Manifestações pela Lava Jato e sem repressão policial ocupam 200 cidades

Manifestação em defesa da Lava Jato reúne milhares de pessoas na Esplanada dos Ministérios
 
Jornal GGN – As manifestações em defesa da Operação Lava Jato e contra o projeto de medidas anticorrupção, aprovado com alterações na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (30), reuniram milhares de pessoas por cerca de 200 cidades do Brasil.
 
Convocados pelo movimento Vem Pra Rua, o mesmo que mobilizou a população a favor do impeachment contra Dilma Rouseff, apesar das críticas contra as mudanças propostas pela Câmara, aprovada na calada da noite na madrugada do dia 30, o teor dos atos também inclui nas miras o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), autor de um projeto contra Abuso de Autoridade, que apesar de semelhanças, não apresenta riscos a investigações que não pratiquem abusos.
 
                    
 
Leia mais: 
 
São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Pará, Amazonas e Distrito Federal foram alguns dos estados que receberam as manifestações. Acompanhe um balanço feito pela Agência Brasil:
 

Com a segurança reforçada, milhares de pessoas vestidas de verde e amarelo e com a bandeiras do Brasil se reuniram hoje (4) em cerca de 200 cidades, entre elas Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. O protesto é em defesa da Operação Lava Jato e contra o pacote de medidas anticorrupção aprovado com modificações pela Câmara dos Deputados na madrugada do dia 30 de novembro. 

Leia também:  MPF abre investigação penal sobre procurador Paludo, da Lava Jato

Segundo a Polícia Militar do Distrito Federal, na Esplanada dos Ministérios até as 11h15 entre 4 e 5 mil pessoas participavam pacificamente do protesto, previsto para ser encerrado às 13h. Para os organizadores, são mais 15 mil manifestantes. Os eventos ocorrem também em pelo menos 200 cidades do país em horários diferentes. Entre os movimentos que convocaram os protestos, estão o Vem pra Rua e o Avança Brasil. Em conjunto, as forças de segurança pública e os líderes dos movimentos estimam a presença de 15 mil a 20 mil pessoas na Capital Federal.

As manifestações estão permitidas apenas no gramado da Esplanada dos Ministérios, a partir da Catedral de Brasília até a Avenida das Bandeiras, mas alguns manifestantes conseguiram chegar próximo ao espelho d’água do Congresso Nacional, onde espalharam desenhos de ratos, simbolizando, segundo eles, os políticos.

Trânsito

Desde as primeiras horas da manhã, estão restritos o acesso à área da Praça dos Três Poderes, onde fica o Palácio do Planalto, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal, além dos ministérios da Justiça e das Relações Exteriores. O trânsito foi interrompido a partir da Rodoviária. O acesso as vias N1 e S1, atrás dos Ministérios, também foi proibido.

A Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social do Distrito Federal montou um forte esquema de segurança e retomou as revistas na Esplanada, após os incidentes do último dia 29, durante os protestos contra a PEC dos Gastos, quando houve confronto entre manifestantes e policiais.

efetivo de policiais militares é de 1,5 mil homens, conforme informou antes das manifestações o Governo do Distrito Federal (GDF). O esquema conta ainda com agentes do Detran e bombeiros. A Polícia Civil informou que todos os departamentos estarão em funcionamento. A 5ª Delegacia de Polícia (DP) teve o plantão reforçado e, se necessário, a 1ª DP também vai receber ocorrências, além do Departamento de Polícia Especializada.

Leia também:  A Revolta Latina, a crise americana e o desafio progressista, por José Luís Fiori

As forças de segurança orientaram os manifestantes a não cobrir o rosto, não usar guarda-chuva (se chover utilizar capa), não portar objetos cortantes ou garrafas de vidro. É recomendado ainda ter um documento de identificação e evitar celulares e objetos de valor. A polícia pede também que se foram identificados grupos com intenção de tumultuar os protestos que as autoridades sejam informadas.

A maioria dos manifestantes portava faixas contra o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL)  e cartazes com frases como “Somos todos Sérgio Moro”, “Fora Corrupção”, “Estamos de olho: a Lava Jato não será sabotada”, “Fim do foro privilegiado” e “Pressa do julgamento de políticos no STF”.

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, centenas de pessoas se aglomeraram nos cerca de 800 metros que separam os postos 4 e 5 da Praia de Copacabana, em manifestações contra a decisão da Câmara dos Deputados de aprovar, com alterações, a proposta de emenda à Constituição (PEC), de autoria popular e que reuniu 2,5 milhões de assinaturas, com 10 medidas de combate à corrupção.

O protesto na cidade atendeu convocação do Movimento Vem pra Rua, Associação dos Magistrados do Rio de Janeiro (Amaerj) e Associação do Ministério Público do Estado (Amperj). Na avaliação dessas entidades, “a manifestação é uma oportunidade para que todos se juntem contra  a responsabilização criminal de juízes e membros do Ministério Público”.

Durante o ato, centralizado nas ruas Miguel Lemos, Xavier da Silveira, Bolívar e Barão de Ipanema, os manifestantes gritavam palavras de ordem e osgtentavam slogans em cartazes e bandeiras, entre eles “Diga não a esse absurdo. O que o povo pedia? Prisão aos corruptos! O que eles entregaram? Prisão a juízes e promotores”, “Podem até calar a Justiça, mas não podem calar a voz do povo”, além de palavras de ordem como “Fora Renan”, “Fora Maia” e “Viva Moro” e “Viva Marcelo Bretas”, em alusão aos juízes que iniciou a Lava Jata e determinou a prisão do ex-governador Sérgio Cabral. 

Leia também:  Grupo Prerrogativas repudia tal Estado que quer licença para matar

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

19 comentários

  1. Esses patos,que são

    Esses patos,que são responsaveis por terem colocado essa quadrilha no poder,pedem fora renam,mas não pedem o fora temer,como se ele,não fosse o responsavel por essa lei.Ou os idiotas ja esqueceram do juca” vamos estancar essa sangria”.

  2. É a galera de desocupados

    É a galera de desocupados demotucanos que, por inércia e falta do que fazer, continuam protestando contra qualquer coisa que não seja golpista. Recebemos convite duns maçons aqui da vila… uns bóstas, diga-se de passagem.

  3. Os amarelinhos

    Ah os amarelinhos ! Não aprenderão jamais, que estão sempre do lado errado. Como eu gostaria de ouví-los, se fizessem a mesma coisa com seu adorado partido que está vendendo nosso país.

    Deveriam é pedir p/ o SUPER MORO  investigá-los tb. Esta seria uma grande bandeira.

  4. É a audiência global da novela das 8 que este país virou

    São os (de)formados, drogados e intoxicados pelas doses diárias de (des)informação tóxica e indução emocional.

    Se Goebbels movimentou milhões em espetáculos “cívicos” na desenvolvida Alemanha, por que uma míRdia com dinheiro e tecnologia do século 21 controlando redes de redes não o conseguiria em um país atrasado, némêz?

    Pitadas de cannabis, digo Ana Maria Tomate pela manhã, outra dominical de coca, digo Faustão, mais várias de crack, digo Galvões no protagonismo do “mens (in)sana in corpore sano”, heroína na veia , digo JN, Mau Dia Br, Globonews e seus comerdaristas por toda a semana, o ópio, digo jornais e revistas diários, semanais e mensais, mais o boa noite cinderela digo, conjunção “BV” das agências de propaganda, RP e demais congêneres, traficando drogas digo, notícias e valores controlando 99% do mercado de (des)informação e indução de emoção e comoção, chegamos “nisto tudo que está aí”.

    Muita emoção, “indignação” e enorme desinformação. Não percam os próximos capítulos desta trama chamada Brazil.

  5. Qual manifestação, mesmo?

    Não percam neste momento a programação cômica na TV chamada “como transformar o nada em alguma coisa”. Assistam a Globo!!! Os ngraçadíssimoss jornalistas estão fazendo um contorcionismo lógico-matemático, além de truques de ilusionismo para dizer que as manifestações foram um sucesso…

    No dia 27/11, domingo passado, houve uma passeata contra a PEC 55 que fehou a Consolação da Paulista até a Praça Roosevelt. No mínimo 60 mil pessoas, mas isso não saiu na imprensa.

     

  6. acho que entendo esses amarelinhos…

    testados e aprovados pela TV, na determinação do QI, com um brinquedo de neném

    impressionante como não mudarm nada com o passar do tempo

    até os nenéns superam

  7. nada contra, pois trazem oportunidades raras…

    de se provar que quando forçamos a razão ceder lugar à emoção, só estamos fazendo merda, perdendo inteligência

    nada contra porque não afeta só eles e elas amarelinhos………………………..

    afeta também os políticos de ocasião, maioria de direita pós golpe

    e golpe surgiu daí…………………….

    golpe e lava jato foi para selecionar e separá-los, como se separa gado para o abate

    • quem bolou esbanjou “inteligência”…

      demoníaca ou destruidora………………………………….

      não avançam nem recuam, pois não há mais para onde……………………………

      ( país, espinha dorsal e sociedade sendo completamente destruídas )

  8. O portal do jornal Correio do

    O portal do jornal Correio do Povo, de Porto Alegre, fala que no Rio de Janeiro são centenas de milhares…

  9. Cadê a notícia?

    27/11 – 50 mil na Passeata Paulista- Pça. Roosevelt CONTRA A PEC 55
    04/12 – 15 mil (segundo a Folha de SP) na Paulista a favor do foro privilegiado para juízes.

  10. Aqui no RJ a Globo vez

    Aqui no RJ a Globo vez chamada à cada meia hora.

    Os estudantes ocuparam centenas de escolas e Universidades no país para protestarem contra o corte na educação e contra o PEC 55, a Globo não deu uma nota.

    O problema do Brasil não são os políticos nem coxinhas, esses são vítimas.

     O prolema do Brasil é a Globo.

    Ou acabamos com a Globo, ou a Globo acaba com o Brasil.

    E pensar que o PT teve 13 anos no poder e não fez nada contra essa emissora dá raiva.

  11. Que xadrez nos espera?
    Nassif, alguns dias depois do Moro vazar que pretende passar um ano na corte estadunidense, sua imagem virou outdoors em dezenas de cidades, mas a julgar pelas manifestações deste domingo, em 200 dos 5.572 municípios brasileiros, a República dos Capas Pretas não vai decolar. Nem com todos os meios remanescentes de comunicação convocando a população para sair às ruas em defesa dos promotores e juízes estes lograram ser consagrados pela massa ignara, a mobilização foi um fracasso até na principal e mais decisiva capital de nossos neocapitalistas liberais, pois quando a PM de Geraldinho Santo e Alexadre Morais enxerga 15.000 manifestantes na avenida Paulista, é porquê ali só estiveram cinco mil deles – em que pese a prometida presença de Sérgio Moro no evento. Esbravejar, como os organizadores, que ali compareceram 200.000 manifestantes colide com a melhor foto do dia, mostrando rarefeita concentração entre o MASP e a estação Trianon do metrô, bem como sete palcos ou carros de som às moscas, sem viv’alma por perto. Não se pode dizer que foi o chamado efeito Deltan Dellagnol, apanhado em flagrante comprando dois imóveis destinados aos mais pobres – com renda máxima de R$ 6.000,00 mensais e não dos R$ 80.000,00 que esse procurador de trinta e seis anos ganha mensalmente -, pois a mídia não reverberou tal flagrante falta de ética desse personagem que vive se auto-apregoando ético e religioso. Não se pode igualmente imputar tal fracasso às recentes falas do ex-ministro Joaquim Barbosa e do ministro Gilmar Mendes, pois ninguém ficou sabendo que JB deixou sua mansão de US$ 335.000,00 em Miami, que ele declara haver comprado por dez dólares, para ridicularizar o “impeachment tabajara” que derrubou Dilma; muito menos o povão sequer soube que Gilmar Mendes chamou Moro de “ó do borogodó”, ridicularizando o abuso de autoridade que a seu ver marca a Operação Lava Jato e seu artífice, Moro. Em síntese, as manifestações malogradas deste quatro de dezembro devem ser vistas com cuidado. Talvez tenha sido a proibição de se pedir o “Fora Temer”- pois os dois por cento de intenção de voto que este possuía antes de golpear Dilma devem ter diminuído ainda mais, agora que sua efígie de caixeiro-viajante finório e desonesto é estampada o tempo todo pela tv – ou pode muito bem ser a continuidade do golpe, agora que FHC é chamado de “último estadista do século XX” no blog de um Mesquitinha (por certo se referindo ao OESP e não ao Estado brasileiro…), fazendo recrudescer os rumores de que o ex-presidente poderia ser reentronizado no Planalto por um Congresso Nacional nostálgico dos tempos em que o tucanato o mantinha a salvo do populacho e dos demais poderes. Afinal, quem sabe se ele e Serra, agachados de quatro e sem sapatos, não poderiam convencer Trump a deixar tudo como estava àquela época? Enfim, que xadrez nos espera?

  12. Dois comentários.

    1) Sobre a quantidade de pessoas na manifestação da Paulista hoje.

    Moro encostado ao Parque do Ibirapuera e em uma região marcada pela presença do público das manifestações verde-amarelo e ponto de passagem para se chegar à Avenida Paulista.

    Em março de 2015 o fluxo de pessoas para aquela manifestação foi absurdo, a quantidade de automóveis (principalmente SUV´S) e motos com gente de verde-amarelo, a quantidade de bandeiras do Brasil e pedestres com camisa da CBF, enrolados na bandeira brasileira, etc. foi imensa. Era inacreditável a convergência de pessoas da classe média e média-alta tradicionais a caminho da Paulista e numa mistura de pressa, fúria, barulho, buzinaço e convicção. 13 horas foi a observação.

    A manifestação de abril de 2016 foi numa proporção um pouco menor com o mesmo espírito. 13 horas foi a observação.

    Hoje, o MBL, Vem Pra Rua, Revoltados On Line e com a ajuda da Globonews e a tentativa de dar ao Sérgio Moro e ao Dallagnol o status de heróis nacionais não surtiu o efeito esperado. Não vi nenhum carro indo para a Paulista, nenhuma bandeira do Brasil e nenhum buzinaço. 13 horas foi a observação.

    O que vi hoje foram 3 casais andando a pé. 2 no SESC e 1 voltando da Paulista por volta de 15:30h com uma bandeirinha do Brasil enrolada nas mãos e desanimado.

     

    2) Pequeno comentário/análise sobre o público pequeno nas manifestações verde-amarelo de 4 de dezembro.

    Talvez se explique o público diminuto das manifestações de hoje na produção, por parte da mídia oligopólica, de um público (o dessas manifestações) que se fez a partir do anti e jamais do pró alguém.

    O anti-petismo da mídia oligopólica, misturado com o medo da perda de exclusividade com a ascensão social da classe C e a mistura dela nos espaços sociais exclusivos dessas duas classes médias pôde levar um público grande às ruas.

    O Sérgio Moro e o Dallagnol não, porque eles não são colocados como alvos a serem abatidos, e essa população trabalha com a dicotomia do bem e do mal, o inimigo (Lula) chama mais atenção do que o Herói (Moro) deles.

    E, por isto se pode dizer que numa Eleição esse povo todo vota contra algo e não a favor do Brasil nem se for a favor dele mesmo votar no Governo que lhe deu 40% a mais de renda em 10 anos, apesar da ameaça de perda de exclusividade.

    PS:. Essas pessoas precisam de um alvo para mirar. O Lula e o PT não podem mais ser alvo, fora do Governo estão faz meses, e não existe um outro alvo com esse apelo todo. Renan, Temer, Rodrigo Maia não têm essa força de ser inimigo, penso eu. Não são anti-heróis, eles não têm peso. E não representam o outro lado.

     

  13. Recorde de Público e Sucessão na Rede Globo e no GGN

    O GGN replicando o global, na “calada da noite”, é de dar arrepio até no conde Drácula .

    Quanto ao ato de domingo , com o judiciário de moro e janot envolvidos até a alma e a globo no comando da mídia, investindo todos os recursos convocatórios, exibitórios, propagandísticos e bajulatórios, da coreografia a pauta de ordem (hoje pautaram os coxas amarelas com Renan. Já Temer, Geddel e o caso Calero, não vieram ao caso. Um fracasso de público de carne e osso nas ruas e um sucesso nas telinhas, graças aos efeitos especiais de anabolização de públicos e as vozes superlativas dos pau-mandados, com especial enfase pós-verdade, para os comentaristas da globonews.

    Jogaam pesado com o JN explorando a novela, “Na Calada da Noite”, adotado até pelo GGN, conforme já dito e com Moro e a turma do MPF, entrevista atrás de entrevista, dizendo: “Querem acabar com a Lava Jato”, como se não participassem da pantomina que já tem seu fim decretado, pois a partir de agora as personagens restantes não vem ao caso, como nunca dantes, jamais vieram.

    Mesmo assim, conseguiram um recorde no Rio com 15 mil, em função do comparecimento de tudo quanto é funcionários fura-tetos, na ativa e aposentados, da justiça, do MP e do IR, um desastre preocupante em São Paulo com menos de 13 mil, seguindo-se a esse grande vexame, entre 3 mil e 4 mil, em Brasília e Curitiba, entre 2 mil e 2,9 mil, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre, entre 1 mil e 1,9 mil, Salvador, Fortaleza, Maceió, Goiânia e Campo Grande, e menos de 1 mil, Manaus, Natal, João Pessoa e Aracaju,  100 em São Luis,  

    Para piorar, se você ficar vendo as imagens daquelas “famílias e crianças”, que só comentarista da globo enxerga, sem óculos escuros o branco neve dos marchantes de direita, deixará você cego em menos de dez minutos.       

  14. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome