O horror e a patologia humana no filme “A Cura”, por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

À primeira vista parece um gigantesco pastiche de duas horas e meia de referencias a filmes como “Ilha do Medo”, “O Iluminado”, “Drácula” e filmes B de terror. Mas tudo isso é uma superfície narrativa. “A Cura” (“A Cure for Wellness”, 2016) trata de como o homem tirou Deus do seu altar de adoração e pôs no lugar a Ambição, gerando a patologia do homem moderno. O que garantirá uma inesgotável matéria-prima para um experimento que mistura geneticismo e horror. Um jovem agressivo e ambicioso corretor do mundo financeiro vai resgatar um CEO da sua empresa em um spa nos Alpes suíços famoso pelas suas águas terapêuticas. Para ali encontrar uma jornada pelo horror e o fantástico que exigirá a verdadeira cura: a transformação interior. Filme sugerido pelo nosso leitor Felipe Resende.

“A ignorância, Sr. Lockhart, é a maior inimiga da Ciência”. Essa frase dita pelo Dr. Volmer quando, mais uma vez, captura Lockhart que tenta fugir do sinistro spa/sanatório localizado nas montanhas dos Alpes, é a síntese da mensagem do filme A Cura (A Cure for Wellness, 2016). Dirigida por um senso de Verdade e Justiça, a Ciência considera que, fora dela, não há salvação: só existe a escuridão da ignorância.

Mas as luzes da Ciência também produzem áreas de sombras: a amoralidade e a frieza, localizadas acima do Bem e do Mal. 

As maiores atrocidades da História foram feitas tanto em nome da Religião quanto da Ciência: na primeira, o senso de Divino e Salvação condenou milhões à morte e aos infernos; e na segunda, a Verdade e o Conhecimento produziram a amoralidade por trás das guerras e do Progresso que condena milhões à morte, pobreza e obsolescência.

A Cura, do diretor Gore Verbinski (O ChamadoPiratas do Caribe) a princípio parece um gigantesco pastiche de duas horas e meia: encontramos referências a Drácula (um Castelo no alto das montanhas onde chega inadvertidamente um jovem), O Iluminado (o enquadramento geométrico e estilizado do spa/sanatório), Ilha do Medo de Scorsese (referencias a algum tipo de conspiração hospitalar e jogos de ilusões), além de toda uma cenografia e fotografia embalada na atmosfera dos filmes clássicos de terror B e a insistência em reviravoltas clichês como o enigma das palavras cruzadas ou o token da bailarina.

Mas o leitor não deve se perder nessa enxurrada de alusões. É apenas a superfície narrativa de temas bem profundos, todos em torno do eixo dos personagens oponentes Lockart e Volmer. 

 

O primeiro, um jovem corretor do mercado financeiro agressivo, amoral e cínico; e o segundo, com as mesmas “qualidades”, porém voltadas à pesquisa científica que mistura geneticismo e horror. 

Como naquele quadro do Goya O Sono da Razão, cada um deles é uma prova de como o pensamento racional pode produzir monstros: de um lado a racionalidade do mercado de títulos e câmbio. E do outro, a racionalidade científica capaz de gerar o Mal. E produzir a patologia do homem moderno que até agora não foi encontrada a cura: a amoralidade e frieza.

A virtude do filme é que no início não há mocinhos ou bandidos: não conseguimos sentir a menor empatia pelos dois oponentes, até descobrirmos que estamos acompanhando uma jornada de transformação e “cura” gnóstica – a jornada do herói que parte do mundo ordinário, para mergulhar no Outro mundo (do horror e do fantástico) para sair de lá transformado de volta ao mundo ordinário, rompendo com ele. 

O Filme

Lockart (Dane DeHaan) é um jovem operador do mercado financeiro ambicioso e agressivo em meio a uma complexa e decisiva operação de fusão milionária de empresas. Mas há algo de errado e ilegal nessa operação. A Comissão de Títulos e Câmbio vai investigar a operação o que poderá incriminar todo o conselho da empresa.

Os parceiros da operação precisam que o CEO da empresa, Roland Pembroke, esteja presente. Porém já há algum tempo, após um colapso nervoso, Pembroke (Harry Groener) foi para um retiro remoto nos Alpes suíços, local famoso entre os milionários pelas suas águas milagrosas provenientes de um aquífero abaixo do spa. 

De lá, Pembroke enviou uma estranha carta dizendo que estava transformado e alheio ao mundo exterior. Dificilmente ele retornaria para o mundo dos negócios.

 

Então, Lockart é enviado para lá. De cara conhecemos a sinistra história que envolve o spa: ele foi construído sobre as ruínas de um castelo incendiado pelos aldeões locais há 200 anos. O barão desejava um herdeiro de sangue puro e resolveu casar com sua própria irmã. Quando descobriu que ela era infértil, iniciou uma série de pesquisas e experimentos infernais capturando camponeses como cobaias. O experimento foi bem sucedido. Porém, revoltados, os camponeses queimaram o castelo e capturaram a irmã do Barão grávida, para arrancar-lhe o feto do ventre e queimá-la no incêndio. O feto foi jogado no aquífero sob o castelo.

Depois desse horrível relato dos moradores locais, e entre uma hidroterapia e outra, Lockart suspeitará que a tal “cura” através das águas locais está envolta em algum experimento sinistro.

E o tratamento produz um estranho “bem estar”: nenhum dos pacientes quer mais sair dali, embora todos pareçam piorar quanto mais tempo permanecem no spa. 

Mas de todos os pacientes milionários internados no local (que mais parecem zumbis jogando cartas e cricket) uma chama a atenção de Lockart: uma adolescente chamada Hannah (Mia Goth), com roupas e um appeal entre o romantismo e o gótico. Ela é tratada com particular cuidado e devoção pelo Dr. Volmer (Jason Isaacs) que a submete a um tratamento com “vitaminas” dada por ele em conta-gotas.

 

Instituições totais

Assim como filme Ilha do Medo (analisado pelo Cinegnose, clique aqui), A Cura trata de um protagonista preso em uma “instituição total” (manicômios, hospitais, presídios, conventos etc.), instituição criada para disciplinar os indivíduos considerados não socializáveis, tal como estudada por nomes como Goffman e Foucault.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora