Vereadores paulistanos querem multa para quem desperdiçar água

Jornal GGN – A Câmara Municipal de São Paulo aprovou ontem (4) a aplicação de multa de R$ 1 mil para moradores da cidade que forem flagrados desperdiçando água. Não será permitido lavar a calçada ou o carro. E o valor dobra em caso de reincidência. O texto, no entanto, ainda precisa ser aprovado uma segunda vez pelos vereadores antes de ser sancionado pelo prefeito Fernando Haddad.

Câmara aprova multa de R$ 1 mil para quem lavar a calçada com água da Sabesp

Por Adriana Ferraz

Do Estadão

Morador flagrado usando água tratada para lavar carro também será autuado; para virar lei, projeto precisa ser aprovado mais uma vez e, depois, sancionado pelo prefeito Fernando Haddad

SÃO PAULO – A Câmara Municipal de São Paulo aprovou, na tarde desta quarta-feira, 4, a aplicação de uma multa de R$ 1 mil para moradores da cidade flagrados lavando a calçada ou o carro com água fornecida pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). O valor dobra em caso de reincidência. Mas o texto deve ser modificado ao passar por uma segunda votação em plenário e antes de ser sancionado pelo prefeito Fernando Haddad (PT).

Nesta quarta, o projeto dos vereadores da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o contrato da Prefeitura com a Sabesp passou com 30 votos favoráveis e 11 contra. A expectativa é de que na próxima semana, antes da votação definitiva, o texto seja ampliado com outras medidas e tenha a multa inicial reduzida, além de ser precedida de uma advertência.

Vereadores tanto da base aliada de Haddad quanto da oposição defendem que a Câmara também legisle sobre normas que incentivem o reúso da água ou que criem regras ecológicas para construções novas, como a obrigatoriedade de se instalar hidrômetros individuais ou caixas d’água para que se obtenha o registro do imóvel.

Leia também:  OMS: Recuperação global seria mais rápida se vacina da COVID for disponibilizada a todos

Morador do Ipiranga lava calçada com mangueira

De acordo com a proposta aprovada em primeira votação, caberá ao cidadão flagrado desperdiçando água comprovar que a lavagem do carro ou da calçada não é feita com água tratada, mas com líquido de reúso ou de poço artesiano. A proposta não deixa claro, no entanto, como se dará a comprovação. 

Do mesmo modo, não se especifica se a multa será expedida para o cidadão ou para o imóvel fiscalizado. As condições deverão ser estipuladas no processo de regulamentação.

Constrangimento. Apesar da aprovação, a decisão de se multar moradores da capital que esbanjem água não é de consenso na Câmara. Na primeira tentativa de aprovação nesta quarta, a proposta recebeu 27 votos, um a menos que o necessário, e ficou pendente de votação. Aproveitando um mecanismo do regimento interno da Câmara, o tema foi votado novamente, dez minutos depois, e passou, com 30 votos. 

O problema é que muitos parlamentares temem ser hostilizados em suas bases eleitorais por quem já sofre diariamente com a falta de água e agora ainda corre o risco de ser multado. “Mais uma vez, a corda quebra do lado mais fraco. Agora, o contribuinte tem de pagar multa. Na minha opinião, quem tem de pagar essa multa são os governantes. Desde a década passada já havia estudos que falavam que haveria seca. Nossos governantes têm de ser responsabilizados por isso. A população está sendo penalizada”, reclamou Sandra Tadeu (DEM).

Como ela, votaram contra os vereadores Abou Anni (PV), Aurélio Miguel (PR), Marta Costa (PSD), Adilson Amadeu (PTB), Wadih Mutran (PP), Toninho Vespoli (PSOL), Dalton Silvano (PV), Conte Lopes (PTB), David Soares (PSD) e Eliseu Gabriel (PSB).

Leia também:  Covid-19 – Uma compilação sobre a crise (Volume 3), por Felipe A. P. L. Costa

Líder do governo, o vereador Arselino Tatto (PT) afirmou, antes da votação, que “existem coisas que ou se penaliza ou não funciona”. O petista pediu apoio dos colegas com o argumento de que o cidadão que desperdiça água tratada em plena crise deve, sim, ser autuado. 

Tatto, no entanto, antecipou que para a segunda votação a gestão de Fernando Haddad (PT) pretende modificar as regras da multa, estabelecendo uma advertência inicial. Uma campanha educativa também deverá ser promovida pela Prefeitura de São Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Essa multa vale também para a

    Essa multa vale também para a Sabesp? Existe estudo que comprova que 36% de toda água produzida, a Sbesp desperdiça em vazamentos. 

    • Líder do governo, o vereador

      Líder do governo, o vereador Arselino Tatto (PT) afirmou, antes da votação, que “existem coisas que ou se penaliza ou não funciona”.

       

       

  2. Pra que servem os dignissimos

    Pra que servem os dignissimos vereadores? Alem de colocar nome em rua, mamar nas tetas da vaca publica e espoliar a viuva até a exaustão?

    Notícias em destaque

    Câmara aprova multa de R$ 1.000 a quem desperdiçar água em São Paulo – 04/02/2015 – Cotidiano – Folha de S.Paulo

    c) Culpabilização: a culpa recai sobre as costas do elo mais fraco, o usuário doméstico. De toda a água disponibilizada, 70% = agricultura, 22% = indústria e (atenção!) apenas 8% = consumo doméstico. Essa é uma conta grosseira, sem os 31% de perdas por vazamentos na rede esburacada da Sabesp. No imaginário pulsante, façamos uma caçada aos gastadores. O cara que usa balde no chuveiro para reuso ganha um milhão de curtidas. Eu deveria entrar no chuveiro com sentimento de culpa (nananina). Desse jeito, um usuário genérico, aquele que menos consome do total (só 8%), fica com a responsabilidade pela tragédia e leva, de brinde, a pecha de gastador. Sequer sabemos se ele é o cara que mora em uma bela mansão com piscinas ou se lava o seu carrinho 1.0 na porta de casa.

    Sem considerar  a poluição criminosamente levada a cabo pelo governo.

     

    Eh… Para os politicos

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome