A identidade da patroa e o racismo no caso do menino que caiu do 9º andar

Sarí Côrte Real, primeira-dama de Tamandaré, responderá por homicídio culposo. Nas redes sociais, tragédia é associada ao racismo estrutural

Jornal GGN – Um menino de 5 anos, filho de empregada doméstica, entra no elevador parado no quinto andar de um apartamento de luxo no litoral do Recife. A patroa, flagrada pelas câmeras de segurança, sabe que a criança procura pela mãe – que saiu com os cachorros a pedido da própria empregadora – e não intercede. Na sequência, o pequeno chega sozinho ao nono andar, de onde caiu de 35 metros de altura, porque a área próxima da casa de máquinas não tinha tela de proteção.

Trabalhando em plena pandemia de coronavírus, a doméstica Mirtes Renata Souza perdeu o filho Miguel. E precisou vir a público, numa emissora de televisão, para que a identidade da patroa fosse revelada. Até então, a Polícia Civil, que investiga o caso, vinha mantendo o nome de Sari Corte Real em sigilo. Ela é esposa do prefeito de Tamandaré, Sérgio Hacker, do PSB.

“Se fosse eu, meu rosto estaria estampado, como já vi vários casos na televisão. Meu nome estaria estampado e meu rosto estaria em todas as mídias. Mas o dela não pode estar na mídia, não pode ser divulgado”, disse Mirtes à Globo.

 

Presa, Sara pagou fiança de R$ 20 mil e deixou a prisão. Responderá em liberdade à acusação de homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

A negligência da patroa gerou comentários sobre o racismo estrutural nas redes sociais.

A ex-deputada Manuela D’Ávila questionou por que a patroa não foi capaz de acolher e cuidar da criança enquanto a doméstica não estava presente.

 

Leia também:  As políticas da desigualdade racial no Brasil: uma república erguida com cotas para os brancos

 

O deputado federal Valmir Assunção, do PT da Bahia, associou o caso ao “retrato da desigualdade social, de como são tratadas as vidas negras.”

 

A deputada Talíria Petrone endossou.

 

A chef Paola Carossela falou da “complexidade do racismo”.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Homicidio culposo!
    Caso tudo tenha acontecido como alguns relatos que apontam para a patroa permitindo que o menino entrasse sozinho no elevador, alguem poderia me explicar o que existe de acidental na morte de uma criança de 5 anos deixada à sua própria sorte dentro de um elevador?

  2. Porque a moça apertou o botão do 9o. andar e não outro? Porque o menino não saiu do elevador antes de que chegasse ao 9o. andar?

  3. Acidentes mesmo são os que possibilitam a existência de pessoas incapazes de reconhecer como seus semelhantes, outras pessoas tradicionalmente rejeitadas por variados tipos de discriminação. Acidentes mais graves ainda são aqueles em que algumas dessas pessoas, por seu livre arbítrio, não se permite possuir um mínimo sequer, de um resquício da precaução, de diminuto senso da prudência ou de uma ínfima valorização pela segurança e pela vida de seu semelhante. Porém, quando o semelhante é um ser de 5 anos de idade, a justiça maior raramente será feita nesse mundo de barbaridades, em todos os níveis.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome