Maria, por Urariano Mota

Por Urariano Mota

Para o Dia Internacional da Mulher, recorto um trecho do romance O Filho Renegado de Deus. 

Dona Maria era o que era, e com isso os homens queriam dizer que ela era a pessoa física apenas, carnes. Deste modo e maneiras eles a viam: mulher – e aqui vai um gênero e universo de entendimento bárbaro -, gorda, baixinha, mas com um aspecto, ar, que não devia ser o da sua condição. Viam como um contrassenso absoluto aquela pessoa, digo, aquela mulher gorda e baixa, que não se dava conta da sua espécie. Num tempo das divas glamorosas do cinema, num tempo de massacre da beleza anônima dos subúrbios, dona Maria não passava de “uma albacora”. Crua, essa palavra além da redução a um peixe, pois mulheres apenas se comiam e se tornar alimento era sua razão de ser, tal definição, difamação, amesquinhava-a numa coisa aquém do que entendiam o gênero feminino, pois era, além de mulher, gorda e baixinha, larga como as albacoras, que não eram uma dieta ideal para os comedores de carne bovina. Peixe gordo, congelado, a se comer apenas nas sextas-feiras santas, em sinal de penitência.

É curioso, no entanto, como as mulheres vizinhas possuíam de Maria outra visão. Elas a reconheciam como uma senhora decidida, solidária e resguardada de merecer piedade. Ela rejeitava, “me repugna”, como dizia, qualquer piedade para a sua condição. Mulher brava, de coragem e de raiva. Do gênero e da forma daqueles bravos a quem os fracos não temem, porque sabem que essa bravura se dirige somente contra o injusto mais forte. Lídia, a sua jovem comadre, dela falaria na lembrança em 2012: “Ela era uma mulher bonita, de rostinho redondo, com os olhos pequeninos, muito vivos. Para mim, era uma boneca índia”. E com os olhos rasos d’água se balançava na cadeira, como a lembrar em silêncio a injustiça que atravessa a vida de mulheres como Maria, uma injustiça que também era feita contra Lídia, depois de passar por fracassados casamentos. “Dona Maria era muito bonita, com os olhos miúdos, negrinhos”, repete. E cala, e embarga a voz. “Vocês não querem sapoti? Tá fresquinho”, oferece.

No filho de Maria dá uma brutal vontade de abraçar Lídia, de lhe dizer “eu compreendo os seus sapotis, eu compreendo a sua dor, eu sei da sua infelicidade, eu sei do que você não se queixa, do que a magoa, eu sei, amiga da minha mãe”. E mais, amarga como uma proposta e uma promessa que é uma formulação de princípio: “Eu não vou calar o seu mundo”. Ele sabe, e não diz nem a si mesmo, que revê em Lídia aquela mulher que se foi tão pletórica, vermelha, no vigor e sangue farto na altura dos seus 30 anos. Ah, é da sua natureza a reencarnação, ah, é do seu gênero, gênese e ser de transmigração, como se o espírito quisesse um novo corpo para uma vida que não foi possível.

Dói nele uma dorzinha doce e fina porque Lídia não é a sua mãe, mas por ela será capaz de a ouvir e de lhe falar. Com a intensidade aguda de um violino em uma romanza, naquela, ele sabe, guardada em silêncio, naquela maldita e fina romanza número 2 em fá maior. Porque tudo então lhe recorda a senhora gorda, albacora, brava e bonita como uma bonequinha índia. Para o filho, sempre como uma mulher toda e tão só ternura. Desde 1956, passando por 1957, 1958, os anos da sua terra de felicidade, ele a guardaria nos traços e feições. Uma guarda de modo inconsciente. Era um modo retrato, daqueles no porta-retratos, em que só aparecem definidas as linhas do rosto até o pescoço, o que era um modo geral dos porta-retratos, e ao mesmo tempo, em Maria, uma exclusão, pois lhe negavam a totalidade do corpo. Ele a veria, fortalecido na lembrança por aquele retrato, como o rosto da mulher brava que era só suavidade.

Também publicado no Diário de Pernambuco 

 

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Maria Luisa

- 2016-03-09 11:04:29

Muito bonito, Urariano

Dona Maria era uma Maria-Maria. Lidia também. Mas precisa lembrar que é preciso além de garra, ter graça às vezes, ainda que os olhares a fazem pensar que não tem. Possui sim. Todas têm. E todas essas mulheres bisnetas de escravos, de indios, que encarnam a periferia, os bairros populares e que, quase sempe, são elas que levam as familias nos ombros e os fazem atravessar de geração em geração.

Urariano Mota

- 2016-03-08 11:28:57

Salve, Luciano

Você está certo. Para e por todas as Marias. Grato.

lucianohortencio

- 2016-03-08 11:25:47

Maria Celeste

Amigo Urariano,

Estava pensando em publicar uma homenagem à cantora pernambucana MARIA CELESTE "A bonequinha do samba", porém por mais que procurasse nada achei sobre ela. Como estás a homenagear uma Maria, peço licença para prestar aqui homenagem  à sua conterrânea MARIA CELESTE, hoje praticamente uma desconhecida.

Estendo a homenagem a todas as Marias do mundo. Que todas as mulheres anônimas ou não, esquecidas ou lembradas sejam aqui homenageadas, hoje e em todos os dias do ano.

Abraço do uciano

[video:https://www.youtube.com/watch?v=TIXrI9bUIsQ]

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador