A trégua revela o alcance destrutivo da ofensiva israelense em Gaza

De Alba Notícias

Foram assassinados 1.050 palestinos, mais de 6.000 feridos. A comunidade internacional apela às partes para que estendam o cessar-fogo humanitário

Juan Gómez, Gaza, 26 de Julho

Duas mulheres choram em escombros de sua casa em Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza. Lefteris Pitarakis (AP)

Milhares de moradores tomaram as ruas de Gaza, ontem, dentro de 12 horas após o cessar-fogo entre Israel e as milícias palestinas. Os desalojados das áreas que Israel escolheu para invadir Gaza tiveram uma pausa para procurar os mortos ou para resgatar algum valor nas faixas de escombros deixados de uma semana de bombas israelenses. De Shiyaiya, um bairro a leste de Gaza e Beit Hanoun, uma cidade ao norte, apenas ruínas: as ruas estão intransitáveis​​, as oficinas foram queimadas, suas casas e animais apodreceram ao sol. O edifício de três andares da família Yandiye, um dos maiores da Shiyaiya, deu lugar a uma enorme cratera que se parece com a família atordoada, tentando salvar alguma coisa útil: roupas, sapatos, algum fio de vista. Não havia mais nada.

Um menino de uma família, que não quis dar seu nome, disse que, pelo menos, não lhes haviam impedido de buscar mortos.

Os El Helu tiveram menos sorte. Em algumas ruas, em um canto atrás das ruínas da via Al Nazaz Shuyaiya, uma dúzia de homens ao meio-dia vasculhavam os escombros em busca de dez parentes enterrados por dois pisos de concreto. A poeira cinzenta manchava as roupas, a barba e os cabelos de Issam el Helu, que apontava, ontem, para uma placa de cimento afundado: “Debaixo, está o meu irmão Yihad”. No último domingo, morreram ali suas três irmãs junto com Yihad, sua esposa Siham, dois de seus filhos, uma nora e três netos: Mara, de dois anos, e Karam e Karim, gêmeos de cinco meses. Refugiaram-se na sala de estar de um vizinho. Issam apontou para o leste, onde se escondia os tanques de Israel. Conta que Yihad foi salvo na casa de seus amigos e vizinhos, a 100 metros a oeste e, aparentemente, protegido contra projéteis. Issam sorri ao contar que “morreram na casa mais segura”. Um sobrinho chamado Ibrahim também sorriu: “Não importa, porque dois dias depois, estouraram a sua também”.

A trégua de 12 horas foi utilizada para encontrar 132 corpos nos escombros de Gaza. O número total de mortos palestinos chegou, assim, a 1.032. Mais de três quartos eram civis. Cerca de 200 eram crianças. Israel, onde três civis foram mortos por foguetes do Hamas, anunciou a queda de seu quadragésimo soldado, nesta que já dura quase três semanas de operação militar.

Um vizinho chamado Hassan apontou para o número de casas destruídas no bairro: “São lápides e Gaza é um cemitério”. Usando uma escavadeira local e depois de nove horas de busca, Issam el Helu e seus parentes finalmente encontraram seus 10 parentes perdidos para lhes dar enterro decente, uma semana depois de que o míssil de um caça F-16 os mataram na sala de estar de uns amigos.

Uma semana atrás, o agricultor Mohamed Abu Asha pensava em trazer para frente seu carrinho de mulas e uma bandeira branca para salvar 100 vacas do avanço de tanques israelenses. Ontem, ele contava que havia interrompido seus negócios para ficar no bloco que divide com seu irmão em Shiyaiya. Todas as vacas foram mortas e também a artilharia israelense matou quase todos as cabeças de gado que sua família mantinha no bairro: “Nós perdemos mais de quinhentos”. Sábado, a fazenda era um cemitério ao ar livre de vacas apodrecendo, evisceradas por bombas israelenses. As vivas sangram de ferimentos causados ​​por estilhaços. Cada vaca leiteira, diz Asha, “vale cerca de 3.000 dólares” em Gaza. Eles também ficaram sem cavalos e sem mulas pelas mesmas bombas, que destruíram todas as ordenhas elétricas.

Shiyaiya, onde em tempos de paz 100.000 palestinos vivem, fervem moscas carniceiras. Nesse bairro, disse o Exército haver encontrado diversos túneis perfurados pelo Hamas.

Como ao leste de Gaza, o avanço israelense encontrou alguma resistência no norte da cidade de Beit Hanoun, perto da passagem de Erez. Tem cerca de 50.000 habitantes, em tempo de paz. A artilharia israelense tem se concentrado nos últimos dias lá. A destruição é maciça. O pavimento foi removido pelo fogo e cadeias de armamentos israelenses. Os edifícios apresentam grandes buracos de mísseis de tanques. Há também muitas casas fundidas. Vizinhos como Mohamed Shawish tentaram apagar os fogos que queimava suas casas na manhã de sábado. “Por ali”, apontando nuvens de poeira no horizonte, “se foram os tanques israelenses; voltarão a qualquer momento”. Não muito longe de sua casa sem fachada ocorreu, na quinta-feira, em um abrigo da ONU,  uma matança de palestinos desabrigados.

HORROR E MAIS HORROR

Em uma linha infinita de casas devastadas e esqueletos de concreto – mais de 1.800 propriedades foram destruídas por bombas e mais de 20.000 casas foram danificadas por tiros, segundo estatísticas palestinas –, que centenas de pessoas estavam ansiosas para salvar os poucos pertences que ainda tinham. “Levei anos e milhares de shekels para levantar esta casa para a minha família. Todos nós ganhamos a vida nesta estrada”, explicou Maher, junto às máquinas com as quais ele e seus cinco filhos sustentaram uma família de vinte membros com cortes de blocos de pedra.

A alguns quilômetros de distância, no centro de Beit Hanoun, o cenário se transformando em um cinza chumbo reencarnava com a realidade arrepiante as imagens que ainda se lembram da Europa devastada da Segunda Guerra Mundial. Uma fotografia da manhã mostrava o cheiro pútrido de dezenas de animais, a maioria cavalos e burros, mortos nas calçadas e estradas e o acre dos corpos apodrecendo depois de dias e dias sob os escombros.

“Ninguém se importa que nos matem”, grita Hatem, um jovem desempregado de apenas 24 anos.

“Quem se importa com os pobres? Quem se importa com os palestinos? Nós temos a infelicidade de ser pobres e palestinos, e ninguém se importa que nos matem”, gritou às câmeras Hatem. Alto, moreno, com barba espessa, estendia sua raiva para além da própria Faixa de Gaza e colocava o presidente egípcio Abel Fatah AL Sisi no topo da sua lista de culpados por trás do massacre. “Não só Israel e Hamas. Também outros países e o Egito que nos permitem estar aqui, presos nesta prisão por sete anos sem um lugar para fugir”, disse.

De acordo com dados do Ministério da Saúde de Gaza, pelo menos 1.050 palestinos foram mortos, a maioria civis, e mais de 6.000 feridos em ataques israelenses desde 8 de julho, o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ordenou uma ofensiva a Gaza. Cerca de 800 deles, incluindo mais de 150 crianças, morreram durante a incursão terrestre, que começou há nove dias, e que também matou 40 soldados em combate do Exército de Israel.

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

ruyacquaviva

- 2014-07-28 03:46:06

Até quando?

Até quando Israel conseguirá manter essa loucura genocida, arrogante e irresponsável?

Será que não percebem que não há como isso acabar bem para eles?

A violência que eles estão praticando de forma insana vai retornar para eles com igual força e sentido contrário.

Eles não estão percebendo que não são os EUA, são apenas um títere que será descartado quando não tiver mais utilidade ou se tornar inconveniente.

Euler Conrado

- 2014-07-28 03:44:57

Um documentário que nos ajuda

Um documentário que nos ajuda a entender um pouco a história do conflito e do massacre em Gaza:

https://www.youtube.com/watch?v=3jNYlUj2gMU

Patricinho

- 2014-07-28 01:22:17

Estado Sionista

Por favor, não chame o Estado de Israel de judeu. Você está ofendendo uma boa parte deles.

wendel

- 2014-07-28 00:38:02

Mesmo a covardia tem limites!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Discordo Marcos Paulo, o que há na realidade, é apenas a aplicação da chamada "Solução Final" da qual tantos falam, e que agora está sendo implementada pelos que se dizem vitimas daquele fato escabroso!

Outra consideração possivel, seria a de que Hitler fez escola, e as vitimas remanecentes,  aprimoraram as táticas com mais profissionalismo!!!  

Marcos Paulo

- 2014-07-27 21:55:57

A forma covarde com que

A forma covarde com que Estado Judeu massacra o povo palestino já tá quase fazendo de Hitler um homem sensível.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador