Retrocessos e, filha, por favor não acredite nisso, por Matê da Luz

Por Matê da Luz

Domingo, o dia de descanso – para alguns, pelo menos. Por aqui, é tradicionamente o dia de colocar algumas conversas em dia com a filha, adolescente de quase 17 anos, o que invoca certa dose de paciência – que eu não tenho, por definição e concepção, mas com o que venho tomando consciência de tempos pra cá, por ser necessária às demandas da vida. 

Pois bem, ela senta, eu sento e começa o papo:

– Mãe, você viu no jornal? O lugar da mulher no governo Temer é o lugar da bela e recatada esposa. 

– Ah, meu santo, eu vi, filha, mas é besteira… Deixa pra lá!

– Mas deixar pra lá, mãe, significa que eu concordei com isso. A gente vem lutando contra o machismo e o alto poder do País está minando nossa luta descaradamente, com o apoio da imprensa, porque quando sai no jornal as pessoas acreditam, não é?

– É, filha… essa é uma tendência, “quando sai no jornal as pessoas acreditam”. Mas é porque as pessoas que acreditam não têm senso crítico, não têm opinião p’rópria, por que alguém em pleno 2016 iria acreditar que o lugar ideal pra mulher é no papel de esposa? 

– Porque não é só o jornal que disse, mãe, mas também as indicações pros cargos dos ministérios. Também tem o assédio diário e rotineiro no transporte público, as diferenças salariais, a questão específica da mulher negra, o aborto… Todos estes pontos importantes pra luta da mulher como pessoa estão indo pro buraco com essas reafirmações medíocres sobre quem deve ser a mulher.

Leia também:  Datafolha: maioria defende escola inclusiva para pessoas com deficiência

Eu choro. Choro porque é muito bom conviver com uma pessoa com tamanha sensibilidade e, ao mesmo tempo, é absurdamente dolorido aceitar o formato que este mundo está tomando no que diz respeito às questões da mulher, reforçadas por este governo golpista e absurdo. 

– Ô, filha, as coisas não podem ser tão fixas assim… Estas lutas continuam, mesmo que os resultados positivos pareçam tão mais distantes agora. Percebe que encontramos aí mais um argumento forte sobre o quão absurdo é colocar a mulher num papel que, sim, pode ser o dela – eu posso querer ser uma esposa, desde que esta não seja minha única determinação sexista, não é mesmo? – porque acho que todas as pessoas já entenderam que cada qual tem o direito e o dever de escolher onde quer estar?

– Não, mãe, todas as pessoas não entenderam isso, se tivessem entendido o machismo não teria a força que ainda tem, neste novo século… Acho que você está argumentando pra não me desanimar…

– É filha, tem razão. De certa forma eu não quero que você desanime, até porque este há de ser um governo provisório e, contrariando o que sua avó insiste em afirmar, eu acho que o bem sempre vence. De alguma forma, em algum momento, estes machistas bíblicos que estão no poder agora vão cair e tudo isso não passará de um período de longo e intenso aprendizado pra todos nós. Especialmente no que diz respeito às questões relacionadas às minorias. 

Leia também:  Área social é a mais atingida pelos cortes orçamentários impostos na gestão Doria

– Mas mãe, é um absurdo que a imprensa esteja apoiando tudo isso, essa nota não tem nenhum efeito de graça, de tiração de sarro… ela é uma nota “séria”! 

– Séria, séria mesmo, não é possível ser. Só pode ser um reforço de crenças limitantes, machistas sim, que visam promover o apoio ao golpe de forma quase sutil, como se dissesse: “eu concordo com o que está acontecendo”. Mesmo que seja absurdo, ainda não consegui entender direito o que esta informação quer dizer – se ela é provocativa ou se é de constatação.

– Mãe, você acha mesmo que pode ser uma nota provocativa?

– Sim, querida, eu acho. Se não achar, entendo que muita coisa retrocedeu de forma tão violenta que vai ficando cada vez mais difícil seguir em frente. 

– Vamos fazer assim, então: a gente vai encarar isso como uma grande piada do jornalista que quer apenas registrar o fato histórico do retrocesso dos direitos da mulher e, pra não sofrer represálias, decidiu estampar tamanho besteirol. Faz sentido pra mim, porque assim consigo seguir batalhando, inclusive no grupo de feminismo na escola. 

– Isso, amor, vamos fazer isso mesmo: interpretar as coisas da melhor forma possível, sem largar mão das nossas batalhas, encaixando as dificuldades em escaninhos possíveis de serem acessados…

– …senão fudeu!

– Isso, senão fudeu.

Ah, como é árdua a tarefa de explicar golpe pra quem enxerga abusos enraizados em golpes inadmissíveis. Mas vale, viu, acredita em mim e segue: vale muito! 

Leia também:  Datafolha: maioria defende escola inclusiva para pessoas com deficiência

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Não existe lugar ideal pra

    Não existe lugar ideal pra ningúem. As pessoas são livres para fazerem de suas vidas o que bem entenderem.

    Se achar que o “ideal” é ser esposa e não participar de absolutamente nada, tudo bem.

    Se achar que deve ser esposa e participar, também.

    E se achar que não deve ser esposa, também não tem nada de errado.

    Ninguém é obrigado a ser o que os outros acham que deva ser.

    Esse jornal que publicou essa asneira deve ser dirigido por algum animal amestrado que dá mais valor à beleza de uma mulher do que à sua inteligência e capacidade.

    Se Temer fosse casado com uma mulher sem atributos estéticos de beleza, o que o jornal diria? Temer não serve pra ser presidente? Temer precisa trocar de mulher se quiser ser um bom presidente?

    São uns asnos do “jornalismo”!  “Jornalismo” para idiotas!

  2. São as igrejas.

    Só não vê quem não quer. A ausência de mulheres, negros e representantes de minorias, no ministério do governo golpista, é imposição das instituições religiosas. A base dessas instituições é um livro escrito há quase dois mil anos, a bíblia. Tendo esse livro como base, a bancada da bíblia deve ter exigido dos golpistas a não nomeação para ministros de representantes da diversidade existente em nossa sociedade. Essas instituições são radicalmente contra toda a evolução da humanidade, no tocante a direitos, costumes e saber. Naquela época a sociedade era machista e patriarcal, então, o que consta nesse livro base, é fruto daqueles costumes que, infelizmente, vem sendo passado de gerações em gerações, mesmo com as dissidências que ocorreram. A educação, por exemplo, para seus representantes, é uma ameaça ao seus domínios. Se lhes fossem permitido elaborar um plano educacional, este teria como base apenas aprender a ler (a bíblia) e fazer as quatro operações elementares de aritmética, nada mais. O resto fica por conta de ouvi-los pregar as baboseiras (de dois mil anos de idade), ter que acreditar e contribuir com grana para salvação da sua pobre alma (se é que existe isso). Oitenta por cento do que contém esse nefasto livro é chantagem. Ele é baseado em castigo, dor, sofrimento, do tipo: se você não fizer isso ou aquilo, obedecendo o que está escrito (as escrituras) você e sua família serão castigados. Enquanto não se separar, definitivamente, o Estado das Religiões esse país não vai pra frente. Temo, inclusive, a implantação de uma teocracia no Brasil. Para isso basta que a bancada consiga a maioria no Parlamento. Há que se fazer uma lei proibindo que representantes de instituições religiosas se candidatem a cargos eletivos. O país é laico, consequentemente, não tem lógica se garantir assento a religiosos onde se fazem as leis laicas. 

     

     

     

     

      

  3. Maria Antonieta Temer
    http://caviaresquerda.blogspot.com.br/2016/05/maria-antonieta-temer-envergonha-o.html?m=1

    19 de Maio de 2016

    Maria Antonieta Temer envergonha o Brasil no mundo
    Nilson Lage

    No tabloide conservador inglês Daily Mail:

    “A despeito da tormenta econômica em seu país, Marcela Temer nega-se a abandonar seu ritmo de vida opulento…Com a nação latino-americana abalada por escândalos envolvendo políticos gananciosos, poucos perdoarão a ostentação da primeira-dama, aparentemente alheia aos problemas de seu país… Para muitos, ela simboliza a desigualdade social no Brasil….”

    Anderson Ferreira
    Eis a “bela , recatada e do lar”.

    Mais uma VERGONHA mundial. O Daily Mail escreveu um artigo sobre Marcela Temer, onde descrevem em detalhes a dinheirama que ela gasta em Nova York, cheia de empregados, exige tudo do bom e do melhor, e do mais caro! O jornal a compara a Carla Bruni, mulher do ex-presidente francês Nicola Sarkozy, que pra quem não sabe era vista como primeira-dama fútil e dondoca. O artigo fala ainda que Marcela parece desconectada da realidade econômica do país.

    De acordo com o jornal, em 2011 ela só aceitou mudar-se para a nova residência oficial após gastar milhões redecorando tudo. Tudo pago com dinheiro público. Vivia em SP e era visitada pelo marido nos fins de semana, e quando mudou-se pra Brasília a gastança só aumentou. Tem QUATRO empregadas apenas para lavar e passar as roupas. E mesmo visitando SP apenas nos fins de semana, a família tem um exército de empregados full time na casa. Alugaram uma casa somente para alojar 52 empregados, ao custo de mais de 80 mil reais mensais, tudo com nosso dinheiro.

    O jornal fala ainda que a mãe e a irmã de Marcela vivem uma vida milionária bancadas por Michel Temer (ou, dinheiro público, se preferirem). O jornal a descreve como uma mulher fútil com síndrome de diva. Fecha restaurantes somente para ter uma refeição tranquila com o marido. Tem cozinheira, babá e 2 empregadas apenas para cuidar do filho, alem da ajuda da mãe e da irmã!!

    Sua rotina se resume a tratamentos de beleza, manicures, jantares carérrimos e compras, sempre seguida por 5 guarda-costas. Gente, o artigo é longo, fala muita coisa e é cheio de fotos. Evidencia o bando de IDIOTAS que nós somos. Enquanto você batia panela pela Dilma, a Marcela Temer gastava dinheiro do contribuinte com sua vida luxuosa e opulenta.

    (Ana Paula Schäpers)

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome