Um roteiro pela Berlim de Bertolt Brecht

Por MiriamL

Do Opera Mundi

A Berlim de Brecht: um roteiro pelos bastidores do teatro épico

Roberto Almeida

Casa do autor e o teatro Berliner Ensemble estão abertos a visitação; ingressos para peças custam entre cinco e 30 euros

Casa de Bertolt Brecht permanece intacta e está aberta para visitação do públicoForam apenas três anos vividos no número 125 da Chausseestrasse, de 1953 a 1956, mas a presença do dramaturgo e poeta Bertolt Brecht marcou definitivamente o endereço, no centro da antiga Berlim Oriental. A casa ampla, em três quartos, permanece intacta, assim como seus objetos pessoais. A decoração Bauhaus, austera, encontra motivos japoneses e oferece espaço para contemplação.

Sob as janelas grandes e luminosas, Elke Pfeil, especialista em Brecht e teatro, guia o visitante com detalhes sobre cada um dos objetos, irretocáveis em sua conservação. As hoje silenciosas máquinas de escrever, as máscaras de teatro japonês, uma foto de Lênin, a coleção de jornais antigos do Partido Social-Democrata alemão (SPD) e a longa fileira de livros com historietas policiais, paixão que partilhava com o filósofo Walter Benjamin.

“Estou agora vivendo na Chausseestrasse, perto do cemitério francês, onde generais huguenotes e Hegel e Fichte estão enterrados; todas as minhas janelas dão para o cemitério”, escreveu Brecht ao amigo Peter Suhrkamp, seu editor em Berlim Ocidental, em março de 1954.

Roberto Almeida/Opera Mundi

Brecht foi enterreado no mesmo cemitério que Hegel e Fichte, seus ídolos, ao lado de sua mulher

O autor, adepto de romances furtivos, também adorava os móveis antigos da casa e tinha carinho especial pelas cadeiras dinamarquesas, confortáveis e com assentos em couro. A Dinamarca foi seu primeiro destino após o incêndio no Reichstag, em 1933, que acabou virando definitivamente a mesa da política alemã para o lado de Adolf Hitler e passou a colocar sua vida em risco.

Leia também:  Domingueira GGN: Edu Lobo e a canção brasileira

Mesmo antes da ascensão nazista, o autor já era conhecido pela montagem da Ópera dos Três Vinténs (1928), orquestrada por Kurt Weil e baseada no texto de John Gay (1728). A despretensiosa estreia berlinense da peça, naquele mesmo ano, fez um sucesso estrondoso e imortalizou personagens como o criminoso Mackie Messer (ou Mack the Knife, na versão original) e a senhorita Peachum.

A realidade, porém, empurrou-o para o exílio ao lado da mulher, a atriz Helene Weigel, com quem estava casado desde 1929. “Mudamos de país mais do que de sapatos”, lamentava Brecht, que não conseguia experimentar nos palcos o tanto quanto gostaria. Os períodos na Dinamarca, na Suécia, na Finlândia e nos Estados Unidos, para onde se mudou em 1941, nunca impediram sua produção, mas desaceleraram sua carreira.

Roberto Almeida/Opera Mundi

Objeto de trabalho, máquina de escrever do poeta ainda está guardada na sua residência

Como resultado, o teatro épico de Brecht, com sua quebra de paradigma, fincada na motivação social e no princípio do estranhamento, precisou esperar o fim da Segunda Guerra Mundial para se desenvolver plenamente. O epicentro dessa revolução nos palcos estava a poucos minutos de caminhada da casa da Chausseestrasse (veja no mapa disponível aqui).

O Berliner Ensemble, teatro fundado em janeiro de 1949 e dirigido por Helene Weigel, conserva até hoje a forte logomarca, também de inspiração Bauhaus, girando em seu topo. A casa de espetáculos brilha na área próxima à chamada ilha dos museus de Berlim, em frente ao rio Spree, com programações diárias em alemão. São comuns montagens das peças de Brecht, com ingressos bastante em conta.

Leia também:  Lista de Livros: Tudo que é sólido desmancha no ar (Parte II), de Marshall Berman

O tour pelo teatro, organizado pelo ator holandês Werner Riemann, é imperdível e custa apenas dois euros (cerca de R$ 5). Mesmo quem arranha no alemão e conhece um pouco sobre Brecht consegue captar a essência do passeio, com duas horas e dezenas de histórias. Riemann é um personagem incrível da companhia, com mais de cinco décadas de trabalho dentro do Berliner Ensemble. Sua energia e memória são impressionantes. 

Com seus olhos azuis claros e sobrancelhas louras, aos quase 80 anos, o ator revela curiosidades da construção do teatro, como o uso de peças de tanques de guerra alemães, os Panzers, para montagem da estrutura giratória do palco, assim como os lugares cativos de Brecht e Helene Weigel na plateia e o significado das salas especiais, com máscaras em gesso dos principais atores que passaram por ali.

Sucesso e despedida

O rosto de um Brecht ainda jovem, bem no centro da coleção de máscaras, é uma homenagem ao autor que teve sua genialidade reconhecida nos palcos do Berliner Ensemble com a primeira montagem alemã de Mãe Coragem e Seus Filhos, em 1949, ano de abertura da casa. A peça antifascista, escrita em 1939, ano do início da Segunda Guerra, é um dos símbolos do ideário contra o nazismo e referência do teatro épico.

Roberto Almeida/Opera Mundi

Máscara do rosto de Brecht, dos seus tempos de juventude

Poucos anos depois, em 1956, o autor morreria na casa da Chaussestrasse de um ataque cardíaco fulminante e seria sepultado no cemitério ao lado – o mesmo descrito na carta ao editor dois anos antes – perto de seus ídolos Fichte e Hegel. Ele tinha apenas 58 anos. Helene Weigel continuou morando ali até sua morte, em 1971. Seus livros de receitas húngaras ainda hoje forram as estantes da cozinha simples.

O Berliner Ensemble, que Helene dirigiu por toda a vida, experienciou altos e baixos sob o controle do governo comunista da Alemanha Oriental. Até sua morte, Brecht tinha proteção e privilégios do SED, o partido comunista alemão, como acesso a jornais ocidentais, carro com motorista e empregados. O muro só seria construído cinco anos após sua morte. Ele nunca se filiou.

Leia também:  Livros de Amanda Gorman, que recitou na posse de Biden, lideram vendas

Após a queda do muro, o teatro passou a ser gerido por um time de diretores. As peças de Brecht não são as únicas a serem encenadas, mas fazem parte dos programas mensais. Os ingressos custam entre cinco e 30 euros. Todas as montagens são em alemão.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome