Assista: Moro quer ter jurisdição sobre a Espanha, por Joaquim de Carvalho

Dentro da série sobre a indústria da delação premiada da Lava Jato, feita em conjunto pelo Jornal GGN e o DCM, um vídeo de Joaquim de Carvalho, de Madri, relatando a atuação de Moro, que fere legislação, Constituição e tratados  internacionais. Outras matérias da série podem ser vistas aqui.

Jornal GGN – O juiz Sergio Moro quer ter jurisdição sobre a Espanha para processar o ex-advogado da Odebrecht, Rodrigo Tacla Duran. Ele foi denunciado na Lava Jato após negar um acordo de delação. Ciente de que seria condenado com base apenas em delação, decidiu se refugiar na Espanha, já que é cidadão com dupla nacionalidade, e saiu vitorioso de um processo de extradição.

O Tribunal Penal da Audiência Nacional, na Espanha, decidiu por unanimidade que Tacla Duran tem direito de ser processado naquele País e que, se Moro assim quisesse, deveria remeter os autos da ação penal por lavagem de dinheiro e corrupção ativa para o exterior.

Ocorre que, na Espanha, delação sem prova não é aceita. E, ao que tudo indica, isso motivou Moro a continuar o processo no Brasil. Ele já proferiu um despacho mandando que Tacla Duran se apresente para interrogatório.

Segundo Joaquim de Carvalho – que foi à Espanha em parceria do GGN com DCM para produzir uma série de reportagens especiais sobre a indústria da delação na Lava Jato – a decisão de Moro contraria tratados internacionais e pode acabar gerando um impasse diplomático entre Brasil e Espanha. 

Assista:

24 comentários

  1. danou-se…

    agora poderemos ter um juiz contra 2 países………………………………..

    se por lá temos 17 reconhecendo que nos casos de delação o estado natural de qualquer acusado ou condenado sem provas é a liberdade, Moro tem muito o que aprender ainda

    sendo a causa de tudo por desconhecer

     

     

  2. E se fez o absurdo com o

    E se fez o absurdo com o objetivo manteúdo de manter o Brasil surdo!…

     

  3. É legal? Moro tá fora.

    É legal? Moro tá fora.

    Para um juiz que está perseguindo LULA há mais de 3 anos e não tem nenhuma prova, só tem convicções e falações de delatores que são bandidos  confessos e oprimidos pela força tarefa opressora, que tambem quer prender LULA, para ficar famosa como a trupe que prendeu um ex presidente, querer se contrapor a juizes que fazem justiça sem o partidarismo deles, é coisa que deixa pessoas honestas com nojo desse tipo de gente que trabalha para beneficiar amigos e políticos corruptos, como no caso o tal AÉCIO NEVES, que é semopre foi o pregferido de todos dessa triste operação lava jato.

  4. Timing furado

    Mais uma prova de que está furado o timing da lavajato.

    Desde novembro de 2016 o juiz Moro e esposa (alegando razões de segurança) tinham anunciado que passariam uma boa temporada nos EUA, imaginando que isso aconteceria neste ano de 2017, que já termina melancolicamente. Ainda sem provas, o Moro pensou que bastaria o assunto do triplex e, provavelmente sentindo que é muito fraca a denuncia do triplex, partiu para a segunda denuncia.

    Hoje reaparece o Tacla Duran, secando a pimenteira da família Moro e, provavelmente, iria tornar muita suspeita uma eventual viagem do casal aos estates, se acontecer.

    O golpe está fazendo água mesmo e até o pato da FIESP parece não saber nadar nela.

  5. EROS TA JUSTICA BRASILEIRA?.);
    Bem juiz PODE ? MAIS PRENDE HOJE AMANHA SOLTA? TEM TANTOS EROS NO MEIOS DE ADYO8ADO , TECRAS TA COMDEFEITOS JUIZES TAMBEM( PRENDE PALOÇC QUE PODIA TA SOLTO AJUDANDO LADROES QUE TA ACABONDO O BRASIL SOLTO PASSA AS MAOS E A SUJEIRA PRA BAIXO DO TAPETE;

  6. Moro não confia na Justiça Espanhola

    Se o Movo enviar os autos do processo para a Espanha, acontecerá com os referidos autos o mesmo que aconteceu com os autos do processo no qual a Rede Globo era processada por sonegação fiscal.

    Dá-lhe, Morito. Você é o cara… de pau.

    Lhe darei óleo de peroba como presente de Natal só porque você está ensinando as espanhóis como é que se aplica a lei, embora o Brasil seja conhecido internacionalmente não por seus juristas, mas por suas ‘dançarinas’.

+ comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome