Imprensa, massa e poder, por Luciano Martins Costa

do Observatório da Imprensa

Imprensa, massa e poder, por Luciano Martins Costa

Os jornais de terça-feira (10/3) procuram marcar a reação de moradores de algumas cidades do Sul e do Sudeste à aparição da presidente Dilma Rousseff na televisão, na noite de domingo (9/3), como um divisor de águas no embate político que convulsiona as instituições da República. Numa curiosa unanimidade, como se os três principais diários de circulação nacional fossem editados numa mesma sala, o evento é apresentado como o ponto de inflexão a partir do qual se institucionaliza um novo momento no longo processo de desgaste promovido pela imprensa.

As edições dos jornais seguem uma linha proposta pelos principais noticiosos da TV na noite anterior, quando o protesto foi tratado como uma reação espontânea de parte da população ao conteúdo do discurso presidencial, principalmente ao fato de a presidente da República ter pedido “paciência” pelas medidas econômicas que estão sendo adotadas.Acontece que o barulho nas janelas eclodiu antes que ela começasse a falar, ou seja, as pessoas que se manifestaram nem ficaram conhecendo o teor do discurso.

Mas não se pode dizer que a imprensa brasileira é incoerente. O que explica essa aparente contradição é a linha adotada agora por todos os jornais e vocalizada por alguns representantes da oposição: trata-se de promover o desgaste contínuo da imagem da presidente, impedindo que governe – mas com o cuidado de evitar que o governo fique paralisado.

Leia também:  O processo de esvaziamento da Lava Jato: entrevista com o juiz Marcus Alan

Até mesmo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi alistado entre os porta-vozes dedicados a manter a pressão sob controle. Em discurso e entrevista, ele afirma que os atores políticos vão tomar a frente do movimento que eclodiu nas redes sociais, estimulado pela mídia.

Em suma, o que dizem os diários nas entrelinhas é que a oposição viu no bater de panelas e nos xingamentos uma oportunidade de liderar o protesto nas cidades e nas classes sociais onde a presidente teve menos votos, para transformar esse descontentamento regional e classista em um movimento de caráter nacional.

Essa é a possibilidade que os conselheiros de comunicação da presidente da República não viram, quando recomendaram que ela fosse à TV pedir a compreensão da sociedade para as medidas de correção na economia.Os assessores da presidente ainda acham que esse embate se dá no campo da razão.

O impulso de destruição

O que está em curso é uma velha lição ditada em 1960 pelo ensaísta Elias Canetti: a boa condução do rebanho consiste em mantê-lo em marcha na direção e velocidade desejadas, sem permitir que iniciativas individuais retardem ou atrapalhem a caminhada.

As vaias e o barulho das panelas indicam que o núcleo dos descontentes está maduro para sair de casa e engrossar a manifestação marcada para o dia 15/3, mas os líderes da oposição e a imprensa estão de olho naquilo que Canetti chamou de “descarga” e “impulso de destruição”.

O que unificou os cidadãos de renda elevada, na noite de domingo, foi a imagem da presidente Dilma Rousseff na televisão, não seu discurso. O que os jornais tentam fazer, dois dias depois, é uma racionalização da descarga de irracionalidade – processo que unifica os componentes dessa massa que são, por sua natureza, extremamente individualistas. Analisar os pontos do discurso, como fazem alguns jornalistas, é parte do processo de legitimação do que vem em seguida: o impulso de destruição.

Leia também:  O processo de esvaziamento da Lava Jato: entrevista com o juiz Marcus Alan

A oposição busca o poder político, a imprensa busca o poder econômico por meio da política.Para fazer funcionar sua estratégia de conquistar o que não obtiveram nas urnas, a oposição e a imprensa precisam que a pressão social alcance todas as regiões do país, ou pelo menos a maioria das capitais. Mas não podem permitir que o movimento saia de controle, ou seja, é preciso criar as condições para a eclosão da descarga, mas estabelecer a priori um limite para a ação.

Por quê? Simplesmente porque a massa não pode ser controlada no impulso de destruição.

Para obter um consenso mínimo, a aliança liderada pela imprensa precisa cooptar a classe média emergente nos bairros que não aderiram ao protesto – ou garantir que as maiorias permaneçam silenciosas. Não é por outra razão que os jornais tratam de avalizar algumas lideranças de movimentos que, até a véspera, só existiam no ambiente virtual das redes digitais – entre eles um menino de 19 anos que mal consegue articular duas frases com sentido completo.

O principal entre os muitos erros do governo nesse embate é considerar que a razão pode predominar no ambiente comunicacional envenenado e radicalizado pelas grandes corporações de mídia.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

35 comentários

  1. De uma coisa tenho certeza:

    De uma coisa tenho certeza: não deixaremos a mídia paulista com seus corruptos, traidores e esfoliadores desse país  assaltarem nosso país novamente. SP sempre levou tudo para seu estado, nunca cogitou a possibilidade de divisão. Fora do poder federal, não podendo assaltar os cofres federais, mas só de sp e pr de sp queestão ninguando sem o asslato habital do que pertencia ao país, estão desesperados pois tem que pagar seus financiadores.  Eles, governos psdbistas paulistas e tais, não vivem sem o assalto aos cofres da nação. Nunca mais o voto deixará sp usufrur sozinho o que é, por direito, da nação inteira.

    • sp assalta o governo?

      explica netão pq só recebe de retorno 10% do que paga de impostos, enquanto estados do nordeste pouco produzem e recebem bem mais de verba federal??

      • Já passou pela sua cabeça que

        Já passou pela sua cabeça que SP teve de tudo pra crescer e agora, já grande, o governo resolveu fazer o mesmo com o Norte e Nordeste?

        Quanto SP já “sugou” dos outros estados? Então agora é hora de contribuir um pouco. 

    • Tendo que ir a São Paulo, fui


      Tendo que ir a São Paulo, fui pela manhã e voltei à noite, graças a Deus, e o que é que me ocorreu .O avião posou,  desci em Guarulhos e qual não foi a minha preocupação? não havia levado o passaporte!! Ainda bem que a minha alucinação passou rápido e eu tive que para um trecho pequeno circular de taxi por uma hora e meia e verificar como aquele estado tenta se identificar com Nova York com seus altos edifícios.

  2. Tanto Lula quanto Dilma nunca

    Tanto Lula quanto Dilma nunca deram ouvidos aos gritos de “Ley de Medios!” dos mais atentos ao golpismo da mídia e conscientes do seu poder de manipulação da massa de analfabetos políticos da classe média. Agora não tem mais jeito: ou esta gente é confrontada abertamente e de maneira pesada, ou eles continuarão a tocar a manada a seu bel prazer. PSDB e o resto da oposição não são nada, não passam de çpaus manddos. Quem faz todo o serviço é a mídia golpista.

    • Uma lei dessas só serviria

      Uma lei dessas só serviria para dar mais combustível aos argumentos de controle, censura, cerceamento das liberdades. É gasolina no fogo deles.

      Reclamar da imprensa seguir com seu papel centenário é inútil. Fazem hoje exatamene o que fazian nos anos  50 e 60. Nem nisso inovam.

      Mas onde está o contraponto? Não falo de blogs e sites auto-descritos como progressistas que ninguém lê, além dos já convertidos. Mas sim de veículos de masas que se falem ao grande público, que atraiam este público e forneçam o espaço para apresentar o outro lado. Não adianta falar que p futuro é digital, é a internet, etc. Ainda estamo no presente. São necessários canais de TV, rádios e um portal de notícias como o das grandes empresas (uol, globo, ig, etc). E que tem que falar na mesma linguagem e no mesmo estilo dos veículos tradicionais.

       

      Não sei quem faria isso ou como. Se soubesse estava  lá ajudando. Mas sem criar estes espaços, a batalha da informação vai ser sempre perdida.

       

       

       

       

      • Não tem mais jeito. Com Ley

        Não tem mais jeito. Com Ley de Medios, com requisição de rede de TV logo após o JN para desmentir e esclarecer, com corte de verbas publicitárias, colocando a Receita e a ABIN escarafunchando a vida desta gente….  Qualquer coisa que se faz, a mídia golpista dá um jeito de criticar e atacar o governo, portanto se é pra levar a “culpa” sendo inocente, o melhor é partir pra cima de uma vez. Chega.

        • “se é pra levar a “culpa”

          “se é pra levar a “culpa” sendo inocente, o melhor é partir pra cima de uma vez”.

          Isso mesmo. Dilma pode ser a melhor presidenta do mundo que nada vai mudar sua imagem. Melhor partir de vez pra cima logo. 

  3. certo e errado.
    A logica esta certa a sua tatica esta errada.
    A forcas opostas estao centrada nao mais no PT ou Dilma!
    Ja existe um vacuo.
    Estao isolados e travados, seja politicamente e economico.
    A queda tem de ser politica. Da politica do PMDB.
    A oposicao e a midia jah tem a corda no pescoco do PMDB.
    O problema que eles tambem nao tem um grupo e lider.
    questao agora de tempo.
    antes ou depois das ruas
    esta eh a questao.
    E vai conseguir somente se a fronteira da Internet continuar dar espacos e continuar sem argumentos para sustentar combate da midia e oposicao nesta luta de informacoes.
    Este discurso e plano economico jogou a classe pobre na luta e na rua.
    A rua esta na internete, o panelaco foi simplesmente a queima antecipada.

  4. A crasse mérdia adora comer

    A crasse mérdia adora comer fora, encomendar pizza ou descongelar alimentos industrializados em micro-ondas. Os remediados nunca sentiram e nunca sentirão fome, bateram panelas que não usam e cometeram um ato falho: imitaram o povo que eles odeiam e do qual querem sempre se distanciar Se fossem autênticos os invejosos que odeiam Dilma Rousseff bateriam embalagens de comidas congeladas. Caso realmente fossem refinados bateriam latinhas de Caviar Beluga! Ha, ha, ha…  A imprensa não notou o ato falho, assim como não notou o silêncio nos condomínios de classe média baixa e de classe baixa. No meu em Osasco SP, que tem dezenas de prédios de apartamentos, ninguém saiu na sacada para bater panelas. E olhe que lá onde eu moro as panelas são usadas e se fossem batidas provavelmente a causa seria a falta de água “made in PSDB”. 

    • Esqueçam destes caras. Mal

      Esqueçam destes caras. Mal servem como símbolo do adversário.

       

      Ao invés de nos preocuparmos com a classe média alta que foi usada como massa de manobra neste domingo (como foi nos anos 60), seria melhor ganhar a consiência dos trabalhadores que já entraram nesta ciranda desde 2013.

       

      A classe média ae média alta não tem votos para muito. Mas as pessoas que vaiaram a Dilma esta manhã tem. 

      Quando aqueles que são supostamente os mais beneficiados pelo grupo que está no governo estão agindo assim, temos problemas. É aí que o foco tem que estar.

  5. A saída é se comunicar todos

    A saída é se comunicar todos os dias. Quanto mais, melhor. Isso mina a força do inimigo que só surgiu porque Dilma estava simplesmente sumida da mídia.

  6. Todas as forças contrárias ao
    Todas as forças contrárias ao Governo estão estrategicamente alinhadas para atingir o objetivo de derrubar o PT e impedi-lo de voltar novamente ao poder. Isso inclui mídia, que é a maior força de influência, agentes econômicos, políticos da oposição e uma grande parte da população. O risco maior é que a maioria da população insatisfeita com o governo reside nos grandes centros urbanos, por isso tem potencial de agrupar grandes manifestações de pessoas em atos contra o governo, enquanto os que apoiam estarão dispersos pelas regiões menos densamente povoadas.
    Do outro lado, o governo com as forças dispersas e até mesmo contrárias.
    Respeito a biografia da Dilma, acredito que ela tem uma experiência de vida que nunca passarei e que tem seus motivos para agir da forma que age. A respeito mesmo que não compreenda o seu modo de agir. Mas tem momentos que fico desanimado e chega até a pensar que o Princípio de Peter se aplica a ela também.

  7. Lembremos o que a Profa.
    Lembremos o que a Profa. Chauí disse “a classe media é uma abominação cognitiva”
    Não é com elas que temos que dialogar. Tomos que fazer uma intervenção política com conteúdo classista numa perspectiva da classe trabalhadora. O coxinhas querem parar o Brasil . Como. Fazendo boicote, simplesmente impedindo as pessoas , no entanto que para o Brasil pare somente a classe trabalhadora do chão de fábrica, ou aquele que trabalha 8 horas mo escritório. São esses que temos que fazer políticaQuanto as coxinhas eles irão sempre encher o ……

  8. “… a maioria permaneça

    “… a maioria permaneça calada…”

    Acho que este é um grande equivoco de observação da maioria dos jornalistas que estão engajados contra esse neo-facismo, contra essa manipulação da grande mídia.

    Se essa maioria resolver tomar partido ao menos aqui em São Paulo, o fará pelo viés mais reacionário. Tenho a impressão de que o bom jornalismo se esquece de que “esta maioria” está, há gerações, exposta à grande mídia e sendo informada e formada por ela.

     

    Muito bom o texto.

  9. O que mudou?
    Há cinco meses,

    O que mudou?

    Há cinco meses, o PT ganhou as eleições para presidente da república.

    De lá para cá, criou-se um clima de pânico absolutamente injustificado.

    Aliás, começou a se criar esse clima até antes das eleições, com o discurso completamente equivocado de que haveria fraude eleitoral – que levou muitas pessoa a jogarem a toalha e desistirem de fazer campanha e de votar.

    Vitorioso o nosso lado, começou imediatamente a novela da impugnação das contas de campanha. Um aspecto absolutamente secundário do processo eleitoral, que jamais impediu a posse de nenhum candidato eleito, foi transformado numa certeza de golpe, que inclusive envolveria dois ministros do STF.

    Empossada a presidente, como necessariamente teria de ser, começa a novela do impeachment. Sem fato gerador, sem movimento popular para isso. É quase como se tivesse que dar errado, senão as pessoas não ficam satisfeitas.

    No processo, as instituições de que depende a estabilidade pública são permanentemente achincalhadas. STF, MPF, Ministério da Justiça, mesmo a reputação de indivíduos (Teori Zavaski, Dias Tóffoli, José Eduardo Cardoso, Aluísio Mercadante, Rodrigo Janot) são diariamente agredidos e dados como incompetentes, desidiosos ou cúmplices de golpes imaginários. E a própria presidente da República, que teoricamente se quer defender do suposto golpe, é atacada sem descanso. Incompetente, autoritária, incapaz de dialogar, inflexível, sem jogo de cintura, ingênua, burra, não há adjetivo que não seja lançado, da forma mais irresponsável, contra a primeira mandatária.

    Chegamos ao ponto em que, para combater um impeachment que não tem nenhuma viabilidade jurídica, agora levantamos a inacreditável consigna de que “incompetência não é motivo para impeachment”!

    Ora, incompetência certamente não é motivo para impeachment, mas é obviamente motivo para luta política acirrada contra qualquer governante. E é precisamente isso que a direita está fazendo: luta política contra o governo.

    Mas em que se sustenta essa afirmação da direita, que nós agora estupidamente endossamos, de que a nossa presidente é incompetente? Como, durante quatro anos de governo, não foi notado que ela era incompetente? Ou ela se tornou incompetente de repente, da noite para o dia?

    Ou bem essa afirmação inacreditável é apenas isso, inacreditável – e falsa – ou o que mudou foram as circunstâncias externas em que o mandato tem de atuar. Há talvez uma crise econômica, aumento do desemprego, descontrole da inflação, crise das contas externas, aumento da dívida, aumento da inadimplência? Onde? Quais são os números? E, se há, quais os limites da “governabilidade” da presidência da república sobre tal crise? Li aqui, espantado, que se Dilma começar a acertar, a economia volta a crescer. Semelhante coisa não existe; a China não vai passar a comprar mais commodities brasileiras de acordo com os humores de Dilma Roussef, o preço do petróleo não vai baixar ou subir se ela encontrar a maneira certa de lidar com Renan Calheiros.

    Este é um momento em que temos que decidir se o governo que temos é o governo que queremos, ou se vale a pena engrossar o coro dos que querem derrotá-lo. E isso com a clareza de qual é a alternativa real colocada hoje, ou seja, um governo do PSDB em aliança com o PMDB (por que sem essa aliança o PSDB não governa). Sem ilusões a respeito de Luciana Genro ou Marina Silva, sem ilusões a respeito de um milagroso Lula na casa civil, sem delírios de grandeza a respeito da capacidade do Brasil de se isolar da crise econômica mundial.

    Enfim: de que lado estamos? Com o projeto de redistribuição de renda deste governo, ainda que isso nos custe dificuldades no fechamento das contas governamentais, ou com o projeto derrotado em outubro passado, de fechar as contas do governo, ainda que custe o acirramento da desigualdade social, a reintrodução de doenças erradicadas, a volta da fome e da seca, o recrudescimento do analfabetismo?

    •  Excelente comentário !!  

       Excelente comentário !!   Acho que já podemos fechar este blablabla, né ?

      Por este comentário, te dou 5 estrêlas, mas se pudesse daria 10 .

       

       Abraços !!

    • O que mudou?
       

      Em VC e outros se questionarem em 5 meses! Depois de anos do governo PT!

      “de que lado estamos?”

      ou mais serio ainda!!!

      “Este é um momento em que temos que decidir se o governo que temos é o governo que queremos, ou se vale a pena engrossar o coro dos que querem derrotá-lo” 

      não vou por ai!

      A velha guarda meu caro, lutou muito contra a não liberdade, contra a inflação e planos econômicos e sociais que nunca aconteceu!

      Amigo se for preciso a velha guarda ainda volta as ruas e a luta!

      A mídia e a oposição tem que fazer bem efeito pq não vai ser facilzinho não!!!

      A velha guarda volta!

       

      • Eu tenho 57 anos, e sou

        Eu tenho 57 anos, e sou filiado ao PT desde 1985. Acho que me qualifico como “velha guarda”.

        O clima aqui neste blog é de desistência de qualquer tentativa de resistir às manobras da direita. Tudo que o governo faz é errado, e tudo que o governo não faz é ainda mais errado.

        Nunca vi gente incapaz de lutar com palavras ser capaz de lutar com armas – e este blog está, deliberadamente ou não, desarmando as pessoas no campo das ideias; não vai ser aqui que vai se organizar qualquer tipo de resistência mais séria.

    • Aplausos!!

      Muito bom Luis Henrique,

       

      E já deu também a cantilena repetida exaustivamente que o PT e o governo tem problemas de comunicação…e toma a jogar pedras.

      Caraco! Quem tem problemas de comunicação somos nós, povo. Com uma imprensa canalha destas que distorce, manipula, esconde, acoberta, mente…  como ter uma comunicação efetiva?

      Esses pulhas nem deixam o governo respirar.

       

    • excelente comentário, luis

      excelente comentário, luis henrique.

      reflete os meus sentimentos há um bom tempo. 

      sinceramente, gostaria de ter esrito isso.

      valeu.,

      merecia ser elevado a post.

      lavou a minha lama, cara.

      parabéns…..

    • O governo precisa entender

      O governo precisa entender que esta é fundamentalmente uma guerra de informação. Faz-se necessário para a oposição direcionar todo o descontentamento possível na figura pessoal da presidenta, para demonizá-la. Para a oposição não adianta mais a esta altura da guerra atacar o governo em si, porque atacar o governo impessoaliza  e dilui a necessária concentração de ódio para mobilizar seu exército de descontentes.

      A pecha de incompetente vem sendo afirmada e reafirmada miríades de vezes em comentários de notícias e outros programas de TV, sempre sem qualquer forma de resposta ou contra-ataque do governo que tenha se mostrado eficiente. Agora, o governo não vai se sentir atingido, enquanto demonizam sua cabeça? O problema é com ela, não é mais com nenhum de seus ministros?

      O problema energético, por exemplo, é talvez o setor de onde a oposição e sua mídia (ou a mídia e sua oposição) mais plantaram sementes de perfídia que aos poucos resultaram nesta vasta seara de convicção de que o governo é incompetente.

      A frase “falta de planejamento” foi repetida até tornar-se verdade irretocável, quando o governo deveria ter tido ciência de cada uma destas vezes e nada deveria ter deixado sem resposta, jamais.

      Isto, como sugere o artigo, forneceu de fato, na real, uma forte base supostamente racional para o irracional crescimento do ódio contra a presidente e para tentar engrossar a sopa dos futuros movimentos de rua da classe média meia alta. Medalhas devem ser dadas a indivíduos midiáticos responsáveis por isto, como Miriam Leitão e Adriano Pires.  E isto foi seguido de afirmações de que o governo usou os preços da tarifa de modo irresponsável para fins eleitoreiros, e também de que nem todo o país está coberto eficientemente pelo abastecimento de energia e agora por último, prepara-se o ataque contra a usina de Belo Monte para desmontá-la com picaretas de moralidade, ataque este a cargo do caçador de corruptos, o maringaense doutor Moro.

      Há uma guerrinha política sim, levada por pequenos seres políticos brasileiros, uma esquadrilha de abutres que se empoleira diante do gordo país à espera de despojos para se banquetear. Mas o objetivo principal do Grande Adversário Oculto está em destruir as forças o arcabouço institucional do país, acabar com sua soberania e seu orgulho, levá-lo a não ter mais capacidade de comandar seu próprio corpo, sua carne, seus imensos recursos, que então serão devorados tranquilamente pelos leões e pelas hienas globais. É por isso que tem que ser montada para ontem uma forma de destruir as mentiras da mídia que se transformaram em verdade, pelo menos para um exército de coxinhas que ameaça se transformar em um exército de zumbis destruidores. Vamos encontrar esta forma, nada é impossível, vamos libertar nossos coxinhas da escravidão psicológica a que estão submetidos e vamos, por fim, dar sequência à maravilhosa aventura de um país brasileiro em sua marcha firme para a democracia plena e o pleno desenvolvimento.

  10. ótimo artigo…
    e alerta

    ótimo artigo…

    e alerta para, na minha opinião, a loucura desse golpismo,

    a desrazão, que pode levar a uma tragedia,

    pois não se sabe no que vai dar….

  11. É………………

    É a luta pelo poder politico e economico dos que perderam o poder nestes 12 anos!!!

    Os otários, manipulados, lobotomizados, insatisfeito sem saberem até porque, sempre estarão disponíveis como massa de manobra.

    Culpa de quem ? De quem nestes 12 anos não regulamentou o que dispoe a CF sobre o monopólio da midia.

    É a realidade pulsante : Quem não faz, leva !!!!!!!!!!!!!!!!

     

  12. O PT não se comunica e se estrumbica.

    Onde está a comunicação do PT, para mostrar, demonstrar e comparar as crises dos governos anteriores com a última “crise” fabricada pelo PIG. Vias urbanas, suburbanas, rodovias congestionadas durante toda semana como uma frota de veículos novos. Aeroportos congestionados. Restaurantes cheios e no fim de semana com filas. Shopping Center lotados, Supermercados com longas filas nos caixas. Lojas de material de construção vendendo como nunca.  

  13.  
     
    … O poder de os

     

     

    … O poder de os golpistas tirarem a toga!… ######################### Página de Dilma na Wikipédia é modificada por computador do STF Terça, 10 de Março de 2015 – 21:15 A página dedicada à presidente Dilma Rousseff na Wikipédia foi alterada nesta terça-feira (10). De acordo com a Folha, a mudança foi feita a partir de um computador do Supremo Tribunal Federal (STF) e sugere que o mandato de Dilma irá se encerrar esse ano. Além disse, o artido prevê que a mandatária será sucedida pelo vice-presidente Michel Temer (PMDB). Apesar de o IP que fez a mudança no perfil de Dilma, número 201.49.159.68, pertencer ao STF segundo a própria Wikipédia, há sites especializados de localização que atribuem o registro ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Assim como o STF, o TRF da 1ª Região é sediado em Brasília. FONTE: http://www.bahianoticias.com.br/estadao/noticia/67213-pagina-de-dilma-na-wikipedia-e-modificada-por-computador-do-stf.html

  14.  
    … E o poder [capcioso] de

     

    … E o poder [capcioso] de “sangrar as mentiras”!…

     

    #############

     

    PML: APARECE A FACE OCULTA DE PEDRO BARUSCO

    O depoimento de Pedro Barusco à CPI da Petrobras foi marcado por um “vergonhoso golpe baixo” quando o deputado Vitor Lippi (PSDB-SP) perguntou se ele tinha “medo de acabar como Celso Daniel”; “Medo eu tenho, né? Mas vou fazer o quê?”, foi a resposta do ex-gerente da Petrobras; para o colunista do 247 Paulo Moreira Leite, a insinuação tinha como direção certa atingir o PT, que na época do crime foi acusado de envolvimento do assassinato do prefeito de Santo André; “A lembrança a Celso Daniel cumpriu uma função dramática, porém. Foi uma tentativa de livrar Pedro Barusco de uma situação difícil — a do corrupto arrependido que tenta salvar a pele como delator — dando-lhe uma posição de vítima num momento em que seu depoimento se encontrava em situação delicada”, analisa

    10 DE MARÇO DE 2015 ÀS 18:17

    (…)

    FONTE: http://paulomoreiraleite.com/2015/03/10/face-oculta-de-barusco-apareceu/

    e aqui:

    http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/172753/PML-Aparece-a-face-oculta-de-Pedro-Barusco.htm

  15. Artigo capcioso – não passa batido nunca

    O autor escreveu:

    “A oposição busca o poder político, a imprensa busca o poder econômico por meio da política.Para fazer funcionar sua estratégia de conquistar o que não obtiveram nas urnas, a oposição e a imprensa precisam que a pressão social alcance todas as regiões do país, ou pelo menos a maioria das capitais. Mas não podem permitir que o movimento saia de controle, ou seja, é preciso criar as condições para a eclosão da descarga, mas estabelecer a priori um limite para a ação.”

    Caro Luciano, quem detêm o poder econômico e político no Brasil é uma elite que controla as finanças brasileiras e internacionais, bem como o dinheiro e a moeda que usamos aqui.

    Tanto oposição como a imprensa lutam por migalhas e se contentam com pouco.

    Dai que não têm autorização do poder de fato aqui estabelecido para destruir o povo e a nação, nem produzir um caos devastador de nossas instituições e da população.

    O poder quer continuar com seus privilégios odiosos, sem mais nem menos.

  16.  
    ACREDITE SE QUISER!:Até a

     

    ACREDITE SE QUISER!:

    Até a ‘Folha de São Paulo’ “já está furando as barrigadas dos fascigolpistas”!

    ENTENDA

    ############################

    Delatores apresentaram versões contraditórias sobre políticos

    MARIO CESAR CARVALHO
    ENVIADO A CURITIBA
    FLÁVIO FERREIRA
    DE SÃO PAULO

    10/03/2015 21p8

    Levou ou não levou propina? Essa dúvida persegue cinco dos políticos investigados pela Operação Lava Jato por causa de contradições nos depoimentos de dois delatores do caso. Os investigados são os senadores Edison Lobão (PMDB-MA), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB-MA) e o ex-ministro Antonio Palocci (PT).
    O ex-diretor Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef, que se tornaram delatores para obter uma pena menor, apresentaram versões contraditórias sobre suposto o suborno entregue aos cinco.
    Enquanto Costa cita em depoimentos prestados após acordo de delação premiada que eles receberam propina do esquema de desvios da Petrobras, o doleiro rebate que não fez esses repasses.
    Ao perceber o descompasso entre as versões, os procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Brasília chegaram a colher novos depoimentos dos delatores.
    (…)
    Youssef nega os dois fatos: a versão de que fora procurador por Palocci e a entrega dos valores.
    Os procuradores que cuidam dos inquéritos de políticos já cogitam uma acareação entre Costa e Youssef para dirimir as divergências.
    “O Palocci entrou gratuitamente nessa história”, diz o advogado José Roberto Batochio, que defende o ex-ministro. Segundo ele, Palocci nunca conversou com o Costa ou o Youssef sobre assunto de qualquer natureza.

    (…)

    FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/03/1601041-delatores-apresentaram-versoes-contraditorias-sobre-politicos.shtml

  17. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome