PIB brasileiro deve terminar o ano 7,5% abaixo do pico de 2013

Cálculos do Ibre/FGV consideram que os níveis de riqueza e renda da população só devem voltar ao nível pré-pandemia em 2023

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A piora dos prognósticos econômicos para o Brasil em 2021 e 2022 deve fazer com a população só recupere os níveis de riqueza pré-pandemia a partir de 2023, enquanto a recuperação do Produto Interno Bruto (PIB) para o auge visto em 2013 deve levar quase uma década.

Os dados foram divulgados pelo portal G1, a partir de levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). O PIB brasileiro despencou 4,1% em 2020, ao passo que o PIB per capita registrou sua maior queda em 25 anos ao despencar 4,8%, ficando em R$ 35.172 por habitante.

Clique aqui e colabore com o jornalismo independente do GGN

Segundo os prognósticos do Ibre/FGV, o PIB per capita irá crescer 4,1% em 2021 – ou seja, o brasileiro deve fechar o ano 0,9% mais pobre em relação a 2019 e 7,5% abaixo do recorde de 2013. A estimativa para 2022 é de um avanço de 0,8%, o que deixaria o indicador 0,1% abaixo do visto pré-pandemia.

Em setembro, o Ibre/FGV reduziu seus cálculos para o PIB total em 2021 de 5,2% para 4,9%, enquanto a projeção de crescimento para 2022 passou de 1,6% para 1,5%.

Leia Também

A escolha de Guedes: “pagar os mais frágeis ou os superprecatórios?”

Desemprego chega a 13,7% em junho, segundo Ipea

Fator Paulo Guedes faz IPCA-15 na casa dos 2 dígitos; por Luis Nassif

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome