Bolsonaro deu a entender que não tem força para combater Ricardo Barros, diz Miranda

"Vocês sabem quem é, né? Vocês sabem que ali é foda e tal. Se eu mexo nisso aí, vocês sabem que merda que vai dar", teria dito Bolsonaro sobre o envolvimento de Ricardo Barros no Covaxingate

Jornal GGN – O deputado federal Luis Miranda (DEM) disse à CPI da Covid no Senado, na noite desta sexta (25), que Jair Bolsonaro teria “dado a entender” que “não tem força” para combater o “grupo” do deputado federal, líder do governo na Câmara e ex-ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Barros é suspeito de favorecer empresas ligadas a Francisco Maximiano, dono da Precisa Medicamentos, a representante da Bharat Biotec no Brasil para o fornecimento da vacina Covaxin.

Sem citar o nome de Barros, Miranda disse à CPI que no encontro de 20 de março de 2021, quando levou a Bolsonaro as suspeitas de corrupção no contrato da Covaxin com o Ministério da Saúde, a reação do presidente foi digna de quem está com as mãos atadas.

“Bolsonaro cita pra mim assim: ‘vocês sabem quem é, né? Vocês sabem que ali é foda e tal. Se eu mexo nisso aí, vocês sabem que merda que vai dar. Vocês sabem que é o fulano, né?'”

O “fulano”, embora Miranda tenha evitado citar o nome durante toda a oitiva da CPI, seria Ricardo Barros.

Miranda continuou: “O que que eu senti foi que o presidente, apesar de toda força que demonstra, de tudo que a gente conhece, ele, nesse grupo específico [de Ricardo Barros], ele, na minha percepção, não tinha força para combater. Ele deu o nome, mas não deu certeza. ‘Isso é coisa do fulano, puta merda’. Bateu na mesa. ‘Vou acionar a PF’.”

Na quinta-feira, a Polícia Federal confirmou que não há nenhum inquérito em andamento para investigar a contratação da Covaxin. “Não foi conivência dele [Bolsonaro], foi por estar de mãos amarradas”, disse Miranda, tentando minimizar o fato de que Bolsonaro não mandou investigar o esquema narrado.

Presidente da CPI, o senador Omar Aziz destacou que além de não mandar a PF investigar, Bolsonaro também manteve Barros no cargo de líder do governo na Câmara.

Leia mais:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome