Cem anos depois, o caipira Jeca Tatu volta a dar as caras, por Isaías Dalle

da Fundação Perseu Abramo

Cem anos depois, o caipira Jeca Tatu volta a dar as caras

por Isaías Dalle

A figura do Jeca Tatu, sinônimo de atraso e de ausência de força vital e presença de espírito, está completando 100 anos de sua chegada ao grande público leitor. Em novembro de 1918, o autor Monteiro Lobato inseriu o conto “Urupês” em livro de mesmo nome. O texto já havia sido publicado como artigo (textão!) no diário O Estado de S. Paulo, em 1914, mas foi sua entrada no nascente mercado de livros publicados no Brasil que lhe consolidou a fama.

Lobato descreveu o Jeca Tatu como o caipira abandonado à própria sorte, vítima da fome que lhe parecia natural e imutável – exceto se ocorresse um lance de muita sorte ou divina intervenção – e prisioneiro de uma ignorância inamovível. Era um retrato do Brasil, ainda majoritariamente rural, que o escritor e jornalista atacava com mordacidade para ver se era possível tirá-lo do estupor.

Indisfarçável nessa fase da obra de Lobato uma inclinação a crenças eugenistas. Não declamadas com o estufar do peito ou com o prazer de quem se sente no direito de condenar o que julga inferior, mas essas crenças estão lá. Como estiveram presentes na campanha eleitoral deste 2018, cem mudanças de calendário depois, com a diferença de que atualmente veio embalada com a ideia, muitas vezes explícita, da hipótese de remoção (ou “varrição”) do outro como saída plausível.

A fome, a falta de saneamento básico, a completa distância de acompanhamento médico e, tristemente curioso, o mesmo desconhecimento dos rumos políticos de que sofria Jeca Tatu voltam a grassar, após breve período recente em que tentativa de superação dessas mazelas deixou de ser guiada pela tese que enxerga sofrimento e sofredor como um só e indelével fenômeno.

No seu ataque ao Jeca, o escritor nascido em Taubaté (SP) começa por ridicularizar a romantização do homem original brasileiro, à moda de José de Alencar, primeiro demonstrada na louvação do índio Peri e que naqueles idos de 1910, segundo acusa Lobato, era transferida para a figura do homem do campo numa representação de pureza e destemor, como se representações do atraso – tais como as queimadas atacadas em outro texto por Lobato – não existissem como obstáculo ao progresso e a uma possível emancipação. Essa idealização iria compor anos mais tarde o ideário do integralismo, em sua louvação das “origens” como amálgama do fascismo à brasileira.

“Seu grande cuidado é espremer todas as consequências da lei do menor esforço – e nisto vai longe”, descreve Lobato em seu conto, em contraponto ao “indianismo” heroico redivivo na crônica daquele tempo. A interiorização do destino trágico como algo normal ao Jeca é retratada pelo escritor a partir de hipotética banqueta dotada de três pernas que o pobre caipira reserva em sua casa de palha para os visitantes– já que o próprio Jeca não se senta em um, para isso bastam-lhes os calcanhares sobre os quais acocora-se: “Seus remotos avós não gozaram de maiores comodidades. Seus netos não meterão quarta perna ao banco. Para quê? Vive-se bem sem isso”.

No plano simbólico, o conto “Urupês” retrata o Jeca como supersticioso, avesso à política (salvo o voto quadrienal) e invejoso do vizinho mais próximo com ares de patrão bem sucedido.

Esse Jeca Tatu criado por Monteiro Lobato pode muito bem ser apropriado pelas narrativas tanto da esquerda quanto da direita. Esta, tradicionalmente, utilizou-se da mediocridade do caipira lobatiano para menosprezar nossas chances como nação, no que foi seguida por incautos caipiras de diversos matizes.

Lobato tinha 36 anos nessa época. Seu afã por um Brasil independente e desenvolvido evoluiu e transformou-se em ações práticas e campanhas de grande envergadura. A começar pela criação de uma editora 100% nacional, a partir de onde projetou seus livros como sucessos de venda inéditos até então. Sua intervenção mais conhecida foi a campanha O Petróleo é Nosso, que entre tropeços e sucessos redundou anos depois na criação da Petrobras.

Foi entusiasta da Revolução Russa e da campanha soviética contra os nazistas. Foi acusado de comunista pela igreja – na época, a hegemônica Igreja Católica – por conta de seu livro História do Mundo para Crianças, apontado como subversivo pelo padre Sales Brasil. Como preso político em 1941, sob o Estado Novo, no presídio Tiradentes, aprofundou seu conhecimento sobre comunismo com seus companheiros de prisão.

Resumiu assim o cenário político e social brasileiro: “A nossa ordem social é um enorme canteiro em que as classes privilegiadas são as flores e a imensa massa da maioria é apenas o esterco que engorda essas flores. Esterco doloroso e gemebundo. Nasci na classe privilegiada e nela vivi até hoje, mas o que vi da miséria silenciosa nos campos e nas cidades me força a repudiar uma ordem social que está contente com isso e arma-se até com armas celestes contra qualquer mudança.”

 

 

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Anarquista Lúcida

- 2018-11-30 17:26:36

2 casos q ajudam a esclarecer a questao do pretenso racismo dele

Um é um diálogo entre Pedrinho e D. Benta, nao me lembro mais em qual livro, talvez Hans Staden ou História do Mundo. Outro é um trecho de Cazuza, livro infantil de Viriato Correia, para comparaçao.

No diálogo Pedrinho pergunta a D. Benta qual era a raça superior. "_É a ariana, meu filho", responde ela. Mas ela continua: "Bem, pelo menos isso é o que dizem os historiadores, que sao todos arianos" (os trechos estao entre aspas, mas estou citando de memória, de modo que pode haver pequenas alteraçoes). E aí conta para Pedrinho uma fábula em que um leao, passando por uma aldeia, vê uma estátua de uns caçadores matando um leao. "Muito diferente seria essa estátua, pensou o leao, se os leoes fossem escultores". Isso é afirmaçao de racismo, ou questionamento do racismo? Acho que é mais um questionamento...

Compare-se com Viriato Correia. O Prof. Joao Câncio, o "legal", está fazendo um passeio com a turma, e vê um carroceiro batendo num burro. Faz um discurso indignado: (citaçao totalmente de memória, mas o espírito é esse) "O Brasil se fez no lombo do burro, etc, etc e tal". Menos de 15 páginas depois vêem um negro sendo maltratado. Discurso indignado novamente: "O Brasil se fez no lombo do negro, etc, etc e tal". O negro e o burro no mesmo pé de igualdade. Isso é combate ao racismo? Sei nao... Prefiro o jeito de Lobato.

Edgar Rocha

- 2018-11-29 22:24:51

Avé, avé, Evoé!

Lobato é um dos meus escritores favoritos. e um dos mais polêmicos. Ouvi todos os argumentos condenando sua eugenia, seu racismo, o menosprezo em relação aos negros. Não posso discordar. Apenas, espantar-me: que figura estranahamente rica é Monteiro Lobato: o mesmo que descrevia a velha e bondosa Tia Nastácia de forma tão cruel, escreveu "Negrinha", uma das denúncias mais contundentes contra desumanidade de nossas elites oriundas do colonialismo português. Um dos homens mais brilhantes da História deste país, comete posicionamentos indefensáveis, vez por outra. Um homem de seu tempo? Talvez. Um crítico ácido do mainstream acadêmico e sua miopia autoritária? Com toda propriedade, sim, eu diria.

É curioso que ele tenha se recusado a participar da Semana de Arte Moderna de 22. Talvez, por isto, prefiram mais realçar suas posturas datadas que seu humanismo atemporal.

De uma forma ou de outra, ninguém contribuiu mais para a cultura nacional que Lobato.

Anarquista Lúcida

- 2018-11-29 17:28:20

Uma correçao: Lobato nao foi impugnado pela ICAR só p/ 1 livro

Ele foi posto no Index Librorum Proibitorum, junto com Marx, Freud e Nietzsche. Por que? Ah, o divórcio da Emília (de um porquinho: a Igraja Católica nunca teve noçao de ridículo), a nudez em A Chave do Tamanho, e outros "crimes" parecidos. Seus livros foram queimados em escolas católicas. É inacreditável.

Fábio de Oliveira Ribeiro

- 2018-11-29 14:31:57

Aos 100 anos Jeca Tatu chega

Aos 100 anos Jeca Tatu chega à presidência disfarçado do mito Jair Bolsonaro. Mas a literatura fantástica de Lobato encontrou um caminho para a realidade quando a Carmen "Cuca" presidiu o STF. Há bem pouco tempo ela foi substituída pelo Visconde Dias Sabugosa.  

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador