A dura crítica do The Economist à política de segurança de Bolsonaro-Moro

Em sua edição impressa, a revista britânica The Economist faz uma duríssima crítica à política de segurança de Bolsonaro-Moro e diz que não se combate bandidos com bandidos.

Em sua edição impressa, a revista britânica The Economist faz uma duríssima crítica à política de segurança de Bolsonaro-Moro e diz que não se combate bandidos com bandidos.

Do The Economist

Jair Bolsonaro não vai derrotar o crime no Brasil ao tolerar milícias

Como Rodrigo Duterte nas Filipinas, ele acha que mais violência é a resposta

Jair bolsonaro , presidente do Brasil, foi eleito no ano passado com a promessa de livrar seu país de um trio de pragas: estagnação econômica, corrupção e violência repugnante. Para os moradores do Rio de Janeiro, o último deles é mais urgente. O número de assassinatos no estado do Rio chegou a 40 por 100.000 em 2017, 14 vezes mais do que no estado de Nova York. O governo sentiu-se obrigado a enviar o exército, temporariamente, para reprimir o caos. Grande parte da cidade e suas favelas são controladas por criminosos organizados, que são difíceis de processar porque os moradores têm medo de testemunhar contra eles. O senhor deputado Bolsonaro está bem ciente disso. Ele era um deputado federal de sete mandatos para o estado do Rio de Janeiro e tem laços pessoais profundos com a cidade. No entanto, sua receita para combater o crime no Rio e lugares como ele é sem noçãoartigo ).

Em vez de reforçar as instituições da lei e da ordem para que possam restaurar a calma e processar os chefes das gangues, Bolsonaro acha que a maneira de combater a violência é com mais violência. Ele permitiu que mais brasileiros possuíssem e carregassem armas, encorajando-os a enfrentar os próprios criminosos. Ele também quer dificultar a punição de policiais que matam suspeitos. Sob uma proposta, um juiz poderia suspender a sentença de um policial por homicídio se ele agisse por “medo desculpável, surpresa ou emoção intensa”. No entanto, quantos policiais não experimentam “emoções intensas” pouco antes de atirar em alguém? Sem surpresa, o número de tiroteios pela polícia disparou. Nos primeiros quatro meses deste ano, policiais no estado do Rio mataram a tiros quase cinco pessoas por dia. Isso é mais do que toda a polícia nos Estados Unidos costuma matar, enquanto policia uma população 19 vezes maior.

Leia também:  Blogs da direita abusam das fake News para aumentar faturamento

Pior, Bolsonaro sorriu para as milícias – grupos paramilitares que costumam ser dirigidos por policiais atuais e aposentados. Atualmente, essas organizações mafiosas controlam um quarto da área metropolitana do Rio e dominam um pouco menos de um sexto da sua população – cerca de 2 milhões de pessoas. Eles alegam oferecer proteção contra gangues de drogas e prestar serviços a pessoas que moram nas áreas que controlam. Na verdade, eles correm como uma propriedade medieval, extraindo dinheiro dos moradores com a ameaça de violência. Longe de reprimir gangues de traficantes, em alguns lugares eles realizaram leilões nos quais gangues disputam o direito de distribuir seus produtos no território da milícia.

O senhor deputado Bolsonaro não fez nada para impedir as milícias. Ele argumentou, ridiculamente, que eles evitam a violência. Até o ano passado, seu filho mais velho, Flávio, agora senador federal do Rio, empregava a esposa e a mãe de um policial fugitivo acusado de liderar uma milícia chamada “Crime Office”. Dois de seus membros são acusados ​​do assassinato de uma vereadora da oposição. As pesquisas sugerem que a maioria dos moradores teme as milícias, talvez até mais do que as gangues de drogas. Os políticos, no entanto, acham que são úteis. Eles compartilham saques com patronos políticos, apascentam seus apoiadores nas seções eleitorais e intimidam seus oponentes.

Isto não deveria ser necessário, mas se o Sr. Bolsonaro quiser reduzir o crime, ele não deve permitir que policiais administrem sua própria máfia. É difícil promover o respeito pela lei se os policiais puderem matar pessoas e executar as extorsões com impunidade. Também é difícil incutir nos próprios policiais os hábitos necessários do trabalho de detetive do paciente e a coleta imparcial de provas, caso eles consigam fechar um caso simplesmente puxando um gatilho. Evidências de todo o mundo mostram que o crime é menor quando a polícia é confiável; quando os oficiais vêm das áreas onde trabalham, conhecem as pessoas que moram lá e não são vistos como inimigos.

Leia também:  O Abismo Olha para o Brasil, por Arnobio Rocha

No passado, o Rio tinha começado a fazer um trabalho melhor de conter a violência das gangues. Antes da Copa do Mundo de Futebol de 2014, o governo do estado reprimiu as mortes por policiais e tentou o policiamento comunitário. Também prometia melhor infra-estrutura (como água encanada) e melhores serviços (como escolas e centros de juventude). O número de mortes diminuiu. Mas então uma crise fiscal chegou, o dinheiro secou e a campanha para restaurar o Estado de Direito fracassou. Agora o Rio tem um governador que insta a polícia a atirar em criminosos em suas “cabecinhas”.

Balas não resolvem crimes

Em última análise, tornar o Brasil seguro exigirá uma revisão de suas instituições podres e ineficazes. Se o governo oferecesse às pessoas serviços públicos decentes, as tributasse de forma justa e reprimisse a corrupção que impede os gastos do Estado de alcançá-las, a ilegalidade nas favelas acabaria por cair. Infelizmente, há poucos sinais de que o Sr. Bolsonaro ou seus aliados do gatilho feliz tenham paciência para tal tarefa.

Este artigo apareceu na seção Líderes da edição impressa sob o título “Lutando com bandidos com bandidos”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. De fato não houve apenas um artigo do “The Economist”. Foram dois:

    https://www.economist.com/the-americas/2019/05/30/mafias-run-by-rogue-police-officers-are-terrorising-rio

    e

    https://www.economist.com/leaders/2019/05/30/jair-bolsonaro-will-not-defeat-crime-in-brazil-by-tolerating-militias

    No primeiro, citado acima, pode-se mesmo encontrar a referência à prisão de um tio da primeira dama, ocorrida no último 29 de maio.

    “On May 29th President Bolsonaro’s wife’s uncle was arrested on suspicion of ties to an allegedly land-grabbing militia near Brasília. All deny wrongdoing.”

    É de se destacar que nenhum veículo da grande imprensa no Brasil tenha mencionado o fato. Tirando o “Correio Brasiliense”, os demais parecem fazer um silêncio obsequioso em relação ao assunto.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome