Novo ministro da Justiça brigou contra e foi vítima de vazamentos, por Marcelo Auler

Do blog de Marcelo Auler

Novo ministro Eugênio Aragão brigou contra e foi vítima dos vazamentos

O anúncio do nome do novo ministro da Justiça, o subprocurador da República Eugênio Aragão, de 56 anos, trouxe preocupação há muitos e logo começaram a surgir “velhas denúncias” contra o mesmo em uma tentativa de mostrar que seu objetivo é, controlar o Departamento de Polícia Federal (DPF) para paralisar as investigações da Operação Lava Jato.

Nos bastidores, como sabem que um ministro da Justiça não tem poderes administrativos, judiciais ou mesmo político para tamanha façanha, a luta é para evitar o controle do DPF que, no entendimento de muitos, ficou solto nestes anos de governo de Dilma Rousseff.

Aragão é ligadíssimo a Rodrigo Janot e certamente não jogará contra o procurador-geral. Sem falar que, como vice-procurador eleitoral, no TSE, foi contra a tese da defesa da presidente Dilma de que provas emprestadas da Lava Jato não poderiam ser usadas no processo reaberto para analisar as contas de campanha dela. Opinou favoravelmente justamente na ação que a oposição vê como uma das chances de retirá-la, junto com o vice Michel Temer, das cadeiras que ocupam.

O que realmente deve preocupar a Polícia Federal é que o passado de Aragão mostra um posicionamento firme na defesa dos direitos do cidadão, do principio do processo legal e, obviamente, contra  os vazamentos que a polícia e também seus colegas da Procuradoria praticaram e continuam a praticar. Ele próprio foi vitima deles. Também por causa de ter buscado medidas para conter os vazamentos de documentos obtidos em Nova Iorque, virou alvo de uma representação assinada pelos delegados Luis Flávio Zampronha e Erika Mialik Marena. Esta última, hoje, além de ser uma das chefes na Operação Lava Jato é também representante da ADPF em Curitiba.

Érika é citada como uma das estrategistas dos vazamentos na Operação Lava Jato em um depoimento ouvido pela delegada Tânia Fogaça, da Corregedoria Geral do DPF em Brasília, no Inquérito Policial 737/2015. Na ocasião, lhe foi relatada a prática do vazamento de informações para a imprensa, como forma de blindar a Operação Lava Jato. A tática de vazamento visa atrair atenção da mídia e da opinião publica, e a partir dai evitar q se abafe a investigação.

Ao se tornar público detalhes da investigação, cria-se constrangimento ao governo e evita-se assim pressões políticas e/ou administrativas. Nesse depoimento explicaram que a delegada Érika foi uma das que importou esta estratégia do trabalho na Operação Satiagraha. Mas a tática do vazamento, como lembra o subprocurador Aragão, também foi usada na Operação do Banestado em que ela teve papel importante, tanto que assinou com o chefe a representação contra o então procurador da República. Também consta do depoimento o relacionamento próximo dela como o repórter Mario Sérgio de Carvalho, da Folha de S. Paulo. Uma relação profissional iniciada na Operação Satiagraha, em São Paulo. Com frequência, ele foi visto e chegou a ser filmado saindo das sala da delegada, no início da Lava Jato, segundo relataram à delegada Tânia.

Leia mais →

7 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

era republicana

- 2016-03-18 03:14:54

sonho ou delirio, espero que

sonho ou delirio, espero que o ministro   faça uma limpwza geral

nessa gente que pratica essas infamias....

C.Paoliello

- 2016-03-17 14:33:07

Demissão na PF

Espero que o primeiro ato de novo Ministro, já empossado, seja demitir sumariamente a cúpula da PF, o braço armado do golpe.

Lucinei

- 2016-03-17 14:23:02

Acabo de assistir a mais um

Acabo de assistir a mais um discurso de solenidade desse governo. Mais um discurso muito, muito mal escrito. Repetitivo, sem ritmo, sem dar nome aos bois...

O ponto alto foi a plateia.

Lucinei

- 2016-03-17 13:40:27

Arrivismo.

Pra mim está claro que a jogada desesperada da Globo e da República de Curitiba tem objetivos claros: testar os limites da vacilação desses pamonhas do PT (sim, até eles ficam pasmos) lançando a ameaça de confrontos na sexta feira caso o governo tome alguma atitude; e seguir adiante, caso ocorra o que acreditam, ou seja, que esse governo irá se intimidar novamente com medinho de ser chamado de "comunista" ou "bolivariano".

Em outras palavras, estão subindo as apostas a cada instante; deixando claro como o sol do meio dia que já passaram do ponto de retorno há muito; deixando claro, portanto, que o poder tem que ser usado, caso contrário não é poder.

Dito de outro modo, ainda: se o PT continuar com esse medinho de usar o poder o outro lado não vai hesitar nem um pouco em transformar, de um jeito ou de outro, esse país numa venezuela, onde a oposição recusa eleições e barbariza nas ruas. E não titubeia sequer de abusar de um poder que não tem!

Que essa gente do PT cumpra seu "papel histórico" com um pingo de dignidade, pelo menos.

Será que não percebem que o objetivo dos fascistas destruí-los de qualquer modo para tomar o poder? Que querem "acabar com a raça" deles? Será que entraram num autismo tão grande que sequer lêem o que é comentado nas redes sociais? Será que ficam o tempo todo vendo TV, lendo Veja, Folha e Estadão e em reunião cerebrinando "notinhas" pra imprensa?

Enquanto não se "quebrar a espinha" desse mosntro de manipulação e chantagem que é a Rede Globo, cabeça dessa máfia midiática, a democracia no Brasil estará sempre ameaçada

Ivan de Union

- 2016-03-17 11:27:13

Unanimamente eleita Miss

Unanimamente eleita Miss Kosherinha Parana por 3 anos seguidos, talvez?

pedro lorençon

- 2016-03-17 11:20:05

O homem certo no lugar certo?

Que a PF , o MPF e o Moro precisam de um puxão de orelhas bem forte, precisam. As inconsequentes tramas do braço jurídico do golpe ( braço de logística, como foram os militares no golpe anterior) estão sendo trágicas para o país. A liderança tosca de Sérgio Moro e seus moretes do MP têm que ser freada a qualquer custo. Hierarquia e respeito ainda é mais importante do que republicanismo. Um dos braçaos da direita , o político , já encontrou resistência com a volta de Lula ao governo, resta que o Ministro da Justiça, chefe destes aloprados ponha os pingos nos is dentro de seu departamento, assim como disse o Lula. mas é lógico que dentro dos ditâmes da Lei, para acusados e acusadores/julgadores.

maria cecília p binder

- 2016-03-17 10:50:31

Quem designa do diretor da Polícia Federa?

Ao que eu saiba, é o Ministro da Justiça o responsável pela designação do diretor do Depto de Polícia Federal. Por muito menos - grampo sem áudio entre Gilmar e Demóstenes, "ínclito" deputado do Dem -, o Delegado Paulo Lacerda foi desterrado para Portugal. Porque o novo Ministro da Justiça não traz ele de volta e o coloca como diretor do DPF? Alguém pode me explicar isso? Sou velha (idosa me parece coisa de coxinha) e, às vezes, não entendo bem  porque certa decisões não são / ou são tomadas! Já não passou da hora de enquadrar os membros da PF, MP e do judiciário que todo dia desrespeitam as leis e a Constituição Federal? Aliás, só pra saber, já existe outra Constituição - e eu ainda não sei - ou ainda é a de 1988 que está vigorando?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador