O preconceito contra tatuagens no Japão

Sugerido por Gunter Zibell – SP

 
Alguns estabelecimentos comerciais proíbem entrada de pessoas tatuadas
 
Escolhido sede dos Jogos Olímpicos de 2020 no sábado passado, o Japão já tem uma meta para alcançar antes de receber atletas das mais variadas culturas: acabar com o preconceito em relação a tatuagens. Os japoneses associam os desenhos feitos na pele a um comportamento antissocial ou a um possível envolvimento com o crime organizado. Os membros da máfia Yakuza ainda mantêm a tradição de tatuar o corpo.
 
Alguns estabelecimentos japoneses, como as tradicionais casas de banho, costumam proibir a entrada de pessoas tatuadas.
 
– É importante respeitar as culturas estrangeiras, uma vez que vamos organizar os Jogos Olímpicos de 2020 e esperamos receber uma série de visitantes de outros países – afirmou o secretário-chefe de gabinete de Tóquio, Whoshihide Suga.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Tatuagens

    Essa moda de tatuagens já deu o que tinha que dar. A maioria delas é cafona é baseada em clichês.

  2. Na verdade é algo complexo,

    Na verdade é algo complexo, ter tatuagens no Japão está muito relacionado a vinculo com a “Yakuza”, a chamada organização criminosa japonesa. Todavia, este é o tipo de coisa que, pelo andei lendo em vários blogs, não é tão rigorosa assim.

  3. Sobre as tatuagens

    Não apenas as tatuagens são símbolos da máfia japonesa a Yakusa; aliás dificilmente essa máfia é assim referida, normalmente se diz Boryokudan (gangster). Por exemplo, sapato de couro branco, só eles; as casas de “Pachinko”, um comercio de  jogos eletrônicos idiotas ,são deles; em cidades portuárias, as grandes mansões, são deles. 

    No que se refere a proibição da entrada de pessoas tatuadas em estabelecimentos comerciais, só quando não forem da máfia, pois do contrário, quem sai são os outros frequentadores, e ficam apenas eles no local. Numa pequena cidade que passei cerca de sete meses, o chefão local tinha um carro Lincoln Continental, e lá tinha apenas 15000 habitantes, imagina as ruelas de lá com esse carro. Se ele chegava com seus capangas todo mundo pulava fora, se na porta de algum lugar o carro estivesse la, mudava-se o programa para outro ponto.

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome