Eu sou pobre, pobre, demavé, mavé, mavé…, por Luciano Hortencio

Fiz eu mesmo as vozes da mãe pobre, da rica e da filha pobre que ficou rica. Tenham paciência. Afinal já vou completar 70 anos.

Eu sou pobre, pobre, demavé, mavé, mavé…, por Luciano Hortencio

Essa cantiga de roda era cantada, aqui em Fortaleza, dividindo-se a meninada em grupo: As mães pobres, as ricas e o último que faz o papel da filha que era pobre e ficou rica.

Seria interessante ser interpretada por vozes femininas e distintas, porém sou meio avexado e não tenho paciência de esperar. Fiz eu mesmo as vozes da mãe pobre, da rica e da filha pobre que ficou rica. Tenham paciência. Afinal já vou completar 70 anos. luciano

Nesse PDF há o artigo Ressonâncias Francesas no Folclore Brasileiro, da autoria de Renato de Almeida. Vale a pena conferir.

http://hemeroteca.ciasc.sc.gov.br/jor…

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora