BNDES diminui exigência de nacionalização para financiamentos

Jornal GGN – Nesta terça-feira (6), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou que aprovou uma medida temporária que altera o conteúdo mínimo de nacionalização para o credenciamento de fornecedores da indústria brasileira.

O BNDES reduziu de 60% para 50% o índice mínimo em valor exigido para o credenciamento de máquinas e equipamentos, sistemas industriais e componentes nas operações de crédito do Banco, chamado de Credenciamento de Fornecedores Informatizado (CFI). A mudança vale para todos os setores da indústria brasileira e vai até 30 de junho de 2017.

De acordo com nota para a imprensa, o objetivo da alteração é minimizar os efeitos da variação do câmbio sobre o aumento nos custos de produção da indústria, evitando que as empresas não se enquadrem nas regras de financiamento por causa de efeitos câmbios.

O banco ainda afirma que o índice mínimo de nacionalização em peso continua em 60%, e diz que a medida está dentro do planejamento de revisar o método de cálculo do indíce de nacionalização, atendendo a demandas de entidades representativas do setor.

É possível ver as normas completas para o credenciamento de máquinas, equipamentos, sistemas e componentes no Portal BNDES.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Nacionalização “por peso “

        Esta classificação é tão ridicula que dá nojo, trata-se de um conceito pré- era do conhecimento, até pré-industrial, uma “jabuticaba” dos anos 50, que não cabe nestes dias, é velha, ultrapassada há décadas.

        O que importa em uma maquina-ferramenta, em um navio, não é o peso de seus componentes, o “valor” mais importante é o software nele embarcado, seus motores, os insumos que representam tecnologia, uma linha de programação que faz parte de um software com a qual uma maquina poderá operar, não pesa quase nada, mas sem ele a maquina não funciona, as toneladas de aço dela ( as placas simples oriundas do Brasil, as complexas importadas ) sem estes insumos, são apenas um monte de aço, pesada, que ocupa espaço, até da emprego, mas de nada serve.

        Por exemplo : Um navio montado aqui, Classe Celso Furtado, o “peso” dele é de 28.000 toneladas, por “peso” é mais de 60%, mas sem os motores vindos da Coréia do Sul ( MAN alemães feitos lá sob licença ), ele nem sairia do estaleiro, fora o resto : radar, sistemas, softwares embarcados.

         Tem é que acaber este negócio de “peso”, politica industrial visando obtenção de tecnologia, deve financiar empresas “global chain” nacionais.

    • nacionalização….

      Junior50: você está absolutamente coberto de razão. Imagina que os navios sendo fabricados aqui no páis, poderíamos trazer e gerar toda esta tecnologia. Mas e agora que não serão mais fabricados aqui, com a doação de campos de petróleo nacionais que financiavam toda esta cadeia produtiva?  Que as multinacionais estrangeiras os farão nas suas sedes ou filiais, geralmente ex-colônias? Outro dia mostraram o caso do caça italo-brasileiro AMX e a transferência de tecnologia que alargou os conhecimentos e mercado da Embraer (um simples caso gerado há décadas). Imagina todas as possibilidades que estamos desprezando abrindo mão de nossas soberania sobre o petróleo que já é nosso? 

      • AMX

            Aquela postagem não conta nada do que foi este projeto, não teve uma transferencia de tecnologia ( ToT ) efetiva, o que foi conseguido, compartilhado, foi a “forceps”, a cada passo da evolução do projeto, a Aeritalia enrolava para passar/compartilhar as técnicas, como a colagem metal – metal e a na época, do corte preciso/moldagem do titanio, resumindo: foi um pau a cada dia.

             Conhecemos o que significa “embargo” na real : Foi negada a utilização pelo Brasil de varios equipamentos considerados NATO, como o canhão Vulcan ( a Embraer teve que fazer todo um novo “nariz” interno da aeronave, para que se utiliza-se o Defa 553/554 da Bernardinni ), o barramento digital escolhido foi o MilStd 1553, e não nos forneceram os códigos para a utilização de misseis de auto – defesa ( os AIM-9 que se vê, só estavam pendurados, não operavam ), o AMX italiano ( Ghibli ) ,  de origem sempre teve radar ( um Elta israelense, fabricado na Italia ), o nosso só veio ter um radar agora.

             Existe muita confusão, aliás “intencional “, entre a “transferencia de técnicas “, com “transferencia de tecnologias”, a primeira é transferivel, o “man in the job “, já a de “tecnologias” ninguem transfere, o que pode ocorrer é o desenvolvimento conjunto, até o compartilhamento de conhecimentos entre fornecedor e parceiro, transferencia total, jamais.

             OBS: Quando a China decidiu investir na industria de construção naval, ela fez que as empresas fabricantes de motores, como a MAN, SEMT – Pielstick e outras de insumos tecnológicos, fossem instaladas no País, ou não forneceriam equipamentos, ela construiu uma cadeia de produção, nós infelizmente não fizemos isto.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome