Painel internacional

Obama redefine estratégia de segurança nacional

Em uma ampla redefinição das prioridades estratégicas dos EUA, o presidente Obama disse que os Estados Unidos devem revitalizar a sua própria força econômica, moral e inovadora, para continuar a liderar o mundo. Assim como aconteceu após a II Guerra Mundial, os Estados Unidos hoje também devem moldar uma nova ordem internacional e o sistema de instituições globais que reflete a realidade do século XXI, em que “a grandeza da América não está garantida”, disse Obama em uma das 52 páginas da “Estratégia de Segurança Nacional”, lançada ontem de manhã. “Enquanto lutamos as guerras em nossa frente, temos de ver o horizonte além delas”, escreve na introdução ao documento. “Para chegar lá, temos de perseguir uma estratégia de renovação nacional e liderança global – uma estratégia que recria a fundação da força e da influência americana.” O relatório é o primeiro que Obama preparou sob a lei de 1986 que exige que o presidente apresente ao Congresso uma declaração estratégica anual. A maioria das administrações têm aderido esporadicamente à exigência. George W. Bush publicou duas estratégias de segurança nacional durante a sua presidência, em 2002 e 2006. O documento serve para definir as prioridades da administração dentro do governo e comunicá-las ao Congresso, o povo americano e o mundo. Ele também serve como um quadro de documentos estratégicos produzidos por outras partes do governo, incluindo a estratégia do Pentágono para a defesa nacional.
Clique aqui
E mais:
A desconexão por trás da queda financeira da Europa
China deve apoiar crítica à Coreia do Norte
Meirelles está “confiante” que o Brasil cumprirá a meta de inflação
Uma questão ardilosa, inescrutável e inestimável: empregos

A desconexão por trás da queda financeira da Europa

David Ignatius
Um mês atrás, muitos americanos, sem dúvida, estavam se perguntando por que eles deveriam se preocupar com os encargos da dívida de países europeus distantes como a Grécia, Espanha e Portugal. Agora, com os mercados financeiros dos EUA se juntando ao resto do mundo em ficar pressionados, temos nossa resposta. É sempre um pouco de mistério porque o medo se transforma em pânico, ou porque o galope de alguns cavalos produz uma debandada. Europeus e asiáticos devem ter feito perguntas semelhantes sobre causa e efeito há dois anos, uma vez que assistiram a uma categoria relativamente pequena de empréstimos dos EUA – crédito hipotecário subprime – produzir uma histérica corrida aos bancos em Wall Street, que sugou a liquidez do sistema financeiro global. Mais uma vez, os investidores parecem estar experimentando uma versão financeira da vertigem: eles não sabem onde é o fundo, não estão certos sobre o que é sólido e o que pode entrar em colapso, na ausência de informações confiáveis assumem o pior, e eles ficam nervosos com qualquer má notícia e o contágio se espalha. O pânico esta semana centra-se nas economias europeias e os bancos que mantêm as suas dívidas. A situação não é muito pior hoje do que era há um mês; sem dúvida, de fato, é muito melhor, porque os problemas da dívida dos fracos europeus foram identificados e estão sendo corrigidos. Mas o problema tornou-se viral, se espalhou a partir de preocupações específicas de medo generalizado. Adicione uma sacudida extra de ansiedade sobre a guerra na península coreana, e você tinha os investidores em todo o mundo correndo desordenadamente para as saídas.
Clique aqui

China deve apoiar crítica à Coreia do Norte

A administração Obama espera que a China se junte à crítica internacional sobre a Coréia do Norte, pelo naufrágio de um navio de guerra sul-coreano. Após discussões entre EUA e China nesta semana em Pequim, altos funcionários norte-americanos dizem que a China vai se aproximar cuidadosamente da posição da Coreia do Sul de que o Norte deve ser responsabilizado pelo ataque de torpedo em março. Os funcionários falaram sob condição de anonimato, devido à sensibilidade da diplomacia. A China é o aliado mais próximo da Coreia do Norte. A administração espera que Pequim inicie sua mudança de sua atual posição neutra durante uma visita a Seul neste final de semana pela premiê chinês Wen Jiabao. Os funcionários dizem Wen provavelmente vai sinalizar que a China aceitará os resultados de um inquérito internacional culpando a Coréia do Norte. Clinton disse que o mundo deve responder ao naufrágio de um navio de guerra sul-coreano, que tem sido atribuído à Coreia do Norte.
Clique aqui

Meirelles está “confiante” que o Brasil cumprirá a meta de inflação

Henrique Meirelles, que está ha mais tempo servindo como chefe do banco central, disse estar “confiante” que a inflação vai ficar na meta do país (4,5%). O Brasil está vendo “algum declínio” das exportações para a Europa, enquanto as nações endividadas da região lutam para reduzir os déficits orçamentários, disse Meirelles em entrevista à Bloomberg Television hoje. O banco central irá atualizar as suas previsões para o crescimento econômico no próximo mês, afirmou no escritório da Bloomberg em Londres. Os formuladores políticos elevaram a taxa básica de juros em 28 de abril, após mantê-la em uma baixa recorde por nove meses seguidos, em meio a previsões de que a maior economia da América Latina irá expandir este ano no mais rápido ritmo em mais de duas décadas. Analistas prevêem que a aceleração da demanda conduzirá a taxa de referência da inflação acima da meta do governo este ano e o próximo. “Temos neste momento uma sólida trilha de registros em termos de manter a inflação na meta”, comentou hoje Meirelles. “Estamos confiantes de que vamos trazer a inflação para o alvo.” Meirelles, antes de elevar a taxa Selic de 8,75% para para 9,5%, disse en 25 de abril que exigiria uma “ação vigorosa” do banco central para trazer os preços ao consumidor de volta ao alvo. A inflação, medida pelo índice de preços de referência do governo IPCA- 15, subiu 5,26% nos 12 meses até meados de maio, a mais alta taxa em um ano. O aumento anual de preços ultrapassou a meta do governo em cada mês deste ano.
Clique aqui

Uma questão ardilosa, inescrutável e inestimável: empregos

Se há um sinal intermitente de problemas futuros para a economia dos EUA, pode não ser o infortúnio da dívida europeia ou a bolha imobiliária da China, mas, bastante simples, as velhas reivindicações dos desempregados. A série semanal do Departamento do Trabalho dos novos pedidos de auxílio desemprego é um dos mais antigos e confiáveis indicadores principais da nação. A série, divulgada a cada manhã de quinta-feira, também é valorizada pela sua atualidade. Isso é particularmente importante agora, quando os investidores tentam avaliar se a recente queda do mercado está soprando o vapor depois de uma longa corrida ou algo mais sinistro. As notícias recentes não são exatamente animadoras. Para a semana encerrada em 15 de maio, os pedidos subiram 25 mil, o segundo maior aumento do ano, para um nível de 471 mil. Não é apenas o salto mais recente que tem preocupado os economistas. Após a queda constante desde março de 2009, os novos pedidos semanais de desemprego tinham essencialmente estabilizado desde fevereiro, em um obstinada média elevada de quatro semanas de cerca de 456 mil.
Clique aqui

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador