Como a OAS pagou pelas delações premiadas de seus executivos

Uma ação trabalhista, de um dos executivos – Adriano Santana Quadros de Andrade – ajudou a lançar luzes sobre essas manobras.

Correção: foi trocada a imagem por erro de identificação

Havia três interesses da OAS nas delações de seus executivos. O primeiro, o de uniformizar as narrativas, para evitar conflitos de informação. O segundo, amenizar as acusações contra a direção da empresa. O terceiro, o de confirmar as informações de interesse da Lava Jato. Ou seja, aquelas versões que, mesmo desacompanhadas de provadas, ajudassem a criminalizar o ex-presidente Lula.

Uma ação trabalhista, de um dos executivos – Adriano Santana Quadros de Andrade – ajudou a lançar luzes sobre essas manobras.

A ação é de 14 de fevereiro de 2019, assinada pelos advogados Alexandre Rodrigues e Carlos Alberto Costa e Silva. Trata-se de uma reclamação trabalhista na qual Adriano questiona sentença do juiz, que reconheceu seus direitos trabalhistas, mas não lhe conferiu isonomia de tratamento com outros executivos que participaram das delações.

Na ação, Adriano sustenta que seus colegas receberam R$ 6 milhões cada um. Ele não teve o mesmo tratamento, provavelmente por não ter endossado as versões exigidas pela OAS.

Na ação, ele apresenta documentos comprovando o pagamento ao executivo Roberto Souza Cunha, três doações, de Mariângela Borges Pinheiro, José Aldemário Pinheiro Filho e  César de Araújo Mata Pires.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Novo relatório aponta existência de ala para torturas em presídio no Pará

6 comentários

  1. Continua não vindo ao caso, quer pela substituta, quer pelo novo titular (que só pediu remoção para impedir que alguém – não do interesse – fosse o vencedor).

  2. Que cheiro danado de cumplicidade entre quem combate, quem corrompe e quem é corrompido…
    no mínimo do silêncio conivente à fraude da lei

    o êxito de uma operação que resulta dos mesmos vícios criminosos que se combate

  3. Esse cara vive onde? No Brasil é assim. Não tem espaço para quem não corrobora as traquinagens do patronato.
    Se bobear ainda será processado por falsas acusações.
    O patrão,após ser absolvido pelo camisa preta do Paraná,e estamos falando de quase 30 anos de cana,resolveu da 3 triplex para cada um dos seus comparsas. Ficou de fora porque quis. Vacilão!

  4. Essas delações são um castelo de cartas que se retirar uma, todas caem. Montar versões que corroborem com o desejo de procuradores da operação para aliviar condenações de executivos é de tal maneira escandaloso que fica a pergunta como o Brasil caminhou aparlemado para o desfecho que foi a eleição da extrema-direita e na qual o ministro da justiça era o juiz da mesma operação que os levou à vitoria. Se a ONU não condenar tudo isso, so nos resta colocar os jalecos amarelos…

    • Lava Jato é um produto de uma organização criminosa.

      Um produto que como todos, tem marketing pra ganhar consumidores.

      Assim como qualquer produto, a lava jato também se utiliza da mídia corrupta pra criar um senso comum na sociedade a seu favor.

      Infelizmente o brasileiro não tem a sagacidade pra identificar um golpe contra a democracia tão ridículo e mal elaborado como a lava jato.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome