Jimi Hendrix

Por Tamára Baranov – Rio Claro/SP

Jimi Hendrix morreu em Londres, no dia 18 de setembro de 1970, aos 27 anos, em circunstâncias que nunca foram completamente explicadas. Havia passado parte da noite anterior numa festa, onde a amiga Monika Dannemann o pegou. Monika alegou em seu depoimento original que Hendrix teria tomado, sem que ela soubesse, nove comprimidos de um remédio para dormir que ela utilizava. De acordo com Monika, Hendrix ainda estava vivo quando o colocaram na ambulância. Declarações de policiais e paramédicos revelaram que não havia ninguém além de Hendrix no apartamento, e que não apenas ele estava morto há algum tempo quando chegaram à cena, mas também estava totalmente vestido. As letras de uma canção composta por Hendrix e encontradas no apartamento levaram Eric Burdon, vocalista e líder da banda ‘The Animals’, a fazer um anúncio prematuro no programa da BBC, de que Hendrix teria cometido suicídio. Depois de um processo por difamação movido em 1996, pela namorada inglesa de Hendrix, Kathy Etchingham, Monika Dannemann cometeu suicídio.

Por ser incapaz de ler ou escrever a música, o estilo inovador de Hendrix criou uma nova forma musical e sua notável ascensão na cena musical aconteceu em apenas quatro curtos anos. A música de Jimi Hendrix abraçou as influências de uma variedade de estilos que continuam a fazer dele uma das figuras mais populares da história da música. Jimi Hendrix foi pioneiro nas possibilidades explosivas da guitarra elétrica. Canhoto, tocava uma guitarra para destros virada ao contrário, e a isso se deve parte do seu estilo único. Ajudou a desenvolver a técnica, até então indesejada, da microfonia e foi um dos músicos que popularizou o pedal wah-wah no rock popular. E assim, a sua linguagem musical continua ainda hoje, a influenciar uma série de músicos modernos.

Leia também:  Música é vida, por Aquiles Rique Reis

Ao single de estréia ‘Hey Joe’, de 1967, segui-se o lançamento do álbum ‘Are You Experienced’, com hinos de uma geração, que se transformou em um dos álbuns de rock mais populares de todos os tempos. E ‘The Jimi Hendrix Experience’ se tornou uma das mais populares e rentáveis bandas no mundo. Em 1969, no ‘Festival de Woodstock’, Jimi juntou forças com um grupo eclético chamado ‘Gypsy Sun & Rainbows’ e sob efeito de uma dose potente de LSD, tocou a versão improvisada e distorcida de ‘Star Spangled Banner’, o hino nacional dos EUA, acompanhado de sons de guerra, como metralhadoras e bombas, produzidos por sua guitarra, o que levou o público encharcado de lama a um frenesi. Essa execução foi descrita por muitos como a declaração da inquietude de uma geração em relação à sociedade norte-americana, e por outros como uma gozação.

http://www.youtube.com/watch?v=017xZXDdnXE
http://www.youtube.com/watch?v=8Vg40OCt-eg
http://www.youtube.com/watch?v=eXG8Jg3ETJw
http://www.youtube.com/watch?v=IPtv14q9ZDg

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome