro da empresa após certo tempo de atuação

    acredito que todo delator planeja e direciona a atenção da justiça para longe do seu cofre forte

    vai apontando pepitas de ouro pelo caminho, mas sempre se afastando da mina

  12. Sequestro é crime!

    Se Dilma quiser fazer alguma coisa a respeito do sequestro do Presidente Lula, pode demitir sumariamente o Diretor Geral da PF e seu preposto em SP por terem acobertado o crime de sequestro; a seguir abrir um inquérito interno na PF para identificar responsáveis pela ordem e pela execução do sequestro de uma pessoa que nada deve à justiça.
    Os advogado do ex-Presidente podem denunciar os mandantes e executores do sequestro à justiça e pedir abertura de inquérito judicial. Isso porquê sou leigo no assunto.

  13. ótimo artigo….
    um bom

    ótimo artigo….

    um bom históirico da operação lava-jato e as últimas distorções que levam a politicação contra o governo popular…

    o ironico  dessa história toda é que os movimentos sociais lutaram tanto para

    democratizar as instituições do estado, para combater

     o regime que vigia há quinhentos anos,

    sem sequer ter a noção de que

    um governo popular poderia na sequencia  assumir o poder central…

  14. Nova (velha) tirania

    O judiciário está cada vez mais assumindo um papel político e, no caso da Lava Jato, partidário. Se se quebra a divisão dos poderes, a democracia vai embora, regredimos para os tempos pré-Revolução Francesa.. Em vez de sermos submetidos à tirania do rei, que era poder executivo, legislativo e com poder de punir, agora podemos ser submetidos à tirania do judiciário, que julga, muda as leis (pois as usa como quer, como no caso da condução coercitiva) e executa a pena (humilhando os que considera culpados, antes de qualquer prova).

  15. O crime de sequestro contra Lula

    O povo brasileiro, indignado, aguarda uma demissão sumária do diretor geral da PF e de seu preposto em SP por terem colocado uma instituição pública, a PF, mantida pelos contribuintes, a praticar o crime de sequestro contra o Presidente Lula. Sem prejuízo de um inquérito para determinar as responsabilidades no cometimento desse grave crime contra uma pessoa de bem.
    Os advogados do ex-Presidente deveriam entrar na justiça denunciando o abuso de autoridade, o sequestro e quantos outros crimes forem identificados por eles que são os que entendem de Direito.
    Essas medidas mínimas deverão ser tomadas de imediato. Guerra é guerra.

  16. Avritzer

    Pensei em ler o artigoe me desanimei ao ler  que o S.T.F. “parece estar perdendo o seu papel de guardião da Constituição”. Com um de seus ministros lendo um artigo da constituição até o ponto que lhe interessa (e interessa ao governo do PT), penso que o STF também está aparelhado. Quem asssumirá o governo eu não sei. Mas nesse momento o que mais importa é dele tirar o PT.

     

  17. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome