Painel internacional

Japão volta a ser maior credor dos EUA

Breaking News, World News and Taiwan News.

A participação da China em títulos do Tesouro dos EUA caiu em dezembro, permitindo ao Japão assumir como principal detentor da dívida do governo norte-americano, de acordo com dados do Tesouro divulgados na terça-feira. As posições da China caíram substancialmente para US$ 755,4 bilhões no último mês de dezembro, de US$ 789,6 bilhões em novembro, segundo o relatório de dados de capital internacional do Tesouro. A participação do Japão aumentou para US$ 768,8 bilhões em dezembro, de US$ 757,3 bilhões em novembro, de acordo com os dados. A China agarrou a primeira posição do Japão em setembro de 2008 e gradualmente aumentou as suas participações em títulos do Tesouro dos EUA em relação a Tóquio até dezembro do ano passado, mostraram dados do Tesouro. Pequim manifestou receios no final do ano passado sobre a segurança de seus ativos em dólar, tendo em conta o crescente déficit orçamentário de Washington e o dólar em declínio numa época que a economia norte-americana luta para sair de uma recessão brutal.

Clique aqui

E mais:

O desafio da Grécia Laurence Kotlikoff

Casa Branca negocia medidas para aumentar emprego

Premiê espanhol insiste que recuperação econômica está próxima

Dubai World disse estar reestruturando sua dívida


O desafio da Grécia

Laurence Kotlikoff

“A Grécia está sendo vitimada pela sua utilização do euro. Os preços e salários na Grécia são altos demais e não podem ser facilmente ajustados para baixo. Se o país usasse a sua própria moeda, poderia simplesmente desvalorizá-la”. Isto, junto com os gastos abusivos do governo, é a explicação geralmente aceita para a fuga dos títulos gregos. Conheço muito pouco sobre a economia grega para concordar ou discordar deste prognóstico. O país está claramente enfrentando um grande déficit orçamentário (12,7% do PIB), mas na proporção sobre o produto interno bruto, é praticamente o mesmo que nos EUA (11% do PIB). Sua proporção de dívida oficial (113% do PIB) em relação ao PIB é muito maior do que nos EUA (89% do PIB). Mas a dívida implícita do governo dos EUA pode muito bem superar o PIB correspondente da Grécia (a dívida implícita do governo inclui compromissos para fazer futuros pagamentos). Portanto, é um enigma para mim que as taxas de longo prazo de dívida pública dos EUA serem tão baixas em relação às taxas de longo prazo gregas. Este é particularmente o caso, porque os EUA têm controle total da sua oferta de dinheiro e podem imprimir certamente estão imprimindo – dinheiro à vontade, enquanto a Grécia tem essencialmente nenhum controle sobre a criação de euros. As taxas de juros nominais devem refletir os temores sobre a inflação. Ninguém parece preocupado com essa possibilidade nos EUA, mesmo que o Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA) esteja em curso de triplicar a oferta de base monetária até o final deste ano, em relação ao seu nível de 2007.

Clique aqui


Leia também:  Como fica a relação do governo Bolsonaro com os EUA se Biden vencer?

Casa Branca negocia medidas para aumentar emprego

The Wall Street Journal

O pacote gigante de estímulo econômico decretado há um ano tem ajudado a estabilizar a economia, mas não fez mais do que uma marca no vasto desemprego da nação. O governo Obama está reconhecendo que seu programa de corte de gastos e benefícios fiscais até agora abrandou o desemprego, e autoridades da Casa Branca estão cada vez mais envolvidos em moldar os detalhes da nova legislação para estimular a criação de trabalho. “Pode-se argumentar, com razão, que não avançamos tanto quanto precisamos fazer quando se trata de estimular a criação de emprego”, disse o presidente Obama na quarta-feira, marcando o aniversário do programa. “Isso é parte da razão pela qual espero que o Congresso aprove medidas adicionais o mais rapidamente possível, e que irá ajudar os nossos pequenos empresários a criar novos empregos e dar-lhes mais um incentivo para contratar. O debate sobre a quantidade de crédito do programa de estímulo de US$ 862 bilhões merece para a nascente recuperação econômica esquentou na quarta-feira, com Obama negociando duramente com os líderes republicanos.

Clique aqui


Premiê espanhol insiste que recuperação econômica está próxima

New York Times

Com a Espanha passando semanas na mira dos temerosos mercados mundiais, o primeiro-ministro José Luis Rodríguez Zapatero passou à ofensiva na quarta-feira, defendendo a solvência do seu país e dizendo que seu governo tem a “vontade” para reduzir o rápido crescimento do déficit. Mas em um discurso ao Parlamento, o primeiro-ministro socialista decepcionou alguns por não indicar um plano claro de ataque para reduzir a taxa de desemprego de 19%, a maior da Eurozona, ou formatar reformas trabalhistas que os analistas dizem serem cruciais para o país se manter competitivo. Em vez disso, garantiu aos espanhóis que “a recuperação não está longe”, e reiterou o objetivo que parece uma ordem cada vez mais recorrente: reduzir US$ 68 bilhões em gastos do Estado sem o corte de benefícios sociais que considera ser a marca de sua administração. Na semana passada, Zapatero disse que o governo vai estender os benefícios de desemprego. Após duas décadas de crescimento vertiginoso – e o colapso da bolha imobiliária – há um sentimento generalizado na Espanha que a festa acabou e que Zapatero está oferecendo pouco mais do que paliativos para a ressaca nacional. “Eles não ofereceram nada”, disse Gayle Allard, economista e especialista em mercado de trabalho espanhol na IE University em Madri, sobre o governo. Confrontados com problemas urgentes como 4,3 milhões de desempregados, “eles não têm uma estratégia, eles não têm uma resposta.

Clique aqui


Dubai World disse estar reestruturando sua dívida

O fundo Dubai World vai apresentar uma proposta aos credores em março para reestruturar cerca de US$ 22 bilhões de dívida depois que seus assessores completaram a avaliação de patrimônio da empresa estatal, disse uma pessoa próxima ao governo de Dubai. A proposta final será feita após consultas ao governo de Abu Dhabi e o banco central dos Emirados Árabes Unidos, disse hoje o funcionário que preferiu não ser identificado porque o processo é privado. O banco central do governo de Abu Dhabi e dois bancos comerciais do emirado emprestaram US$ 20 bilhões no ano passado para dar apoio financeiro a Dubai e ajudar as empresas estatais durante a crise de crédito. “É bom ver algum cronograma ser finalizado”, disse Abdul Kadir Hussain, executivo-chefe da gestora de fundos Machereque Capital DIFC Ltd. “Vamos ser capazes de ver como a dívida será reestruturada” e ter clareza sobre o “futuro de Dubai, que está sendo restringido pelo problema da dívida. O Dubai World, um dos três principais emirados disse em 25 de novembro que procuraria atrasar o reembolso dívida pelo menos até 30 de maio.

Clique aqui


Leia também:  Confiança do consumidor interrompe ritmo de retomada em outubro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome