Comissão Arns entrará como ‘amicus curiae’ em ação do presidente da OAB contra Bolsonaro

"O momento é de urgente correção do desemprego crescente, de reerguimento da economia, da consagração das liberdades democráticas", declara entidade

Bolsonaro - Foto de Alan Santos/Agência Brasil

Jornal GGN – A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos ‘Dom Paulo Evaristo Arns’ entrará como amicus curiae (interessada na causa) na ação ingressada pelo presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz, no STF (Supremo Tribunal Federal) para que o presidente Jair Bolsonaro esclareça as informações que diz ter a respeito da morte de seu pai, Fernando Santa Cruz, desaparecido na ditadura militar.

“A Comissão Arns de Direitos Humanos repele com firmeza as palavras em tom de ofensa e de deboche dirigidas pelo Exmo. Senhor Presidente da República a Felipe Santa Cruz, presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a todos os familiares de mortos e desaparecidos durante o regime militar de 1964, palavras que desmerecem o cargo ocupado, ignoram o relevante papel da OAB na volta à democracia e contrariam verdades estabelecidas pelo próprio Estado Brasileiro, em período democrático”, destacou em nota a entidade.

“O momento é de urgente correção do desemprego crescente, de reerguimento da economia, da consagração das liberdades democráticas, não cabendo o discurso de ódio e a palavra que separa e destrói”, completou.

A Comissão tem 22 integrantes, entre eles os ex-ministros José Carlos Dias e José Gregori,, o economista e também ex-ministro Luiz Carlos Bresser-Pereira, os advogados Antonio Claudio Mariz de Oliveira e Fábio Konder Comparato, as cientistas políticas Maria Hermínia Tavares de Almeida e Maria Victoria Benevides e o filósofo Vladimir Safatle.

O presidente da OAB ingresso com a ação no STF na quarta-feira (31). No dia seguinte (1º), a Corte encaminhou o pedido oficial para que Bolsonaro se esclareça as questões sobre Santa Cruz em 15 dias.

Leia também:  Bolsonaro admite que Constituição garante julgamento em liberdade

“A negativa de informações ou a prestação de informações falsas sobre o paradeiro de pessoas desaparecidas constitui ação que integra a prática do crime de desaparecimento forçado e que atinge a esfera subjetiva dos familiares da vítima, também sujeitos passivos da violação”, diz a ação ao STF.

Entenda: Bolsonaro usa fake news 

Na segunda-feira, 29 de julho, o presidente Bolsonaro disse, ao reclamar sobre a atuação da OAB no caso Adélio Bispo, que poderia explicar ao presidente da Ordem, Felipe Santa Cruz, como o pai dele desapareceu na ditadura militar (1964-1985). “Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade. Conto pra ele”, atacou Bolsonaro.

“Não é minha versão. É que a minha vivência me fez chegar nas conclusões naquele momento. O pai dele integrou a Ação Popular, o grupo mais sanguinário e violento da guerrilha lá de Pernambuco e veio desaparecer no Rio de Janeiro”, completou. Em seguida, Bolsonaro soltou questionamentos:

“Por que a OAB impediu que a Polícia Federal entrasse no telefone de um dos caríssimos advogados (de Adélio)? Qual a intenção da OAB? Quem é essa OAB?”.

Bolsonaro se apoia em uma informação falsa de que o sigilo telefônico de Adélio Bispo é protegido pela OAB. O boato foi publicado no início de julho no Facebook.

Logo após a declaração, ainda na segunda-feira (29), Bolsonaro voltou a se pronunciar dizendo que seu objetivo era destacar que Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, pai do presidente da OAB, foi morto pelos correligionários e não por agentes da Ditadura Militar.

Leia também:  Sustentações no STF: A força normativa da Constituição ou 'a voz das ruas'?, por Tania Maria de Oliveira

“Eles resolveram sumir com o pai do Santa Cruz. Não foram os militares que mataram ele não, tá? É muito fácil culpar os militares por tudo que acontece.”

Entretanto, a fala de Bolsonaro é contrariada por documentos oficiais da Marinha e da Aeronáutica. As duas organizações do Exército afirmam que Augusto de Santa Cruz Oliveira foi preso em fevereiro de 1974 por agentes da ditadura militar e, desde aquela data está desaparecido.

“O Estadão Verifica mostrou que o pai de Felipe Santa Cruz, segundo depoimento à Agência Brasil de um de seus irmãos, João Artur, não era ligado à luta armada. Outros membros de destaque da AP incluem o ativista Herbert de Souza, o Betinho, e o senador José Serra”, escrevem ainda Luiz Vassallo e Fausto Macedo em matéria no Estado de S.Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. “Entretanto, a fala de Bolsonaro é contrariada por documentos oficiais da Marinha e da Aeronáutica. As duas organizações do Exército afirmam que Augusto de Santa Cruz Oliveira foi preso em fevereiro de 1974 por agentes da ditadura militar e, desde aquela data está desaparecido.”

    Marinha e Aeronáutica não são “organizações do Exercito” mas das Forças Armadas. Isso vem se repetindo desde ontem e umilham as duas armas mais do que já estão humilhadas juntamente com o Exercito nesse governo.

  2. Que bela reação da OAB…
    praticamente impossível para Bolsonaro defender o que acredita sem ter que mostrar sua total ignorância

    como já tratou de assuntos tão sérios também com uso de fake news, restará demonstrada sua total incapacidade para resolver os principais problemas do país

  3. É muita Comissão e Conselhos disso e daquilo, todas com visões Ciclópicas, defendendo os atores de um marxismo que afundou o nosso país, e que agem com o único objetivo de travar as ações de um governo eleito democraticamente.

    • Demonstração pública de burrice. Vai pagar essas idiotices no cartão de débito, ou de crédito? Confesso que até admiro o sujeito que não tem vergonha de se expor desse jeito. Adorei a expressão: “atores de um marxismo que afundo o nosso país”.

  4. Gostaria de saber, tbm, se as ofensas praticadas pelo presidente da OAB, chamando uma advogada de prostituta, em rede de internet, assim como, tbm, ofendendo ao ministro da justiça, serão reparadas?

  5. Gostaria de saber, tbm, se as ofensas praticadas pelo presidente da OAB, chamando uma advogada de prostituta, em rede de internet, assim como, tbm, ofendendo ao ministro da justiça, serão reparadas?

  6. “Juiz de merda”! Perderam todas, todas as chances de frear essa chacrinha. E não foi por desinformação, não (pois na Praça dos Três Poderes todos estão vendo esse jogo de cena, esse teatrinho de sombras dirigido a população), foi por covardia.

  7. Nassif: precisa ver como se manifestará o ramo curitibano da parentaiada do saudoso Cardeal. Afinal, pelo que dizem, têm interesses (aparentemente escusos) contrários. Parece que operam em prol do TogaSuja e dos GoboboysAvivados. Enquanto estes “Arns” de cá labutam contra os daBala, os “Arns”de lá se mostram “amicus…” do Planalto. Ideologia x Grana. Curitiba, ao que parece, dá de dez a zero…

  8. O Sr. José Carlos Dias definiu bem o papel retrógrado da esquerdiotice.
    Referindo-se à Diretas Já escreveu: “Naquela época nós estávamos todos juntos no mesmo palanque. Depois, nós nos separamos e nos iludimos e hoje estamos vivenciando uma situação terrível. Nós nos unimos de novo na luta contra o ódio e a violência”.
    Interpreta-se uma mea culpa (ou culpa inteira) nas suas palavras, onde o ódio e a violência foi deflagrada pelo desígnio de poder. Pelo menos, isso continua estampado na ira do jornalismo anticristão e presidiários.
    E qual o resultado, presente e póstero: PODER.

    • Cláudio: viu n’O Globo (de hoje) o texto do JoaquimFerreira? Se não, vou adiantar-lhe uns trechos —

      ” (…) Mas até quando vocês vão ficar aí com esse espanto de donzelas afrontadas, essas exclamações diárias de que isso é um absurdo!, onde já se viu!, não pode estar acontecendo!, e ó meu Deus!?
      Parem com esse mimimi de frouxos, um bando de acovardados que ouviu a besta fera se anunciar como tal e preferiu acreditar, apesar dos grunhidos, que ela se civilizaria. Acharam que com a passagem dos meses ela usaria corretamente a lavanda à mesa. Que ao andar pelo palácio o tosco seria transformado em príncipe pelo simples contato dos pés com o mármore do Niemeyer. Perderam todos, playboys otários.
      Mexam, urgente, os seus preguiçosos bundões cívicos e, por mais tarde que já se faça, esfreguem a cruz de alho na cara do vampiro. Partam para cima. Há um morcego na porta principal e, enquanto o Doutor Eiras não manda a camisa de força, ele chupa o sangue geral. Chamem o insetisan mais próximo, ponham a máscara contra gases. A piscina cheia de ratos transbordou e o fedor nauseabundo toma conta de tudo.”

      Não se trata que “esquerdiotice” ou “direitiodice”. Vai além, que talvez você tenha dificuldade em metalmente assimilar. Faça um esforcinho. Pense nisso, com calma e carinho, como o exbolsonarista Joaquim…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome