Marina defende fim da taxação para todas as igrejas

Jornal GGN – Marina Silva, candidata do PSB à Presidência, defendeu na manhã desta quarta-feira (3) que haja isonomia entre instituições religiosas no que tange a imunidade fiscal. O benefício já atinge a Igreja Católica e, segundo Marina, que é evangélica, deve ser estendido aos demais segmentos religiosos.

“As igrejas têm estatuto próprio. A Igreja Católica, por exemplo, não tem taxação, e boa parte de seus patrimônios são históricos e elas não teriam condições de honrar com todos esses tributos. [O fim da taxação] É um principio de equidade. Tem delicadeza com a Igreja Católica, então não podemos ferir o principio de isonomia. Isso não é cobrado hoje, mas há de se assegurar na lei esse princípio”, disse Marina. A candidata foi sabatinada pelo portal G1.

Empatada com a presidente Dilma Rousseff (PT) nas pesquisas de opinião, Marina evitou dizer se aceitará ou não apoio do PSDB no segundo turno da eleição. Nos últimos dias, caciques tucanos como Fernando Henrique Cardoso, José Serra e Agripino Maia sinalizaram que querem fortalecer essa aliança com o objetivo de tirar o PT do poder. A pessebista não confirmou, mas não descartou o apoio.

“Eu tenho respeito pelos meus concorrentes. Em 2010 [quando Marina disputou a eleição presidencial pelo PV], eu ficava incomodada quando me perguntavam quem eu iria apoiar o segundo turno. O segundo turno nós discutimos no segundo turno. Numa democracia, todos os candidatos contribuem e apresentam propostas para o debate”, respondeu Marina. Em 2010, o PV quis apoiar Serra no segundo turno contra Dilma, e Marina, de olho em seu projeto presidencial para 2014, preferiu não se posicionar. 

Leia também:  A fala de Alberto Fernández, em vídeo e em texto. Vale a pena ver, por Fernando de Brito 

Prioriedades no governo

Pressionada a dizer quais ministérios pretende fechar caso assuma o Palácio do Planalto, Marina tangenciou a questão. Ela disse que não é possível precisar esse corte agora. “Ninguém pode fazer qualquer tipo de ilação sem ter acesso aos dados”, justificou.

Marina reafirmou que um de seus principais objetivos, se eleita, será enviar ao Congresso uma Emenda Constitucional para proibir a reeleição e determinar que mandatos presidenciais tenham até cinco anos. “O meu mandato terá quatro anos. O próximo terá cinco anos, sem reeleição. Vamos mandar uma Emenda ao Congresso, mas já existe, inclusive, uma série de iniciativas no Congresso tramitando nessa questão”, declarou. A proposta também é defendida pelo candidato Aécio Neves (PSDB).

Durante a entrevista, Marina fez críticas à política econômica de Dilma, lamentou que os adversários ainda não tenham apresentado uma nova edição do programa de governo e repetiu posicionamentos sobre o avião usado por Eduardo Campos (PSB), a retirada de promessas para a comunidade LGBT de sua plataforma e a continuidade da exploração do pré-sal.

Na segurança, ela defendeu inflar o orçamento do setor e unificar as corporações policiais. No pinga-fogo (pergunta e resposta curta), Marina disse que é favorável à adoção de crianças por casais homossexuais, ao aborto em caso de estupro (como sustenta a legislação vigente) e ao voto obrigatório. Ela é contrária à revisão da Lei da Anistia, ao fim da maioridade penal, a uma constituinte exclusiva pela reforma política e à eutanásia. A respeito da taxação das grandes fortunas, disse que é um debate que será feito quando da reforma tributária. 

Leia também:  “Não existe um avanço pleno no combate ao tráfico de pessoas”, diz presidente da Asbrad

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

92 comentários

  1. Eu também defendo a isonomia:

    Eu também defendo a isonomia: taxação em todo mundo, principalmente para as igrejas da turma da Marina, como o Malafaia, mercantilista da fé.

    O privatista pastor Everaldo também, começou sua carreira privatizando Jesus Cristo, gostou, hoje quer privatizar tudo.

    • Eu defendo a isencao de

      Eu defendo a isencao de impostos pra todo Ivan que mora em Union, NJ.  Nao funcionou ainda!

      Mas aa proposito dos mercadores da fe, Daytona, lembro vividamente a primeira reportagem que eu vi sobre os televangelistas norte americanos, foi do Fantastico a algum ponto de 77 ou 78.  Na reportagem, eles eram reprovados.

      Aa epoca, quem diria que 3 anos depois eles estariam invadindo coordenadamente o Brasil?

  2. Cuma?

    Ao invés de passar a taxar, reduzir e acabar as facilidades para todas as igrejas, quer ampliar a mamata?

    Que estado laico é este que ela defende? Quanta contradição.

  3. Nao troque o certo pelo duvidoso diz o dito polular,

    Mas conhecento o certo (errado) de Dilma Rousseff, estou “quase” torcendo pelo duvidoso. Copiando o filosofo contemporaneo Tiririca: pior do que esta nao fica. 

    • Vai nessa…

      “pior do que esta nao fica”. 

      Vai acreditando nisso… Da última vez, o povo acordou com Cz$ 50,00 na conta… Da outra vez, acordamos em uma ditadura.

      Se ela ganhar, aí eu desisto do Brasil.  Essa dura 2 anos e vai jogar o Brasil em uma crise que vai nos paralisar por 15 anos.

      E que obsessão é essa com a reeleição? Até parece que é isso que mantém o PT no poder e não a falta de propostas decentes da oposição.  Duvido que Aécio desfaria o que FHC fez.

      E se Marina vai ficar 4 anos, quem é que vai substituí-la para continuar o seu projeto de nação? Ou ela vai terminar tudo em 4 anos?  Ela não vai trabalhar para fazer o sucessor?

      Perguntas… perguntas…

      E o Avião sem dono, comprado com papel de pão, já esqueceram, né?

      • “Se ela ganhar, aí eu desisto

        “Se ela ganhar, aí eu desisto do Brasil” 

        E eu sendo submetido a 12 infindaveis anos de Lula e PT jamais desisti (nao ha mal que sempre dure) do Brasil e agora vc (na hipotetica hipotese de o PT perder o poder central) me vem com essa cascata. 

        O grande mal do PT foi se achar eternamente hegemonico, donde vem seu espirito autoritario…

  4. Eleições 2014

    A Marina é uma ótima candidata, não tem partido, não tem firmeza, não tem programa de governo, um dia fala uma coisa mas , se algum pastor fala alto, ela muda de opinião.

    Mas tem APOIO DE: BANQUEIROS(Neca Setúbal, arg..), A GRANDE MÍDIA, TEM INCLUSIVE ANDRÉ LARA RESENDE QUE ESTAVA NO CONFISCO DA CADERNETA DE POUPANÇA NO GOVERNO COLLOR, LEMBRAM? ESSA É A NOVA POLÍTICADESSA CANDIDATA, QUE FALA COMO SE JÁ  TIVESSE GANHO AS ELEIÇÕES 2014.   

    VOTO DILMA: PROUNI, PRONATEC, PRÉ SAL, FORA FMI, BOLSA FAMÍLIA, CIÊNCIAS SEM FRONTEIRA, MAIS MÉDICOS 20 MILHÕES A MENOS NA MISÉRIA, PELO CONTROLE DO BANCO CENTRAL…. ETC,. ETC…..ETC

    VOTO DILMA: PELO PROJETO DE PÁIS QUE NENHUM PARTIDO POLÍTICO OUSOU CRIAR PARA O BRASIL COMO CRIOU O PT, E TAMBÉM O ÚNICO PARTIDO QUE MESMO NO GOVERNO NÃO ATRAPALHOU A PRISÃO DOS CORRÚPTOS.

     

    • quando voce fala nos projetos do PT

      cuidado meu caro, quando voce fala dos projetos e avanços do PT:

      voce fala no PROUNI………………………………………..o cara responde Mensalão
      voce fala no CIENCIA SEM FRONTEIRAS…………..o cara responde Mensalão

      voce fala nas mais de de 1200 operações da PF….o cara responde Mensalão

      voce fala no BOLSA FAMILIA……………o cara responde Mensalão

       

      ou seja………….batem o bumbo do mensalão (AP-470) desde 2006…………

      agora descobriram a fadinha da floresta…………..

       

      vou de DILMA-2014 

    • Lido e entendido.  Outro

      Lido e entendido.  Outro ponto, Atenta!:

      Tem uma chance altissima do PSDB derrubar Marina da presidencia.  Se nao pelo aviao campestre, entao por qualquer outra coisa.

  5.  
     
    . Contrária consstituinte

     

     

    . Contrária consstituinte exclusiva pela reforma política . Unificar policias ( Dilma já defende e iniciou na Copa  ).

    A Neca Setubal concorda com a taxação das grande fortunas ?

     

    Igrejas, todas devem pagar seus tributos.  Meu e o seu imposto vão bancar padres e pastores . É o fim .

    Por essa e outras se comenta que o melhor emprego é ser pastor ou padre .

  6. Deveria-se sim taxar-se em

    Deveria-se sim taxar-se em dobro todas as Igrejas. Afinal, diferentemente de nos cidadãos comuns, todas contam com proteção divina. Não precisam de ajuda do governo, ou de nos pobres contribuintes.

    • Com índice imposto máximo igual ao aplicado ao tabaco

      Além das igrejas, deveria se incluir a mídia já que estamos falando de drogas equivalentes ao ópio. Aí o governo dos homens  tem que ser justo.

      Estamos vivendo tempos interessantes, ninguém pode dizer que não.

      Como vai terminar ninguém sabe.

       

    • Francy, vc não vai ter nem

      Francy, vc não vai ter nem pra quem dizer, ” eu avisei”; esse tipo de eleitor some… não assumem nada, não. Vc vai encontrar vários deles, depois das eleições dizendo que acabaram votando na Dilma. Passaram um ano incensando a doida, tacando a política, os governos, as representações de um modo geral e, agora soltam um manifesto pelo Estado Laico. Ou seja, ainda nem votaram e já estão com vergonha do que sabem que estão fazendo. Pode anotar aí… vão votar e depois vão alegar que até soltaram um manifesto muito antes das eleições.

  7. Agora as intenções de votos

    Agora as intenções de votos vão bater na lua.

    Eu até acho que poderiam aplicar a isonomia,  tirando a “delicadeza” com a Igreja Católica.  Também gostaria de saber como seria essa continuidade da exploração do pré-sal. Mas, deixa pra lá.

    Só sei que faço parte do contigente da população contemplado no item “ajuste fiscal” do programa da candidata. 

    Vou logo tratar de me inscrever em algum curso intensivo  de  Bispa Neopentecostal.

  8.  
     
    Prezado Nassif . Nunca

     

     

    Prezado Nassif . Nunca frequentei igreja de qualquer religiosiddade .Nem macumba, orixás etc etc .

     

    Tire uma dúvida : Centro espírita, terreiro de macumba e outros serão beneficiados pela Osmarina ?

     

    É sério pois não entendo dessas coisas .  Grato

    • Tb não entendo mas acho que

      Tb não entendo mas acho que não… De qq forma, teremos a oportunidade de perguntar hoje, no twitter. Malafaia está convocando um twittaço para hoje. Diz que é pra tremer a terra…

  9. coisa de doido!os políticos

    coisa de doido!

    os políticos e seus jornalistas ativistas de plantão surtaram de vez na maionese rançosa…

    querem transformar o debate político-social do país numa sofrível menor questão religiosa, quando não na questão de gênero alegre ou tristonho ou nem isso nem aquilo ou num sei ainda tô em dúvida se sou ou se fico…

    o país é muito maior do que religiões de aluguel e opções sexuais de mercado, todas, essencialmente, de foro íntimo pessoal sazonal emocional no recesso do seu lar doce lar e no seio familiar da sua comunidade feliz…

  10. Na contramão

    Existe uma ampla campanha exatamente pelo contrário disso: a taxação de todas as igrejas. Uma campanha no Avaaz ganhou importância nas redes sociais, mas sem um motivo aparente, apesar de imensa adesão, foi retirado do ar pela sua autora. Eu defendo a taxação de todas as igrejas, pela mudança no artigo 150 da CF que concede imunidade fiscal às entidades religiosas. E dentro das próprias igrejas, ou instituições de lideranças religiosas, existe uma forte defesa da taxação. Um texto, publicado pelo Instituto Jetro, uma organização interdenominacional sem fins lucrativos que nasceu em maio de 2002 em Londrina – PR a partir do desafio de contribuir com as igrejas nas áreas de gestão ministerial e liderança cristã, diz o seguinte:

    Muitos dizem que as Igrejas são isentas e imunes a impostos. Ao analisarmos mais profundamente a questão, observamos que esta matéria não é tão simples assim. Em primeiro lugar, a Constituição Federal, em seu art. 150, concede imunidade aos templos de qualquer culto – denominação utilizada na legislação tributária, que pode ser lida como Igrejas – quanto aos impostos sobre o patrimônio, renda e serviços, quando relacionados com a atividade fim da Igreja. 

    Neste sentido, duas questões importantes devem ser observadas. 
    1º) A legislação tributária brasileira classifica tributos em: impostos, taxas e contribuições. Portanto, a Constituição Federal garante a imunidade somente sobre impostos (Ex: IPTU, Imposto de Renda, etc.). Logo, as taxas (Ex: Taxa de Lixo, Taxa de Iluminação Pública, etc.) e contribuições (Ex: Contribuições Previdenciárias – INSS-, etc.) podem, num primeiro momento, ser exigidos sua cobrança. 
    2º) O fato de estar previsto na Constituição Federal a vedação da cobrança de impostos, dá o caráter de imunidade ao mesmo. Logo, não pode ser cobrado pelo Município, Estado ou União. A não ser que seja alterada a Constituição Federal. Há casos de tributos que não tem sua imunidade garantida na Constituição Federal, mas o ente que os cobram (Município, Estado ou União) pode dispensar o seu pagamento. Este instituto é o da isenção. Na isenção, quem a concede (Município, Estado ou União) pode revogá-la a qualquer momento. Portanto, tornando o tributo exigível. 

    No Brasil há cerca de 75 tributos entre impostos, taxas e contribuições. Na prática, para poder usufruir de imunidade ou isenção de um determinado tributo há necessidade de cumprir alguns requisitos. Portanto, há necessidade de um estudo onde seja verificado que a Igreja atende a todos os requisitos para isenção ou imunidade daquele tributo. Tal estudo deve ser realizado tributo por tributo. 

    Como regra geral, as igrejas facilmente obtêm a isenção ou imunidade sobre as receitas próprias de suas atividades, quanto ao Imposto de Renda Pessoa Jurídica, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, COFINS, IPTU, ITBI, Contribuição Sindical, entre outros, desde que cumpra alguns requisitos, como: 
    – Não remunerar dirigente, a qualquer título; 
    – Aplicarem integralmente, no país, os recursos na manutenção de seus objetivos; 
    – Manterem escrituração contábil de sua movimentação financeira e econômica; 
    – Conservar a documentação contábil, pelo prazo prescricional; 
    – Recolher os tributos retidos; 
    – Apresentar a Declaração de Rendimentos e demais obrigações acessórias pertinentes; 
    – Assegurar, em seu estatuto, no caso de extinção da entidade, a destinação de seu patrimônio a outra entidade semelhante; 
    – Outros requisitos previstos especificamente na legislação para gozo da isenção ou imunidade do tributo analisado. 

    Já as igrejas devem pagar, normalmente, as Contribuições Previdenciárias, Taxa de Lixo, Taxa de Iluminação Pública, tributos retidos, etc.

  11. Em menos de uma semana o

    Em menos de uma semana o programa de Marina se revelou uma peça de ficção. PAra não ficar mal com mais erratas ela está desdizendo tudo que disse antes no programa. Por exemplo, “unificar as corporações policiais.” não consta do programa de Marina. A única coisa do programa que permanece de pé em todas as suas falas nessa semana é o arrocho econômico e o privilégio exclusivo à especulação financeira.

  12. Vamos tentar uma análise

    Vamos tentar uma análise isenta em relação às Igrejas, seja de que credo for. Comecemos pela Igreja Católica, que afinal tem um estado dentro do estado italiano.  A história comprova em várias ocasiões o poder da Igreja, especialmente nos períodos medievais, mas em tempos modernos também tem sua cota de desvios e desmandos. Mas tem um poder central que, mal ou bem, fiscaliza os atos de suas filiadas. Não conheço bem as tradicionais Igrejas presbiterianas e luteranas, mas os poucos pastores dessas vertentes que conheço. tem uma formação cristã com conhecimentos teológicos que fogem à simples radicalização de uma leitura literal da Bíblia. As seitas que dessa vertentes maiores saíram, originalmente foram pensadas em termos mais populares que investiram em classes sociais de baixa renda, pelo que já li. Foram muito eficazes em ciclos de colonização de tudo quanto é país europeu. Como a própria Igreja católica foi.  Elas, na minha visão, hoje são tão importantes quanto essas ong’s estrangeiras que misturam religião e Direitos humanos ou ecologia, claro que com exceção. Tudo no mundo tem exceção. Podem ser sim um meio de negócios excusos misturado com lavagem de dinheiro e espionagem. Isso não é nenhuma ficção. Além do mais, atualmente algumas seitas passaram a representar um estilo de vida no modo americano (american way of life). Muda-se de seita como se muda de grife de roupas e acessórios. Nessa leitura, não aparece outros modos de religiosidade: não vi ninguém falar de religião judaica, de cultos afro-brasileiros, de associações espíritas, hinduístas  ou esotéricas. Então, prefiro a máxima do Cristo revoltado, que joga pelos ares os objetos a venda do fariseísmo ao bradar: A Cesar o que é de Cesar, a Deus o que é de Deus. PS:  O Cesar da frase  significa o Estado Romano ou Estado laico, só para deixar mais claro. 

  13. eu quero ver!!!

    Quando a policia ou MPF prender ou mandar prender certos religiosos por situações irregulares ou fraudulentas, quero ver qual vai ser a reação da Marina e de seus eleitores.

  14. Marina pretende quebrar a Igreja Católica

    Marina se esmera em ser confusa, em pronunciar um discurso empolado, tortuoso e pleno de dubiedades. O título da matéria e o primeiro parágrafo dão a entender que ela quer estender a isenção a todas as igrejas, mas a verdade no discurso dela é que, pelo visto, ela tem a intenção de acabar com a isenção:

    “As igrejas têm estatuto próprio. A Igreja Católica, por exemplo, não tem taxação, e boa parte de seus patrimônios são históricos e elas não teriam condições de honrar com todos esses tributos. [O fim da taxação] É um principio de equidade. Tem delicadeza com a Igreja Católica, então não podemos ferir o principio de isonomia. Isso não é cobrado hoje, mas há de se assegurar na lei esse princípio”, disse Marina. A candidata foi sabatinada pelo portal G1.

    Pelas palavras acima, da própria Marina, sua intenção velada é, na verdade, taxar o patrimônio da igreja católica para quebrar o catolicismo. Os cultos neopentecostais ganham rios de dinheiro e se mantém com essa fortuna amealhada com o recolhimento do dízimo em espécie, o que implica numa imensa dificuldade em contabilizar as doações para os cultos. Se não se pode contabilizar, então não se pode taxar. Já o patrimônio da igreja católica é registrado e contabilizado nos registros de imóvei, assim como uma boa parte da sua renda que vem do mercado imobiliário.

    Assim, verifica-se a esperteza de Marina, manter os cultos neopentecostais fora do alcance da Receita, pois que recebem em espécie e, daí, lava-se o dinheiro, e começar a taxar o patrimônio do catolicismo para quebrar a Santa Sé no Brasil. Em especial se verifica a esperteza de Marina quando ela afirma que a lei tem que ser aplicada com isonomia. Mentira, ela sabe perfeitamente bem que a isenção aos cultos não é assegurada por lei, mas na Constituição Federal:

    Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:III – cobrar tributos:b) templos de qualquer culto; Na análise do texto constitucional vê-se que não há nenhum privilégio à Igreja Católica, antes pelo contrário, o texto diz claramente que não se pode taxar templos de qualquer culto. Mais uma vez Marina usa da falácia e do discurso confuso para esconder suas intenções. Entre outros desastres, uma vitória de Marina significaria o fim do estado laico.

     

    •  Vc tem razão. Eu pensei de

       Vc tem razão. Eu pensei de pronto que se tratava de estender às igrejas evangélicas uma isenção somente concedida à igreja católica. E o texto constitucional é claro: todas têm. Então, é outra coisa que não fica clara e só os iniciados entendem.

        Na questão do pré-sal ela não voltou atrás. Antes, havia afirmado que o pré-sal não era prioridade. Agora que a exploração vai continuar, o que  pode significar apenas a continuidade dos contratos em vigor. E só.

       

       

       

    • foi por isso que me espantei com aquele post sobre CNBB…

      com alguns a apontar ou defender um inesperado apoio dos católicos às ideias e aos planos de Marina

      não podemos esquecer do seguinte:

      julgar-se tocada ou protegida  por Deus, é meio caminho andado para acreditar que pode interferir nas obras de Deus

      • caminhamos para algo muito parecido…

        se considerarmos o que temos atualmente nos Estado Unidos

        nada bom para o cristianismo católico; e instrumentos para se chegar lá já temos de sobra

        imagine concentrando-os na Presidência da maior sociedade católica

    • É O PRIMEIRO

      É O PRIMEIRO PASSO???…

      Narro uma conversa despreteniosa de algunas anos passados:

      Há uns 4 anos, um diretor de marketing de uma multinacional (fabricante de produtos populares) revelou que pesquisas (internas da empresa) de âmbito nacional informavam que em pequeninas cidades e povoados do interior afora do pais, as Igreja Católicas – sempre situadas no pontos principais – viviam vazias ao reverso dos templos evangélicos, lotado  de fiéis.

      Discutimos, então, da possível reivindicação dos evangélicos pelos espaços físicos das Igrejas católicas.

      Argumentávamos: “Puxa! Nossos templos sempre cheios, acanhados e situados mais aos lados e os deles, vazios, nos principais locais das cidades. Isso não é justo. Por qual razão não são nossas as sua Igrejas?…”

      A SE VER

      P.S.: basta percorrer as cidadezinhas, vilas e povoados – principalmente do Norte/Nordeste – para se visualizar esse fato consttado pela pesquisa. 

  15. divina picaretagem

     

    A Fadinha da Floresta é muito generosa com o dinheiro dos outros – aí fica fácil, não?

    DESPREPARO, OPORTUNISMO, PILANTRAGEM E TOTAL IRRESPONSABILIDADE FISCAL

    Nosso país precisa, urgentemente, acordar da leseira e remover os entulhos do atraso dogmático que avança para asfixiar as nossas vidas.

    [video:http://youtu.be/30SgUX0GfRY width:600 height:450]

     

    [video:http://youtu.be/42U0JX_W6BE width:600 height:450]

     

    * * *

     

    A outra piada é a canalhice total revelada no projeto de perdão das dívidas acumuladas por clubes do futebol brasileiro, avaliada em 6 bi – é brincadeira?

     

    * * *

     

    Dívida dos 27 principais clubes do Brasil chega a R$ 6 bilhões, aponta relatório

    Estudo da Pluri Consultoria mostra que 27 times de maior faturamento no País, juntos, tiveram prejuízo líquido de R$ 445,6 milhões no último ano

    iG São Paulo | 06/08/2014

    Deputado federal Romário se reuniu com o Bom Senso FC em Brasília para discutir a LRFE

    Em tempos de discussão sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte e de derrota da seleção brasileira por 7 a 1 na Copa do Mundo, muito tem se falado sobre melhorar as gestões dos clubes de futebol no Brasil. Algo extremamente necessário, como mostra relatório feito pela Pluri Consultoria sobre a situação financeira dos 27 times de maior faturamento no País. Segundo a empresa, as equipes, juntas, tiveram prejuízo líquido de R$ 445,6 milhões e suas dívidas aumentaram para R$ 6 bilhões no último ano.

    “Houve uma piora quase generalizada dos números e indicadores consolidados dos balanços. As receitas totais subiram 6% e atingiram o nível recorde de R$ 3,35 bilhões. Porém, desconsiderando as vendas de jogadores houve queda para R$ 2,66 bilhões, a primeira dos últimos oito anos, marcando uma inflexão da tendência de alta no faturamento dos clubes”, aponta o relatório.

    “Por outro lado, como é tradição nos clubes brasileiros, um menor volume de receitas não foi empecilho para um aumento das despesas, que subiram 20,2% e atingiram R$ 3,8 bilhões, o que gerou um prejuízo líquido de 445,6 milhões, o segundo maior da história do futebol brasileiro. Nos últimos oito anos os clubes brasileiros já perderam R$ 2,42 bilhões”, prossegue o documento.

    Os dados referem-se ao balanço do exercício 2013 de Atlético-MGAtlético-PR, Avaí, Bahia,BotafogoCorinthiansCoritibaCriciúmaCruzeiroFigueirenseFlamengoFluminense,GoiásGrêmio, Guarani, InternacionalJoinvilleNáuticoPalmeiras, Paraná, Ponte Preta,Santa CruzSantosSão PauloSportVasco Vitória.

    Na visão de Fernando Ferreira, economista especializado em gestão e marketing do esporte, este ponto é importantíssimo de ser tratado na Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte, que está em trânsito na Câmara dos Deputados, em Brasília. O projeto, se votado e aprovado, estabelecerá um parcelamento especial das dívidas fiscais dos clubes.

    “É isto que precisa ser urgentemente estancado e a LRFE perde grande oportunidade ao focar apenas o pagamento de impostos e salários como contrapartida. É preciso limitar os prejuízos”, analisa Ferreira.

    O relatório da Pluri segue nessa linha. O texto aponta que os clubes chegaram a R$ 6 bilhões de dívidas, o maior nível da história.

    “Ressaltando que a aprovação da LRFE não melhorará o nível de endividamento líquido dos clubes, apenas o redistribuirá ao longo do tempo. Na verdade, é de se esperar que o grau de endividamento suba no momento em que forem consolidadas as dívidas tributárias”, indica o documento.

    “Após três anos de Patrimônio líquido positivo, os clubes apresentaram passivo a descoberto de R$ 36 milhões em 2013, o que significa que, se todas as contas dos clubes fossem acertadas hoje, faltariam recursos para pagá-las mesmo vendendo todo o seu patrimônio”, explica a Pluri.

    Representantes do Bom Senso FC, grupo de jogadores que luta por melhorias nas condições do futebol brasileiro, estiveram na manhã da última terça-feira na Câmara dos Deputados. Os atletas levaram uma faixa para protestar por alterações no texto da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte. O grupo de atletas deseja que a Lei fiscalize e puna atrasos de pagamentos dos salários de atletas por parte dos clubes e que dirigentes sejam responsabilizados por dívidas.

    A votação deverá ser após as eleições presidencial e para deputados e senadores, marcadas para outubro.

    A matéria, ilustrada graficamente, está disponível em:

    http://esporte.ig.com.br/futebol/2014-08-06/divida-dos-27-principais-clubes-do-brasil-chega-a-r-6-bilhoes-aponta-relatorio.html

  16. A candidata poderia prometer

    A candidata poderia prometer o seguinte: se eleita, mudarei a letra do Padre Nosso. A partir de agora, volta a velha redação: perdoai as nossas dívidas, assim como nós perdoamos nossos devedores. Assim, Itaú, Globo e Natura teriam acertadas as pendengas com a receita. E a Marina não precisaria mais falar no assunto. 

  17. Eu defendo é que dinheiro

    Eu defendo é que dinheiro público não regue mais essas obras de “caridade” promovidas por essas igrejas. Que o façam com os próprios recursos, já que não pagam impostos. Dinheiro público é para as instituições do siistema público. Fazer proselitismo disfarçado de caridade, e com o chapéu alheio, ainda por cima, é mole.

  18. O povo cerceando o próprio povo.

    Viver na democracia requer muito cuidado, não com nos mesmos, mas com a manutenção da democracia, pois é nela que conseguiremos viver nossos melhores dias; quando abusamos da nossa liberdade, quando tentamos transpor barreiras a qualquer preço, estamos colocando em risco a nossa democracia, estamos cerceando a nossa liberdade e prejudicando o desenvolvimento da sociedade em geral; acredito que a demonização da política seja a grande causa da ignorância que mais uma vez coloca em xeque a nossa democracia e os direitos humanitários; também não quero imaginar que o reverso da democracia hoje,  nos traga sofrimentos maiores que do passado

  19. Manifesto do MEEL

     

    O Brasil vive hoje uma grande ameaça para a garantia de uma vida com dignidade e sem discriminação para todos/as os/as brasileiros/as…

     

     

     

    APOIADORES

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Brasília, 18 de junho de 2013

     

    O Brasil vive hoje uma grande ameaça para a garantia de uma vida com dignidade e sem discriminação para todos/as os/as brasileiros/as, chamada fundamentalismo religioso. Após  longo processo histórico que culminou em uma sociedade diversa e plural, vivemos um contexto de retrocesso e de obscurantismo que ameaça um princípio democrático estruturante de nossa Constituição Federal: a laicidade do Estado.

    Buscando contribuir para garantir que as decisões sobre a legislação, políticas e serviços públicos sejam baseadas em evidências e não em crenças religiosas de qualquer natureza, o Movimento Estratégico pelo Estado Laico – MEEL foi criado para somar-se aos esforços nacionais em prol da garantia da laicidade do Estado brasileiro e dos direitos humanos.

    O Brasil é um Estado Laico, no qual não há nenhuma religião oficial. Um Estado laico não é um Estado ateu, plurirreligioso ou intolerante às liberdades religiosas. Em um Estado laico, não há nem perseguição religiosa, nem favorecimento das religiões. É exatamente a laicidade do Estado que garante a liberdade religiosa e de crença de cada cidadão e cidadã. Em um Estado laico, os órgãos públicos devem ser neutros em matéria religiosa. Isso não significa que quem os integra não possa professar suas crenças individualmente ou com suas famílias e tampouco que sua liberdade de expressão possa ser cerceada. Significa apenas que sua atuação profissional não deve se pautar pelas suas crenças religiosas.

    Assim, o objetivo do MEEL é defender o fim da crescente hegemonia religiosa que hoje tem fortemente influenciado a formulação e a execução das políticas públicas, assim como tem causado grandes retrocessos nas propostas do poder legislativo no Brasil. Há uma perversidade daqueles/as que em nome de uma determinada religião imprimem conceitos de bem-estar social atrelado ao funcionamento de políticas públicas, atacando direitos conquistados por grupos historicamente discriminados.

    O crescimento do fundamentalismo religioso está se conformando em um projeto de poder obscurantista, de tendência fascista, que precisa ser combatido pelas forças progressistas e democráticas desse país. Um projeto de poder que estabelece a hierarquização humana: alguns podem amar, outros não; alguns podem ter direitos, outros não.

    Esse projeto tem sido pautado por representantes religiosos e fundamentalistas no Congresso Nacional, em outras casas legislativas e em órgãos do executivo e do judiciário que não atuam de forma ética, desrespeitando a laicidade do Estado. O acesso desses grupos ao poder político é decorrência do aumento de seu poder econômico (alimentado por imunidades tributárias, recursos públicos e pela comercialização da fé) e do poder midiático, por meio de concessões públicas de rádio e TV.

    A principal agenda desses grupos é reverter e impedir avanços dos direitos humanos das mulheres; de gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis (LGBT); da população negra e de adeptos das religiões afro-brasileiras, assim como, têm buscado estabelecer políticas repressivas e higienistas no campo das drogas.

    O MEEL também questiona os partidos e políticos tradicionais, que baseados em uma visão eleitoreira, de curto prazo, que visa à conquista e manutenção do poder, têm rifado, em troca de apoio, a agenda de garantia de direitos humanos de grupos e minorias para os fundamentalistas religiosos. Essas alianças têm impedido a discussão sobre homofobia e sexismo nas escolas e na sociedade; têm permitido o avanço de projetos de Lei, tal qual a criação da “bolsa estupro”; impedem abordagens de direitos humanos na política de DST e AIDS; dificultam a implementação do ensino de História africana e indígena nas escolas; pressionam pelo financiamento de comunidades terapêuticas religiosas para tratamento de viciados em crack, sem estrutura adequada e sem profissionalismo; estimulam discursos de ódio e intolerância contra a comunidade LGBT e profissionais do sexo.

    Na falta de mediação dentro do sistema político-partidário, os grupos fundamentalistas e machistas vêm monopolizando o debate sobre esses temas no Legislativo, com discursos públicos racistas, homofóbicos e sexistas que seriam impensáveis no Brasil 10 anos atrás, gerando desinformação, contribuindo com o aumento dos crimes de ódio, com a discriminação, pavimentando um horizonte de retrocesso e intolerância.

    Vivemos um momento de grande retrocesso e é preciso somar esforços e reagir. O MEEL conclama todas as organizações, movimentos sociais, cidadãos e cidadãs comprometidos em construir uma sociedade democrática e inclusiva, baseada nos direitos humanos, no combate ao racismo, machismo, homofobia e todas as formas de discriminação e intolerância; comprometidos com a justiça social, pluralidade, diversidade, sustentabilidade e felicidade; comprometidas com a liberdade e alteridade inerente a todo ser humano que venham construir o  Movimento Estratégico pelo Estado Laico – MEEL.

    Direitos Humanos e Laicidade Já!

    Que as políticas públicas sejam pautadas pela Constituição Federal!

    Que os agentes públicos ajam de acordo com a ética pública republicana e não religiosa!

    Pela Liberdade de ser quem somos!

     

    Organizações Apoiadoras

     

    Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bisexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT)

    Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB)

    Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (ATEA)

    Comunidade Bahá’í do Brasil

    Conselho Federal de Psicologia (CFP)

    Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC)

    Plataforma DHESCA

     

    COMPARTILHE: http://www.meel.org.br/manifesto/

  20. Esse Partido (psdb), é

    Esse Partido (psdb), é realmente o partido da piada pronta, ou é a própria piada.

    O Serra(folha)  detonou a candidatura do Alquimin à prefeitura de SP.

    Detonou o Paulo Preto.

    Detonou à candidatura d e Aécio à Presidência da República. Sem falar no “po pará, Governador”

    O Alquimin deu o troco a ele na eleição de Hadad à Prefeitura de SP(se escondeu)

    O Paulo Preto mandou avisar que não se deixa um “aliado à beira da estrada”.

    Dizem por aí que mineiro come quieto, talvez não seja o caso de Aécio, mais conhecido como “menino do Rio”

    e aí mineiros?

  21. Triste, muito triste saber

    Triste, muito triste saber que Marina Silva possa vencer o pleito. O povo brasileiro, tao criativo (PSDB, argh!!!) nao mereceriamos (ja eh tarde) isso, ter que escolher entre a chapa e a frigideira. 

     

  22. Mais o mandato de 5 anos,para

    Mais o mandato de 5 anos,para presidente não é novidade,já vi o Lula falando sobre isso,quando lhe questionaram sobre a reeleição.

  23. Como na CPMF

    Ao anular esse imposto, a oposição conseguiu duas proezas: Parou de gerar receita para a saúde; e acabou o controle da movimentação dessas contas.

    No caso, acredito que todas as igrejas devem ser fiscalizadas, declarando tudo no imposto de renda e, de acordo ao seu exercício, sofrer alguma isenção, que pode ser até total em termos pecuniários, mas sem perder nunca a fiscalização dos recursos. Igrejas poderão pagar pouco ou nada, mas não poderão os pastores transitar com dinheiro oculto para fora do país.

  24. O Brasil precisa de isenção

    O Brasil precisa de isenção de títulos públicos + juros, para poder existir por si e a sociedade, antes de se incomodar com homossexauis e pastores.

    Existe maior dízimo do que 100% da riqueza alienada + juros de 11% para a fiscalidade do mercado financeiro?

    Para vencer a miséria estamos expostos a inimigos muito piores, que são os sabotadores da governabilidade.

  25. A candidata do Itau parece

    A candidata do Itau parece não entender que as relações do Governo Brasileiro com a Ingreja Católica é diferente da que deve ter conosco, os chamados evangélicos. A relação Brasil – Vaticano é entre ESTADOS. O papa é Rei no vaticano, é chefe de Estado. Os evangélicos somos apenas súditos no Brasil e porisso devemos nos submeter às Leis que regem, depois de propostas e aprovadas pelos representantes de todo o Povo, as relações entre os Estado brasileio e tosos os seus súditos. Isso não significa que sejamos inferiores as católicos. Somos apenas diferente. Já temos o Templo do Edir (em São Paulo, só podia) mas NÃO TEMOS UM ESTADO SOBERANO COMO O VATICANO. E, como súditos, cada um de nós TEM APENAS UM VOTO e por ele deve ser respeitado, mesmo que seja Gay, que nem o Jean. Ou o Malafaia já instituiu o seu próprio Estado e não avisou a ninguém?

  26. O que disse significa que as

    O que disse significa que as isenções dadas aos bens do Vaticano equivalem a isenções e benefícios e garantias dados às embaixadas e consulados de outros Estados. Porque o Vaticano, certo ou errado, é um Estado Soberano com representantes aqui acreditados (e até na ONU). Se liga, Mala! Se quizer, arruma um pedacinho das terras que o ‘teu’ Israel vem roubando dos palestino e cria o teu próprio “MALATICANO”. Daí nomeia o feliciano ou o Everaldo teu embaixador e monta um consulado em cada templo, que eu aceito que o Estado Brasileiro de dê isenções e outras “facilidades”. “DÊ A DEUS O QUE É DE DEUS E AO ESTADO O QUE É DO ESTADO”!

  27. Essa proposta já está no

    Essa proposta já está no Congresso. Ela não tem programa. Deu Ctrl C e Ctrl V nos propramas dos outros candidatos.

    Blarina promete o que já está em funcionamento. Projetos e programas implementados por Lula e Dilma. Ela é um cópia do PSDB. Virou PSDB do B, onde nada se cria e tudo se copia.

    • O estado de SP é onde se

      O estado de SP é onde se concentra os maior número destas igrejas.. e na sua grande maioria – os partidos que montaram estão com Alkimin

       

      Levantem no IBGE o nº e seus partidos correspondentes no congresso.

      • no congresso e 
        Verificar na

        no congresso e 

        Verificar na alesp, na camara e nas prefeituras.

        (e por fim, estas imagens de tvs durante a tarde e parte da noite com cultos religiosos é uma afronta a nossa inteligencia… pois são sempre nos mesmos locais e muitas delas repetidas.)

        Não equivalem  nem a 10% no país.

        (a Erundina já reclamou disso)

        • OBS: A Erundina reclamou,

          OBS: A Erundina reclamou, neste ano, na Camara Federal e em comissão (eu vi e ouvi pela tv Camara)  sobre este absurdo das tvs abertas ficarem passando cultos religiosos, algumas com 70% de uso de tempo.

    • Cláudio, parabéns! Essa

      Cláudio, parabéns! Essa boneca do ventríloquo malafeita seria cômica, se não fosse trágica.

       

  28. Melhor o contrário

    Putz!

    Eu sou a favor de estender a taxação atodas as igrejas e fazer uma varredura impiedosa, uma verdadeira devassa, nas contas de todas. Se bem reconheço que é dificil taxar igrejas que remontam à época da colonização e constituem patrimônio histórico e cultural do país.

     

  29. Osmarina presidente do Itaú.

    Um banco,ainda por cima,inadimplete com o fisco nacional,indicar uma”nóia”dessas para presidente do Brasil,é o fim do mundo.Ponham essa vigarista para presidir o itaúúú por dez anos e aí vamos ver como ela se saiu e aí quem sabe.Né?

  30. E eu defendo que as igrejas,

    E eu defendo que as igrejas, hoje um autêntico negócio, passem a pagar impostos como um empreendimento comercial qualquer. 

    Basta de tanta complacência. 

  31. os caras construíram um

    os caras construíram um templo de 600 milhões e agora que isenção. Tem que pagar mais, são ricos

    • Nao vale, Corgo!  Voce eh

      Nao vale, Corgo!  Voce eh velha guarda.  Eu conheco voces e os respeito muitissimo.  Voce eh “evangelico” e nao “neo-evangelico”.

      Da uma olhada em volta pra ver.  Eles mal conseguem entender uma unica sentenca, sao incapazes de entender um paragrafo, e sao confrontados com o incomprehensivel lendo um texto inteiro.  O neo-evangelismo aleija as mentes deles desde quando sao criancas.

      Essa eh a razao que ninguem aparece aqui pra defender o proprio voto em Marina, por exemplo, pois eles nao sabem escrever um texto com comeco, meio, e fim, muito menos entender um deles.

      E quem apareceu aqui defendendo voto em Marina mesmo?  O Gunter.  Dado a noticia do proximo dia, perdoe me por pensar que a “noticia” do “apoio LGTB” de Marina foi vazada pro Guntar antes de estourar…  e em 24 horas ela recuou porque eh traira mesmo -todo neo-evangelico eh.

      Repito:  respeito muitissimo os evangelicos.  Essa outra gentalha que esta por ai eh arsenal de guerra e nao conta pra mim.  Palavra de norte americano.

      Eles sao toxicos.

  32. todo esse odio contra os

    todo esse odio contra os evangelicos, como se fossem eles que estivessem votando na Marina, o pastor Everaldo, que apela ao ponto o titulo “pastor” mal conseguiu 3% dos votos,  a vitoria da Marina não é obra dos evangelicos, como algumas lideranças evangelicas vão querer apregoar, mas sim a derrota da Dilma, 

  33. Gente: as pesquisas, acho,

    Gente: as pesquisas, acho, que só estão sendo feitas em sp, e por ai sabemos como o analfabetismo político é imenso. Digo isso, porque não encontrei um eleitor de osmarina  até agora!

  34. Imagine Marina presidente, ai

    Imagine Marina presidente, ai ela tem “uma INSPIRAÇÃO DIVINA para aprovar uma Lei”…

    Mas, neste mundo congresso ainda é necessário…

    E se o Cogresso rejeitar lei atrás de lei origem de inspiração divina?

    O que ela poderia fazer?

    • “Hoje Deus falou comigo…”

      “Hoje Deus falou comigo…”, que tal essa fala para iniciar o “Café com a Presidente”? É comum nos ritos envangélicos quando querem passar para os fiéis um “veja bem,”.

       

  35. Vai ser interesante os

    Vai ser interesante os orfanatos, hospitais, asilos, entre outras ações começar a pagar imposto e ao mesmo tempo defenderem o direito dos  partidos receberem financiamento publico.

    Vai ser muito interessante ver a caridade ser taxada.

  36. Eu pensei que era piada mas

    Eu pensei que era piada mas não é.

    “Chávez nosso que estais no céu, na terra, no mar e em nós, delegados e delegadas. Santificado seja teu nome. Venha a nós teu legado para levá-lo aos povos daqui e de lá. Dai-nos hoje tua luz para que nos guie a cada dia e não nos deixes cair na tentação do capitalismo, mas livrai-nos da maldade da oligarquia, do crime do contrabando. Porque nossa é a pátria, pelos séculos e séculos. Amém. Viva Chávez.”

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=gO1ebKWjhIg%5D

     

  37. Volta Marina,volta atrás.

      Marina Volta-Volta. Volta em ; transgênicos. Volta em desmatamento.Volta em questão religiosa. Volta em Pré-sal. Volta na questão sexual.Volta no financiamento de campanha. Ela vai e volta,gira ,ginga e cai no colo do Itaúúúúúú…

  38. a questão só é religosa por

    a questão só é religosa por causa da mistificação de marina.

    deveria ser economica, acima de tudo.

    depois sim, poderíamos discutir outras coisas tb importantes e fundamentais para o país.

    mas sem uma visão digamos holística da economia

    só haveria  distorção do restante,

    aliás, o que querem os já detentores da hegemonia economica, bancos , em suma, capitalismo.

    marina –   como já disse noutro comentário – , é a “pura” representaçã dos desastres do passado fernandenriquista com prenúncio de ruínas futuras.

    – é a economia, estúpido!!!

    jamais a frase do assessor do bill clinton foi tão atual – alguns chamam de idiotas os eleitores de marina, na minha opinião, equivocadamente.

    o que é necessário é alertá-los.

    eles quie decidam, então.   

  39. igreja e impostos

    Na Espanha acabaram com a isenção às igrejas.

    EM  17 DE DEZEMBRO DE 2.005 -A  FOLHA DE SÃO PAULO PUBLICOU

    Isenção fiscal à igreja é ilegal, diz Executivo da UE
    A Comissão Européia acusou ontem a Espanha de contrariar as leis tributárias da União Européia ao dar isenção fiscal à Igreja Católica. Produtos como velas e bancos de igreja são isentos do imposto sobre o valor agregado por um acordo de 1979 entre a Espanha e o Vaticano. Se o país não reagir em até dois meses, o caso será levado à Corte Européia de Justiça, disse o Executivo da UE.

     

  40. E a imunidade tributária?

    A Igreja Católica não tem os bens taxados por impostos por ser um Estado – sim, o Vaticano. E os Estados detêm imunidades tributárias em razão de acordo/tratados internacionais. Por conta disso, não se cobram tributos de rendas, bens e serviços de Embaixadas, de agentes diplomáticos, etc. Da mesma forma que não há cobrança lá fora de rendas, bens e serviços de Embaixadas e agentes diplomáticos brasileiros. É o Princípio da Reciprocidade.

    No Brasil há imunidades tributárias – que seriam isenções garantidas pela Constituição Federal. Seriam cláusulas pétreas, não sujeitas à abolição. Ou seja, uma Emenda Constitucional não acabar com tais isenções. O art. 150, item IV, inciso b, da Constituição Federal dita que os templos religiosos são imunes aos impostos. Imunidade tributária, a mesma dos livros, jornais, periódicos e papel destinado à produção desses exemplares, estendidas a fonogramas e audiogramas nacionais. Ou ainda dos impostos sobre o patrimônio, bens e serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, sindicatos de trabalhadores, instituições de educação e saúde sem fins lucrativos desde que atendidos os requisitos dispostos em lei.</p><p>O motivo para isso é bastante razoável. A garantia de exercício de direitos individuais e coletivos. Para os jornais e revistas, seria isso algo como primário para permitir a liberdade de expressão. Para os partidos políticos, para a defesa da cidadania. Para os sindicatos dos trabalhadores, para a defesa dos interesses dos trabalhadores. Para os templos religiosos, para permitir a livre manifestação de religiosidade.

    Então essas imunidades visam atender a manifestação de direitos individuais e coletivos, e não negócios. Evitar que o Estado se imiscua nesses direitos, é uma proteção da sociedade contra o Estado.

    Porém , a partir do momento em que essas instituições defendem interesses diversos dos interesses individuais ou coletivos para as quais se justifica a imunidade, a imunidade não pode ser concedida pela sociedade, dado que incorre a entidade que dispõe do direito à imunidade em abuso de direito.

    E a definição legal de abuso de direito: Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes.

    Daí, qualquer abuso de direito por parte dessas entidades deve ser coibido. Assim se o dinheiro do fundo partidário é usado de modo escuso, há tributação. Se uma entidade filantrópica não aplica os recursos da imunidade tributária consoante a lei, há tributação. E isso vale para todos que não cumprirem as obrigações acessórias ou cometerem abuso de direito, que está regrado no art. 187, do Código Civil, e que seria um princípio jurídico universal. Segundo o Prof. Miguel Reale, essa seria a norma mais importante de todo o Código Civil.

    Assim, se um sindicato de trabalhador age como partido político – ou seja, fora da defesa dos interesses da classe trabalhadora -, ou um órgão de imprensa age como partido político, ou um partido político age como uma empresa intermediadora de negócios, ou ainda representante de templos religiosos como partido político, não se pode conceder imunidade. Pois aí a imunidade tributária não se justifica, já que a finalidade para qual foi concedida, pela sociedade como um todo, não pode vir a tentar influenciar a sociedade fora do objetivo social para qual a instituição/entidade foi criada.

    Claro que a cobrança do tributo decorrente do abuso não dispensaria a apreciação do Poder Judiciário caso o prejudicado assim deseje.

    Não precisa criar mais nada. Imunidade tributária já existe. Mas se for mal usado, se perde – ou deveria se perder.

  41. Retrocesso em estado puro.

    Meu filho adolescente disse que a Marina se eleita vai lançar uma edição especial do Jogo da Vida – um jogo de tabuleiro – em que as peças vão começar no final e terminar no início.

    O jogo, na edição de Marina, começa na Idade Média e “evolui” até a Pré-História.

    Hoje ela diz algo, amanhã será desdito. É por aí. Marina é o retrocesso em estado puro.

  42. Sem identificação do
    Sem identificação do doador… sem registro de entrada… sem imposto… sem controle na saída. Lavagem de dinheiro?

  43. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome